Follow by Email

sábado, 30 de agosto de 2014

ALFACES SOFREM


Por Walcyr Carrasco


É muito difícil conviver com vegetarianos a maior parte do tempo. Para sair, é preciso escolher o restaurante que eles querem. Se convido para comer em casa, também impõem o menu. Só pode isso, ou aquilo. Pior, é preciso saber de que corrente a pessoa é adepta. Há quem se declare vegetariano, mas na prática come peixes e frutos do mar. Outros nem tocam em qualquer produto de origem animal, como um molho de macarrão com creme de leite. Todos, porém, têm uma tese sobre a vida, uma fronteira estabelecida – e estou sempre do lado errado.

Foi traumatizante a vez em que convidei um amigo para uma churrascaria. Sentamos, e só aí ele declarou que não comia carne, mas se satisfaria com as saladas. Tudo bem. Mas tem graça devorar espeto após espeto, enquanto, do outro lado da mesa, alguém me encara com ar de acusação?

Meu amigo Ricardo, advogado, carnívoro e bon-vivant, diz sabiamente:
– Se verdura fosse gostosa, teria rodízio.

De fato: alguém já viu rodízio de vegetais? De picanha, alcatra, maminha, sim. De pizza e sushi, também. Mas de brócolis? Diga francamente, você iria a um rodízio de brócolis? Ok, já sei a resposta. Eu também não.

O maior argumento dos vegetarianos é que animais sofrem ao ser abatidos. A angústia do boi, dizem, contamina a carne.

– E, depois, essa coisa ruim vai para dentro de você – disse um amigo com expressão sábia.

Fiz cara de preocupado e pensei num bom filé de alcatra. Frangos de granja vivem confinados e são tratados à base de hormônios. Penso até que essas aves já se tornaram uma mistura de animal com plástico, ou algo assim. São praticamente artificiais. Compartilho intimamente a infelicidade desses bichos. Mas não consigo pensar no assunto quando devoro um galetinho bem temperado. Também não penso nos pobres porcos quando chafurdo numa feijoada. E o torresmo, que delícia!

Muitos que se dizem vegetarianos comem peixes ou frutos do mar, como disse. Vamos lá, um camarão não tem vida, nenhum sentimento? Um linguado não faz sexo, não sente prazeres? Certa vez, aprendi a preparar o polvo. É preciso colocá-lo em salmoura, depois bater bem o corpo e pendurá-lo na torneira. Juro, o momento foi terrível. Polvo tem olhos e boca, e aquele me encarava, parecia dizer, mesmo sem vida:

– Por que faz isso comigo?

– Adoro sushi de polvo – disse intimamente – E a vida é assim, injusta. Vou te cozinhar, aguarde só a água ferver.

Mesmo assim, não preparei mais polvos. Principalmente depois de ler, em algum lugar, que eles se reconhecem no espelho. Isso sugere um grau de inteligência. Mas continuo a comê-los, impossível não gostar de polvo. Em sushi ou à espanhola, com molho vermelho.

Indo mais longe: já houve experiências com plantas, vegetais de todo tipo. Se tocam música clássica e suave nas proximidades, crescem harmoniosamente. Se gostam de música, é porque têm sentimentos. São vivas, afinal. Acho até a situação das plantas pior que a de muitos animais. Vegetarianos gostam de devorá-las frescas. Quanto mais vida ainda tiverem, melhor.

Pensemos do ponto de vista da alface: ela agoniza numa travessa, coberta de azeite, sal, vinagre, é espetada por um garfo e vive seus últimos momentos nos dentes de um vegetariano de consciência tranquila. A alface quer gritar, gemer e, ai, não consegue! Sofre. Da mesma forma que as flores colocadas nos vasos para enfeitar a sala – vegetarianos adoram esse ambiente florido. Mas não são flores agonizantes? Foram arrancadas do pé e, enquanto demonstrarem uma fatia de vida, no colorido das pétalas, são exibidas em vasos. Depois atiradas no lixo, com o resto das saladas, dos brócolis e abobrinhas cozidos, do chuchu, da berinjela, da cenoura, que, coitada, foi ralada.

Não sou a favor do sofrimento, mas, enquanto não puder viver de raios de sol, também preciso sobreviver – e, sem comida, não dá. Já que é assim, prefiro comer bem!

Só me pergunto: por que os vegetarianos sofrem pelos animais, e não pelos vegetais, que também têm sensibilidade? Acho uma falta de lógica. Tudo faz parte de uma cadeia alimentar. Talvez eu também, algum dia, se a Terra for invadida por extraterrestres canibais. Ou se for a um safári na África, der tudo errado e virar comida de leão.

Apesar dessa falta de lógica, vegetarianos se consideram melhores que o resto da humanidade. Mais corretos, mais bondosos. Ser vegetariano torna realmente alguém melhor?

Sei não... Afinal, Hitler era vegetariano.



quarta-feira, 27 de agosto de 2014

O LOUCO DO ORELHÃO


Ele falava alto, e gesticulava. E sorria também. Mais que isso, gargalhava.

Chamava atenção sua aparência.

Calça de brim esfarrapada e muito suja. Blusa marrom, também muito suja e algo que um dia foi um casaco por cima da blusa.
Um autêntico morador de rua. E falava alegremente ao telefone, soltando gargalhadas contagiando os passantes.

O que mais chamava a atenção, no entanto, era que sua mão, distraidamente, repousava sobre o gancho do “orelhão” (aqui, em Porto Alegre são chamados assim os telefones públicos).

Isso mostrava que, na verdade, ele não falava com ninguém. Ou, pelo menos, com ninguém naquela ligação telefônica.

Das coisas que dizia, uma expressão era muito repetida: “eu vou voltar, eu vou voltar, prometo”.

Todos continuaram seus caminhos, mas, muitos levaram dali inquietantes indagações.

Com quem ele pensava estar falando? Onde seria a outra extensão da ligação?

Para onde voltar?

Por que voltar lhe fazia rir e, se isso era tão bom, a quanto tempo estava fora?

Louco, resmungou uma senhora.

Na verdade, muitas vezes em nossas vidas repetimos, de outras formas, o gesto do louco do orelhão.

Muitas vezes nos iludimos que somos ouvidos.

Ansiamos que nossa voz impregnada de nossas crenças e experiências chegue até alguém que realmente se importe com nossos valores e nossas verdades.

Tudo aquilo em que acreditamos carrega um pouco de nós e quando somos ouvidos, de certa forma, somos acolhidos.

Nessa vida louca e bandida lutamos pra manter nossa lucidez, mas não são poucas as vezes em que enlouquecemos e sentimos vontade de pegar um “orelhão” imaginário, fazer uma ligação sem retorno, e aos berros e risos, prometer que vamos voltar.

Prometer, não exatamente para alguém, mas, para nós mesmos.

Ou mesmo gritar com todas as forças, “Yarburne” uma palavra árabe intraduzível para o português que significa a esperança que se tem de morrer antes da pessoa amada, porque seria incapaz de prosseguir vivendo sem ela.

Para a geração que ousou botar o pé na estrada levando na bagagem a proposta de paz e amor e que acreditou na possibilidade de criar um mundo melhor, mais justo e fraterno a opção foi cruel: voltar ao ponto de partida, adulto e sem seus sonhos ou permanecer com eles sem poder voltar. Nesse caso, a loucura sempre será o melhor refúgio.

Para a geração de loucos brasileiros que teve a coragem de lutar contra o fascismo em nome da liberdade, muitos dos caminhos não tiveram fim e a família de muitos ainda espera sua volta ou, ao menos, uma ligação de algum lugar, de um ponto sem linha ou de um túmulo sem lápide.

Nem sempre retornamos a tempo. Nem sempre alguém nos espera. Muitas vezes ninguém atende nossa ligação e nossa mão, desligando ou não a conexão, não faz a menor diferença.

“Vou voltar sim, me espera que estou chegando!”, gritamos e rimos de nós mesmos.

“Eu viajei nas noites sem estrelas, escalei viadutos, gritei mais alto que as buzinas e me perdi nas curvas urbanas. Me perdi, me perderam, mas me achei, e estou de volta.”

“Vou voltar sim, me espera que estou chegando!”

Prof. péricles

domingo, 24 de agosto de 2014

ABDELMASSIH E MENGELE




Por Alex Antunes



Claro que o ex-médico Roger Abdelmassih é um monstro. Atacava mulheres sob seus cuidados ou chefia, sedadas ou não. Sua pena é de 278 anos de prisão, por cerca de 50 estupros (foram 90 acusações, várias prescritas ou consideradas carentes de provas). A pena traduz esse inconformismo da sociedade com “um homem que abusava de mulheres que deveria proteger”, ou que “abusava delas em seu momento de maior fragilidade”. Fato.

Acontece que o doutor, capturado nesta terça-feira em Assunção, no Paraguai, onde havia se instalado numa mansão num bairro fino (o mesmo do presidente), não é apenas um estuprador vulgar. Ele era também um médico de grande renome e sucesso, inclusive midiático. Chamava a si mesmo de “Dr. Vida”, em função do alto percentual de casos bem-sucedidos em sua clínica de reprodução assistida.

Sua notoriedade começou quando atendeu o “rei” Pelé e a então esposa, Assíria, que conseguiu engravidar de gêmeos. Seguiu-se uma lista de celebridades, incluindo as mulheres de Fernando Collor, Tom Cavalcante, Renan Calheiros e Gugu Liberato (Fátima Bernardes faz questão de negar que tenha sido atendida por ele). A caríssima clínica de Abdelmassih tinha um alto percentual de casos bem-sucedidos, por volta de 50%, contra a média usual dos 30% de referência internacional. Ele dizia que era por causa do alto investimento em pesquisas.

Hoje sabe-se que o Dr. Roger também estuprava a ética médica. À revelia das pacientes, usava óvulos ou espermatozóides não necessariamente colhidos dos casais que atendia, e inseminava óvulos em quantidade superior ao indicado, para melhorar a margem de sucesso. Fraudes e erros médicos eram o combustível real da sua taxa de acerto.

Dr. Roger está em boa companhia. Nos anos 1980, o médico american Cecil Jacobson também alucinava em sua clínica de reprodução humana: usou seu próprio esperma em fecundações, produzindo possíveis 75 filhos seus em clientes desavisadas. Não se sabe se o Dr. Abdelmassih usou seu próprio sêmen. O médico mais famoso do 3º Reich, Josef Mengele, que fugiu para a América do Sul e morreu incógnito, em 1979, em Bertioga, no Brasil, por afogamento, é outro que juntava medicina e fetiches pessoais.

Entre 1943 e 1944, no campo de concentração de Auschwitz, o "Anjo da Morte" torturou e mutilou prisioneiros em seus “experimentos científicos”, entre os quais se incluiam afogamentos, injeções nos olhos e até a tentativa de criar gêmeos siameses artificiais, juntando dois irmãos. Mengele ia ainda um pouco mais longe da casinha, com um empurrão conivente do nazismo. Mas, como Jacobson e o Dr. Roger, Mengele não tinha cara de maluco.

Tinha, isso sim, a mesma arrogância de praticamente toda a medicina branca e ocidental diante de seus pacientes – particularmente quando esses pacientes são mulheres. Saltam à vista casos recentes como o de Adelir Carmen Lemos de Góes, obrigada por decisão judicial e força policial a fazer uma cesariana indesejada em Torres (RS), e de uma paciente de Natal (RN), ridicularizada nas redes sociais por seu obstetra após discordâncias na condução do parto.

Com os seus respectivos graus de perversão, o tal obstetra de Natal, chamado Iaperi Araújo, mais Jacobson, Abdelmassih e Mengele são exemplares de um mesmo tipo de postura. A suposta autoridade da (assim chamada) ciência sobre a intuição. Do deslumbramento fetichista tecnológico sobre a magia natural. O jaleco faz o tarado.
Na ficção, as fantasias de Mengele ganharam uma dimensão mais megalomaníaca. No livro de Ira Levin, depois adaptado para o cinema, chamado Os Meninos do Brasil, o médico-carrasco alemão combina seu gosto real por gêmeos com a especialidade em fertilização, antecipando Jacobson e Abdelmassih. Ele cria clones de Hitler em casais que buscam a gravidez assistida.

Gregory Peck como Mengele em Meninos do BrasilMeu filho nasceu em casa, sob a orientação de uma parteira (ex-enfermeira obstétrica) e de uma xamã. Minha ex-mulher, que tinha um parto anterior em hospital, não tem a menor dúvida de que é melhor escolher seu canto para parir como uma gata, o mais confortável possível, se hidratando com pedaços de melancia, do que de pernas para cima, contra a lei da gravidade, em sofrimento, em jejum e sob a agressividade das luzes e do escrutínio dos médicos. Parir é saúde, não doença. E a cura de doenças, por sua vez, não é glamour. É saúde, psíquica inclusive.

No aniversário de 30 anos da primeira fertilização in vitro do mundo, em 2007, conforme o relatado no blog de Laura Capriglione, Abdelmassih fez uma festa opulenta, a Festa da Fertilidade, com a presença não só de vários de seus clientes famosos, como também de Luciana Gimenez e Hebe Camargo, que carregava animadamente um bebê de brinquedo como se fosse real. Mais um espetáculo midiático, mais uma exibição do “poder”, mais fetiche.

No entanto, nas rodas médicas, os abusos de Abdelmassih eram comentados há anos, e nada se fazia. Só com a explosão pública do escândalo a entidade de classe se mexeu para cassar seu registro. Ele era um “poderoso”, e amigo dos “poderosos”. O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, mandou soltá-lo, para que ele respondesse o processo em liberdade – e ele fugiu para o exterior, desaparecendo por quase quatro anos.

Se entre Mengele e Abdelmassih é a mesma postura, só com diferenças de grau, fantasia e oportunidade, assim também é entre o nazismo e o mundo dos “famosos”. Onde Abdelmassih fez sua fama, criando os verdadeiros “meninos do Brasil”.

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

A GLOBO E OS IMPOSTOS



Por Paulo Nogueira.


Stellan Skarsgard é um ator sueco.

Aos 63 anos, um dos favoritos do cineasta Lars von Trier, tem uma carreira vitoriosa que lhe trouxe fama e dinheiro. Recentemente, ele concedeu uma entrevista na qual reafirmou seu amor pela Suécia.

“Vivo na Suécia porque o imposto é alto, e assim ninguém passa fome. A saúde é boa e gratuita, assim como as escolas e as universidades”, disse ele. “Você prefere pagar imposto alto?”, lhe perguntaram. “Claro. Se você ganha muito dinheiro, como eu, você tem que pagar taxas maiores. Assim, todo mundo tem a oportunidade de ir para a escola e para a universidade. Todos têm também acesso a uma saúde pública de qualidade.”

Skarsgard nasceu e cresceu numa cultura que valoriza o pagamento de impostos. Por isso a Suécia é tão avançada socialmente. Impostos, como lembrou ele, constroem hospitais, escolas, universidades. Pagam professores e médicos da rede pública, além de tantas outras coisas positivas para qualquer sociedade.

Essa cultura vigora também na Alemanha. Recentemente, o presidente do Bayern foi para a cadeia por sonegar imposto. Quando o caso eclodiu, as autoridades alemãs fizeram questão de puni-lo exemplarmente sob um argumento poderoso: nenhum país funciona quando as pessoas acreditam que podem sonegar impostos impunemente.

Agora, vejamos o Brasil. Há anos, décadas a mídia alimenta uma cultura visceralmente oposta. Imposto, você lê todo dia, é um horror. O Brasil tem uma das maiores cargas tributárias do mundo (o que é mentira). Imposto é uma coisa injusta. Bem, a mensagem é: sonegue, se puder. Parabéns, caso consiga.

Não poderia haver coisa mais danosa para os cidadãos do que esta pregação diuturna da mídia. Você os deforma moralmente. Tira-lhes o senso de solidariedade presente em pessoas como o ator sueco citado neste artigo.

Além de tudo, a cultura da sonegação acaba chancelando os truques praticados pelas grandes companhias de mídia para escapar dos impostos. Considere o caso célebre da sonegação da Globo na compra dos direitos de transmissão da Copa de 2002.

Nestes dias, vazou toda a documentação relativa ao caso. Uma amostra já tinha vindo à luz – na internet, naturalmente – algum tempo atrás, num furo do site Cafezinho. Só a cultura da sonegação pode explicar o silêncio sinistro que cerca este escândalo fiscal.

Até aqui, a Globo não deu uma única satisfação à sociedade. Não se desculpou, não se justificou. É como se nada houvesse ocorrido. Também a Receita Federal, até aqui, não disse nada. Mais uma vez, é como se nada houvesse ocorrido no âmbito da receita. Nenhuma autoridade econômica, igualmente, se pronunciou. De novo, é como se nada houvesse ocorrido numa área tão vital para a economia como a arrecadação de tributos.

E a mídia?

Bem, a mídia finge que não está acontecendo nada. Contei já: quando o Cafezinho publicou os documentos, falei com o editor executivo da Folha, Sérgio Dávila. Ponderei que era um caso importante, e ele aparentemente concordou porque logo a Folha fez uma reportagem sobre o assunto. Uma e apenas uma. Em seguida, a sonegação da Globo sumiu da Folha para nunca mais retornar.

Se conheço as coisas como funcionam nas redações, um telefonema de um Marinho para um Frias – as famílias são sócias no Valor — pôs fim à cobertura. Volto a Stellan Skarsgard. Em todo país socialmente desenvolvido, pagar impostos é uma coisa sagrada. E sonegá-los é um ato de lesa sociedade, passível de punição exemplar.

O Brasil sofreu uma lavagem cerebral da mídia. Uma das tarefas prementes de uma administração sábia é desfazer essa lavagem. Quando as palavras do ator sueco encontrarem eco no Brasil, seremos uma sociedade desenvolvida.


sábado, 16 de agosto de 2014

AMOR, DIVINO AMOR PROFANO



Eles se amavam profundamente. Talvez amor nenhum tenha sido maior, se pudéssemos hierarquizar esse sentimento extraordinário.
Entretanto, por uma imposição do pai, ela casara-se com um homem a quem não nutria nada além de simpatia.

Assim, seu amor era impossível, mas, irresistível, e mesmo sabendo estarem agindo de forma errada, encontravam-se e amavam-se até o limite que seus corpos permitiam.

Um amor alucinado, possuído, exasperado...

Um dia, porém, foram descobertos, e, pior, surpreendidos em pleno ato do mais profundo amor.

Vergonha. Completa vergonha.

Ela esperava que ele assumisse todas as conseqüências e ficasse com ela para sempre. Mas, ele, fraco ou covarde, não fez isso. Deu-lhe as costas e tratou de defender seus interesses.

Tornaram-se irreconciliáveis.

Ela era Afrodite (para os gregos) ou Vênus (para os latinos).

Ele era Ares (para os gregos) ou Marte (para os latinos).

Ela, deusa do amor e da beleza, era tão linda, supremamente linda e perfeita, que provocou a fúria de outras filhas de Zeus (Atena e Vesta) que exigiram que Afrodite tivesse alguma desgraça, e dessa forma, foi forçada pelo pai a casar com Hefesto (Vulcano), o coxo, o deus mais feio do Olimpo, com suas marcas e cicatrizes no rosto.

Marte era o deus da guerra. Originalmente um deus da terra. Posteriormente deus da morte, das batalhas sem fim.

A união do amor e da guerra insere-se perfeitamente na forma de ver a vida dos gregos e, por herança, dos latinos.

O drama eterno da vida. A união de duas tragédias, a morte e o amor, que não são opostos, mas, ao contrário, complementam-se.

Tiveram uma filha e quatro filhos, frutos do louco amor que os unia.

No período mais belo e pacífico tiveram Harmonia, Cupido e Eros. Nos momentos de crise tiveram Deimos (o Pânico) e Fobos (o medo).

Numa espécie de Romeu e Julieta da Antiguidade Clássica, Afrodite e Ares (ou Vênus e Marte), foram representados em estátuas e monumentos inúmeros.

O museu de Florença e o museu Capitolino, reproduzem essa ligação. Os romanos gostavam de fazer-se representar com as suas mulheres, e usando os atributos de Marte e Vênus; era uma alusão à coragem do homem e à beleza da mulher.

Vários arqueólogos pensam que a Vênus de Milo estava ao lado da estátua de Marte. A arte dos últimos séculos ligou igualmente as duas divindades e, num encantador quadro do Louvre, le Poussin mostra-nos o deus da guerra, esquecido dos seus atributos e do seu papel, sorrindo para a deusa, enquanto os cupidos brincam tranqüilamente com as armas, no meio de risonha paisagem.

Apesar de todas as tragédias, o amor sempre foi maior, mas nem por isso o final feliz está garantido.

Assim como nós, seres humanos, somos os responsáveis pelo nosso destino, a partir de nossas opções e responsabilidades, os deuses também são responsáveis pelo final de suas histórias.

E a história dos dois deuses mais apaixonados do Olimpo tem o final de suas escolhas.

Afrodite (Vênus), transformando o seu amor em ódio, rogou uma praga para que Marte se apaixonasse por todas as mulheres que visse, tornando-se assim um deus constantemente apaixonado, mas abandonado.

Por outro lado, ela permaneceu apaixonada apenas por um, mas sendo de todos e de ninguém.

Prof. Péricles

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

SEM RUMO



Por Mauricio Puls

O aspecto mais notável do presente cenário eleitoral não é a debilidade da presidente nas pesquisas, e sim a da oposição. Seria razoável esperar que, numa conjuntura difícil, seus adversários estivessem numa situação mais favorável.

Na última pesquisa Datafolha, os candidatos do PSDB, PSB e PSC tinham 31% das intenções de voto. É pouco. Nesta etapa da campanha, três opositores reuniam 48% das intenções de voto em 2010, 39% em 2006, 39% em 1998, 46% em 1994. Em todas essas eleições, a oposição estava melhor nesta altura da disputa. Em todas o Planalto venceu.

Em que ocasiões o governo perdeu? Em 1989, quando três antagonistas somavam 62% das intenções de voto; e em 2002, quando possuíam 72%.

A oposição nunca teve um desempenho tão ruim como agora, apesar das condições adversas a Dilma: três quartos dos eleitores desejam mudanças, mas a maioria não se anima com os nomes disponíveis.

Em sua obra "O Antigo Regime e a Revolução", Tocqueville ensina que "não é indo sempre de mal a pior que se cai numa revolução": a população suporta pacientemente todos os infortúnios quando não enxerga uma saída para superá-los. Para que sobrevenha uma mudança, acrescenta Jean Jaurès, é preciso que as classes majoritárias sintam um terrível mal-estar, mas é preciso também que elas "tenham um princípio de força e, por conseguinte, de esperança".

Que esperança ofereciam os oposicionistas vitoriosos? Em 1989, com uma inflação de 1.973% ao ano, venceu a alternativa de direita: o caçador de marajás prometia reduzir o papel do Estado na economia para conter os preços. Em 2002, com um desemprego de 10% ao ano, venceu a alternativa de esquerda: o líder operário prometia ampliar o papel do Estado na economia para criar 10 milhões de empregos. O que propõe a oposição em 2014?

Acena aos empresários com a retomada da política econômica de FHC para reduzir uma inflação de 6,5% ao ano. Mas essa promessa só terá êxito se houver uma recessão no meio do caminho. Por isso, quando se dirigem às massas, os candidatos não propõem nada.

Sem esperança, o eleitor que abandonou Dilma após os protestos de junho segue indeciso. Em março de 2013 a petista reunia 58% das intenções –hoje tem 36%. Em março de 2013, Aécio, Campos e Marina somavam 32%; agora os três, com o reforço do Pastor Everaldo, têm 31%. Dilma perdeu 31 milhões de votos; a oposição não ganhou nenhum.

Mas crê que herdará os desiludidos, porque estes não têm opção. Não é bem assim. FHC foi reeleito em 1998 com o país crescendo 0,04% ao ano, pagando juros de 49,75% e à beira do colapso cambial porque a população temia que uma mudança piorasse ainda mais as coisas. O eleitor prefere o conhecido ao desconhecido: mudar, só em último caso.

sábado, 9 de agosto de 2014

CREU




Queridos amigos, estamos aqui reunidos para mais uma sessão do CREU – Clube dos Reacionários Enrustidos Unidos.

Com vocês o depoimento de nosso novo membro, Sr. Olavo.

Oi enrustidos.

- Oi Olavo (todos).

Sim, eu assumo, sou um reacionário enrustido.

Depois de muito tempo tentando ter respostas politicamente corretas, buscar ter um comportamento moderno e progressista, quero me assumir e sair do armário.

Foi difícil reconhecer, mas, tenho me sentido muito melhor depois que resolvi enfrentar essa condição, sem disfarces.

Comecei a ser um reacionário enrustido, ainda muito jovem. Andava de jeans, mas curtia roupas de mauricinho até para ir ao cinema. Odiava chamar a Revolução de 64 de Golpe Militar.

Escondia de todos o quanto os discursos de Bush (o pai) me fascinavam.

Tentava resistir, mas tinha verdadeira adoração por tudo que fosse norte-americano.

Wel tentei afogar aquele sentimento reacionário usando camisetas estampadas do Tche e do Mao, embora preferisse do Homem Aranha. Arranjei uma namorada rebelde pra ver se conseguia mudar o meu destino. Muito louca e esquisita como todas essas esquerdinhas, ela me falava em sexo livre, quando eu só pensava em me casar e ser seu dono.

Meus pesadelos, entretanto, começaram mesmo na faculdade.

Aqueles jovens todos, falando em uma sociedade mais justa (choro)... Aquelas leituras do “Capital” Oh céus, até em passeata de protesto com camiseta da CUT eu participei. (silêncio impactante na platéia).

Aquilo me doía demais, sabe? Meu desejo era gritar que queria ter nascido nos Estados Unidos ou na França. Que amava ler as Seleções “Reader’s Digest” e que odiava pobre.

Não que eu seja uma pessoa má. Não. Adoro dar uma esmolinha aqui e outra ali, comprar rifa de chá beneficente, sempre tive bom coração. Mas odeio pobre metido a besta e eles sempre são bestas quando esquecem seu nível inferior!

Mas, não podia fazer isso. Perderia a namorada rebelde que apesar de maluquinha era muito gostosa e eu queria que fosse minha. Seria olhado com desprezo no centro acadêmico e seria chamado de reaça.

Por isso, lia a Veja todas as semanas, escondido na solidão do meu quarto.

Nunca perdi uma só “Manhatan Conection”.

Sempre busquei apoio nas palavras de meus ídolos: Paulo Francis, Bóris Casoi, Olavo de Carvalho, Jair Bolsonaro, e oh! Arnaldo Jabour...

Vibrei com a eleição de FHC e chorei de emoção quando foi reeleito.

Mas, eu disfarçava bem.

Dizia que já tinha votado no PT e agora estava decepcionado e isso me encorajava a criticar esse partido de pobre.

(longo silêncio)

Hoje faço parte do CREU, com muito orgulho.

O CREU tem me ajudado a sair do armário e isso me faz muito bem.

É maravilhoso poder ser um reacionário assumido, podendo falar que odeia o Bolsa Família e todas as bolsas que beneficiam a gentalha.

Que delícia poder fazer piada de pobre em aeroporto, pobre dirigindo carro, pobre falando errado.

Estou assumindo minha postura política e isso só me faz bem.

Mas... não posso me iludir.

Ainda tenho recaídas.

Dia desses, no grupinho de colegas de trabalho o assunto descambou para as relações homo afetivas.

Não tive coragem de assumir que odeio essas bichas todas e menti... Sim, eu menti, que respeito às opções de todos.

(choro compulsivo acompanhado pela plateia)


Prof. Péricles

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

NA RÚSSIA, AMEAÇAS NÃO EXISTEM




O ocidente, apesar de tudo, parece que ainda não conhece a Rússia.

Na cultura russa as crianças aprendem que nunca se ameaça um adversário ou inimigo.

O menino é severamente advertido pelo pai se é visto ameaçando outros meninos naquelas brigas de rua ou na escola, com atitudes do tipo “vou isso ou vou aquilo”.

Não ameace, apenas faça se acha que deve e que pode, diz papai russo.

Pois os Estados Unidos e sua cachorrinha amestrada, a União Européia, parece que não sabem disso.

Por semanas anunciaram que iriam boicotar os negócios russos no ocidente, em retaliação ao apoio do Kremlin aos separatistas do leste da Ucrânia e por sua “interferência” na Criméia.

Vamos fazer e acontecer anunciaram Obama, presidentes e ministros das relações exteriores dos países satélites.

O governo da Rússia manteve silêncio, apenas informando que o país se sentiria no direito de responder a qualquer tipo de retaliação contra ela. E mais nada falou.

Pois no início da semana, primeiro a União Européia e posteriormente os Estados Unidos (sempre jogada ensaiada) anunciaram sanções fortes contra a Rússia por um período de de três meses. Essas sanções, basicamente, concentraram-se nos setores armamentistas (não importação de equipamentos russos) e suspensão da venda de alimentos e produtos agrícolas da União Europeia e dos EUA para aquele país, além de impedir bancos russos de uma série de transações financeiras.

Ontem, o governo de Vladimir Putin anunciou sua resposta, com medidas duríssimas que valerão não por 3, mas por 12 meses.

Entre essas medidas estão a proibição do uso do espaço aéreo da Rússia para aviões comerciais da Europa que fazem linhas para a Ásia (o que irá encarecer um bocado os transportes aéreos desses países) e a suspensão da venda de gás para antigos parceiros do ocidente. Além disso,o Ministro da Agricultura da Rússia, Nikolai Fyodorov, anunciou a suspensão da importação de matérias-primas de países que decidiram sancionar o país por causa do conflito no leste da Ucrânia e que está abrindo novas parcerias com os países que não votaram por sanções contra eles.

As medidas atingem Estados Unidos, União Européia, Canadá, Austrália e Noruega.

Entre os mais gravemente afetados estão a Espanha, a Grécia, a Itália e a França.

Entre os maiores beneficiados está, o Brasil. Para nossa economia os benefícios podem ser imensos.


O secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Seneri Paludo da Rússia disse à agência de notícias russa Interfax, que a situação pode representar uma “revolução” para a indústria brasileira, comparável à que a China provocou na última década.

Só na área da carne de frangos a estimativa gira num aumento em torno de 150 mil toneladas, o que acrescentaria US$ 300 milhões de receitas à balança comercial.

Silenciosamente, Putin está dizendo ao ocidente que os tempos são outros e que quem tem mais a perder agora é a economia dos Estados Unidos e aliados e não a dos BRICS. Lembra que, os governos da União Européia, ao persistirem numa política de vergonhosa adesão a tudo que é proposto pelos Estados Unidos, assumem riscos que podem ser fatais aos seus próprios interesses.

E, enquanto a mídia ocidental canta de galo, diz que faz e acontece, na Rússia, não se ameaça, simplesmente se faz.


Prof. Péricles


quarta-feira, 6 de agosto de 2014

DIÁLOGO EM SEGREDO




Cena urbana da pequena cidade gaúcha de Segredo.

Duas “segredinas” ou seria “segredenses” ou “secretas”? Bem, não importa, duas amigas moradoras de Segredo se encontram na fila do supermercado da cidade e estabelecem o seguinte diálogo:

- Menina, tu não imagina o que eu vi ontem, aqui mesmo nesse supermercado...
(silêncio estratégico). Sei que tu vai dizer que é invencionice minha, fofoca, mas juro que é verdade. (novo silêncio)

A “menina” não resiste por muito tempo à curiosidade.

- Conta logo Dalva, o que tu viste aqui mesmo nesse supermercado de tão extraordinário?

- Não sei se te conto Carmem. Lembro bem do dia que me chamou de fofoqueira... conto ou não conto?

- Grrrrr

- Ta bem vou contar, mas sei que não vai me acreditar...

- Pelo amor de Deus Dalva, desembucha. Viu o Leonardo di Caprio?

- Não.

- Viu um ET?

- Não.

- Então um fantasma?

- Também não.

- o Lelo, aquele desalmado que...
- Não, não.

- Então o que foi que tu viu mulher?

- Carmem (cara de grande revelação), eu vi, aqui mesmo, nesse supermercado, um... um médico!

Não só a Carmem mas as duas outras pessoas da fila fitaram Dalva com incredulidade.

- Um médico? (risos)

- Não disse que tu não irias acreditar. Francamente...

- Desculpa querida, é que foi muito engraçado, não sei como tens tanta imaginação pra...

-Não é imaginação, eu vi mesmo!! (aos gritos)

Silêncio.

- Amiga, queres que eu acredite que tinha aqui, nesse supermercado, na nossa Segredo, um médico? Médico, de verdade, médico?

- Sim... e falava espanhol e...

- Falava? Ele falava?

- Sim, Carmem, e falou comigo e...

- rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrs

Se tu rir de mim de novo eu vou começar a gritar e dizer o que o Lelo fez e...

- Ok. Stop. Não vou rir. Mas não queira que eu acredite numa mentira dessas!

- Olha aqui sua descrente, não é mentira, nem fofoca. Ele faz parte daquele programa do governo, como é mesmo... “Mais Médicos”.

- Sério? Bem que me disseram que eles olham pra gente na consulta. Mas eu não acreditei...

- Mas, é verdade menina, pura verdade. Eu vi, ele estava aqui e... madre de dios!

- O que foi mulher?

- Ele esta vindo pra cá?

- Ele quem, o Lelo?

- Não, o médico que fala, e olha pra gente...

Onde... onde?

Até bem pouco tempo, a população brasileira nos rincões mais escondidos e distantes, conhecia bem pouco de atendimento médico.

Simplesmente, quase não havia médicos que aceitassem trabalhar em lugares tão distantes dos centros urbanos. Isso exigiria, entre outras coisas, exclusividade na atenção à população dos lugarejos e distanciamento de outras fontes de trabalho.

As políticas públicas de saúde resumiam-se ao atendimento das emergências nos centros regionais ou no encaminhamento a Porto Alegre através da ironicamente denominada “ambulanciaterapia”.

Ser atendida por um médico era coisa de cidade grande, tanto que uma simples consulta levava a uma preparação quase ritualística. Dias antes de um atendimento as pessoas já escolhiam a roupa com que deveriam comparecer aquele evento importante, e preocupavam-se que o que dizer ao médico na tão esperada oportunidade.

Geralmente, essa preparação meticulosa era dissolvida por um atendimento sumário e massificado onde se perdia a identidade e se tornava estatística.

Uma atenção maior do que um olhar profissional, era quase inimaginável.

Talvez, o maior mérito do “Mais Médicos” nem seja apenas o atendimento ambulatorial aos que dele precisam, mas, o atendimento da necessidade de se sentir cidadão pleno onde a saúde não é privilégio, nem favor, mas um direito da cidadania.

Podemos mensurar tudo isso na queda dos atendimentos nas emergências dos hospitais que atendem essas regiões.

Não apenas a emergência médica, mas, principalmente a urgência humana está sendo atendida.

Médicos compram em supermercados, lembram nomes e preocupam-se com pacientes... e falam.


Prof. Péricles
Agradecimento especial aos colegas Clarice e Eduardo, testemunhas oculares dessa história e inspiradores do diálogo fictício.



domingo, 3 de agosto de 2014

ANTROPOCENTRISMO


A maioria das coisas que sabemos sobre os deuses da mitologia grega, chegou até nós escritas pelo poeta Hesíodo, que viveu em algum momento entre 700 e 600 anos antes de Cristo.

Para Hesíodo em primeiro lugar houve o caos, que é o caos, mas é alguma coisa, ou seja, mais do que o nada.

Em seu livro, Hesíodo nos diz que no princípio havia Gaia (a Terra) e a noite (a escuridão). Noite, aliás, é uma palavra que em todos os idiomas começa com “N” que representa infinito, seguida da palavra “oito” que, deitado, também simboliza o infinito.

Havia também o Tártaro (inferno), Eros (o desejo) e Érebo (a escuridão do inferno).

Urano, filho de Gaia, reinava sobre o caos.

Durante seu reinado ante o infinito, surgem as montanhas, os mares, o éter e o dia.

Urano foi destronado por seu filho, Cronos, a divindade do tempo.

Cronos inaugura um novo tempo. Os titãs (que eram poucos e se dividiam entre entidades femininas e masculinas) e novos deuses iniciam o povoamento da Terra.

Foi uma espécie de vale tudo em que não havia a monogamia e a variação de parceiros era fundamental para a própria existência.
Cronos se casou com sua irmã Reia e deu origem à linhagem que mais tarde ocuparia o monte Olimpo. Hipérion, um dos titãs, foi pai de Hélio, deus do Sol, e Eros da aurora. A geração dos filhos dos titãs permeia toda a mitologia futura.

Zeus, filho de Cronos, tal como ele mesmo, Cronos, fizera a seu pai, destrona o progenitor e inaugura uma nova era divina.

O novo soberano, ao lado de seus irmãos Posêidon, Hera, Hades, Héstia e Deméter, teve seu poder desafiado pelos titãs, liderados por Cronos numa batalha que hoje se conhece como Guerra Cósmica ou Titanomaquia.

Para vencer os poderosos titãs e seu pai, Zeus libertou os ciclopes, que viviam no Submundo desde os tempos em que foram exilados por Urano. Eles eram excelentes ferreiros e criaram armas mágicas para os deuses. Zeus ganhou os raios do céu, Posêidon, um tridente com o qual podia provocar tempestades e terremotos e armas forjadas para cada deus.

Um dos líderes dos titãs era Atlas.

Nascido de um titã e uma ninfa, Atlas governava Atlântida. Os deuses decidiram puni-lo e acabar com toda sua raça. Enviaram uma inundação e a ilha foi varrida do mapa, mas ele continuou lutando. Quando afinal os titãs foram derrotados, os deuses fizeram Atlas carregar o céu para sempre.

Portanto, assim como outros povos, notadamente os autores do Antigo Testamento, os gregos definiam a criação a partir do caos, e o surgimento do homem muito posterior à definição da existência, traçada por forças inteligentes da natureza, indefiníveis.

Como o homem não suporta o indefinível e, como fazem as crianças, criam definições onde lhe falta a compreensão, os gregos explicaram a ordem possível do impossível, com a elaboração de divindades, que, apesar de indecifráveis mantém alguma aparência humana.

A grande contribuição da cultura helênica está no seu antropocentrismo.

Estando o homem no centro de todas as explicações, e sendo a medida para mensurar todas as coisas, ao contrário dos hebreus que teorizaram um Deus perfeito e uma raça humana eternamente pecadora, para os gregos os deuses são falhos, cometem erros, são orgulhosos e tudo aquilo que nos caracteriza como criaturas pensantes e falíveis.

Já, o homem, mesmo com todas as suas fraquezas, mantém as características dos deuses.

Ao contrário do divino explicar as emoções e os medos humanos, o humano, seus limites e emoções, explicam o divino.

De certa forma, deuses e heróis são o próprio homem imaginado na condição de criador, algo que o homem sempre quis ser, e jamais conseguiu, pois tudo o que faz é transformar o já existente.

Ódio, ciúmes, vingança, desejo, elevados a infinita potenciação.

A infidelidade compulsiva de Zeus, o orgulho de Apolo, a vaidade de Afrodite, os ciúmes de Hera, o rancor de Ares, toda a condição humana está exposta no panteão do Olimpo e nos seus heróis, semi-heróis e coadjuvantes.

Dessa forma, quando entramos no mundo dos mitos da Grécia, devemos ter em mente que estamos trilhando, não o caminho do macro cosmos que irá nos trazer as descobertas da vida, mas, no micro cosmos que nos trás a descoberta de nós mesmos.

Não estamos trilhando caminho nas estrelas, mas apenas caminhando em nossa própria condição humana.


Prof. Péricles