Follow by Email

segunda-feira, 27 de junho de 2011

CRISES DO SÉCULO XIV: AS DORES DO PARTO

O século XIV foi, sem dúvida, assustador para seus contemporâneos. Um século de dores profundas e de morte fácil.

As guerras feudais se multiplicaram como nunca, sendo a guerra dos Cem Anos (1337-1453), entre ingleses e franceses, apenas, a mais conhecida delas. Muitas outras se revezariam no cenário europeu apocalíptico, tão fartas que, em muitas delas não restava tempo para enterrar seus mortos.

Em meados desse século a peste iria compor o drama com cores pungentes. A mais célebre delas, a “Peste Negra” matou, segundo alguns historiadores europeus, 1/3 da população do continente. Era letal, dolorosa e inclemente. Espalhava-se como fogo em mata seca a partir do contágio da pulga dos ratos, numerosos e audaciosos, que disputavam espaços miseráveis com os seres humanos. Em seguida, o infectado tornava-se, sem saber, agente de propagação da doença através da respiração. A Peste Negra, portanto, era duplamente mortal: bubônica pelos ratos e pneumônica pela respiração.

Em poucos dias grossos bulbos purulentos apareciam inicialmente na virilha e nas axilas, espalhando-se em seguida, por todo o corpo. Esses bulbos com o tempo tornavam-se escurecidos, sugerindo o nome “Peste Negra”. A morte era dolorosa e profundamente solitária, pois, afastar os pestilentos era a única forma real de combate ao contágio.

Atrelada à religião, a medicina tinha parcos conhecimentos sobre epidemias na época, quase todos dominados pela superstição e crendices.

A partir da segunda metade do século, crises agudas de fome espalharam-se pelos quatro cantos do continente europeu. Sucessivas secas e inundações (será o “El Nino) arrasaram colheitas inteiras por inúmeras estações. Em alguns lugares, como na Escócia, foram encontradas, recentemente, provas de que o canibalismo tornou-se uma prática comum diante do desespero da morte lenta por inanição.

Mas por que tantas dores numa mesma época, relativamente curta?

Além das várias explicações científicas e antropológicas, uma coisa parece evidente.

Eram as dores do parto.

O mundo feudal e suas velhas relações econômicas e de vassalagem estava nos estertores de sua limitação, enquanto o capitalismo, impulsionado desde o início das Cruzadas, no século XII, buscava espaço. Estava nascendo um novo mundo.

Entretanto, o homem jamais deixa de acreditar. E ainda no século XIV, lentamente, nas dobras das ruínas do mundo antigo, um movimento começava a nascer.

Misturado com bulbos, canibalismos e guerras cruentas, o Renascimento surgiria trazendo consigo todo um conjunto de novos valores humanistas, antropocentristas e burgueses.

O homem sobreviveria às dores da morte do mundo velho e do parto do mundo novo, a partir da substituição do pensamento religioso predominante nas velhas relações, pelo pensamento do “homem no centro” nas buscas de explicações.

Na pintura, escultura, astronomia, medicina, enfim, em todas as áreas do conhecimento e das artes, as mudanças seriam irreversíveis.

A nova economia não poderia funcionar com a mentalidade tacanha das atividades meramente primárias e subordinadas à fé.

E o mundo mudou.

Não será que as crises de nosso tempo, que afligem economias, antes dominantes, que testemunham mudanças climáticas e planetárias, que atingem profundamente o comportamento humano, não seriam também, as dores de um novo parto?

Se assim for, cabe a nós, os que acreditam na liberdade, e na força revolucionária de cada ser humano, construir nosso novo Renascimento.

E que seja um renascimento de esperança, de igualdade, de solidariedade e de paz.

Prof. Péricles

domingo, 26 de junho de 2011

ESTADOS UNIDOS, "EM DEFESA" DA LIBERDADE

Para os que ainda acreditam no discurso dos governos dos Estados Unidos de que seu país procura promover a paz mundial e a defesa da democracia, relacionamos ações bélicas e invasões patrocinadas por esse país, apenas nas duas últimas décadas.

1990 LIBÉRIA: Tropas invadem a Libéria justificando a evacuação de
estrangeiros durante guerra civil;

1990/1991IRAQUE: Após a invasão do Iraque ao Kuwait, em 2 de agosto de
1990, os Estados Unidos, com o apoio de seus aliados da Otan, decidem impor
um embargo econômico ao país, seguido de uma coalizão anti-Iraque (reunindo
além dos países europeus membros da Otan, o Egito e outros países árabes)
que ganhou o título de "Operação Tempestade no Deserto". As hostilidades
começaram em 16 de janeiro de 1991, um dia depois do fim do prazo dado ao
Iraque para retirar tropas do Kuwait. Para expulsar as forças iraquianas do
Kuwait, o então presidente George Bush destacou mais de 500 mil soldados
americanos para a Guerra do Golfo;

1990/1991 ARÁBIA SAUDITA: Tropas americanas destacadas para ocupar a
Arábia Saudita que era base militar na guerra contra Iraque;

1992/1994 SOMÁLIA: Tropas americanas, num total de 25 mil soldados,
invadem a Somália como parte de uma missão da ONU para distribuir
mantimentos para a população esfomeada. Em dezembro, forças militares
norte-americanas (comando Delta e Rangers) chegam a Somália para intervir
numa guerra entre as facções do então presidente Ali Mahdi Muhammad e tropas
do general rebelde Farah Aidib. Sofrem uma fragorosa derrota militar nas
ruas da capital do país;

1993 IRAQUE: No início do governo Clinton é lançado um ataque contra
instalações militares iraquianas em retaliação a um suposto atentado, não
concretizado, contra o ex-presidente Bush, em visita ao Kuwait;

1994/1999 HAITI: Enviadas pelo presidente Bill Clinton, tropas americanas
ocuparam o Haiti na justificativa de devolver o poder ao presidente eleito
Jean-Betrand Aristide, derrubado por um golpe, mas o que a operação visava
era evitar que o conflito interno provocasse uma onda de refugiados
haitianos nos Estados Unidos;

1996/1997 ZAIRE (ex-República do Congo: Fuzileiros Navais americanos são
enviados para invadir a área dos campos de refugiados Hutus;

1997 LIBÉRIA: Tropas dos Estados Unidos invadem a Libéria justificando a
necessidade de evacuar estrangeiros durante guerra civil sob fogo dos
rebeldes;

1997 ALBÂNIA: Tropas invadem a Albânia para evacuar estrangeiros;

2000 COLÔMBIA: Marines e "assessores especiais" dos EUA iniciam o Plano
Colômbia, que inclui o bombardeamento da floresta com um fungo transgênico
fusarium axyporum (o "gás verde");

2001 AFEGANISTÃO: Os EUA bombardeiam várias cidades afegãs, em resposta
ao ataque terrorista ao World Trade Center em 11 de setembro de 2001.
Invadem depois o Afeganistão onde estão até hoje;

2003 IRAQUE: Sob a alegação de Saddam Hussein esconder armas de
destruição e financiar terroristas, os EUA iniciam intensos ataques ao
Iraque. É batizada pelos EUA de "Operação Liberdade do Iraque" e por Saddam
de "A Última Batalha", a guerra começa com o apoio apenas da Grã-Bretanha,
sem o endosso da ONU e sob protestos de manifestantes e de governos no mundo
inteiro. As forças invasoras americanas até hoje estão no território
iraquiano, onde a violência aumentou mais do que nunca.

Isso sem contar as ações desses campeões da liberdade de apoio, fomento, articulação de golpes e manutenção de regimes autoritários, como as Ditaduras da América do Sul, incluindo o Brasil.

D. HELDER CÂMARA, IRMÃO POR PARTE DE PAI

O arcebispo Dom Helder Câmara (1909-1999) é figura singular na história da Igreja Católica no Brasil. Diminuto, magérrimo, poucos o superavam em oratória: adornava as idéias com gestos efusivos e um senso de humor incomum ao se tratar de bispos. Por onde andasse, lotava auditórios: Paris, Nova York, Roma... Entre os anos de 1960-80, apenas dois brasileiros gozavam de ampla popularidade no exterior: Pelé e Dom Helder.

HÁBITOS SIMPLES

Desde seus tempos de seminarista em Fortaleza - nascera em Messejana, hoje bairro da capital cearense - Dom Helder cultivava hábitos incomuns: deitava-se por volta das dez ou onze da noite, levantava-se às duas da madrugada, trocava a cama por uma cadeira de balanço, na qual orava, meditava, lia e escrevia cartas e poemas. Todos os seus livros foram concebidos naquele momento de "vigília", como dizia. As quatro retornava ao leito, dormia por mais uma hora para, em seguida, celebrar missa e iniciar seu dia de trabalho.

SENSO DE OPORTUNIDADE

Para angariar recursos a suas obras, Dom Helder não titubeava em comparecer a programas de auditório de grande audiência televisiva. Certa ocasião foi convidado por um apresentador para sortear prendas expostas no palco e vistas por todos, exceto pela pessoa trancada numa cabine opaca. Calhou de ser um desempregado. "Seu Joaquim, o senhor troca isto por aquilo?" E sem nomear o objeto, Dom Helder apontava um liquidificador e, em seguida, um carro. Seu Joaquim respondia "sim" e toda a platéia vibrava. Em seguida, Dom Helder indagou se trocava o carro por um abridor de latas. O homem topou. E não mais arredou pé, cismou que escolhera a melhor prenda. Ao sair da cabine, recebeu dos patrocinadores, decepcionado, o abridor. E Dom Helder mereceu um polpudo cheque. O arcebispo não teve dúvidas: "Seu Joaquim, o senhor troca este cheque pelo abridor?"

No dia seguinte, no Palácio São Joaquim, onde funcionava a cúria do Rio, criticamos Dom Helder por ter aberto mão de um recurso que poderia reforçar suas obras sociais. Ele justificou-se: "Perdi o cheque, ganhei em publicidade. Esperem para ver quanto dinheiro vou angariar."

VISÃO EMPREENDEDORA

Homem carismático, dotado de forte espírito gregário, era difícil alguém - incluído quem o criticava - não se deixar envolver pela energia que dele emanava no contato pessoal. JK quis que se candidatasse a prefeito do Rio. Dom Helder jamais aceitou meter-se em política partidária; bastava-lhe, como lição, o erro de juventude, quando demonstrou simpatia pelos integralistas.

Por sua iniciativa, foram fundados, em 1955, o CELAM - Conselho Episcopal Latino-Americano que congrega e representa os bispos do nosso Continente, e a CNBB - Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, pólo articulador dos prelados de nosso país, do qual ele foi o primeiro secretário-geral.

BISPO VERMELHO

Numa época em que não havia Igreja progressista nem Teologia da Libertação, Dom Helder, graças à sua sensibilidade social e sua opção pelos pobres, era tido por comunista, difamação acentuada após a implantação da ditadura militar no Brasil, em 1964. Costumava comentar: "Se defendo os pobres, me chamam de cristão; se denuncio as causas da pobreza, me acusam de comunista".

Em 1972 o nome de Dom Helder despontou como forte candidato ao Prêmio Nobel da Paz. Há fortes indícios de que não foi laureado por duas razões: primeiro, pressão do governo Médici. A ditadura se veria fortemente abalada em sua imagem exterior caso ele fosse premiado. Mesmo dentro do Brasil Dom Helder era considerado persona non grata. Censurado, nada do que o "arcebispo vermelho" falava era reproduzido ou noticiado pela mídia de nosso país.

A outra razão: ciúmes da Cúria Romana. Esta considerava uma indelicadeza, por parte da comissão norueguesa do Nobel da Paz, conceder a um bispo do Terceiro Mundo um prêmio que deveria, primeiro, ser dado ao papa...

No Recife, Dom Helder lançou a Operação Esperança: promoveu reforma agrária nas terras da arquidiocese; passou a visitar favelas, mocambos e bairros pobres; estreitou laços com artistas, universitários e intelectuais.

HOMEM DE FÉ

Um dia, o governo militar, preocupado com a segurança do arcebispo de Olinda e Recife, temendo que algo acontecesse a ele - um atentado ou "acidente" - e a culpa recaísse sobre o Planalto, enviou delegados da Polícia Federal para lhe oferecer um mínimo de proteção. Disseram-lhe: "Dom Helder, o governo teme que algum maluco o ameace e a culpa recaia sobre o regime militar. Estamos aqui para lhe oferecer segurança".

Dom Helder reagiu: "Não preciso de vocês, já tenho quem cuide de minha segurança". "Mas, Dom Helder, o senhor não pode ter um esquema privado. Todos que dispõem de serviço de segurança precisam registrá-lo na Polícia Federal. Esta equipe precisa ser de nosso conhecimento, inclusive devido ao porte de armas. O senhor precisa nos dizer quem são as pessoas que cuidam da sua segurança."

Dom Helder retrucou: "Podem anotar os nomes: são três pessoas, o Pai, o Filho e o Espírito Santo."

A mulher bateu na igreja das Fronteiras: "Dom Helder, pelo amor de Deus, vem comigo, lá na delegacia do bairro estão matando meu marido a pancadas." O prelado a acompanhou. Ao chegar lá, o delegado ficou assustadíssimo: "Eminência, a que devo a honra de sua visita a esta hora da noite?"

Dom Helder explicou: "Doutor, vim aqui porque há um equívoco. Os senhores prenderam meu irmão por engano." "Seu irmão?!" "É, fulano de tal - deu o nome - é meu irmão". "Mas, Dom Helder - reagiu o delegado perplexo -, o senhor me desculpe, mas como podia adivinhar que é seu irmão. Os senhores são tão diferentes!"

Dom Helder se aproximou do ouvido do policial e sussurrou: "É que somos irmãos só por parte de Pai". "Ah, entendi, entendi." E liberou o homem.

De fato, irmãos no mesmo Pai.

PERSEGUISÕES E DIREITOS HUMANOS

Durante o regime militar, Dom Helder moveu intensa campanha no exterior de denúncia de violações dos direitos humanos. O governador de São Paulo, Abreu Sodré, tentou criminalizá-lo. Alegava ter provas de que Dom Helder era financiado por Cuba e Moscou. Alguns bispos ficavam sem saber como agir, como foi o caso do cardeal de São Paulo, Dom Agnelo Rossi, amigo do governador e de Dom Helder. Não foi capaz de tomar uma posição firme na contenda. Mais tarde a denúncia caiu no vazio, não havia provas, apenas recortes de jornais.

Se hoje, na Igreja, se fala de direitos humanos, especificamente na Igreja do Brasil, que tem uma pauta exemplar de defesa desses direitos, apesar de todas as contradições, isso se deve ao trabalho de Dom Helder. Nenhum episcopado do mundo tem agenda semelhante à da CNBB na defesa dos direitos humanos. A começar pelos temas anuais da Campanha da Fraternidade: idoso, deficiente, criança, índio, vida, segurança etc. Neste ano de 2010, economia. Isso é realmente um marco, algo já sedimentado. Também as Semanas Sociais, que as dioceses, todos os anos, promovem pelo Brasil afora, favorecem a articulação entre fé e política, sem ceder ao fundamentalismo.

A Igreja Católica e o Brasil devem muito a Dom Helder Câmara, que desclandestinizou a pobreza existente em nosso país e induziu poder público e cristãos a encarar com seriedade os direitos dos pobres à vida digna e feliz. O profeta nascido em Messejana foi, sim, um autêntico discípulo de Jesus Cristo.



Fonte: http://www.freibetto.org
Frei Betto é escritor, autor do romance "Um homem chamado Jesus" (Rocco), entre outros livros. Twitter:@freibetto

domingo, 19 de junho de 2011

O DISCURSO DE MÁRCIO MOREIRA ALVES

O ano de 1968 foi conturbado e decisivo para os destinos do Brasil sob o regime militar.

Enquanto a situação econômica assustava os generais, a reação contra o regime crescia nas ruas de todo o país.

Estudante morto durante protesto pacífico, passeata de cem mil pessoas, e um crescente desejo de retorno à normalidade política, colocava os senhores do sistema na parede.

Era preciso, segundo os mentores do golpe, promover um ato de extrema força para garantir mais tempo no poder.

Esse ato foi o AI-5. A “desculpa”? Bem, a “desculpa” para a publicação do AI-5 acabou sendo um discurso pronunciado no Congresso Nacional por um de seus deputados.

Márcio Moreira Alves nasceu no Rio de Janeiro, em 14 de julho de 1936. Era portanto um jovem político de 32 anos quando esses fatos aconteceram.

Iniciou trabalho como Jornalista aos 17 anos, sendo correspondente de guerra em 1956 na crise da nacionalização do Canal de Suez.

Em 1963 bacharelou-se em ciências jurídicas e sociais pela UERJ.

Em novembro de 1966, com 30 anos, foi eleito deputado federal pela Guanabara.
Tornou-se um dos maiores opositores da ditadura imposta em 1964.
No fim de agosto do fantástico ano de 1968, forças da repressão fecharam a universidade de Minas Gerais e invadiram a UNB (Universidade de Brasília) causando profunda revolta no jovem deputado.
Alinhado com a juventude estudantil, pronunciou, em 2 de setembro, o famoso discurso que entraria para a história.

Nele Márcio Moreira Alves conclama o povo brasileiro a boicotar as festividades de comemoração da independência de 7 de setembro. Segundo ele, essa era uma forma adequada, de mostrar aos militares ilegitimamente no poder, toda a indignação e revolta contra o autoritarismo.

“As cúpulas militaristas procuram explorar o sentimento profundo de patriotismo do povo e pedirão aos colégios que desfilem junto com os algozes dos estudantes. Seria necessário que cada pai, cada mãe, se compenetrasse de que a presença dos seus filhos nesse desfile é o auxílio aos carrascos que os espancam e os metralham nas ruas. Portanto, que cada um boicote esse desfile”.

Em outro trecho, talvez o que mais enfureceu as “autoridades” Márcio lança um pedido às namoradas, noivas e esposas dos militares:
“Esse boicote pode passar também, sempre falando de mulheres, às moças. Aquelas que dançam com cadetes e namoram jovens oficiais. Seria preciso fazer hoje, no Brasil, que as mulheres de 1968... Recusassem aceitar aqueles que silenciam e, portanto, se acumpliciam. Discordar em silêncio pouco adianta. Necessário se torna agir contra os que abusam das forças armadas, falando e agindo em seu nome.”

O pronunciamento foi considerado pelos ministros militares como ofensivo ''aos brios e à dignidade das forças armadas''. Em 12 de outubro foi pedida sua cassação no Congresso Federal por “uso abusivo do direito de livre manifestação”.

No dia 11 de dezembro, talvez pela primeira vez desde 31 de março de 1964, o Congresso levantou a cabeça e agiu com coragem. Por 216 votos contra e 141 a favor, o plenário recusou pedido para processar o deputado do MDB. Quando da leitura do resultado, os deputados deram-se as mãos, e, alguns com lágrimas nos olhos, cantaram o hino Nacional.

No dia seguinte, sexta-feira 13 de dezembro de 1968, o Genral Costa e Silva editava o AI-5.

Em 30 de dezembro foi divulgada a primeira lista de cassações do AI-5 e por quem era encabeçada? Pelo deputado do discurso maldito. Antes do final daquele ano, Márcio deixou clandestinamente o país, rumo ao Chile (onde ficou até 1971) e vários outros países depois.

Com a Lei da Anistia, retornou ao Brasil em setembro de 1979. Apesar de candidatar-se duas vezes à Câmara dos Deputados, não conseguiu se eleger.

Em 3 de abril de 2009, dois dias depois dos 45 anos do Golpe Civil-Militar, Márcio Moreira Alves morreu após sofrer um AVC (acidente vascular cerebral).
Apesar disso, dizem que seu discurso ainda ecoa nas paredes do Congresso Nacional...ou pelo menos, nos corações dos que amam a liberdade.

quinta-feira, 16 de junho de 2011

A VACA ARGENTINA

O leite produzido pela vaca argentina Rosita - o primeiro bovino a obter genes humanos incorporados ao seu código genético - se assemelhará em grande parte ao leite materno humano, com propriedades antibacterianas e antivirais de grande impacto no sistema imunológico dos bebês.

Segundo os cientistas, quando Rosita chegar à idade adulta, seus genes serão capazes de codificar as mesmas proteínas presentes no leite materno.

A vaca foi apresentada em teleconferência com a Casa Rosada, sede do governo argentino, onde a presidente Cristina Kirchner disse ter rejeitado a "homenagem" de ver a vaca batizada com seu nome. "Que mulher gostaria de ter seu associado a um vaca? pergunta ela"

O objetivo é elevar o valor nutritivo do leite bovino através da produção da proteína lactoferrina - que é antibacteriana e antiviral - e da lisozima - também atibacteriana, disseram os responsáveis pelo programa em coletiva de imprensa.

Esse feito poderá ser de grande importância para as mães e seus bebês e ainda para a questão de falta de alimentos em geral.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

A DITADURA MILITAR E OS AIs

Os Ais (Atos Institucionais) foram instrumentos jurídicos criados pela Ditadura Militar para impor sua vontade acima de qualquer outro instrumento jurídico, democrático e legítimo. Foi, em resumo, a forma que os militares encontraram para determinar suas decisões sem oposição jurídica.

Eram temidos e suas publicações se cercavam de ansiedade e espectativa.

Entre 1964 e 1969 foram promulgados 17 atos institucionais, regulamentados por 104 atos complementares; dentre eles, os mais importantes:

AI-1 - O primeiro Ato Institucional, editado em 09 de abril de 1964, por uma junta formada pelos ministros militares, visava a aumentar os poderes do executivo. Dava poderes ao regime militar para cassar mandatos, suspendendo os direitos políticos por dez anos. O ato vinha acompanhado de uma lista de cassados, incluindo o presidente deposto João Goulart e ainda, Luiz Carlos Prestes, Juscelino Kubitschek, Jânio Quadros e Leonel Brizola. O expurgo atingiu governadores, 50 deputados, 49 juízes, 1200 militares e 1400 civis.
Outras determinações nefastas: Demissão de funcionários públicos (civis ou militares) leais ao antigo governo e prisões de opositores, além de estabelecer as eleições indiretas para presidente da república. O AI-1 vigorou até 11 de junho de 1964.

AI-2 – Em 27 de outubro de 1965 foi editado o AI-2, estabelecia-se que as eleições para presidente seriam de forma indireta e sem possibilidades de reeleição; dissolvia os partidos existentes desde 1945, criando o bipartidarismo: ARENA (Aliança Renovadora Nacional) – partido do governo e MDB (Movimento Democrático Brasileiro) – oposição ao governo (oposição consentida pelo próprio governo). Para garantir a maioria do governo no STF (Supremo Tribunal Federal), o AI-2 aumentava o número de ministros de 11 para 16. O governo tem, também, autorização para fechar órgãos legislativos.

AI-3 - foi editado em 5 de fevereiro de 1966. Definiu as eleições indiretas para os governadores dos estados e indicação pelos governadores, de prefeitos de capitais e cidades estratégicas.

AI-4 - em Dezembro de 1966 o Congresso Nacional foi convocado às pressas, para “votação e promulgação” imediata do Projeto de Constituição, que revogava definitivamente a Constituição de 1946.

O AI-5 – O mais abominável dos atos, instrumento de um autoritarismo fascista, foi divulgado no dia 13 de dezembro de 1968 (uma sexta-feira 13) após uma reunião do Conselho de Segurança Nacional. Foi o ápice de uma crise que se arrastava ao logo de todo ano que incluiu a morte de um estudante durante uma passeata (Edson Luis), a Passeata dos Cem mil e o caso Márcio Moreira Alves. Entre outras aberrações aboliu o habeas corpus aos presos políticos, legalizando a tortura, suspendeu por dez anos os direitos políticos, fechou o Congresso por tempo indeterminado, deu Direito ao executivo de legislar por decreto e baixar outros Atos Institucionais.
O AI-5 já foi definido como o golpe dentro do golpe, pois ratificou a ala dura no poder, afastando os elementos da ala branda que defendiam o fim do movimento. Pelo contrário, o AI-5 representou o início da pior parte do pesadelo. Período definitivamente incorporado à figura do General Presidente Emílio Garrastazu Médice (1969-1974).

Na esteira do AI-5, foi promulgado em 1969 o AI-14, que estabelecia a pena de morte, a prisão perpétua e o banimento do país dos que eram considerados terroristas e atentavam contra a nova Lei de Segurança Nacional.

domingo, 12 de junho de 2011

PARA QUE NUNCA MAIS ACONTEÇA

A tortura como forma de eliminação do inimigo, obtenção de informação, maneira de impor o temor entre outros objetivos macabros, não é novidade na história humana. Foi praticada por egípcios, mesopotâmios e grandes impérios da antiguidade, com destaque para o Império de Roma. Foi, também, prática comum na Idade Média, especialmente pela Igreja, que, aliás, inovou, criando técnicas de tortura que serviram de inspiração para a maioria dos torturadores que vieram depois. A Inquisição foi pródiga de crueldade e homens como Torquemada marcaram seus nomes na história da desumanidade.

No Brasil e na América Espanhola colonial, tortura foi usada como praxe principalmente para coibir qualquer tipo de oposição aos desejos da metrópole.
O líder índio peruano, Tupac Amaru, por exemplo, foi esfolado vivo antes da execução fatal.

Em nosso país, no século XX, a tortura foi amplamente praticada nos dois maiores períodos ditatoriais que vivemos: do Estado Novo (1937-1945) e do regime militar (1964-1985), banalizando-se e sendo institucionalizada neste último.

A “ideologia” da tortura teve como base a Lei de Segurança Nacional, alicerçada no pensamento de que havia um “inimigo interno” a derrotar. A pátria deveria ser defendida de comunistas, homens que comiam criancinhas, pregavam o ateísmo e destruíam as igrejas e os conceitos familiares.

Essa doutrina, nascida na França e adotada pelos Estados Unidos, foi aplicada no Brasil com fervor, e segundo seus seguidores, justificava o uso da tortura.

O governo militar jamais admitiu que houvesse tortura no Brasil, o presidente Castelo Branco chegou a negar publicamente a existência de truculência em seu governo. De certa forma, podemos até concluir, passados 26 anos do fim da Ditadura e tantas evidências e histórias dramáticas depois, que o uso da tortura é o que mais incomoda e envergonha os defensores daqueles tempos, especialmente, entre os militares.

Certo, porém é que, não será negando sua existência que poderemos fechar as cicatrizes que o uso da tortura deixou no país.

Apresentamos a seguir, algo nada agradável, mas, infelizmente histórico: os métodos de tortura utilizados pela Ditadura Militar e seu aparato de repressão. Não estão listadas todas as formas utilizadas,evidente, apenas, as mais tristemente celébres.

Lembramos ainda que, os métodos de tortura variavam entre tortura física e tortura psicológica, e ainda que, tais métodos receberam nomes simbólicos e, na maioria das vezes, irônicos.

PAU-DE-ARARA: O preso era posto nu, abraçando os joelhos e com os pés e as mãos amarradas. Uma barra de ferro era atravessada entre os punhos e os joelhos. Nesta posição a vítima era pendurada entre dois cavaletes, ficando a alguns centímetros do chão. A posição causava dores e atrozes no corpo. O preso ainda sofria choques elétricos, pancadas e queimaduras com cigarro. Este método de tortura já existia na época da escravidão, sendo utilizado em várias fases sombrias da história do Brasil.

CADEIRA DO DRAGÃO: Os presos eram sentados nus em uma cadeira elétrica, revestida de zinco, ligada a terminais elétricos. Uma vez ligado, o zinco do aparelho transmitia choques a todo o corpo do supliciado. Os torturadores complementavam o mecanismo sinistro enfiando um balde de metal na cabeça da vítima, aplicando-lhe choques mais intensos.

CHOQUESELÉTRICOS:O torturador usava um magneto de telefone, acionado por uma manivela, conforme a velocidade imprimida, a descarga elétrica podia ser de maior ou menor intensidade. Os choques elétricos eram deferidos na cabeça, nos membros superiores e inferiores e nos órgãos genitais, causando queimaduras e convulsões, fazendo muitas vezes, o preso morder a própria língua. As máquinas usadas nesse método de tortura eram chamadas de "maricota" ou "pimentinha".

BALÉ NO PEDREGULHO: O preso era posto nu e descalço em local com temperatura abaixo de zero, sob um chuveiro gelado, tendo no piso pedregulhos com pontas agudas, que perfuravam os pés da vítima. A tendência do torturado era pular sobre os pedregulhos, como se dançasse, tentando aliviar a dor. Quando ele "bailava", os torturadores usavam da palmatória para ferir as partes mais sensíveis do seu corpo.

TELEFONE: Entre as várias formas de agressões que eram usadas, uma das mais cruéis era o vulgarmente conhecido como "telefone". Com as duas mãos em posição côncava, o torturador, a um só tempo, aplicava um golpe violento nos ouvidos da vítima. O impacto era tão violento, que rompia os tímpanos do torturado, fazendo-o perder a audição.

AFOGAMENTO NA CALDA DA VERDADE: A cabeça do torturado era mergulhada em um tambor, balde ou tanque cheio de água, urina, fezes e outros detritos. A nuca do preso era forçada para baixo, até o limite do afogamento na "calda da verdade". Após o mergulho, a vítima ficava sem tomar banho vários dias, até que o seu cheiro ficasse insuportável. O método consistia em destruir toda a auto-estima do torturado.


AFOGAMENTO COM CAPUZ: A cabeça do preso era encapuzada e afundada em córregos ou tambores de águas paradas e apodrecidas. O prisioneiro ao tentar respirar, tinha o capuz molhado a introduzir-se nas suas narinas, levando-o a perder o fôlego, produzindo um terrível mal-estar. Outra forma de afogamento consistia nos torturadores fecharem as narinas do preso, pondo-lhe, ao mesmo tempo, uma mangueira ou um tubo de borracha dentro da boca, obrigando-o a engolir água.

MAMADEIRA DE SUBVERSIVO: Era introduzido na boca do preso um gargalo de garrafa, cheia de urina quente, normalmente quando o preso estava pendurado no pau-de-arara. Usando uma estopa, os torturadores comprimiam a boca do preso, obrigando-o a engolir a urina.

SORO DA VERDADE: Era injetado no preso pentotal sódico, uma droga que produz sonolência e reduz as inibições. Sob os efeitos do "soro da verdade", o preso contava coisas que sóbrio não falaria. De efeito duvidoso, a droga pode matar.

MASSAGEM: O preso era encapuzado e algemado, o torturador fazia-lhe uma violenta massagem nos nervos mais sensíveis do corpo, deixando-o totalmente paralisado por alguns minutos. Violentas dores levavam o preso ao desespero.

GELADEIRA: O preso era posto nu em cela pequena e baixa, sendo impedidos de ficar de pé. Os torturadores alternavam o sistema de refrigeração, que ia do frio extremo ao calor exacerbado, enquanto alto-falantes emitiam sons irritantes. A tortura na "geladeira" prolongava-se por vários dias, ficando ali o preso sem água ou comida.

As mulheres, além de sofrer as mesmas torturas, eram estupradas e submetidas a realizar as fantasias sexuais dos torturadores. Poucos relatos apontaram para os estupros em homens, se houveram, muitos por vergonha, esconderam esta terrível verdade.

O modelo de tortura empregado pelos órgãos de informação da ditadura militar chegou a ser exportado para alguins países asiáticos, onde governos repressivos assumiram o poder. Curiosamente, países que adotaram regimes socialistas, como o Camboja, foram os que "importaram" os métodos da direita brasileira.

O Brasil precisa tratar suas feridas. É necessário, é urgente, que a população brasileira saiba, tudo o que realmente aconteceu no período negro da ditadura militar. Sem sentimentos de vingança, que nada constroem, mas num sentido de justiça e de reparação das memórias, PARA QUE ISSO NUNCA MAIS ACONTEÇA NO BRASIL.

Prof. Péricles
Fonte: http://www.torturanuncamais-rj.org.br

sábado, 11 de junho de 2011

IMPRENSA: OS "DEFENSORES" DA DEMOCRACIA

Sempre que se cogita debater o papel e a atuação da imprensa no Brasil, a mesma reage com truculência e trata de convencer seu público que a democracia está a perigo.

No jargão grotesco dos meios de comunicação imprensa = liberdade, ou imprensa = democracia, de tal maneira que qualquer proposta de discussão é imediatamente rotulada como medida autoritária e um perigo que aponta para o retorno da ditadura.

Não comentam, por exemplo, que, medidas de controle social da imprensa são rotina em países como Estados Unidos e França, cá pra nós, de tradição democrática bem maior do que a nossa.

Na verdade é uma jogada ensaiada dos senhores do quarto poder.

Eles não querem que a sociedade civil tenha qualquer poder de análise sobre o que se publica e o que se vende ao consumidor de notícias e de comentários.

Por falar nisso, esses senhores da imprensa são tão arrogantes em suas prerrogativas que chegaram a criar o termo “formadores de opinião” para definir seu trabalho.

Já que eles adotaram a simbiose imprensa/democracia, quem sabe a gente recorda como essa imprensa, democrática, defensora da liberdade, agiu durante o golpe militar?

Abaixo vocês terão alguns textos desses órgãos de comunicação a partir de pesquisa da jornalista Cristiane Costa, publicada no seu Blog BrHistória.

Não se surpreenda. Cinismo não tem limites.

Obs. Desaconselhável para quem tem estômago frágil:
-----------------------------------------------------

Ressurge a Democracia! Vive a Nação dias gloriosos. Graças à decisão e ao heroísmo das Forças Armadas que, obedientes a seus chefes, o Brasil livrou-se do governo irresponsável, que insistia em arrastá-lo para rumos contrários à sua vocação e tradições. Como dizíamos, no editorial de anteontem, a legalidade não poderia ter a garantia da subversão, a ancora dos agitadores, o anteparo da desordem.
(O Globo - Rio de Janeiro - 4 de Abril de 1964)

Salvos da comunização que celeremente se preparava, os brasileiros devem agradecer aos bravos militares que os protegeram de seus inimigos. Este não foi um movimento partidário. Dele participaram todos os setores conscientes da vida política brasileira, pois a ninguém escapava o significado das manobras presidenciais
(O Globo - Rio de Janeiro - 2 de abril de 1964)

Escorraçado, amordaçado e acovardado, deixou o poder como imperativo de legítima vontade popular o Sr João Belchior Marques Goulart, infame líder dos comuno-carreiristas-negocistas-sindicalistas.
(Tribuna da Imprensa - Rio de Janeiro - 2 de abril de 1964)


A paz alcançada. A vitória da causa democrática abre o País a perspectiva de trabalhar em paz e de vencer as graves dificuldades atuais. Assim o querem as Forças Armadas, assim o quer o povo brasileiro e assim deverá ser, pelo bem do Brasil
(Editorial de O Povo - Fortaleza - 3 de abril de 1964)

Desde ontem se instalou no País a verdadeira legalidade... A legalidade está conosco e não com o caudilho aliado dos comunistas.
(Editorial do Jornal do Brasil - Rio de Janeiro - 1º de abril de 1964)

Milhares de pessoas compareceram, ontem, às solenidades que marcaram a posse do marechal Humberto Castelo Branco na Presidência da República... O ato de posse do presidente Castelo Branco revestiu-se do mais alto sentido democrático, tal o apoio que obteve.
(Correio Braziliense - Brasília - 16 de abril de 1964)

[...] um governo sério, responsável, respeitável e com indiscutível apoio popular, está levando o Brasil pelos seguros caminhos do desenvolvimento com justiça social - realidade que nenhum brasileiro lúcido pode negar, e que o mundo todo reconhece e proclama [...].
(Editorial da Folha de S.Paulo - 22 de setembro de 1971)

Golpe? É crime só punível pela deposição pura e simples do Presidente. Atentar contra a Federação é crime de lesa-pátria. Aqui acusamos o Sr. João Goulart de crime de lesa-pátria. Jogou-nos na luta fratricida, desordem social e corrupção generalizada.
(Jornal do Brasil, edição de 1 de abril de 1964.)

Participamos da Revolução de 1964 identificados com os anseios nacionais de preservação das instituições democráticas, ameaçadas pela radicalização ideológica, greves, desordem social e corrupção generalizada.
(Editorial do jornalista Roberto Marinho, publicado no jornal O Globo, edição de 7 de outubro de 1984, sob o título: "Julgamento da Revolução").

Mais algumas manchetes:

1°/04/64 - Correio da Manhã (do editorial, "Fora!"): Só há uma coisa a dizer ao Sr. João Goulart: Saia!

02/04/64 - O Globo: Fugiu Goulart e a democracia está sendo restaurada... atendendo aos anseios nacionais de paz, tranqüilidade e progresso... as Forças Armadas chamaram a si a tarefa de restaurar a Nação na integridade de seus direitos, livrando-a do amargo fim que lhe estava reservado pelos vermelhos que haviam envolvido o Executivo Federal.

05/04/64 - O Globo: A Revolução democrática antecedeu em um mês a revolução comunista.

05/04/64 - O Estado de Minas: Feliz a nação que pode contar com corporações militares de tão altos índices cívicos. Os militares não deverão ensarilhar suas armas antes que emudeçam as vozes da corrupção e da traição à pátria.


Essa é a mesma imprensa que diz defender a democracia. Os mesmos personagens que afirmam representar a liberdade!

Menos mal que apesar de manipular as pessoas menos informadas e “formarem opinião” com sua retórica, eles são incapazes de calar a história.

Prof. Péricles

segunda-feira, 6 de junho de 2011

ELEIÇÃO NO PERU E AGONIA NEOLIBERAL

A Doutrina neoliberal surgiu com força no “mundo globalizado” a partir da crise terminal do socialismo real e provocaram o fim do Bloco Socialista e da da própria União Soviética. Sua ascensão está ligada aos governos Ronald Reagan (EUA) e Margareth Thatcher (Inglaterra), a partir de meados da década de 80.

Nas décadas seguintes predominou em todos os cantos do planeta, prometendo uma prosperidade nunca vista antes e que só seria possível com a globalização mundial, a integração dos mercados, a diminuição do estado e as privatizações.

No Brasil, o neoliberalismo chegou ao poder com a eleição de Fernando Collor de Melo (PRN) em 1989 e nos dois mandatos seguintes de Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

Hoje, 25 anos, crise financeira internacional e milhões de desempregados depois, o neoliberalismo enfrenta sua agonia, provavelmente terminal.

Nenhuma de suas promessas, defendidas como dogmas por seus ideólogos, se concretizou, fazendo o mundo melhor e os povos mais felizes.

Seu "canto do cisne", pelo menos, na América, parece estar num de seus mais importantes baluartes, o Peru de Alberto Fujimori.

O Peru foi às urnas neste domingo (05/junho) para impedir a continuidade da política neoliberal personificada em Keiko Fujimori e eleger um novo projeto.

A vitória de Ollanta Humala de proposta claramente anti-neoliberal, de esquerda (segundo seus críticos de estilo muito próximo de Hugo Chaves, mas segundo ele mesmo, muito mais próximo de Lula), fala por si mesmo.

A derrota neoliberal no Peru é mais do que sintomática. Trata-se da rejeição definitiva de um modelo econômico, político e social que iludiu muito mais do que realizou. Que apequenou os estados transferindo patrimônio público para o patrimônio privado, que ampliou as diferenças sociais e infelicitou toda uma geração.

Definitivamente, a história não acabou, como seus adeptos, um dia, chegaram a profetizar e bem o diz quem alerta para os falsos profetas.

Prof. Péricles

quinta-feira, 2 de junho de 2011

A REVOLTA DOS PADRES

Pernambuco, 1817.

Um forte sentimento antilusitano pode ser percebido nas ruas.

Além de olhares rancorosos por aqueles que controlam o comércio e residem nas melhores casas, dos melhores bairros, os brasileiros ainda dedicam aos portugueses apelidos como “galegos”, “pés de chumbo” e outros menos publicáveis.

Os brasileiros guardam ainda, uma mágoa especial, a seu governador, Caetano Pinto Montenegro. Ao pé de ouvido se diz que o tal é Caetano no nome, Pinto na coragem, Monte na altura (1:90m) e Negro nas ações.

O patriotismo está forte como jamais esteve em terras nordestinas.

São tempos de ousadia. Afinal, os Estados Unidos (1776) e o Haiti (1806), por exemplo, já não haviam rompido as amarras coloniais?

Então, todos os sentimentos explodiram no dia 6 de março.

O início foi num batalhão de soldados negros, os “Henriques” insatisfeitos com os péssimos salários, mas logo, lideranças das conhecidas Casas Maçônicas Patriotas e Aerópago de Itambé como Domingos José Martins, Antônio Carlos de Andrada e Silva e ainda de religiosos como Frei Caneca, assumem o movimento, que acabaria também conhecido como “A Revolta dos Padres”.

O Governador, após pifia resistência, foge, sob a zombaria geral.

Então, por 75 dias Pernambuco sonhou.

Um sonho brasileiro. Um sonho de brasilidade. Um sonho que se alastrou para o Rio Grande do Norte, a Paraíba e o Ceará.

Foram incentivadas as ações que demarcassem nacionalidade.

Até nas missas, onde o vinho (português) foi substituido pela aguardente (brasileira) e a hóstia passou a ser feita da mandioca brasileira em lugar do trigo.

Em maio, Antônio Gonçalves Cruz, o Cruz Cabugá, desembarcou na Filadélfia com 800 mil dólares (atualizados, aproximadamente 12 milhões de dólares ) na bagagem com três missões: Comprar armas para combater as tropas de D. João VI; Convencer o governo americano a apoiar a criação de uma república independente no Nordeste brasileiro e Recrutar alguns antigos revolucionários franceses exilados em território americano para, com a ajuda deles, libertar Napoleão Bonaparte, exilado na Ilha de Santa Helena para comandar a revolução pernambucana.

Um sonho brasileiro de 75 dias, a última tentativa de criação de um Brasil popular.

Mas o sonho acabou.

Tropas enviadas da Bahia avançaram pelo sertão pernambucano, enquanto uma força naval, despachada do Rio de Janeiro, bloqueou o porto do Recife. Em poucos dias 8000 homens cercavam a província. No interior, a batalha decisiva foi travada na localidade de Ipojuca. Derrotados, os revolucionários tiveram de recuar em direção ao Recife. Em 19 de maio as tropas portuguesas entraram na cidade e a encontraram abandonada e sem defesa. O governo provisório, isolado, se rendeu no dia seguinte.

Apesar do número relativamente pequeno de vítimas em combate (100 mortos e 150 feridos), a repressão não se fez de rogada: 13 executados na forca (inclusive um menino de 16 anos), 28 mortos no cárcere (suicidados), 1.203 degredados.

Quando o enviado especial aos Estados Unidos, Cruz Cabugá retornou ao Recife acompanhado de quatro veteranos oficiais de Napoleão para dar andamento ao sonho, tudo já estava consumado e o movimento completamente derrotado.

Caetano Pinto Montenegro e os portugueses voltaram a erguer o queixo e o Brasil continuou sua rota que o levaria a “independência” desenhada pelas e para as elites.

Napoleão Bonparte? Provavelmente jamais ficou sabendo do sonho sonhado por aqueles brasileiros malucos.

Prof. Péricles