Follow by Email

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

ESTAMOS EM FÉRIAS (2014)


Caros amigos e amigas,

Estaremos de férias até o carnaval, mas, o Blog ficará aberto para todos os amigos. A leitura de textos mais antigos está totalmente liberada.

Entre na aba “pesquisar esse Blog” digite a palavra que lhe interessa, clic, e ele puxará o texto que trata daquele assunto.

Lembramos que os textos são voltados a assuntos da atualidade e também referente à temas de história, voltados, especialmente, para concursos públicos e vestibular.

Fique à vontade, o Blog é seu.

Abaixo segue algumas sugestões de textos/assuntos.


- Nunca Faltarão Argumentos (outubro/2012);
- Festa no Olimpo (setembro/2013);
- O Mundo de Péricles 1, 2 e 3 (Fevereiro/2012)
- O Segredo de Édipo (maio/2013);
- Egito e A Maldição do Faraó (julho/2011);
- Fenícios, o Povo do Mar (outubro/2012);
- Amy Winehouse e As Bengalas (julho/2011);
- Avó, O Torturador e A Justiça, A (julho/2012);
- Enrustidos (abril/2012);
- PCB ou PC do B? (outubro/2011);
- O Segredo de Calabar (outubro/2013);
- Dia da Criança no Paraguai (outubro/2011);
- O Rei do Sertão (dezembro/2011);
- Seleção de Presidentes (setembro/2012);
- O Cofre do Ademar 1 e 2 (maio/2011);
- Frei Tito 1, 2 e 3 (agosto/2011);
- O Trem das Estrelas (Março/2013);
- A Burguesinha Nua (julho/2012);
- Crises do Século XIV: As Dores do Parto (junho/2011);
- Oração Pelos Lanceiros Negros (setembro/2012).


Voltaremos em março,

Até lá.

Grande abraço,


Péricles

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

TERRORISTAZINHOS


Por Eric Margolis, Information Clearing House


Como é possível que um microscópico grupo anticomunista no Afeganistão, que não tinha mais que 200 membros ativos em 2001, tenha-se tornado suposta ameaça planetária?

Como pode a al-Qaida estar em todo o Oriente Médio, Norte da África e em grande parte da África negra? E, isso, depois de os EUA terem consumido mais de $1 trilhão para acabar com a al-Qaida no Afeganistão e no Paquistão?

A resposta é simples. Como organização e ameaça, a al-Qaida é quase nada. Mas como nome, “al-Qaida” e “terrorismo” tornaram-se palavras universalmente sempre à mão, para designar grupos que combatem a influência ocidental, a corrupção ou a repressão na Ásia e na África. A al-Qaida está em lugar algum – mas em todos os lugares.

Se você for um grupo rebelde à procura de publicidade, o caminho mais fácil e declarar-se aliado da fugaz, impalpável, inexistente al-Qaida.

Depois que os EUA invadiram o Iraque em 2003, mais de uma dúzia de grupos iraquianos de resistência surgiram, para lutar contra os norte-americanos e seus recém aparecidos novos aliados xiitas. O principal desses grupos era o Partido Ba’ath de Saddam Hussein e militares veteranos iraquianos. Como já disse várias vezes em grandes redes de TV dos EUA, nunca houve nem al-Qaida nem armas nucleares no Iraque.

Graças à mágica da manipulação pela imprensa-empresa de massa, Washington conseguiu desviar a atenção, fazendo que todos deixassem de ver os grupos da resistência sunita – “terroristas”, como foram rotulados –, para só verem um único grupo de doidos degoladores liderados por um jordaniano, renegado, misterioso, Abu Musab al-Zarqawi. Todos os demais grupos da resistência sumiram de vista.

Alguns reaparecem agora, no oeste do Iraque.

A simples menção da palavra ‘de trabalho’ al-Qaida bastou para lançar os Republicanos e neoconservadores norte-americanos em estado de frenesi. Exigem que o governo Obama “faça algo”. Talvez... reinvadir o Iraque? Há 10 mil soldados dos EUA bem ali perto, no Kuwait.

Forças especiais, aviões tripulados ‘presencialmente’ e tripulados à distância, os drones, dos EUA, e mercenários da CIA já estão em ação em torno de Fallujah e Ramadi. Como em outras vezes, a CIA está pagando milhões a tribos sunitas para que combatam forças antigoverno.

O ex-diretor do Pentágono Leon Panetta admitiu que não havia mais que de 25 a 50 membros da al-Qaida no Afeganistão. Mas agora já há al-Qaida no Paquistão, Jordânia, Arábia Saudita, Iêmen, pelo Norte da África, Nigéria, Mali, República Centro-Africana e por aí vai. O grupo Shebab da Somália, de resistência anti-ocidente, também já é apresentado como “ligado à al-Qaida”.

Nos tempos da Guerra Fria, praticamente todos os grupos que se opunham à dominação ocidental eram chamados comunistas. Hoje, a al-Qaida substituiu o comunismo como nome a usar em todas as ‘emergências’. A idéia generalizada – mas provavelmente errada – segundo a qual a al-Qaida de Osama bin Laden teria sido responsável pelos ataques do 11/9 converte qualquer coisa “ligada à al-Qaida” em candidato nato à liquidação sumária.

Rotular seus inimigos como “terroristas” é ótimo modo de deslegitimá-los e negar-lhes qualquer direito político ou humanitário. Foi o que fez Israel, com muita eficácia, contra palestinos desesperados.

Contudo, o problema óbvio aqui é que, ao fazer isso, cria-se suprimento infinito de “terroristas”, o que leva a pressões a favor de guerras contra eles. Isso, e o petróleo, já meteram forças especiais dos EUA África adentro, por toda a África negra.

O Egito é mais um trágico exemplo de propaganda distribuída pela imprensa-empresa, que vira ‘fato’. A maioria do povo egípcio, que votou e elegeu democraticamente um governo, em eleições limpas, e o governo que os egípcios elegeram, já são hoje universalmente condenados como “terroristas” pelos generais bandidos que derrubaram o governo eleito no Cairo. Qualquer um que se oponha à junta militar apoiada pelos EUA e pela Arábia Saudita é “terrorista”. Provavelmente dirigem carros terroristas, comem comida terrorista e têm filhinhos terroristazinhos.





domingo, 26 de janeiro de 2014

TEMPO DA GRANDE TRANSFORMAÇÃO



Por Leonardo Boff


Normalmente as sociedade se assentam sobre o seguinte tripé: na economia que garante a base material da vida humana para que seja boa e decente; na política pela qual se distribui o poder e se montam as instituições que fazem funcionar a convivência social; a ética que estabelece os valores e normas que regem os comportamentos humanos para que haja justiça e paz e que se resolvam os conflitos sem recurso à violência.

Geralmente a ética vem acompanhada por uma aura espiritual que responde pelo sentido último da vida e do universo, exigências sempre presentes na agenda humana.

Estas instâncias se entrelaçam numa sociedade funcional, mas sempre nesta ordem: a economia obedece a política e a política se submete à ética.

Mas a partir da revolução industrial no século XIX, precisamente, a partir de 1834, a economia começou na Inglaterra a se descolar da política e a soterrar a ética.

Surgiu uma economia de mercado de forma que todo o sistema econômico fosse dirigido e controlado apenas pelo mercado livre de qualquer controle ou de um limite
ético.

A marca registrada deste mercado não é a cooperação mas a competição, que vai além da economia e impregna todas a relações humanas. Mais ainda criou-se, no dizer de Karl Polanyi, "um novo credo totalmente materialista que acreditava que todos os problemas poderiam ser resolvidos por uma quantidade ilimitada de bens materiais (A Grande Transformação, Campus 2000, p. 58).

Esse credo é ainda hoje assumido com fervor religioso pela maioria dos economistas do sistema imperante e, em geral, pelas políticas públicas.

A partir de agora, a economia funcionará como o único eixo articulador de todas as instâncias sociais. Tudo passará pela economia, concretamente, pelo PIB. Quem estudou em detalhe esse processo foi o filósofo e historiador da economia já referido, Karl Polanyi (1866-1964), de ascendência húngara e judia e mais tarde convertido
ao cristianismo de vertente calvinista. Nascido em Viena, atuou na Inglaterra e depois, sob a pressão macarthista, entre o Toronto no Canadá e a Universidade de Columbia nos USA. Ele demonstrou que "em vez de a economia estar embutida nas relações sociais, são as relações sociais que estão embutidas no sistema econômico (p. 77). Então ocorreu o que ele chamou A Grande Transformação: de uma economia de mercado se passou a uma sociedade de mercado.

Em consequência nasceu um novo sistema social, nunca antes havido, onde a sociedade não existe, apenas os indivíduos competindo entre si, coisa que Reagan e Thatcher
irão repetir à saciedade. Tudo mudou pois tudo, tudo mesmo, vira mercadoria. Qualquer bem será levado ao mercado para ser negociado em vista do lucro individual: produtos naturais, manufaturados, coisas sagradas ligadas diretamente à vida como água potável, sementes, solos, órgãos humanos. Polanyi não deixa de anotar que tudo isso é "contrário à substância humana e natural das sociedades". Mas foi o que triunfou especialmente no após-guerra. O mercado é "um elemento útil, mas subordinado à uma comunidade democrática" diz Polanyi. O pensador está na base da "democracia econômica".

Aqui cabe recordar as palavras proféticas de Karl Marx em 1847 Na miséria da filosofia: "Chegou, enfim, um tempo em que tudo o que os homens haviam considerado
inalienável se tornou objeto de troca, de tráfico e podia vender-se. O tempo em que as próprias coisas que até então eram co-participadas mas jamais trocadas; dadas, mas jamais vendidas; adquiridas mas jamais compradas - virtude, amor, opinião, ciência, consciência etc -em que tudo passou para o comércio. O tempo da corrupção geral, da venalidade universal ou, para falar em termos de economia política, o tempo em que qualquer coisa, moral ou física, uma vez tornada valor venal é levada ao mercado para receber um preço, no seu mais justo valor.

Os efeitos socioambientais desastrosos dessa mercantilização de tudo, os estamos sentindo hoje pelo caos ecológico da Terra. Temos que repensar o lugar da economia
no conjunto da vida humana, especialmente face aos limites da Terra. O individualismo mais feroz, a acumulação obsessiva e ilimitada enfraquece aqueles valores sem os quais nenhuma sociedade pode se considerar humana: a cooperação, o cuidado de uns para com os outros, o amor e a veneração pela Mãe Terra e a escuta da consciência que nos incita para bem de todos.

Quando uma sociedade se entorpeceu como a nossa e por seu crasso materialismo se fez incapaz de sentir o outro como outro, somente enquanto eventual produtor e consumidor, ela está cavando seu próprio abismo. O que disse Chomski há dias na Grécia (22/12/2013) vale como um alerta:"aqueles que lideram a corrida para o precipício são as sociedades mais ricas e poderosas, com vantagens incomparáveis como os USA e o Canadá. Esta é a louca racionalidade da 'democracia capitalista' realmente existente."

Agora cabe a retorção ao There is no Alternative (TINA): Não há alternativa: ou mudamos ou pereceremos porque os nossos bens materiais não nos salvarão.

É o preço letal por termos entregue nosso destino à ditadura da economia transformada num "deus salvador" de todos os problemas.

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

CONTA DIREITO ESSA HISTÓRIA


Filho de Professor de História Antiga, o judeu Marc Léopold Benjamim Bloch nasceu na França em 06 de julho d 1886.

Desde muito jovem demonstrou talento para o estudo, em especial para as ciências sociais e a história.

Lutou na I Guerra Mundial, sendo condecorado por heroísmo em batalha após grave ferimento.

Depois da guerra foi para a Universidade de Estrasburgo, onde conheceu Lucien Febvre que seria seu amigo pessoal e parceiro intelectual pelo resto da vida.

Na época de Bloch o estudo de história estava amordaçado às circunstâncias do fato. Produzir conhecimento em história era apenas descrever os fatos como eles pareciam ter ocorrido, sem maior preocupação com análise contextual ou futura.

Era como você contando a história do seu casamento apenas focando a cerimônia desapegada dos fatos que levariam o divórcio mais tarde.

Juntos, Bloch e Febvre, fundaram, em 1929, a revista “Annales d’Histoire Économique ET Sociale” que trouxe uma nova abordagem da história. Nessa abordagem o fato é mostrado como conseqüência do contexto social, político e econômico de seu tempo, compreensível a partir de uma análise econômica e social.

A revista alcançou sucesso mundial, dando origem a uma nova forma de “contar a história”, que foi chamado de Escola dos Annales.

A partir dessa nova mentalidade, Bloch publicou em 1939, aquela que é considerada sua obra prima “A Sociedade Feudal” (ele até hoje é considerado o maior medievalista de todos os tempos). Nessa obra se promove uma renovação na compreensão do feudalismo.

Definitivamente estava sepultada a história meramente seqüencial dos fatos, nomes e datas para dar lugar a uma nova história preocupada com a relação do homem, a sociedade e o tempo, sendo os fatos, conseqüências e não causas.

Em junho de 1940 a França se rende ao invasor nazista. Bloch participará da resistência francesa que fará amarga a vida dos alemães em território francês. Mas, foi capturado, barbaramente torturado e fuzilado em 16 de junho de 1944, nos subúrbios da pequena cidadezinha francesa de Saint-Didier-de-Formans.

Após a Guerra, amigos e admiradores publicaram post-mortem “Apologia da História ou O Ofício do Historiador”, outro clássico da área.

Por tudo isso Marc Bloch sempre será uma referência nos estudos de história. Sem nenhuma dúvida um dos maiores intelectuais de nosso tempo, e para muitos, o maior historiador do século XX.

Assim, é muito triste quando se percebe que, no Brasil, o estudo de história, em muitas cabeças e instituições, permaneça anterior a Marc Bloch e sua obra.

Ainda é muito comum ouvir de aluno que história é só “decoreba”.

Esse pensamento expressa a idéia errônea da história apenas factual e estática.
Reflete também a forma que foi ensinada história a esse aluno.

Exemplo do quanto esse raciocínio pode ser prejudicial é a idéia existente na cabeça de muitos brasileiros sobre a Ditadura militar como uma seqüência de fatos (lamentáveis), mas que “devem permanecer no passado” como se a sua influência nefasta ainda não se faça sentir na política nacional e na sua ética. Nessa maneira de pensar a Ditadura é algo passado que não diz nada a quem não viveu a sua época.

Por isso, assim como antes de pensar em mudar o mundo devemos pensar em mudar a nós mesmos, não há dúvidas que antes de repensar as mudanças no sistema de ensino do Brasil, deve o historiador e o professor de história mudar a maneira de relatar os fatos históricos, fornecendo elementos e exigindo mais interpretação e envolvimento do que, meramente, conhecimento formal.

E aos alunos é sagrado o direito de cobrar de seus professores - “conta direito essa história”.


Prof. Péricles
Fontes:
http://www.marcbloch.fr/bio.html

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

O IMPÉRIO DO SHOPPING



por Emir Sader em Carta Maior

Na sua fase neoliberal, o capitalismo implementa, como nunca na sua história, a mercantilização de todos os espaços sociais. Se disseminam os chamados não-lugares – como os aeroportos, os hotéis, os shopping-centers , homogeneizados pela globalização, sem espaço nem tempo, similares por todo o mundo.

Os shopping-centers representam a centralidade da esfera mercantil em detrimento da esfera pública, nos espaços urbanos. Para a esfera mercantil, o fundamental é o consumidor e o mercado. Para a esfera pública, é o cidadão e os direitos.

Os shoppings-centers representam a ofensiva avassaladora contra os espaços públicos nas cidades, são o contraponto das praças públicas. São cápsulas espaciais condicionadas pela estética do mercado, segundo a definição de Beatriz Sarlo. Um processo que igualiza a todos os shopping-centers, de São Paulo a Dubai, de Los Angeles a Buenos Aires, da Cidade do México à Cidade do Cabo.

A instalação de um shopping redesenha o território urbano, redefinindo, do ponto de vista de classe, as zonas onde se concentra cada classe social. O centro – onde todas as classes circulavam – se deteriora, enquanto cada classe social se atrincheira nos seus bairros, com claras distinções de classe Os shopping, como exemplos de não-lugares, são espaços que buscam fazer com que desapareçam o tempo e o espaço – sem relógio e sem janelas - , em que desaparecem a cidade em que estão inseridos, o pais, o povo. A conexão é com as marcas globalizadas que povoam os shopping-centers de outros lugares do mundo. Desaparecem os produtos locais – gastronomia, artesanato -, substituídos pelas marcas globais, as mesmas em todos os shoppings, liquidando as diferenças, as particularidades de cada pais e de cada povo, achatando as formas de consumo e de vida.

O shopping pretende substituir à própria cidade. Termina levando ao fechamento dos cinemas tradicionais das praças publicas, substituídos pelas dezenas de salas dos shoppings, que promovem a programação homogênea das grandes cadeias de distribuição.

O shopping não pode controlar a entrada das pessoas, mas como que por milagre, só estão aí os que tem poder aquisitivo, os mendigos, os pobres, estão ausentes. Há um filtro, muitas vezes invisível, constrangedor, outras vezes explicito, para que só entrem os consumidores.

Nos anos 1980 foi organizado um passeio de moradores de favelas no Rio de Janeiro a um shopping da zona sul da cidade. Saíram vários ônibus, com gente que nunca tinham entrado num shopping.
As senhoras, com seus filhos, sentavam-se nas lojas de sapatos e se punham a experimentar vários modelos, vários tamanhos, para ela e para todos os seus filhos, diante do olhar constrangido dos empregados, que sabiam que eles não comprariam aqueles sapatos, até pelos seus preços. Mas não podiam impedir que eles entrassem e experimentassem as mercadorias oferecidas.

Criou-se um pânico no shopping, os gerentes não sabiam o que fazer, não podiam impedir o ingresso daquelas pessoas, porque o shopping teoricamente é um espaço público, aberto, nem podiam botá-los pra fora. Tocava-se ali no nervo central do shopping – espaço público privatizado, porque mercantilizado.

O shopping-center é a utopia do neoliberalismo, um espaço em que tudo é mercadoria, tudo tem preço, tudo se vende, tudo se compra. Interessa aos shoppings os consumidores, desaparecem, junto com os espaços púbicos, os cidadãos. Os outros só interessam enquanto produtores de mercadorias. Ao shopping interessam os consumidores.

Em um shopping chique da zona sul do Rio, uma vez, uns seguranças viram um menino negro. Correram abordá-lo, sem dúvida com a disposição de botá-lo pra fora daquele templo do consumo. Quando a babá disse que ela era filho adotivo do Caetano Veloso, diante do constrangimento geral dos seguranças.

A insegurança nas cidades, o mau tempo, a contaminação, o trânsito, encontra refúgio nessa cápsula, que nos abriga de todos os riscos. Quase já se pode nascer e morrer num shopping – só faltam a maternidade e o cemitério, porque hotéis já existem. A utopia – sem pobres, sem ruídos, sem calçadas esburacadas, sem meninos pobres vendendo chicletes nas esquinas ou pedindo esmolas, sem trombadinhas, sem flanelinhas.

O mundo do consumo, reservado para poucos, é o reino absoluto do mercado, que determina tudo, não apenas quem tem direito de acesso, mas a distribuição das lojas, os espaços obrigatórios para que se possa circular, tudo comandado pelo consumo.

sábado, 18 de janeiro de 2014

DR. EGITO


O povo egípcio se destacou em muitas coisas e foram fundamentais em muitos aspectos nas mais variadas áreas. Uma delas foi a medicina.

Foram os maiores médicos da antiguidade e muitos dos seus conhecimentos foram utilizados até a Idade Média, ou mais.

Grandes ginecologistas, obstetras, pediatras.

Ninguém sabia mais da anatomia humana que eles, até pelo exercício extraordinário da mumificação.

Algumas múmias egípcias guardam até hoje os pontinhos brancos das unhas.

Claro, que a mumificação também estava atrelada ao poder econômico e por isso, com raras exceções, apenas as múmias dos mais ricos chegaram até nós com todo o conhecimento conservado.

O mais antigo tratado de Medicina que chegou até nós, foi escrito por volta de 1555 a.C. e foi encontrado em Tebas, no Egito, no ano de 1862.

Abordava diagnósticos e tratamentos de várias doenças. Esses tratamentos incluíam exorcismos, uso de vegetais, manipulação de minerais e até excrementos de animais como medicamento.

No Antigo Egito já havia preocupação com as insistentes dores de cabeça e enxaquecas, mas, o tratamento consistia em amarrar um crocodilo de barro na cabeça do paciente, orar e evocar os deuses.

Diagnosticavam ataques epiléticos a acreditando que as convulsões eram provocadas pela influência da lua, denominavam os doentes de “lunáticos”.

Os Egípcios descreviam com pormenores desconhecidos por qualquer outra civilização, a anatomia feminina, diagnosticando inúmeras enfermidades e terapias.

Foram eles que criaram o mais perfeito método anticoncepcional antes da invenção da pílula no século XX, composto por sementes de acácia negra esmagadas, que possuíam enorme efeito antiespermaticida.

Alguns desenhos sugerem que seus médicos chegaram a tentar transplantes, mas foram vencidos pela rejeição e também aumentar o órgão sexual masculino.

Nunca esquecendo que estamos falando de um povo e de conhecimentos de mais de 3500 anos atrás.

Dá pra imaginar o quanto os médicos do Egito iriam se encantar e contribuir tendo a seu dispor os recursos técnicos de hoje?

Prof. Péricles

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

OS MAIS LIDOS



Queridas amigas e amigos,

Tendo em vista que muitos dos nossos visitantes são recém-chegados, convido a todos a conferir os cinco textos mais acessados do Blog.

Se você não leu e gostaria de ler, use a aba “Pesquisar esse Blog” que fica ao lado. Coloque o título no espaço e clic, automaticamente será levado ao título e depois de novo clic, ao texto.

Não são necessariamente, os que mais causaram repercussão, mas os mais acessados segundo estatística do google.

Fique à vontade para encaminhar comentários ou imprimir o texto, se desejar.

Espero que seja útil a seus estudos ou simplesmente de agradável leitura.

São eles:

1º Corrupção na ditadura militar, publicado em maio de 2013;

2º Batalha de Pirajá, publicado em maio de 2011;

3º Os 10 Piores Governantes do Brasil, de agosto de 2013;

4º Chimangos e Maragatos, Traumas da Guerra de dezembro de 2012;

5º A Revolta dos Padres, de junho de 2011.


Boa leitura.


Prof. Péricles

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

O QUE DIZEM OS GATOS



Num certo momento os persas estavam próximos de estruturar o primeiro império conhecido da história. Para consolidar seu poder, após a conquista da Babilônia e da Palestina, seu imperador, Cambises considerou fundamental ampliar seu território às terras mais distantes do Egito. Com essa conquista estaria fechado um arco de dominação que se estenderia no planalto do Irã e das terras férteis do atual Iraque até o nordeste da África, dominando as principais rotas comerciais.

Assim, confiante e decidido, Cambises invadiu o Egito no ano de 525 a.C.

Governava o Egito o jovem faraó Psamético III, que reinava a pouco mais de cinco meses quando morrera seu pai. Marchou com suas tropas ao encontro do invasor encontrando-os na decisiva batalha de Pelusa (ou Pelúsio).

Psamético esperava receber apoio naval e terrestre dos Gregos, mas esse reforço jamais chegou até o faraó.

A batalha foi muito fácil para os persas.

Enquanto as tropas egípcias eram comandadas por um inexperiente faraó, os persas contavam com uma raposa no comando.

Segundo o historiador Heródoto, Cambises além de possuir soldados veteranos em combate e bem treinados, ainda fez uma aliança com tribos nômades que não só deixaram de ajudar as tropas de Psamético como ainda auxiliaram os persas.

Heródoto afirma que, Cambises ordenou que vasta quantidade de gatos fosse colocada à frente de suas tropas e amarrados em seus carros de guerra. Além disso, determinou que fosse pintada a figura de Bastet,o deus-gato dos egípcios, em seus escudos.

Temerosos de atingir os animais sagrados e de cometer algum tipo de sacrilégio, as tropas egípcias foram totalmente envolvidas e a batalha terminou num massacre. As baixas do Egito teriam sido de mais de 50 mil homens entre mortos, feridos e desertores.

Psamético III recuou com o que restou de suas forças para a cidade de Mênfis, mas não suportou por muito tempo o cerco de Cambises e acabou se rendendo ao invasor.

A Batalha de Pelusa demonstrou como é necessário conhecer o inimigo para poder vencê-lo. Cambises estudou os egípcios e assim, conhecia seus pontos fracos e suas crenças, seu amor aos gatos e o temor ao deus-gato.

Começou a vencer a batalha antes mesmo de sua realização.

Essa lição deveria ser melhor compreendida, por exemplo, pela oposição política brasileira.

Derrotada nas últimas três eleições presidenciais, os partidos de oposição ameaçam repetir seus erros não trazendo nada de novo ao debate político nacional.

Se quiser ter alguma chance nas urnas ano que vem, é fundamental que a oposição ao atual governo abandone táticas totalmente superadas, como alianças de última hora para a construção de uma espécie de salvador da pátria.

A internet promoveu uma silenciosa transformação entre o eleitorado brasileiro, ainda não completamente compreendida. Não basta mais o apoio tácito da mídia para formar opinião. A maioria das pessoas estão melhor informadas graças ao acesso a inúmeros novos mecanismos de informação.

Tão pouco adianta para a oposição bater nas conquistas sociais tipo Bolsa Família ou afirmar que o país está mal e a beira do precipício se as pessoas estão empregadas e recriando uma classe média que nunca consumiu tanto.

Muito menos adianta insistir que o PT inventou a corrupção no Brasil. O povo sabe muito bem que isso não é verdade e lembra que outros governos, inclusive de quem hoje usa o dedo acusador, fizeram o mesmo ou pior do que os mensaleiros.

Se a oposição no Brasil quiser ter chances nas eleições de 2014, deveria entender melhor porque o governo do PT agrada tanto ao povão e depois de bem compreendida a lição, partir para propostas reais e palpáveis de fazer melhor.

O Brasil precisa de uma oposição melhor, mais objetiva e realista que contribua de fato com um debate sério e realista. É necessário à saúde política do país que a oposição seja menos Psamético.

Seria conveniente colocar alguns gatos que o PT teme, à frente de suas tropas, como por exemplo, cadê a reforma agrária que era prometida pelo partido e por Lula? Cadê a participação popular nas decisões?

A melhor forma de combater o personalismo é inserindo as organizações populares nas discussões e decisões políticas ao invés de apenas denunciar o populismo.

Talvez esteja faltando estratégia a quem faz oposição no Brasil.

Certamente estão faltando gatos no seu arsenal e Cambises entre suas lideranças.



Prof. Péricles






sábado, 11 de janeiro de 2014

BELZEBU E A BABILÔNIA


Os povos mesopotâmios habitavam uma das regiões mais férteis de seu tempo, e, em seu tempo isso decidia tudo. Boas terras irrigadas eram mais valiosas, muito mais valiosas, do que as ricas terras petrolíferas da atualidade.

Ter uma terra assim favorecia a agricultura e permitia a sobrevivência.

Por isso mesmo era cobiçada por todos os povos, e todos aqueles que se sentiam minimamente equipados para uma guerra a invadiam. Claro que, para não serem expulsos, os povos que ali habitavam resistiam de todas as formas e as guerras se prolongavam.

Tão antigos quanto os Egipcios, os povos da Mesopotâmia desenvolveram uma escrita que rivaliza com os hieroglifos em antiguidade.

De tantas guerras, os babilônio aprenderam desde cedo que era muito fácil morrer. Seus pais morreram jovens e eles também morreriam pois esse parecia ser o preço de morar num paraíso tão invejado.

Como era fácil morrer cresceu um forte sentimento de apego à vida e aos prazeres e as terras douradas entre os rios Tigre e Eufrates viram florescer povos que adoravam festas e a alegria, fato refletido em sua cultura, especialmente em sua religião.

Os Babilônios não acreditavam na continuação da vida após a morte. Para eles, apenas os deuses eram eternos. Então, aos prazeres, enquanto possível!

Assim o exigiam seus deuses, como Marduque e Baal e deusas como Ishtar.

Baal era tão apegado nos prazeres da carne, no sexo, drogas e rock in rol que provocava escândalos nos hebreus, um povo tradicionalmente mais exposto aos conceitos de pecado e virtudes. Aliás, de Baal derivou-se a palavra Belzebaal, depois Belzebu, o demônio entre os semitas.

Esses escândalos abalavam tanto seus vizinhos que, o povo de Baal tornou-se símbolo de pecado e de perdição. Alguns dos mais poderosos ícones bíblicos como Belzebu, a Torre de babel, Sodoma e Gomorra, localizavam-se segundo as escrituras, nessas terras periodicamente inundadas pelo Tigre e pelo Eufrates.

Provavelmente os pais do “povo de deus” ensinavam os filhos a se afastarem das mulheres babilônicas adoradoras de Ishtar.

Ishtar era a deusa do amor, mas não do amor mãos dadas e olhinhos piscantes, mas do amor barra pesada, que incluía variadas formas e posições. Ishtar, senhora do sexo e do prazer feminino. Todos os sacerdotes de Ishtar eram homossexuais (cultuados e não discriminados) e em homenagem a essa deusa se celebrava, uma vez por ano, a “prostituição Sagrada” quando toda mulher solteira ou casada, deveria praticar a prostituição, exigir pagamento, e especialmente, exigir prazer. Obviamente os maridos não estavam incluídos na clientela.

Num tempo em que o prazer sexual era, praticamente, monopólio masculino, esse povo brilhante, parece ter entendido a necessidade da realização sexual da mulher para manter o casamento e a família.

Para eles, a morte precoce era inevitável, mas o prazer, uma opção.


Prof. Péricles

sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

A ESCOLHA DE D. PEDRO


O Brasil começou a se emancipar de Portugal, de fato, em 1808, quando a sede do governo português transferiu-se para a colônia e é declarada a “abertura dos portos brasileiros às nações amigas” o que, na prática queria dizer, Inglaterra.

O processo de emancipação que uniu interesses de nossa elite com as elites inglesas se fortaleceu com o Tratado de Stragford em 1810 e a elevação do Brasil à categoria de Reino Unido em 1815.

Em 1822, a independência política era absolutamente inevitável e irreversível.

Porém, algumas coisas muito importantes ainda deviam ser bem esclarecidas. Por exemplo, quem lideraria o processo de rompimento definitivo?

Para os latifundiários brasileiros o ideal era que fosse o Príncipe regente D. Pedro, visto que, dessa forma poderia ser mantida a forma monárquica de governo e, por extensão, manter a escravidão.

Não fosse D. Pedro, seria outro, porém, exigiria outras manobras para manter o sistema escravagista.

Claro, que em tudo isso ainda haveria a vontade pessoal do Regente.

Iria querer D. Pedro proclamar a independência do Brasil? Isso o faria Imperador da jovem nação, mas, representaria a perda dos direitos à sucessão de seu pai, D. João VI, ao trono português.

Toparia D. Pedro trocar o trono de Portugal pelo trono do Brasil?

A resposta ocorreu em 9 de janeiro de 1822 (essa semana completou 192 anos).

Nesse dia, D. Pedro, então um jovem de 23 anos, deveria fazer sua escolha. De um lado haviam decretos estabelecidos pelas Cortes de Lisboa exigindo seu retorno imediato. De outro, um abaixo-assinado contando mais de 8 mil assinaturas para que ficasse.

A decisão de D. Pedro nesse dia foi muita mais importante para ele próprio, sua carreira e seu futuro, do que pra a independência do Brasil, apesar do que dizem os livros didáticos de história.

A escolha foi a melhor para ele?

Ao menos em relação ao tempo em que foi rei ocorreu uma incrível coincidência.

No Brasil D. Pedro acabou proclamando a independência e se tornando o primeiro Imperador do país. Governou apenas 8 anos e 7 meses de setembro/1822 a abril/1831.

Se não tivesse o dia do Fico e ele retornasse para Portugal, vindo a ser o futuro rei com a morte de seu pai, D. João VI ocorrida em março/1826 e considerando que, ele próprio, D. Pedro, faleceu em setembro de 1834, seu governo duraria 8 anos e 6 meses.

Igualite.


Prof. Péricles

quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

ANÁLISE 2013: MOVIMENTO DE JUNHO NÃO TEM DONO



O ano de 2013 destruiu velhos conceitos conservados com o vinagre do mau humor acerca do comportamento do brasileiro, especialmente dos jovens, que seria marcado pela apatia, sendo, por isso mesmo, um povo (uma juventude) alienado e facilmente manipulável.

Pois, o grande fato do Brasil, em 2013, foi justamente, o povo, a partir de sua juventude, nas ruas.

Ao que parece (a falta de certezas é característico no que aconteceu) tudo começou com um movimento de protesto em relação ao preço do transportes urbanos. Surgiu até uma organização, mais ou menos organizada, denominada de MPL – Movimento pelo Passe Livre, que buscou capitanear as ações iniciais.

Mas, o movimento engrossou, e, de repente, em suas fileiras surgem novos elementos e novas reivindicações, ao que tudo indica, sem uma pauta previamente delineada.

Contra a corrupção em geral, contra a PEC 37, contra a Cura Gay, contra a Copa do Mundo no Brasil, contra a mídia oficialista, contra a violência, etc.

Iniciando em São Paulo, Porto Alegre, Florianópolis, Manaus, Belo Horizonte e sendo, reprimidas com violência pela polícia, as Marchas espalharam-se por todo território nacional provocando a perplexidade das autoridades que hesitam entre reprimir e consentir.

Tudo ocorreu de forma muito ligeira e, aparentemente, espontânea, tanto que, tapou de ridículo muitos pseudo-intelectuais que tentaram definir e reduzir o movimento a algo que fosse mais apetecível aos seus “profundos conhecimentos e arraigadas certezas”.

Teve até “comentarista” de tele-jornal virando celebridade internacional por sua estupidez, sendo mostrado criticando tudo aquilo de forma jocosa e com desdém num dia e sendo obrigado a pedir desculpas no dia seguinte.

Os movimentos de rua de junho no Brasil destruíram convicções e conceitos. Quanto mais se tentava defini-lo, mais indefinições eles apresentavam.

Além de expor estúpidos que se acham intelectuais expôs intelectuais de conceitos estúpidos. Numa velocidade acima do que as idéias podiam compor apresentou novos atores e caminhos.

Acima de tudo, os movimentos de rua de junho de 2013 não tiveram dono. Alguns tentaram assumir a paternidade e utilizá-la como instrumento partidário de oposição ao governo federal, mas a jogada gorou.

Foram movimentos de esquerda, nos moldes anarquistas de questionar a ordem burguesa constituída, onde os Black Bloc (encapuzados que partiam para o conflito e o quebra-quebra) eram a ponta, ou movimentos de direita, nos moldes fascistas onde os Black Bloc representavam o extremismo em busca da violência gratuita?

Houve alguma ligação externa com outros movimentos do tipo “Primavera Árabe”, “Protestos da Turquia” (que foram na mesma época), “Occupy Wall Street”?

Se tudo isso beneficiará opositores do atual governo, o quanto pesará nas próximas eleições e se haverá movimentos similares, teremos que aguardar 2014 para fazer qualquer análise.

Ainda para serem respondidas essas e outras perguntas, fica a certeza de que, os movimentos populares de junho, com manifestações em quase 500 cidades brasileiras, incluindo todas as capitais e que moveu milhões de brasileiros, foi o grande fato político do ano.


Prof. Péricles







domingo, 5 de janeiro de 2014

DAI A CESAR O QUE É DE CESAR



Um fato marcou tanto os Evangelistas que acabou sendo relatado, não por um, mas por três deles (Mateus 22:15-22, Marcos 12:13-17 e Lucas 20:20-26) dá conta que, certo dia, a banda que fazia oposição a Jesus, não tendo nenhum candidato capaz de ameaçar sua credibilidade, teve uma ideia genial para deixa-lo na maior saia justa.

Naquela época havia um ódio surdo dos judeus contra o Império Romano, que após conquistar toda a região da Palestina cobrava, como era de praxe de todos as suas províncias, impostos considerados extorsivos. A maracutaia do pessoal da mídia foi o seguinte: no meio de intensa atividade, com Jesus cercado de ouvintes por todos os lados, vigiado até pelo STF dos fariseus, lançaram a seguinte indagação (antes elogiaram Jesus uma barbaridade como é comum nos canalhas): mestre, Roma nos cobra impostos diariamente. Alegam que isso é necessário para a o pagamento da dívida externa do Império, perguntamos ó mestre, é justo que nosso povo sofrido, pague esses tributos sendo que nosso impostômetro já anda pelos dez dígitos?

Veja só que obra-prima de hipocrisia, coisa até parece articulada pelo Dem (não, não o Partido, mas o demônio). Se Jesus diz “Não, de jeito nenhum, o imposto é um abuso” ele seria dedurado como esquerdista, subversivo (ou terrorista, expressões que essa turma adorava) e que estaria preparando uma guerrilha urbana para expulsar os bons romanos da terra santa e Guerrilha urbana, todos sabem, é coisa de comunista. Jesus, provavelmente seria preso.

No entanto, se ele dissesse que era justo, que o imposto voltaria como investimentos sociais do governo, a turma do DEM o chamaria de populista, defensor de vagabundos e de Bolsa Invasor e, ainda por cima o taxariam de traidor de seu próprio povo.
E agora pensaram os apóstolos... game-over?

A multidão se calou. Segundo Marcos dava pra ouvir uma mosca voando.

Jesus, mestre sereno e sábio estende a mão e pede uma moeda. Após examina-la pergunta “de quem é essa cara retratada nessa moeda?” Oh é de Cesar mestre, responderam todos, oposição e situação, e então, complementa o nazareno “pois daí a Cesar o que é de Cesar e a Deus o que é de Deus”.

Bingo! Perfeito! Ferrou a galera lazarenta do Dem e de outros pássaros.

Numa só frase Jesus destruiu o plano macabro e a pergunta, aparentemente irrespondível, foi amplamente respondida.

O Brasil é um país soberano que não sofre cobrança de tributos de qualquer povo invasor.

Mas temos muitos fariseus em nosso meio. Não só ao pé do monte e sobre as margens dos lagos, mas por todos os lados e em todos os canais.

Esses fariseus já governaram o Brasil em várias outras situações e nunca conseguiram construir nada parecido com uma sociedade mais justa, como apregoava Jesus.
Mas adoram dar palpites e criar situações negativas.

Aqui 10% da população detém 49% da renda (segundo o IBGE).

Temos não apenas gente que é contra o Bolsa Família como também quer o que é de César, de Paulo, de Maria e de João. O que é meu e o que é de todos.

Gente que quer tudo, concentrar a posse da terra e do capital, comandar as oportunidades e que odeia pagar impostos. Imposto, aliás, segundo os neoliberais, que são os novos fariseus, deveria ser pago apenas por pobres para pagar ações de filantropia.

“Investimentos sociais são intervenções indevidas no estado na economia” dizem, e “para que existe o Criança Esperança?” especulam.

Talvez fosse a hora de alguém pegar nossa moeda, que retrata imagens de nossos animais nacionais, nossa natureza e ecossistemas e lançasse ao ar a indagação: “Afinal, a quem pertence esses tesouros”?

Prof. Péricles



sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

ANÁLISE 2013:O XEQUE-MATE DO ANO


O fato marcante na política externa em 2013, pelas suas potencialidades de definição dos tempos futuros foi a surpreendente reversão de expectativas na Síria, ameaçada de ataque pelos Estados Unidos e OTAN, dados como certos e inevitáveis por comentaristas de política externa de nossa mídia.

A Síria acabou não apenas não sendo atacada, como saí fortalecida dos acontecimentos.

Antes, alguns fatos devem ser relembrados:

- o Oriente Médio é a região de maior produção de petróleo no mundo. Acreditam os especialistas que ainda exista petróleo para até o final desse século e, embora muito se tenha investido em fontes alternativas, o petróleo continua e continuará sendo a matriz preferida de produção;

- até por isso, a região tem sido área de intensas disputas políticas e militares onde os Estados Unidos possuem três históricos aliados: Israel, Arábia Saudita e o Kwait. Também tem peso e importância auxiliar o apoio do Iraque, da Turquia e do Egito.

- Rússia e China, potências militares e políticas, possuem penetração menos alicerçada, porém constante, com o apoio do Irã e, e muito especialmente, da Síria.

- os ataques de 11 de setembro de 2001 desencadearam uma reação militarista e beligerante dos Estados Unidos na região. Foram acionadas ações de monta, com ataques pontuais e que, em seu somatório, deveria levar ao controle político e estratégico total do Oriente Médio, como podemos ver:


1. Em 07 de outubro de 2001, os Estados Unidos bombardeiam e invadem o Afeganistão, derrubando os Talibãs, uma quadrilha de sanguinários, do poder. Os talibãs eram aliados, mas não eram completamente confiáveis aos ianques e a desculpa oficial é a procura por Osama Bin Laden. Mas o Afeganistão torna-se um atoleiro em que todos os dias morrem soldados americanos atacados por fantasmas, tornando impossível a retirada do país.

2. Em 20 de março de 2003 os Estados Unidos invadem o Iraque derrubando seu histórico aliado Saddam Husseim (que havia se tornado inimigo ao invadir o intocável Kwait em 1990). Este posto já era seu e a queda de Saddam, além de não acrescentar nada abre uma luta interna que pode levar a maioria xiita que era contida por Saddam, ao poder. Foi, na verdade, um gol contra de George Bush.

3. Em 11 de fevereiro de 2011, nas águas de uma tsuname chamada de Primavera Árabe, os Estados Unidos não conseguem evitar a queda de seu aliado Hosni Mubarak, eterno presidente do Egito. Mas, em 22 de agosto do mesmo ano, usando velhos acordos militares com os aliados ocidentais, conseguem derrubar o antigo inimigo Muamar Kadafi, da Líbia. Embora Kadafi esteja velho e seja um cão (como foi apelidado no passado) que não morde mais, os EUA aproveitam para colocar no poder, aliados que lhe serão úteis numa cartada mais decisiva, a Síria.

Assim chegamos ao ponto. A questão da Síria e as novidades nesse jogo de xadrez.

Embora o governo de Bashar AL-Assad não seja nenhum primor de democracia, possui apoio da maioria da população e representa na região os interesses contrários à Israel e aos Estados Unidos. Assad tem mantido a Síria em paz, num exercício incrível de tolerância, as vezes concedendo aos extremistas islâmicos determinadas demandas, outras aos cristãos, mantendo o controle sobre os xiitas e sunitas, abrigando milhares de refugiados palestinos e impedindo atrocidades.

Os rebeldes ao seu governo foram evidentemente armados e financiados pelo ocidente. O plano parecia óbvio: apoiando os rebeldes e derrubando Assad, mais ou menos como foi com Kadaffi na Líbia, a porta para o ataque final ao Irã (hoje a maior preocupação militar do ocidente) estaria aberta. Juntando-se o apoio territorial da Turquia seria fácil demais. Derrotando o Irã e impondo um governo aliado no lugar dos Aiatolás, o cerco estaria fechado. Game-over. Não haveria mais contestação ao império dos Estados Unidos.

Justamente nesse ponto, quando tudo marchava nesse sentido, Obama já tinha amordaçado o congresso e a opinião pública já estava bem abastecida de fatos que levavam a crer que a Síria é uma potência em armas químicas que matava sua própria gente, e Assad um novo Hitler, surge uma pedra no meio do caminho, chamada Vladimir Puttin.

O mandatário soviético, primeiro, ordenou que navios de guerra e porta-aviões estacionassem na região em evidente recado à Obama. Em seguida, apresentou uma proposta a Bashar AL-Assad (e ao mundo) que desconsertou os americanos. Sob vigilância de especialistas da ONU, o governo Puttin, diretamente, se responsabilizaria pelo desarmamentos sírio de qualquer armamento químico. A Síria aceitou, e o cachimbo de Obama caiu.

O governo americano que não convencera plenamente a opinião pública e nem mesmo os próprios militares da necessidade de um ataque, ficaram, literalmente, sem ação. Não havia como impor uma guerra nessas condições e foram obrigados a recuar.

As conseqüências prometem ser tanto surpreendentes, como radicais.

Arábia Saudita e Kuwait, que apoiavam publicamente um ataque a Síria se desgastaram muito no mundo árabe e perderam preciosos pontos de força e credibilidade.

A Rússia volta a ter um peso respeitável nesse jogo que a China promete acompanhar o movimento.

Uma das surpresas de tudo isso é a incrível reaproximação dos Estados Unidos com o Irã, de governo novo, menos beligerante e mais negociador. Isso implicará no enfraquecimento de Israel e na necessidade desse país de buscar negociações diretas com os palestinos para recuperar espaços.

A política internacional é versátil e no Oriente Médio muda, muitas vezes, com uma velocidade alucinante. O ano de 2014 promete apresentar novidades na região mais conflagrada do globo. Talvez começamos apenas a assistir o desmonte da grande máquina de guerra que os americanos montavam e uma reviravolta no seu plano de dominar a produção de petróleo de forma quase monopolista.

Prof. Péricles