Follow by Email

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

SOMOS TODOS ASTRONAUTAS



Viajando nessa nave incansável, no seu rodopiar maluco sobre sua estrela e sobre si mesma, somando dias, contando tempo e envelhecendo pois faz parte do ensinamento.

Alguns sem enxergar além de seu umbigo, não se importam além dos seus interesses não ousam nem acrescentam.

Outros se endureceram, mas não perderam a ternura jamais acreditando num futuro mais cúmplice.

Há os que percebem o real sentido de sua viagem e buscam escalar os seus mais loucos sonhos, como desbravadores, pioneiros em terras desconhecidas. Também tem os que preferem o recolhimento sobre si mesmo, o recesso do indefinido apostando apenas no concreto, que na verdade, na verdade, é mais inconstante que o grão de areia no deserto.

Muitas vezes o olhar queimado pelas fogueiras das horas que a tudo aniquila, se recolhe entre as estrelas e o questionamento do significado da vida desponta com desapontamento. Mas, nem por isso na primeira madrugada tudo deixa de reiniciar afoito quando até fazemos amor, alguns como famintos e desesperados, outros porém fartos e saciados.

Somos meninos e meninas viajantes de uma estrada cujas curvas são apenas miragens. Rumamos para o infinito, cada um com sua máscara preferida. Há princesas e príncipes, guerreiros e covardes, e também mendigos e loucos mambembes donos de calçadas. Existem as bruxas e os fantasmas, existem reis, as baronesas, os sem terra e os sem consciência.

No grande carnaval da vida, todos querem experimentar todas as máscaras, mas poucos, vão além da primeira experiência.

E juntos, nesse momento de aparente recomeço nos juramos melhores daqui pra frente. Puro engano, pois só se melhora por dentro e com tempo, e não na simples troca de roupa dos anos, como por encanto.

Somos astronautas voando juntos pelo cosmos. Tolos nem mesmo nos conhecemos preferindo o isolamento de nossos casulos. Não nos curtimos, não nos sorrimos, não trocamos poesia nem brincamos de esconde-esconde, muito menos nos amamos, e quando amamos queremos a propriedade com papel passado, testemunha e tudo.

Somos astronautas num louco vôo de mariposa que busca a luz, mesmo sendo ela nosso final de vôo.

Que em 2013 todos os amigos que nos prestigiaram tenham tempo e vontade para tecer planos de crescimento humano como a aranha tece a teia, pois na verdade estamos todos interligados e somos um, e não milhões.

Sejamos mais serenos e mais fraternos. Que a sensibilidade nos permita o choro, pois só não chora quem nunca viveu de verdade.

Desejo a todos, muitos banhos de chuva, muito cheiro de terra molhada nas narinas, muitos amores mesmo que dêem em nada. Muitas risadas de piadas idiotas e tempo jogado fora com os amigos. Desejo muitos e muitos atrasos no serviço devido o excesso de carinho e de amor com a pessoa amada.

Que tenhamos no olhar a inocência das crianças, e que realmente nos importe a felicidade alheia, e que nos comova a dor dos outros.

FELIZ 2013, e muito obrigado por sua companhia.

Prof. Péricles

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

CHIMANGOS E MARAGATOS - FIM



A Revolução Federalista terminou com a vitória política e militar completa dos Chimangos Republicanos. O poder de Júlio de Castilhos não sofreria mais contestações.

As lideranças maragatas foram duramente perseguidas e, muitos acabaram mortos ou se exilando no Uruguai.

Júlio de Castilhos se manteria no poder até 1898, ano em que abandonou a vida política, tendo o cuidado, entretanto, de assegurar a posse de seu sucessor Borges de Medeiros (foto).

Borges de Medeiros governaria o Estado por trinta anos (até 1928) tendo apenas um pequeno lapso fora do poder entre 1909 e 1913.

Durante o governo de Borges de Medeiros o Rio Grande do Sul se consolidou com 3ª maior oligarquia nacional. Embora nenhum gaúcho chegue à presidência da República (Hermes da Fonseca, nascido em São Gabriel e Presidente entre 1910 e 1914 não representava o grupo gaúcho), o estado era uma espécie de eminência parda no poder, representado por Pinheiro Machado, senador de livre Trânsito no poder.

Apesar da sincronia com o poder federal o estado permaneceu sendo predominantemente positivista, ao contrário do restante do país de características liberais.

Nos anos que se seguiram o Brasil e o Rio Grande do Sul conheceriam mudanças importantes, principalmente a partir da Primeira Guerra Mundial (1914-1918). Nesse período, envolvida em combates, a Europa diminuiria drasticamente sua produção industrial de bens, abrindo espaço para o crescimento industrial em outros pontos da terra. Um desses pontos foi o Brasil.

A indústria que surgiu aqui era uma indústria simples, de bens de consumo (diferentemente da indústria de base da Era Vargas), e em dois estados houve possibilidades reais para o seu crescimento: São Paulo graças ao acúmulo de capital e infraestrutura gerado pelo café e o Rio Grande do Sul, por sua visão positivista favorável a esse tipo de economia.

O estado gaúcho vê surgir as primeiras metalúrgicas (Bertha) e indústrias de bens (Wallig e Renner). Cresce a população urbana composta por operários da indústria e diversifica-se o comércio.

Porém, o Rio Grande do Sul ainda é um estado governado pelos mesmos setores que haviam vencido a Revolução Federalista, representados por Borges de Medeiros. Estes novos estamentos sociais não encontram no velho caudilho, qualquer representatividade. Por isso, irão se apoiar numa figura que representará as novas idéias, os novos tempos.

Essa figura será o veterano político Joaquim Francisco de Assis Brasil e o seu Partido Federalista.

Nas eleições de 1922, as forças que disputariam o governo do estado estavam claramente postadas: de um lado o PRR do eterno Borges de Medeiros e do outro Assis Brasil, representando as novas forças econômicas.

A campanha se desenrolou com extrema violência, sendo os partidários de Assis Brasil perseguidos, agredidos e alguns mortos.

Além de anti-democrática a vitória de Borges de Medeiros provocaria ainda, inúmeras acusações de fraude.

Os tambores da guerra voltaram a ser ouvidos nos Pampas e em todas as estâncias.

Os velhos maragatos iriam colocar novamente o lenço vermelho no pescoço, dando origem a uma segunda Revolução Federalista, a Revolução Assisista de 1923.

A 2ª Revolução Federalista ou Revolução Assisista iria transcorrer durante todo o ano de 1923, findando apenas com a assinatura do Pacto de Pedras Altas em 14 novembro daquele ano (foto).
Por esse pacto, Borges de Medeiros cumpriria seu mandato, mas seria afastado da vida política no final de 1928,
Isso possibilitaria ascensão de Getúlio Vargas como Presidente do Rio Grande do Sul, o que o lançaria, dois anos depois ao poder supremo da Presidência da República como líder da Revolução de 30.
Mas isso, já é outra história.


Prof. Péricles

domingo, 23 de dezembro de 2012

CHIMANGOS E MARAGATOS - OS MITOS (2)


Gumercindo Saraiva é considerado um dos maiores estrategistas da Revolução Federalista (1893/1895) ocorrida no Rio Grande do Sul. Certamente, o mais destacado militar entre os Maragatos.

Após uma batalha vencida pelos lenços vermelhos, Gumercindo, como estrategista que era, passou em revista o campo de batalha. Sozinho, no lombo de seu cavalo, percorreu o terreno onde se dera o entrevero, buscando entender melhor, o que fizera de correto e o que poderia ter sido feito melhor.

Um pouco além as forças dos Chimangos batia em retirada. Haviam perdido o confronto, mas ainda assim, levavam consigo alguns prisioneiros. Um desses prisioneiros, olhando para trás, reconhecendo a figura quase mítica de seu líder, exclamou, baixo, porém audível, “o general”!

Os Chimangos estancaram. Quem? O prisioneiro não repete, nega a informação involuntária, mas é tarde. Os federalistas já sabiam que, aquele senhor montado a cavalo, absolutamente sozinho, era Gumercindo Saraiva, caudilho responsável pela resistência e pelas vitórias maragatas.

Fiel ao ódio e a total falta de cavalheirismo, que caracterizaram aquele conflito, um atirador de elite foi enviado o mais próximo possível do homem a cavalo. Na distância de um tiro, o soldado chimango fez pontaria, calma e demoradamente e então, disparou.

O projétil atingiu Gumercindo no abdômen. Ele se curvou para a frente, mas agarrou a crina de sua montaria, e não caiu. Enquanto o atirador se afastava, feliz e sorrateiro, Gumercindo foi alcançado por suas ordenanças. O pânico se estabeleceu. O ferimento era gravíssimo.

Sendo a estratégia federalista (maragatos), o deslocamento constante, para evitar o certo dos republicanos (chimangos), em número muito maior, ao meio da tarde já se encontravam longe de onde acontecera a batalha, Gumercindo perdia muito sangue e também a consciência. Ao cair da noite, entre revoltados e desesperados, seus homens perceberam que o Patrão Velho chamava o velho caudilho para os Pagos celestes. Gumercindo Saraiva estava morto.

Seu corpo foi enterrado numa cova à beira da estrada, em local não identificado. Foi coberto com terra entre soluços disfarçados de seus guerrilheiros (pois Maragato não chora), que inconscientemente percebiam que a guerra estava sendo perdida ali. Em seguida, partiram como o General teria ordenado, mas agora, numa montaria muito mais solitária, acompanhada apenas, pelo clarão da lua. Não puderam nem mesmo colocar uma cruz na sepultura improvisada, para não chamar a atenção do inimigo.

O inimigo, aliás, reforçado por outras tropas, chegou logo no primeiro canto do Quero-Quero naquele ponto da estrada. Seguiam a pista deixada pelos cavalos dos maragatos, e sabiam do grave ferimento de seu comandante. Olhos atentos em qualquer indício de parada, ou movimento estranho. Foi então que um batedor percebeu a terra remexida, no início de uma curva.

Excitados pela possibilidade do que poderiam encontrar, desenterraram a cova, com as próprias mãos. Ao retirar o último punhado de terra que recobria o rosto do morto, urraram de prazer.

Impulsos cruéis levaram a que se decapitasse a cabeça do defunto, que foi, em seguida, colocada numa caixa de chapéu. Um emissário, usando o mais rápido cavalo disponível, voou para Porto Alegre. Missão: entregar a carga macabra ao Presidente do estado e líder máximo republicano: Júlio de Castilhos. Em dois dias no lombo do tordilho o mensageiro atinge o Palácio governamental.

A coisa que Júlio de Castilhos mais queria, era saber da prisão ou morte de Gumercindo Saraiva, ciente do seu valor como líder militar e estrategista. Porém, Júlio de Castilhos, jornalista e político positivista, não pertencia às batalhas, dirigidas pelo seu estado-maior. Não se contaminara pela barbárie e pelo sadismo daquela guerra. Sua civilidade estava intacta. Por isso, longe de se rejubilar com o “presente”, se horrorizou diante da visão bestial e jogou para distante a caixa com a cabeça, já em decomposição. Em seguida, recuperado do susto, ordenou a seu secretário que levasse dali aquele inominável “troféu” e o enterrasse com todo o respeito que o falecido merecia.

A partir daqui, os fatos se confundem com as lendas. A cabeça do comandante, jamais foi enterrada, ou se foi, o local de seu repouso, jamais foi revelado. Dizem os velhos guerreiros que Gumercindo ressurgiu da morte devido à grave ofensa que seu corpo insepulto sofrera. Dizem os sobreviventes daqueles tempos de ódio, que Gumercindo Saraiva vaga pelas noites de Porto Alegre, procurando sua cabeça e vingança.

Por isso, forasteiro, observe o silêncio das ruas do centro antigo. Da Duque de Caxias ao Mercado Público. Da Praça D. Feliciano ao Gasômetro. Na Riachuelo (Rua da Ponte), na General Câmara (Rua do Ouvidor), na Caldas Júnior ou na Borges de Medeiros. Se a sensação de ser observado acelerar teu coração, ou se um arrepio, sem motivo aparente, percorrer a tua espinha...evite olhar para trás. Se o fizer, talvez veja, entre as brumas noturnas que vem do Guaíba, um homem, com um chapéu na mão e encoberto por um velho ponche. Não estranhe se ele estiver sem cabeça. Nesse caso, não corra, nem grite. Faça a saudação dos maragatos e tente seguir o seu caminho... talvez consiga.

Prof. Péricles
Texto postado no Blog em 04/2011

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

CHIMANGOS E MARAGATOS - OS MITOS



No cemitério de Santa Tecla, aproximadamente a oito quilômetros de Bagé, está enterrado uma das figuras mais conhecidas da Revolução Federalista. Adão Latorre, tenente-coronel do Exército uruguaio e oficial maragato na Revolução Federalista.

Nos tempos de ódio que antecederam a tempestade, muitos crimes foram cometidos devido às velhas rixas.

Uma delas ocorreu quando o Coronel Republicano Manoel Pedroso depois de atear fogo na Estância do Limoeiro degola os pais de Adão Latorre. Com o objetivo de vingar seus pais, Adão Latorre se apresenta como voluntário aos rebeldes maragatos.
Na célebre batalha do Rio Negro, o coronel Pedroso estava entre chimangos feito prisioneiros.

Ao perceber as intenções de execução dos Maragatos, ocorreu segundo João Maria Colares, em “História de Bagé”, o seguinte diálogo:

- Cel. Pedroso: Adão, quanto vale a vida de um homem valente e de bem?
- Adão Latorre: De bem... não sei. A vida de um homem vale muito, a tua não vale nada porque está no fio de minha faca e não há dinheiro que pague.
- Cel. Pedroso: Pois então degola “negro filho da puta”. Dito isso segurou-se a um arbusto, levantando a cabeça para facilitar a tarefa ao inimigo.

Dizem ainda que o Coronel pediu a Adão para que entregasse um anel de seu uso a uma filha residente em Pelotas, segundo informações foi cumprido o feito por Adão Latorre.

Segundo as histórias que se contam á noite, no chiar da chaleira, naquele dia Adão Latorre matou, além do coronel que jurara matar, mais 300 prisioneiros republicanos e no drama da guerra que se seguiria, se tornaria o maior de todos os degoladores. Até seus companheiros se constrangiam com sua presença, dita, maldita e condenada.

Latorre sobreviveu a Revolução Federalista e nos anos seguintes viveria de forma tranqüila e pacata nas terras de seus pais.

Em 1923 ao estourar a segunda revolução Federalista (Revolução Assisista) novamente pegaria em armas, ao lado dos maragatos de Assis Brasil.

Segundo consta, o maior degolador do Rio Grande, então com 80 anos, foi fuzilado numa emboscada armada pelo Major Antero Pedroso, irmão de Manoel Pedroso. Logo depois, seu corpo foi decapitado.

Foi enterrado sem qualquer cerimônia no cemitério de Santa Tecla onde se encontra até hoje, juntamente com seu irmão, o major João Latorre.

Adão Latorre, o maior degolador do Rio Grande do Sul, produto do ódio e dos horrores de uma guerra que banhou o estado de sangue.

Prof. Péricles

domingo, 16 de dezembro de 2012

CHIMANGOS E MARAGATOS - TRAUMAS DE GUERRA



Bagé, 23 de novembro de 1893. Fumaças ainda predominam no ar e brotam dos corpos de combatentes mortos.

Às margens do Rio Negro (atualmente território de Hulha Negra) ainda ouve-se gemidos. É final de tarde e os Maragatos, com seus lenços vermelhos, acabaram de vencer a importante batalha do Rio Negro.

Entre mortos e feridos 300 Chimangos estão amarrados e imobilizados. Sobreviventes derrotados da batalha eles agora são prisioneiros de guerra, amontoados em um cercado (mangueira de pedra) para o gado que o povo chamaria mais tarde de “O Potreiro das Almas”.

Durante aquela tarde, até os últimos raios de sol, um a um, aqueles 300 homens serão degolados. Trezentos corpos, alguns, inteiramente sem cabeça irão ser abandonados no charco fétido entre o estrume do gado.

O povo da região afirma categoricamente que o lugar é amaldiçoado e em certas noites sem lua ainda se ouve o barulho da carne sendo estraçalhada e de gritos de pavor. Ninguém, até hoje, fica muito tempo próximo ao Potreiro das Almas.

Pouco mais de quatro meses depois, na Batalha do Boi Preto em 5 de abril de 1894, 250 prisioneiros maragatos são degolados em represália ao massacre do Rio Negro. Muitos foram, ainda, torturados antes da execução.

Desde então a degola e seu ritual macabro tornaram-se rotina e a contabilidade dos degolados, um elemento da guerra.

Pelo menos 10 mil pessoas morreram na Revolução Federalista, além de um incontável número de feridos. Alguns milhares foram degolados após serem feitos prisioneiros.

Com o tempo surge a triste figura do degolador, militar que carregava consigo a adaga de ceifar vidas. Marchava no meio da coluna para se defender dos franco atiradores. Era odiado pelos inimigos e temido e abandonado até pelos companheiros que diziam ser, o degolador, um ser das sombras. Homens do campo, rudes, acostumados a carnear animais, os degoladores se tornaram símbolos dessa guerra e suas histórias repetidas nas conversas de fogo de chão nos galpões de campanha.

Na degola convencional à moda gaúcha, a vítima, ajoelhada, tinha as pernas e mãos amarradas, a cabeça estendida para trás e o degolador com a destreza adquirida nas lides do campo, executava dois profundos cortes na jugular provocando dois esguichos de muita pressão. O sangue saltava por alguns metros. Quando a raiva preponderava o talho era profundo fazendo a cabeça manter-se sobre os ombros apenas por um fio de pele.

Na moda dos Maragatos, denominada de “Gravata Colorada” a faca cortava fundo a carne de orelha a orelha num talho em forma de meia lua. Depois, a língua era puxada para baixo ultrapassava o corte, ficando exposta ao lado de fora da garganta.

A Revolução Federalista, sem dúvidas, deixou traumas que ainda hoje o Rio Grande tenta esquecer.

Prof. Péricles

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

CHIMANGOS E MARAGATOS - OS LÍDERES



Ele sempre surpreendeu.

Num tempo em que política era feita por homens velhos, geralmente de barbas e cabelos brancos, ele, apesar de jovem, exercia uma liderança inédita e surpreendente.
Formou-se advogado pela Faculdade de Direito de São Paulo, mas atuou como se fosse jornalista, inclusive dirigindo o Jornal “A Federação” que fazia campanha pela republica e pela abolição da escravatura, em pleno exercício da monarquia.

Nascido em Vila Rica (hoje Júlio de Castilhos), distrito de Cruz Alta em 29 de junho de 1860, Júlio Prates de Castilhos foi presidente do Rio Grande do Sul, líder maior do PRR (Partido Republicano Rio-grandense) e defensor fervoroso das idéias positivistas que faria questão de permear a Constituição do estado, da qual foi o principal autor. Constituição, aliás, conhecida como a única constituição positivista do mundo.

Ao longo da Revolução Federalista, encarnaria a face dos Chimangos, ou Pica-paus, da qual foi o grande vencedor, graças ao apoio do governo central e das tropas enviadas pelo presidente Floriano Peixoto.

Agora surpreendia novamente.

Enquanto todos esperavam que após a vitória militar no conflito ele fosse estabelecer um longo período no poder, anunciava sua renuncia em favor do seu discípulo, Borges de Medeiros, e ainda, sua retirada da vida pública.

Ninguém entendeu.

Só ele entendia bem.

Só ele sabia o quanto amava sua esposa, acometida de depressão profunda com grave tendência ao suicídio.

Teria que optar entre a vida dedicada à política ou a dedicação à esposa doente que só encontrava nele motivo de sossego e um pouco de paz.

Então, ele renunciou, e foi pra casa. Afinal, amava muito aquela mulher que fora sua segunda namorada e da qual nutria um ciúme só por eles conhecido.

Mas, o destino às vezes é irônico e cruel.

Os médicos só descobriram um câncer na garganta de Júlio de Castilhos quando já estava em fase terminal. Numa desesperada cirurgia feita em casa mesmo, ele acabaria falecendo em 24 de outubro de 1903, com apenas 43 anos.

Honorina, sua esposa, perambulou como uma sombra pela casa por dois anos, vindo a se suicidar em 1905.

A influência de Júlio de Castilhos e do positivismo no estado do Rio Grande do Sul, é de certa forma, imensurável, sendo, um dos mais importantes fatores da formação política dos gaúchos.

Antes que esqueça, a casa em que viveram Castilhos e Honorina, ainda está no mesmo lugar, Rua Duque de Caxias, 1231, e é um dos museus mais interessantes da cidade.
Visite. Mas vá de dia.



Gaspar da Silveira Martins nasceu no Departamento de Cerro Largo em 5 de agosto de 1835.

Foi uma brilhante estrela política gaúcha no período da segunda metade do governo de D. Pedro II.

Em 1865 fundou o jornal “A Reforma” que acabaria se tornando órgão oficial dos federalistas gaúchos.

Deputado provincial e Deputado geral foi ainda, Senador pelo Rio Grande do Sul e ministro da Fazenda do Império do Brasil de 1880 a 1889.

Após a proclamação da república defendeu a adoção do sistema parlamentarista enquanto os republicanos do PRR postulavam um presidencialismo forte e centralizado.

Seria o grande chefe local, a maior força política do estado não fosse seu inimigo histórico: Júlio de Castilhos.

Lutou muito para que não houvesse conflito armado, mas, foi voto vencido, e acabaria se tornando o maior líder político dos federalistas (Maragatos).

Mulherengo inveterado, Gaspar Martins estava sempre envolvido em paixões avassaladoras.

Morreu inesperadamente em 23 de julho de 1901, na cama, com uma nova namorada, provocando assim, seu último escândalo no estado.

Prof. Péricles

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

CHIMANGOS E MARAGATOS - ORIGENS



As rivalidades que embasaram a Guerra Gaúcha de 1893 a 1895, não ocorreram de um dia pro outro. Elas foram gestadas cuidadosamente no ventre das radicalidades ao longo de décadas.

Essas rivalidades foram aquecidas ao longo de guerras renhidas como a Guerra de Independência da Cisplatina (Uruguai) em 1828, as intervenções nas Províncias Unidas do Prata (Argentina e Uruguai) e na Guerra do Paraguai (1870-1875).

Também, durante a Revolução Farroupilha (1835-1845) as divisões se cristalizaram dando origem a um ódio crescente entre grupos permanentemente rivais.

Para os Farroupilhas (liberais federalistas), os Caramurus (imperiais) eram egoístas e traidores. Para os Caramurus os Farroupilhas eram arrogantes e aliados de estrangeiros.

O fim da Revolução Farroupilha, ao contrário de unir os gaúchos, reaqueceu uma divisão que jamais seria sanada pacificamente. As diferenças entre caudilhos só se fez crescer e jamais foi objeto de qualquer tratado de pacificação.

Não houve o surgimento de qualquer terceira via e os extremos continuaram se afastando.

Dessa forma, o Rio Grande passou a acalentar o seu pior pesadelo.

Quando ocorreu a proclamação da República em 15 de novembro de 1889 o estado que vivia um clima de ódio disfarçado explodiu em disputas renhidas e declaradas.

Desavenças de opiniões misturadas a desavenças pessoais.

Por três anos o poder foi disputado palmo a palmo e ao final desse período, graças ao apoio que vinha da identidade política com os governos militares no poder no Rio de janeiro desde a proclamação da República (Deodoro da Fonseca e Floriano Peixoto), o grupo do jornalista Júlio de Castilhos fundador do PRR (Partido Republicano Riograndense), positivista dos quatro costados, se consolidou no poder.

O outro grupo, liderado por Gaspar Silveira Martins, havia fundado o Partido Federalista. Muitas de suas lideranças estavam exiladas no Uruguai sob acusação de serem anti-republicanos e simpatizantes da monarquia. Para o grupo de Gaspar Martins, Júlio de Castilhos era um ditador que deveria ser impedido de se perpetuar no poder.
Restava o caminho das armas, e os Federalistas logo não hesitariam em optar por essa solução.

Os demônios do ódio, da Guerra e da morte, esfregaram as mãos, pois o verde dos pampas em breve se tingiria de sangue.

A Guerra civil denominada de “Revolução Federalista” começou em fevereiro de 1893 e só acabaria em agosto de 1895.

Em pouco tempo esse terrível enfrentamento também chamado de “A Revolta da Degola” iria criar marcas profundas na história do Rio Grande do Sul e de sua gente.
Marcas tão profundas que dariam origens à fortes características políticas desse estado, observáveis ainda hoje.

Prof. Péricles

domingo, 9 de dezembro de 2012

O CÉU É UMA FESTA


No dia 5 de dezembro último, na espaçosa e bem cuidada área da recepção do jardim celestial, todos queriam saber de que se tratava aquela enorme reunião. Só gente boa. Almas puras e corações sem susto.

A festa foi organizada pelo “Cavaleiro da Esperança”, Luiz Carlos Prestes e Olga Prestes, auxiliados pelo baiano Jorge Amado junto com a esposa Zélia e outras almas atéias.

Karl Heinrich Marx e Frederich Engels mantinham-se sempre juntos. Marx trazia um calhamaço de papéis debaixo do braço e viam-se na capa, tratar da analise do sistema da capitalista no Paraíso Celeste e insinuações da revolução que acabaria com a divisão em classes anjos, arcanjos, serafins e querubins. E já iniciava o manifesto comunista: “Trabalhadores de todo o céu, uni-vos”...

Kautsky unia-se Lenin e caminhavam com passos firmes, abraçados com Mao e Erneto Che Guevara, acompanhado de perto de Carlos Marighella. Afanasiev mais ouvia do que falava.

Ouvi uma voz vindo lá do fundo que dizia: “Esses velhos comunistas tinham muita resistência em falar sobre suas vidas, mas não é possível entender a História sem conhecer os militantes comunistas de todo o mundo”

E acompanhavam o entusiasta Juscelino, contemporâneos brasileiros João Goulart, Miguel Arrais, Armando Ziller, Temperani Pereira, Darci Ribeiro, Raul Riff, Waldir Pires, Brizola, Clodsmith Riani, Hercules Correa, Dante Pelacani, Samuel Wainer, Francisco Mangabeira, José Jofily, Celso Furtado, Caio Prado Junior, Marechal Osvino Ferreir Alves, Josué de Castro, João Pinheiro Neto, Djalma Maranhão, Roberto Morena, Amauri Silva, Neiva Moreira, Ferro Costa, Francisco Julião, Pelópidas Silveira, Bocayuva Cunha, Adão Pereira Nunes, Eloy Dutra, Marco Antonio, João Amazonas, Maurício Grabois, Max da Costa Santos, Roland Corbisier, José Aparecido de Oliveira, Rubens Paiva, Florestan Fernandes, Paulo de Tarso e outros que não identifiquei na hora.

Hobsbawn, ainda em fase de adaptação, acabara de chegar no dia 1º de outubro deste ano, ajeitava os óculos e falava de seu projeto de escrever “Era da eternidade”.

Sempre próximos, Ho Chi Min, Kim Il-sung e tentava pronunciar algumas palavras em português, para saudar o novo hóspede.

Allende trazia entre outros e outras, Neruda, Vitor e Violeta Parra, Mercedes Sosa, a turma de “Los imarenhos e convidou até Peron e Evita Peron que disseram que não perderia nunca esta oportunidade de estar com este grande homem.

Numa outra ala, sorriam juntos Astrogildo Pereira, Agildo Barata, Graciliano Ramos e Saramago, num portunhol de fazer gosto aos moradores da fronteira do Brasil com o Uruguai.

Franz Fanon lembrava para os presentes os rápidos contatos quando Niemeyer esteve pela primeira na Argélia, quando Fano, escrevia “Os condenados da Terra”, e lutava na Frente de Libertação Nacional.

O céu – hoje - é uma festa! Só festa e alegria.

Anuncia-se a chegada do arquiteto brasileiro que pretende mudar completamente a arquitetura celestial e acabar com a mesmice que ali impera. Oscar Niemeyer chega com a experiência de 105 anos mudando a paisagem de todo o mundo. Agora veio para mudar, também, o céu. Pioneiro na exploração das possibilidades construtivas e plásticas do concreto armado, na certa revolucionará a paisagem tradicional do céu.

E o céu também. Observem. É esperar para ver que infinitas obras ali farão o Mestre.

Para esta solenidade, pedi aos meus dois irmãos que lá revivem, o Vercy e o Vécio, para me representaram, junto ao Oscar Niemeyer. Mas, me aguardem. Não chegarei para essa grande festa de dezembro, mas ainda teremos muito que festejar: Fidel Castro prepara a viagem e quer uma festa de arromba com salsa, rumba e samba.

Pretende reunir o que há de melhor com base no “Buena Vista Social Club" e os mejores de Cuba: Compay Segundo, Celina & Reutilio, Ibrahim Ferrer, Silvio Rodriguez, Ernesto Lecuona, Pablo Milanes, Omara Portuondo, César Portillo de la Luz e Chucho Valdes.

Penso que seria uma excelente oportunidade para encontrar tanta gente boa. E todos reuniram-se para exaltar a memória do grande arquiteto e combatente comunista de tantas décadas, de mais de um século.

Claro que a multidão movimentava frenética e alegremente e me deixou sem registrar presença de muitas pessoas interessantes que compareceram ao grande evento celestial que há muito não se via.

Verly, 05-12-12

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

O GÊNIO DAS CURVAS




A regra geralmente prepondera sobre o inusitado.

As paralelas percorrem o universo até o infinito, lado a lado sem jamais se tocarem. E previsível e monótono.

O mais fácil sempre é o conforto. O de sempre, pois, apresentam resultados já conhecidos e esperados.

Filósofos gastaram suas vidas demonstrando a lógica matemática dos sólidos, as regras perfeitas dos ângulos e o que esperar de cada combinação aritmética.

O mais fácil é esperar pelo estabelecimento dessas fórmulas lógicas e viver como as paralelas, na certeza da previsibilidade infinita.

Por isso, o novo assusta. O pioneiro encanta, embora invejosos se apressem em dizer que tudo é muito simples, esquecendo que o simples antes da primeira vez, não havia sido tentado.

A linha reta é a mais séria de todas as formas.

Não admite brincadeiras, é soturna, sóbria e sem rodeios.

A linha reta não transgride à sua função, não permite soberba ou devaneios, é sólida e completa.

Já a curva é uma transgressão.

No seu molejo ela brinca no espaço, seduz a qualquer sobriedade, pinta e borda, vai e vem.

Enquanto a reta é homem, a curva é mulher.

A curva é incoerência que faz sentido ao mundo das formalidades. É devassidão, é conquista e desafio. A curva é sorriso.

A arquitetura antes de Oscar Niemeyer era reta.

Retratava a conquista e o poder.

Era econômica, prática e dura.

Oscar Niemeyer brincou com as formas, introduziu as curvas e inventou a leveza arquitetônica. Fez rir o mundo sombrio das construções.

Foi o novo. O Imprevisível. Trouxe a expectativa do resultado.

Com ele as paralelas finalmente se tocavam e o infinito era logo ali.

Inédito, pioneiro, gênio.

É claro que teve sorte, como todos os gênios.

Assim como Colombo teve a sorte de receber três naus para realizar seus sonhos, Niemeyer teve uma cidade inteirinha para construir. E, como criança num quarto cheio de brinquedos, ele brincou e brincou até se empanturrar, fazendo prédios, monumentos, igrejas e tudo o mais que faz parte de uma cidade a ser feita a partir de seus desenhos no papel. Enquanto algumas crianças brincavam de montar seus fortes ele os construiu.

Oscar Niemeyer foi o maior brincalhão da arquitetura.

Ele partiu levando consigo seus 104 anos de vida plenamente vivida e deve agora estar envolvido em outros projetos.

Repare bem, pode reparar se acha que estou mentindo.

Erga os olhos pro céu e confira se desde ontem, as nuvens não estão mais curvas, mais belas, e mais engraçadas.

Oscar Niemeyer morreu às 21:55 hs. de quarta-feira, 05 de dezembro de 2012, 10 dias antes de completar 105 anos. Foi o arquiteto que recebeu do presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira, a missão de construir Brasília em sua arquitetura. Era comunista militante do PCB, amigo de Luis Carlos Prestes. Teve que se exilar do país durante a Ditadura Militar. É reconhecido no mundo inteiro como um dos maiores gênios da arquitetura moderna mundial.

A esse grande brasileiro nós lançamos um beijo no ar, e temos certeza que, após algumas voltas e piruetas, entre algumas leves curvas, ele chegará ao seu destino.

Prof. Péricles

CAMINHOS PERIGOSOS



Um artigo de Wladimir Pomar

À medida que o tempo passa, vão ficando evidentes contradições mais agudas na situação política brasileira. Por um lado, o ex-presidente Lula e a presidenta Dilma aparecem como favoritos para as eleições presidenciais de 2014. Por outro, na economia, na sociedade e na política se acumulam evidências de que os detentores do poder econômico, dos meios de comunicação e do aparato de Estado estão manobrando com o propósito de reverter a situação em que se encontram.

A queda, mesmo insignificante, da taxa de juros; o aumento, mesmo incompleto, do emprego formal; a redução, mesmo leve, das taxas de eletricidade; o esforço, mesmo parcial, para reduzir os custos das obras públicas; a decisão, mais firme, de combater a corrupção política, através da extinção do financiamento privado das campanhas eleitorais, tudo isso parece haver acendido a luz vermelha nos círculos ideológicos mais influentes daqueles reais detentores do poder, fazendo-os procurar caminhos que lhes permitam acabar com a experiência, mesmo apenas levemente reformista, de governos centrais dirigidos pelo petismo.

O primeiro e mais relevante desses caminhos, consiste naquilo que alguns autores estão chamando de judicialização da política, e eu prefiro chamar de criminalização da política e da ação dos partidos. A política e os partidos passam a ser julgados não mais pelo povo, mas por juízes que, no chamado processo do mensalão, se arrogaram o direito de mudar a natureza do crime cometido, desdenhar provas, atropelar a Constituição e os procedimentos legais instituídos e se colocar acima dos demais poderes republicanos. E se alguém pensa que o STF se contentará em dar um exemplo apenas com esse julgamento, talvez se engane redondamente. Tudo indica que o poder judiciário, sob a tutela da alta corte, se empenhará em substituir o Congresso com normas e leis que intensifiquem a criminalização da política e a paralisia do governo dirigido pelo PT, através do levantamento de novos casos de corrupção, reais ou forjados, que envolvam o ex-presidente Lula, a presidenta Dilma e o PT.

O segundo caminho vem consistindo na multiplicação das derrotas do governo na Câmara e no Senado, derrotas infligidas principalmente por parcelas dos partidos que constituem a base do próprio governo, a exemplo do Código Florestal e da divisão dos royalties do pré-sal. Com a assunção do PMDB à presidência das duas casas do Congresso, cresce a possibilidade de que tais derrotas se intensifiquem, a não ser que Dilma se curve às exigências dos aliados, a exemplo do que já vem ocorrendo na aceitação passiva e na assimilação de que há uma nova classe média no país, que merece atenção prioritária do governo.

O terceiro caminho consiste na paralisia ou redução significativa dos investimentos privados, a pretexto da crise internacional, do alto custo dos salários, da alta carga de impostos, ou de outros motivos secundários, nenhum deles sendo relacionados à redução dos lucros máximos que o poder de monopólio garantia para as grandes corporações financeiras, industriais, agrícolas e comerciais. Como a elevação dos investimentos, especialmente na infraestrutura, indústria e agricultura de alimentos, é a chave para o crescimento e para a geração de empregos, embora alguns setores do governo não deem a atenção devida a isso, as previsões de crescimento de 3% a 4%, em 2013, podem ser frustradas.

O quarto caminho parece consistir em revigorar a insegurança pública, através de chacinas descontroladas, quase certamente realizadas como ação diversionista para ocultar disputas internas nas polícias locais, associação com milícias e traficantes e outras correntes da criminalidade. O que traz à tona a contradição entre as taxas de desemprego oficiais e a grande massa populacional, sem acesso à educação e à qualificação profissional, incapaz de procurar emprego e cuja única opção consiste em servir como soldados do tráfico e do crime. Os casos de explosão de insegurança pública em São Paulo e em Santa Catarina talvez não sejam os únicos, nem os últimos.

Esses caminhos parecem desligados ou disparatados. No entanto, quem se der ao trabalho de acompanhar a pauta do Partido da Grande Mídia pode concluir que eles estão intimamente relacionados, na perspectiva de corroer pelas beiras, e também por dentro, a experiência de governo do PT, de modo a fazer que ele desabe por seus próprios erros. Talvez não seja por acaso que, nos últimos tempos, tenham se multiplicado as publicações da A Arte da Guerra, de Sun Zi, o mestre dessa arte de vencer a guerra induzindo o inimigo a cair em armadilhas, desgastar-se e ser levado à derrota, sem necessidade de travar qualquer batalha decisiva.

Nesse sentido, os promotores da criminalização da política estão provocando o PT a cair na armadilha de realizar uma defesa aberta dos réus julgados pelo STF, de modo a associá-lo umbilicalmente à suposta compra de votos de parlamentares e abrir canais para envolver o ex-presidente Lula e o partido, como um todo, na mesma teia que lhes permitiu julgar e condenar vários dirigentes do partido e aliados. Na verdade, talvez a melhor defesa dos condenados consista numa tática de ataque aberto, público, constante e intenso ao sistema eleitoral de financiamento privado das campanhas eleitorais, no qual o caixa dois é recorrente e não há qualquer indício de repúdio efetivo a ele pela Justiça.

Nessas condições, o PT se encontra numa encruzilhada. Ou sai da defensiva com uma tática correta, ou se arrisca a soçobrar. O mesmo diz respeito a ele e ao governo Dilma quanto à economia e à conjuntura política. O PT e seus membros no governo precisam discutir, em conjunto, os problemas estruturais que emperram o desenvolvimento econômico e social no ritmo que a maior parte da sociedade necessita, a exemplo do poder de monopólio de um grupo de corporações empresariais sobre o conjunto da economia, dos gargalos que impedem o crescimento dos investimentos e dos empregos da grande massa da população que está fora do mercado de trabalho e dos aspectos macroeconômicos que incidem negativamente sobre a economia. Ou não terão nada a dizer para as camadas populares e médias da população, nem para mobilizá-las para as mudanças, mesmo as capitalistas, que só serão realizadas se a burguesia sentir que PT e governo possuem um apoio social firme e explícito, e que este apoio pretende avançar nas reformas democráticas e populares.

Quando se confirmou a vitória de Dilma, em 2010, todos sabíamos que seu governo seria, ao mesmo tempo, continuidade do governo e com novas mudanças baseadas no que havia sido conquistado. Os caminhos para essa mudanças estão se tornando cada vez mais perigosos, mas o maior perigo consiste em não enfrentá-los.

Por Wladimir Pomar, no Correio da Cidadania

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

PRESSA, MUITA PRESSA



Dizem que o mundo feudal era lento e rural e que o capitalismo trouxe a dinâmica.

Então a Revolução industrial trouxe a pressa.

Temos pressa, talvez esse devesse ser o epitáfio de todos nós.

Temos pressa de crescer, de casar, de se formar na faculdade, de ganhar dinheiro.

Pressa de tudo e na correria da vida massificamos as coisas pra facilitar.

A isso chamamos rotina.

Rotina de marido/esposa, rotina de profissional, rotina de visitar os amigos e parentes.

Rotina de amar. Ama-se com pressa e com rotina até que o amor acabe, e nem ao menos percebemos quando.

De tanto viver em rotina, a vida se torna rotineira. As coisas sempre as mesmas, os horários sempre iguais.

A pressa de viver não nos permite olhar a paisagem e diante da chuva enxergamos apenas as gotas d1agua, pois não há tempo para entender sua essência.

Se o vento sopra na noite, pensamos na roupa para usar amanhã no trabalho. Não ouvimos sua poesia e não entendemos suas palavras. Certamente você sabe que o vento fala, não é?

Lembramos de tudo, do horário do ônibus, dos compromissos, da agenda. Só não lembramos de viver.

Na ânsia rotineira engolimos fins de semana com pressa e quase nos engasgamos esperando a segunda-feira.

Gastamos nossos dias jovens, nossos sonhos, nossos ideais até que nada sobre além do que a rotina permite ser.

Um bebê de 10 meses morreu, após ser esquecido pelo pai em um carro, no bairro de Água Limpa, em Volta Redonda, no interior do Rio de Janeiro.

O pai, gerente de vendas Clóvis Mantila, deveria ter levado a filha Manuela para uma creche, mas esqueceu a criança no banco traseiro do carro, que ficou estacionado.

Ele chegou a ser detido, mas foi liberado após pagamento de fiança. A menina Manuella Mantila Sueth foi levada para o hospital, mas já chegou sem vida, com sinais de asfixia.

O pai contou na delegacia que se esqueceu da filha porque não tinha o hábito de levá-la à creche. Ele disse que só lembrou que havia esquecido do bebê no carro quando a mãe telefonou questionando a ausência de Manuella na creche.

O que aconteceu então foi uma quebra da rotina. Algo que não era rotineiro não foi registrado por Clóvis e sua mente simplesmente esqueceu a filha enquanto se ocupava do trabalho rotineiro. E trabalhou como sempre enquanto a filha morria.

Clóvis foi indiciado por homicídio culposo, mas, com certeza não haverá pena suficientemente dolorosa para provocar maior dor do que a que ele já deve estar sentindo e que carregará pelo resto de sua vida, pela morte causada por ele mesmo, da pequena Manuella.

Manuella morreu de pressa. Manuella foi vítima da rotina. Foi enterrada no cemitério Portal da Saudade.

Talvez esse seja o nome correto para nossa própria mortalha, porque, no fundo, no fundo, em algum lugar de alguma dobra da alma, entre horários de pico e bater de ponto, devemos ter saudade de nós mesmos, do tempo em que banho de chuva era um compromisso e pisar com pés descalços na terra era um prazer.

De um tempo pra não fazer nada e quando não havia pressa.

Prof. Péricles

sábado, 1 de dezembro de 2012

HISTORIADORES


A recente aprovação do projeto de regulamentação da profissão de historiador no Senado Federal, no último dia 7, tem gerado algumas controvérsias que, do nosso ponto de vista, derivam de certas incompreensões e até mesmo do desconhecimento do texto do projeto.

Alguns têm alegado que a regulamentação conduzirá ao cerceamento da liberdade de expressão daqueles que, mesmo não sendo historiadores de formação, escrevem sobre o passado. Neste sentido, citam, inclusive, nomes de grandes intelectuais que produziram e continuam produzindo verdadeiros clássicos da historiografia brasileira.

Outros afirmam que a necessidade de formação específica levará à falta de professores de história no ensino fundamental, já que hoje muitos ministrantes desta disciplina realizaram outros cursos de graduação, como pedagogia, ciências sociais e filosofia.

Sobre o primeiro argumento contra o projeto, ele só é manifestado por quem não conhece o seu teor. Em nenhum momento foi proposto que historiadores profissionais tenham exclusividade na formulação e divulgação de narrativas históricas.

Jornalistas, cientistas sociais, diplomatas, juristas, economistas e todos os cidadãos poderão continuar a produzir conhecimento histórico - e esperamos que isso aconteça, pois só a partir de perspectivas diferentes e multidisciplinares conseguiremos fazer avançar a historiografia brasileira que, por sinal, é bastante consistente e tem grande reconhecimento internacional.

Além disso, advogar esta exclusividade aos historiadores profissionais seria atentar contra as liberdades democráticas, o que não é o caso aqui. Prova disso é que o projeto foi apoiado por todas as lideranças partidárias do Senado, demonstrando que ele não tem um viés político-partidário específico.

Quanto ao segundo argumento, defendemos sim que os professores de história realizem alguma etapa de sua formação em história (na graduação ou na pós-graduação), já que acreditamos que nossos alunos do ensino básico devem ter o direito de aprender com docentes qualificados e possuidores de conhecimentos e habilidades específicas nas áreas que lecionam.

Isso não é desmerecer professores de outras disciplinas, mas reconhecer que cada campo disciplinar implica a aquisição de saberes específicos, mesmo que em diálogo com outros âmbitos de conhecimento. (No caso dos professores de história, por exemplo, a atenção às múltiplas temporalidades, a crítica e a interpretação dos documentos, a atualização historiográfica, a atenção às relações entre história acadêmica e história ensinada etc.).

De qualquer forma, esta especialização do corpo docente não se dará de uma hora para outra. Afinal, a própria Lei das Diretrizes e Bases da Educação prevê que, quando não há professores formados nas disciplinas específicas, devem ser aproveitados professores com outras formações e só, em último caso, professor sem nenhuma formação.

Isso não impede, contudo, que, a médio e longo prazo, continuemos lutando pela qualificação e especialização de nossos professores, sem deixar de estimular, é claro, o saudável diálogo interdisciplinar.

Ou seja, o projeto não veda a ninguém o direito de escrever sobre história nem pretende impor de uma hora para outra a especialização a todos os docentes. Apenas quer assegurar a presença de historiadores profissionais em espaços dedicados ao ensino e à pesquisa científica em história, para que esses possam, em colaboração com outros estudiosos, contribuir para o avanço da área.

Paulo Paim é senador pelo PT-RS, presidente da Comissão de Direitos Humanos do Senado e autor do projeto de lei citado no artigo.
Fonte: Jornal da Ciência