Follow by Email

domingo, 29 de março de 2015

ÉTICA E PODER


Por Inez Lemos (foto)

Entre as ações impossíveis de serem realizadas plenamente, Freud destacou a de governar. Como inserir o sujeito no campo da ética, da política e do poder?

Quando os governos lançam projetos políticos que rompem com o imaginário social propondo mudanças historicamente petrificadas, sofrem forte resistência. Toda ruptura no campo psíquico provoca uma contratransferência, uma rejeição aos modelos que contrariam os códigos internalizados, seja de governos ou pessoas. Diante da proposta socialista, por exemplo, Freud, embora compartilhasse do sonho por sociedades mais justas, não acreditava na sua viabilidade, uma vez que a relação dos sujeitos com a riqueza se inscreve no circuito pulsional que regula o gozo. Perder dinheiro significa perda de gozo, e, para tanto, poucos estão preparados.

A transformação do estatuto simbólico dos bens materiais implicaria mudanças culturais e de valores, como também na circulação do gozo.

A instituição de uma sociedade menos desigual pressuporia a imposição de um limite ao gozo absoluto, operando como um interdito simbólico. Quando o sujeito é interditado em suas pulsões narcísicas, diante do imperativo do gozo se instala o mal-estar. Os conflitos entre interesses, muitas vezes explicados por motivos econômicos, geraram guerras e revoltas, desconstruindo o conceito de civilização universal e progresso. Contudo, a política deve transitar entre o universal (público) e o relativo (subjetivo). Daí a governabilidade ser um desafio que nunca se realiza completamente por se contrapor às demandas de gozo do sujeito. O conflito entre interesses, classes e ideias dificulta a democracia, uma vez que o narcisismo, a pulsão e o mal-estar na civilização fundam a desarmonia entre os cidadãos.

Como entender o ódio que se disseminou na sociedade brasileira a partir da ultima eleição para presidente da República? A questão é aprofundar o olhar sobre o sintoma “ódio ao PT” para além da realidade, extrapolando os conflitos partidários. Corrupção deve ser sempre combatida. Embora ela sempre tenha integrado o cenário político brasileiro, como explicar a onda de moralização, o furor por denúncias justo agora? O que subjaz à crise política que vivemos extrapola análises objetivas. Até que ponto as diferenças individuais e pulsionais inviabilizam a construção de um pacto social? Hegemonia prevê que a maioria dos participantes se una em torno de um valor universal.

Os obsessivos por poder geralmente mantêm uma relação insana e perversa com a política. Manipulam e cometem crimes ao promover lobbies e garantir o “queijo intacto”. Brigam movidos por fantasias de riqueza, vaidades, poder. Há algo no psiquismo que dificulta avançar nas propostas de redução da pobreza. No Brasil, a retórica da democracia sempre se opôs às políticas públicas de amplo alcance social. Os projetos desenvolvimentistas ocorreram com dinheiro público em empreendimentos privados.

Sempre convivemos com o Bolsa Boi, Bolsa Empresário, com o crédito ao agronegócio e às empresas. Contudo, o descontentamento com os investimentos do governo atual na área social deflagra a relação fálica de posse que o sujeito estabelece com os bens materiais. A lógica do lucro dificulta a aceitação, sem oposição, à expansão dos direitos sociais. Quando esses se estendem à maioria dos cidadãos, há perda de privilégios – a igualdade fere a fantasia fálica de acumulação.

O gozo do sujeito contemporâneo está na ostentação da riqueza e na espetacularização da posse – a imagem de rico e poderoso. O projeto de felicidade fundado na pós-modernidade e centrado na tecnologia reforça a cultura narcísica, individualista. O ideal de acumulação em que a riqueza material ganha primazia, muitas vezes, não consegue produzir satisfação, uma vez que o viver em sociedade provoca interdições e renúncias pulsionais. É quando o sujeito se vê diante de propostas que contrariam a ordem simbólica – orientação internalizada de ostentação.

Em “Psicologia das massas e análise do eu”, Freud enuncia que o homem é um animal de horda e não um animal de massa. Há algo no sujeito que o leva a rejeitar o social, a resistir aos processos de coletivização. No meio da massa, ele se entrega aos impulsos primários, abandona as interdições e, como animal feroz, defende seu naco de carne.

Ao defender com violência o seu espaço, seu patrimônio e seu partido, o sujeito demarca território. É o narcisismo, que, ao impor singularidade, rejeita a igualdade. Freud, ao refletir sobre as guerras, cunhou a expressão “narcisismo das pequenas diferenças”. Ele explica os conflitos entre os cidadãos – fonte do ódio entre partidos, torcidas, nações. A “guerra entre partidos”, a conduta beligerante do atual Congresso Nacional expõe a obsessão pelo poder: digladiar por um lugar de destaque na arena política. A corrupção, o desejo de se locupletar de forma ilícita, inscreve-se no circuito pulsional – é sintoma que escapa. Os perversos sempre rodearam o poder, lugar onde os atos espúrios são protegidos.

Quando governos tentam inovar com políticas sociais que rompem com o ideário da elite conservadora, que sempre determinou os investimentos públicos, há que se tentar uma intervenção e transformação no sistema de valores e na produção do desejo coletivo. Não é possível entender a resistência ao Bolsa-Família – programa que não se resume a transferir renda, mas garantir educação, saúde, saneamento, eletricidade e moradia aos mais pobres – pelo viés da razão moderna. Há algo no psiquismo que inviabiliza a construção de um modelo iluminista de cidadania baseado no bem comum, uma vez que ele se oporia ao projeto universal de felicidade, quando as riquezas seriam mais bem distribuídas.

Quando a política não consegue dialogar com as diferentes subjetividades, não oferece outras formas de laço social senão as clássicas inseridas pelo mercado e poder econômico, o efeito é a evidente corrosão entre Estado e tecido social. Tudo isso aponta para uma crise estrutural de valores, provocando uma dicotomia, a ruptura no ideal de nação. De um lado, os defensores do status quo – riquezas e privilégios –, de outro a população, que anseia por projetos que lhes garantam qualidade de vida. Uma população mais educada, saudável e com acesso a bens e serviços é pré-requisito ao desenvolvimento mais sustentável e menos desigual. A inclusão social e produtiva dos mais pobres é benéfica para o conjunto da sociedade.

Conclui-se que a relutância às políticas sociais, cujos impactos positivos na economia foram reconhecidos, aponta a dificuldade de se romper com a tradição simbólica que permeia as relações humanas, cristalizadas no preconceito e na resistência em conviver com a mobilidade social.

Como socializar os espaços de convivência e democratizar o acesso ao patrimônio público. Quando uma classe é ameaçada de perda de privilégios, ela sofre intervenção na relação fálica de posse, é privação do gozo.

O mal-estar que se instalou no país não pode ser explicado apenas pela corrupção na Petrobras (uma vez que ela remonta a várias décadas), tampouco pela alta do dólar e da gasolina. É efeito de algo maior e que escapa às análises econômicas – diz da demanda de gozo do sujeito.

Governar, educar e analisar são profissões infindáveis e incompletas.


Inez Lemos é psicanalista.

sexta-feira, 27 de março de 2015

POLACAS




Elas eram ainda meninas.

E eram judias.

Viviam na Polônia. Pobre Polônia de tantas guerras e massacres, no século XIX.

Elas eram sozinhas. A maioria de pais mortos ou distantes.

Elas vieram para o Brasil. Aqui chegaram em 1867. No Rio de Janeiro.

Mas continuaram meninas judias e sozinhas, agora numa terra estranha.

E resolveram viver, apesar das saudades da Polônia, dos pais mortos e distantes. Optaram pela sobrevivência.

E se tornaram prostitutas.

E a Torah despreza prostitutas.

Agora eram judias renegadas por seu povo, pobres meninas, prostitutas famosas do Rio de Janeiro.

E ganharam um apelido, um nome genérico, um ícone.

As polacas.

Polacas, prostitutas, judias.

Adoravam a vida apesar da miséria, apesar dos homens rudes e do desprezo do seu povo.

Polacas. Meninas polacas. Mulheres da vida. Mulheres em vida.

Apesar de renegadas decidiram continuar judias.

Fundaram a Associação Beneficente Funerária e Religiosa Israelita, em 1906 e criaram sua própria Sinagoga, na rua Afonso Cavalcanti, 171.

Amavam a vida, mas, precisavam pensar na morte. Sim, a morte era certa. Como o desprezo de seu povo, de homens que as adoravam a noite e as negavam de dia.

Conforme a Torah, suicidas e prostitutas não são enterradas junto aos bons cidadãos.

Suicidas e prostitutas, em cemitério judeu são enterrados encostados aos muros, lugar dos párias da sociedade.

Esquecidas na vida. Esquecidas na morte.

Não as polacas. Quem vive a margem da vida não aceita a margem de um muro.

E fundaram seu próprio cemitério, o Cemitério Israelita de Inhaúma.

As polacas, sobreviveram, decidiram viver.

Como sua última presidente de nome Rebeca e Beca como nome de guerra.

Foram tão populares que até a Constituição getulista do estado Novo, a Constituição de 1937 foi apelidada de “polaca”. Forma criativa do povo carioca chamar de prostituta sua Constituição ditadora.

O tempo passou, as polacas passaram. Os tempos são outros.

Mas ficaram as histórias. Algumas engraçadas como aquela em que elas gritavam “sacana” (polícia) dando origem a palavra sacanagem.

E ficaram as lápides. Mais de 700 no Cemitério de Inhaúma. Que está lá onde descansam seus corpos usados, e suas almas meninas.




Prof. Péricles
Fonte: TC Pesquisadora Beatriz Kushnir



domingo, 22 de março de 2015

CÉSAR E CESÁREAS


Antigamente todos os partos eram normais. A “cesariana”, parto do “útero rasgado” que implica “corte, incisão” só era praticada na antiguidade após a morte da mãe, visando salvar o feto ainda com vida.

Uma versão, sem aceitação histórica, mas aceita há muito tempo, afirma que a expressão “cesariana” teve origem no nascimento do General e ditador romano, Júlio Cesar (100 – 44 aC).

Tudo aponta que César nasceu de parto normal. Sua mãe, Aurélia, não apenas sobreviveu ao parto como ainda teve mais cinco filhos depois dele.
Já Plínio, o Velho, afirmava que não César, mas seu pai, teria nascido dessa forma.

O primeiro parto cesáreo, aceito como tal historicamente, ocorreu em 1500, em na cidade suíça de Sigershaufen, e foi realizada pelo próprio pai em sua esposa. Jacob, esse era o nome dele, homem simples, habituado a castrar porcas, vendo o sofrimento da esposa no momento do parto resolveu, impedir, de alguma forma, a morte da esposa que se tornava evidente. Auxiliado por duas horrorizadas parteiras, fez uma incisão em sua amada, retirou o rebento, e, como fazia com as porcas que castrava, fechou o corte.

Mãe e filho se recuperaram bem e nunca tiveram qualquer problema devido ao parto.

Somente no século XVIII é que esse tipo de parto tornou-se uma prática obstétrica, na França, e foi lá que foi batizado de cesariana, numa evidente homenagem a César.

No Brasil, assiste-se a uma verdadeira epidemia de cesarianas.

Nove de cada 10 partos, hoje, são feitos dessa maneira.

Embora existam muitos mitos que façam a cabeça feminina sobre o quanto a cesárea seja melhor do que o parto normal, a causa dessa equação desproporcional, muito provavelmente, seja mesmo, econômica.

Enquanto o custo de um parto normal pelo Sistema Único de Saúde é de R$ 291 a cesariana custa cerca de R$ 402. O valor, nos convênios privados, pode variar conforme a operadora do plano, ainda mais, sendo essa, a maior beneficiada.

Desde 2005, quando se descobriu que as mulheres com plano de saúde em quase sua totalidade faziam cesarianas, o governo federal tem pressionado as operadoras a reduzir as taxas. Passados dez anos, quase nada mudou e, o pior, o Brasil até agora não sabe ao certo em qual frente deve trabalhar para reverter a situação, já que os fatores de escolha pelo parto cesáreo são múltiplos.

A grande reclamação das mulheres, porém, é de que os médicos induzem ao parto cesáreo. Talvez isso

ocorra, porque além de ser mais lucrativo a cesárea é mais cômoda para o médico já que este procedimento dura cerca de duas horas enquanto um parto normal pode durar 12 horas.

Diante de dados que indicam que a cesariana, quando não há indicação médica, aumenta em 120 vezes o risco de problemas respiratórios para o recém-nascido e triplica o risco de morte da mãe e ainda que de 25% dos óbitos neonatais e 16% dos óbitos infantis no país estão relacionados à prematuridade, o Ministério da Saúde resolveu jogar duro.

O Ministério juntamente com a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) publicou uma resolução em janeiro desse ano que estabelece normas para o estímulo ao parto normal e a consequente diminuição das cesarianas desnecessárias na saúde suplementar. As operadoras receberam 180 dias para se adaptar às mudanças.

As novas regras ampliam o acesso à informação, já que as consumidoras poderão solicitar aos planos os percentuais de cirurgias cesarianas e de partos normais por estabelecimento de saúde e por médico obstetra. As informações deverão estar disponíveis no prazo máximo de 15 dias, contados a partir da data de solicitação. Em caso de descumprimento, será aplicada multa no valor de R$ 25 mil.

Outra norma prevê a obrigatoriedade de as operadoras fornecerem o cartão da gestante, no qual deve constar o registro de todo o pré-natal. Dessa forma, de posse do documento, qualquer profissional de saúde terá conhecimento de como se deu a gestação, facilitando o atendimento à mulher quando ela entrar em trabalho de parto.

Segundo o Ministro da Saúde, Arthur Chioro, “não dá para continuar tratando como normal aquilo que não é normal, que é o parto cesariano”.

É um assunto polêmico, que envolve o emocional das parturientes e o necessário nível de informação de cada uma delas.

A ideia é que, com essas medidas, haja uma reavaliação dos responsáveis por momento tão sublime da vida.

A César o que é de César e as brasileiras, o seu direito de escolha.


Prof. Péricles

sábado, 21 de março de 2015

O PT PERDE A SUA ALMA



Por Celso Lungaretti


O PT em seu manifesto de fundação, em fevereiro de 1980, cuspia fogo:

“…O PT buscará conquistar a liberdade para que o povo possa construir uma sociedade igualitária, onde não haja explorados nem exploradores. O PT manifesta sua solidariedade à luta de todas as massas oprimidas do mundo“.

Infelizmente, bastou um resultado eleitoral insatisfatório em 1982 para começar a metamorfosear-se num partido da ordem, que expurgou uma a uma as tendências revolucionárias existentes no seu seio para tornar-se respeitável aos olhos dos eleitores preconceituosos.

Escancararam-se as portas para carreiristas e oportunistas de todos os matizes; o inchaço alterou a correlação de forças dentro do partido, desideologizando-o cada vez mais. As vitórias eleitorais, demeio, passaram a ser vistas como fim, a ser perseguido com unhas, dentes, indignidades e golpes baixos. Lula, que acusara Brizola de pisar até no pescoço da mãe para alcançar a Presidência da República, não hesitou em fechar os acordos mais podres e confraternizar com os piores inimigos de outrora, ao sabor das conveniências momentâneas.

Esquemas corruptos brotaram desde as primeiras prefeituras importantes assumidas e, no rumoroso caso Paulo de Tarso Venceslau x Roberto Teixeira, em 1998, o PT tomou a deplorável decisão de expulsar um militante idealista que denunciava falcatruas e livrar a cara do empresário calculista que operava tais esquemas, um laranja podre que teria sido, inclusive, torturador do delegado Sérgio Fleury. Foi a senha para o liberou geral substituir o tradicional desapego pessoal dos quadros comunistas formados na velha escola do partidão.

Em 2002 o PT perdeu de vez sua alma, ao pactuar com os Mefistófeles de plantão que, se lhe fosse permitido assumir a Presidência da República após a previsível vitória eleitoral, não confrontaria o poder econômico, abdicando das decisões realmente importantes e limitando-se a gerenciar o varejo. Com o grande capital ditando a bel prazer as diretrizes macroeconômicas, nunca dantes neste país os lucros dos bancos, p. ex., foram tão escandalosos, com os recordes da agiotagem legalizada sendo anunciados triunfalmente pelo Bradesco e Itaú em quase todo mês.

Uma conjuntura econômica internacional extremamente favorável ao Brasil permitiu que os governos do PT na década passada dessem um tiquinho mais aos pobres sem tirar nada dos ricos, então todos ficaram felizes, com exceção da classe média, cujos integrantes mais prosaicos lamentavam perda de status e indignavam-se com a corrupção escancarada, enquanto seus melhores rebentos desiludiram-se com o abandono dos ideais igualitários e da postura de superioridade moral por parte do PT. Ver Lula aos beijos e abraços com os Sarneys, Malufs, Collors, Renans, Barbalhos e ACMs da vida sempre deu vontade de chorar!

Se jogasse limpo, é bem provável que coubesse a Marina ou a Aécio a tarefa espinhosa e antipática de promover um ajuste recessivo, ficando o PT com prestígio intacto e caminho desimpedido para voltar ao poder com Lula em 2018.

Agora, o PT está colhendo o que plantou. Por Dilma haver jurado de pés juntos que não imporia aos trabalhadores os odiosos rigores do receituário neoliberal, atribuindo tais sinistros desígnios aos adversários, não tem moral nenhuma para exigir sangue, suor, trabalho e lágrimas dos brasileiros. Muito menos com a roubalheira da Petrobrás presente o tempo todo no noticiário.

O PT não conseguirá atravessar incólume os mares turbulentos que nos separam de 2018. Precisa dividir as responsabilidades do poder (formando um gabinete de crise ou articulando um governo de união nacional) ou delas abdicar de uma vez por todas (com a renúncia de Dilma).

Os augúrios serão os piores possíveis se o PT continuar cometendo erros crassos em cascata –como o de escalar ministros inexpressivos para falarem mais do mesmo quando o impacto das manifestações do dia 15 exigia um pronunciamento presidencial e uma verdadeira resposta ao clamor popular.

Como os técnicos de futebol, o PT tem de tirar um ano sabático para reciclar-se, preparar um novo repertório e, quem sabe, voltar a vencer. Neste momento, só tem desastres e fiascos pela frente.



Celso Lungaretti, jornalista e escritor, foi resistente à ditadura militar e participou da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR). Preso e processado, escreveu o livro Náufrago da Utopia.

sábado, 14 de março de 2015

ESTAMOS VIVOS OU MORTOS?



Todo o ser vivo neste planeta é composto de células. Basicamente, uma célula é um robô feito de proteínas pequeno demais para sentir ou experimentar o que quer que seja. Essas são as características que definimos para a vida:

• Ela tem uma barreira que a separa das redondezas, criando ordem;
• Ela se ajusta e mantém um estado constante;
• Ela come coisas para se manter viva;
• Ela cresce e se desenvolve;
• Ela reage ao ambiente;
• E é sujeita à evolução;
• E ela produz cópias de si mesma.

Mas de todas as coisas que se constroem uma célula, nenhuma é viva. Materiais reagem quimicamente com outras coisas, formando reações que iniciam outras reações que iniciam outras reações.

Numa única célula, todo segundo vários milhões de reações químicas ocorrem, formando uma harmonia complexa. Uma célula pode fazer milhares de tipos de proteínas: algumas muito simples, outras como máquinas complexas e muito pequenas.

Imagine dirigir um carro a 100km/h enquanto constantemente reconstrói todas as partes dele com coisas que encontra pela rua. Isto é o que células fazem. Mas nenhuma parte da célula está viva; tudo é matéria morta movida pelas leis do universo.

Eventualmente, tudo que é vivo viva morrerá. O objetivo do processo todo é prevenir isso produzindo novas entidades; ou seja, com o DNA. A vida é, de certa forma, apenas um amontoado de coisas que carregam a informação genética por aí. Toda forma de vida está sujeita à evolução, e o DNA que desenvolve a melhor forma de vida para si continuará no jogo.

Então o DNA é a vida?

Se você considerar o DNA fora de seu invólucro, certamente será uma molécula muito complexa, mas que não pode fazer nada por si própria.

É aí que os vírus complicam as coisas. Eles são basicamente cadeias de RNA ou DNA num invólucro pequeno e precisam das células para conseguirem fazer qualquer coisa. Nós não sabemos se devemos considerá-los vivos ou mortos. Ainda assim, há 225 milhões m³ de vírus na Terra. Eles parecem não se importar do que pensamos deles.

Há ainda vírus que invadem células mortas e as reanimam assim elas podem hospedá-los, o que embaça a linha ainda mais.

Ou mitocôndrias. Elas são as usinas das células mais complexas e eram bactérias independentes que formaram uma parceria com células maiores. Elas ainda têm seu próprio DNA e podem se multiplicar por si próprias, mas elas não vivem mais; elas estão mortas.

Assim elas trocaram a própria vida para a sobrevivência do seu DNA, o que significa que formas de vida podem evoluir para coisas mortas contanto que seja benéfico para seu código genético.

Assim, talvez a vida seja uma informação que conduz a garantia de que haja uma existência contínua.

Hum, ok. O que é a vida então?

Coisas, processos, DNA, informação? Isto pode se tornar confuso rapidamente. Há uma certeza: a idéia que vida é fundamentalmente diferente de coisas mortas porque elas contêm algum elemento não físico ou são governados por princípios diferentes dos objetos inanimados acabou sendo errada.

Antes de Charles Darwin, os humanos definiram uma linha entre si próprios e o resto das formas de vida; havia algo mágico sobre nós que nos fazia especiais. Quando tivemos que aceitar que somos como qualquer outra forma de vida, um produto da evolução, nós definimos uma linha diferente.

Mas quanto mais aprendemos o que computadores podem fazer e como a vida funciona, mais nos aproximamos de criar a primeira máquina que se encaixa na nossa descrição de vida, e mais a imagem de nós mesmos corre risco novamente. E isto acontecerá cedo ou tarde.

E aqui está outra questão para você: se tudo no universo é feito da mesma coisa, isso significa que tudo no universo está morto ou que tudo no universo está vivo?

Esta é uma pergunta complexa?

Isto significa que nunca morreremos porque, em primeiro lugar, nunca estivemos vivos? É a vida e morte uma questão irrelevante e nunca notamos? É possível que nós somos uma parte do universo maior do que imaginamos?

Não olhe para nós. Não temos nenhuma resposta para você. São apenas questões para você pensar.

Afinal, é se pensando em questões como estas que nos faz sentir vivos e nos dá algum conforto.


Texto vertido por Amara.org, via Gizmodo

quinta-feira, 12 de março de 2015

ESTADO ISLÂMICO, FRANQUIA DO INFERNO



Quando a “Primavera Árabe” apareceu no cenário mundial, trazia promessas de novos tempos para a sofrida população dos países muçulmanos.

Esperava-se que o processo iniciado na Tunísia, em 2010, representasse o início de uma nova era, algo assim, o que representou a Reforma Religiosa e o Iluminismo para o Ocidente.

Liderados, na maior parte, por grupos estudantis, portanto, majoritariamente, jovens, a “Primavera Árabe” prometia trazer consigo a tolerância religiosa, a democracia, quem sabe até, promover uma troca dos estados fundamentalistas por estados laicos.

Doce sonho, amargo despertar.

O tempo encarregou-se de mostrar as duas faces negras escondidas sobre o véu de Alá.

Primeiro, uma faminta interferência internacional, liderada pelos Estados Unidos, e seguidos de perto pela OTAN. Tal interferência espúria, decidiu, com o uso da força, os caminhos seguidos pelos movimentos.

Segundo, a existência de grupos oportunistas dentro desses movimentos, mas, apoiados pelos Estados Unidos e OTAN, que longe de promover a tolerância e a liberdade, trouxeram ainda mais radicalismos e terror.

O grupo jihadista (Jihad = Guerra Religiosa) Estado Islâmico (EI), desde o início de 2014, vem obtendo vitórias militares e anexando territórios aos seus domínios, situados, parte no Iraque, parte na Síria, aproximando-se perigosamente da fronteira com a Turquia.

No dia 29 de agosto de 2014, o Estado Islâmico proclamou que seu líder, Abu Bakr al-Baghdadi, havia se autoproclamado “califa do Oriente Médio”.

Nos meses seguintes eles iriam invadir os telejornais ocidentais com imagens de execuções “ao vivo” através de decapitações e até da queima de um piloto de caça jordaniano, abatido na Síria.

Além das execuções comprovadas, são ainda acusados de prática tenebrosas como mutilações, crucificação, estupro de mulheres e crianças, além da destruição de patrimônio histórico internacional.

Sua capital é Mossul, cidade ao norte da Síria, mas destacam-se ainda as cidades de Tal Afar, Kikut e Tkrit (cidade natal de Saddam Hussein).

De uma forma assustadora, esse grupo ultra fundamentalista consegue atrair a atenção de jovens europeus, especialmente, franceses, gregos e italianos para enfileirarem-se com eles como voluntários em sua guerra santa.

De onde nasceu o estado Islâmico?

Por que, de forma tão repentina, tornam-se ameaça a paz global?

A resposta é tão triste quanto previsível: da interferência do ocidente nos assuntos internos dos países do Oriente.

O Iraque foi invadido por tropas norte-americanas que apenas recentemente, literalmente, abandonaram seus aliados e o país à própria sorte.

Divididos por muito ódio entre sunitas, xiitas e curdos, e sem o seu presidente Saddam Hussein, morto durante a invasão, o Iraque é hoje um “saco de gatos” irreconhecível e irreconciliável. Conquistar o apoio de desesperados e tomar generosas fatias do país não foi difícil para o EI.

A Síria queda-se numa guerra civil que já matou centena de milhares de pessoas. De um lado o presidente inimigo dos Estados Unidos, Bashar al-Assad e seus aliados. De outro, tropas de “rebeldes” e mercenários de multinacionalidades, armados e treinados pela OTAN. Para complicar ainda mais o caos, China e Rússia, além do Hezzbolah, estão com o presidente.

Por sua vez, não custa lembrar que o “Estado Islâmico” nasceu de uma divisão na Al-Qaeda, grupo fundado por Osama Bin Laden sob os auspícios da CIA e do governo norte-americano, nos anos 80.

Ou seja, o ocidente construiu seu próprio pesadelo, que recentemente chegou até a França para matar cidadãos franceses em um jornal popular.
Mas, daí não podemos pensar que tudo seja uma sequência de azar dos mentores ocidentais a golpes e intervenções.

Não. Na verdade, tudo faz parte de um plano maior que visa desestabilizar completamente a região mais importante para a produção de energia do globo e criar uma espécie de franquia do inferno, administrada por Washington.

Desgraças, não existem na política internacional. Tudo são consequências das ações planejadas e executadas, num contexto de dominação e de interesses.

Prof. Péricles

segunda-feira, 9 de março de 2015

MULHER CELTA


O povo celta organizava-se em múltiplas tribos e ocupava quase toda a Europa ocidental, especialmente regiões que hoje identificamos como França, Bélgica e algumas ilhas britânicas.

Povo misterioso, de cultura avançada em comparação aos demais povos de seu tempo. Possuíam como sacerdotes os druidas e adoravam as forças da natureza, especialmente, as árvores.

Combateram (homens e mulheres) como gigantes a expansão do império Romana deixando lições de heroísmo e coragem, refletidos até hoje em vários contos da literatura europeia.

Sua influência na cultura ocidental foi combatida pela Igreja Cristã que a considerava influência pagã perigosa.

Viam a mulher de uma forma única em seu tempo.

Observe o texto abaixo, retirado de uma inscrição Celta para entender melhor o pensamento desse povo extraordinário:


“Ama teu homem e o segue, mas somente se ambos representarem, um para o outro, o que a Deusa Mãe ensinou: Amor, companheirismo e amizade”

Jamais permita que algum homem a escravize: você nasceu livre para amar, e não para ser escrava.

Jamais permita que o seu coração sofra em nome do amor. Amar é um ato de felicidade, por quê sofrer?

Jamais permita que seus olhos derramem lágrimas por alguém que nunca lhe fará sorrir!

Jamais permita que o uso de seu próprio corpo seja cerceado. Saiba que o corpo é a moradia do espírito. Por que mantê-lo aprisionado?

Jamais se permita ficar horas esperando por alguém que nunca virá, mesmo tendo prometido!

Jamais permita que o seu nome seja pronunciado em vão por um homem cujo nome você sequer sabe!

Jamais permita que o seu tempo seja desperdiçado com alguém que nunca terá tempo para você!

Jamais permita ouvir gritos em seus ouvidos. O Amor é o único que pode falar mais alto!

Jamais permita que paixões desenfreadas a levem de um mundo real para outro que nunca existiu!

Jamais permita que outros sonhos se misturem aos seus, tornando-os um grande pesadelo!

Jamais acredite que alguém possa voltar quando nunca esteve presente!

Jamais permita que seu útero gere um filho que nunca terá um pai!

Jamais se permita viver na dependência de um homem como se você tivesse nascido inválida!

Jamais se ponha linda e maravilhosa a fim de esperar por um homem que não tenha olhos para admirá-la!

Jamais permita que seus pés caminhem em direção a um homem que só vive fugindo de você!

Jamais permita que a dor, a tristeza, a solidão, o ódio, o ressentimento, o ciúme, o remorso e tudo aquilo que possa tirar o brilho dos seus olhos, a dominem, fazendo arrefecer a força que existe dentro de você!

E, sobretudo, jamais permita que você mesma perca a dignidade de ser... MULHER!



Prof. Péricles
FONTE: http://vickcris.blogspot.com.br/mulheres-celtas.html

quinta-feira, 5 de março de 2015

O SERIAL KILLER DA RUA DO ARVOREDO




Porto Alegre, 18 de abril de 1864, 10 horas da manhã.

O Chefe de Polícia da cidade, Dario Rafael Callado, não consegue deixar de resmungar. Ha dias a cidade está tensa e perplexa com uma série de desaparecimentos. O último foi de um menino de apenas 14 anos, José Ignácio, caixeiro (espécie de ajudante) de outro desaparecido, o comerciante português, Januário Martins Ramos da Silva.

A pressão da população, e até das autorizados, para que a policia encontrasse respostas estava se tornando insuportável.

Por isso, enquanto o carro sacolejava pelas pedras da Rua do Cotovelo (atual Riachuelo), em direção à rua da Ponte (atual Borges de Medeiros), o chefe de polícia resmungava o que poderia ser uma oração, pedindo ajuda do céu.

Alguns moradores da Rua do Arvoredo (atual Fernando Machado) relataram que um cachorrinho preto, idêntico ao do menino desaparecido, havia ficado por dias latindo na porta de uma residência e dormido ao relento, como se esperasse o retorno de seu dono, até que, misteriosamente, o próprio cachorrinho sumira. Quem sabe a polícia dava uma olhada? Talvez fosse o cachorro querendo chamar a atenção, enfim... lá se fora Dario Rafael, mas sem muitas esperanças de encontrar qualquer coisa além de um vira-lata inconveniente.

Ao chegar na Rua do Arvoredo (era conhecida assim pelas inúmeras árvores centenárias em praticamente toda sua extensão) o carro da polícia estacionou na frente do endereço indicado.

Ninguém veio atender e com uma ordem judicial nas mãos, o agente público forçou a entrada e penetrou em seus sombrios recintos.

Após duas horas de investigações o sentimento de toda a equipe era horror e repugnância.

Um cadáver foi encontrado no porão, em avançado estado de putrefação. A vítima, mais tarde, foi reconhecida por um brinco que usava. Tratava-se do açougueiro alemão Carlos Klaussner, antigo proprietário daquela mesma residência, onde mantinha um açougue. Seu corpo havia sido retalhado, com a cabeça e membros separados do corpo.

Nos fundos da casa, num poço desativado, foi encontrado o corpo do taverneiro Januário Ramos da Silva e de seu caixeiro, igualmente esquartejados. Junto aos dois o cadáver do cãozinho preto rasgado da garganta ao ventre.

Foram encontrados ainda, vários objetos de uso pessoal dos desaparecidos, além de restos humanos nunca devidamente identificados.

José Ramos, ex-inspetor de polícia de Santa Catarina, que teria comprado (ou alugado) a casa, foi localizado e preso. No mesmo dia, na cadeia, confessou todos os crimes além de apontar sua companheira Catharina Palse, como cúmplice.

A polícia passou a ligar os fatos e a montar o macabro quebra-cabeça.

José Ramos, chegou a Porto Alegre um ano antes e alugou (ou comprou) a residência de Carlos Klaussner, que continuou gerenciando um açougue no térreo do local.

Catarina era uma bela moça recém chegada à capital. Descobriu-se depois que, com apenas 12 anos, assistiu a morte de toda sua família pelas tropas russas que invadiram seu país, a Hungria. Sobreviveu, mas foi agredida e estuprada por vários homens. Aos 15 anos, casou-se com Peter Palse, e ambos resolveram vir para o Brasil. Ainda no navio seu marido se suicidou, e a jovem se viu sozinha em um país que não conhecia. Provavelmente, chegou ao Rio de Janeiro antes de se transferir para Porto Alegre.

No início de 1864, José Campos e Catarina Palse conheceram-se e, aparentemente, apaixonaram-se. Passaram a viver juntos na Rua do Arvoredo.

José Ramos gostava de ostentar cultura. Era comum vê-lo nos espetáculos do Teatro São Pedro, recém inaugurado. Gostava de música e era ávido leitor de jornais e livros. Trajava-se de forma sóbria e elegante. Porém, sobre a aparência simpática e bem falante escondia-se um serial killer tenebroso.

Segundo uma versão, ele teria confessado após algumas taças de vinho, ao alemão, seu desejo de matar, desde que não fosse descoberto. Bêbado, o Klaussner teria brincado que, como açougueiro ele sabia perfeitamente como fazer os corpos das vítimas desaparecerem sem deixar pistas. Bastaria transformá-los em linguiça.

Infelizmente, a conversa de bêbados tornou-se uma armadilha fatal.

José Ramos, mentiroso e inteligente, atraia homens, em sua maioria imigrantes alemães sem parentes na cidade e com algum bem que pudesse ser roubado, até o endereço na rua do Arvoredo. Os homens eram bem acolhidos pela bela Catharina que, num macabro ritual, servia um belo prato de comida ao visitante. Após o jantar era levado até a poltrona na sala. Ela saía e Ramos entrava no recinto armado de um machado. A vítima era massacrada com golpes na cabeça, sem chance de defesa.

Depois, no porão, o corpo era esquartejado, cortado em fatias e o açougueiro Klaussner fazia linguiças. Os ossos eram queimados ou jogados no rio Guaíba.

Com um macabro prazer, José Ramos vendia apenas para a elite e por um bom preço, as linguiças que, em pouco tempo originou uma clientela fiel.

Por algum motivo, Ramos e Klaussner brigaram e esse foi morto pelo ex-policial. O corpo foi totalmente retalhado, mas Ramos descobriu que não sabia fazer as linguiças, então, a vítima foi escondida no porão, onde acabaria sendo localizada delatando o crime.

Na Porto Alegre do século XIX os escândalos que atingiam as elites eram, rapidamente, escondidos, por isso, o chefe de Polícia foi exonerado, provavelmente por não aceitar encobrir os fatos e o inquérito passou a ser vago nos pontos mais macabros.

Seria duro demais para nossa aristocracia reconhecer ter consumido carne humana com voracidade.

Quais as reais motivações de José Ramos e Catharina Palse?

Vingança? Ódio? Desprezo? Dinheiro, apenas?

Infelizmente, o medo da verdade foi maior que a vontade de esclarecer os fatos, e os Crimes da Rua do Arvoredo permanecerão para sempre envoltos numa espessa capa de mistérios e segredos.

O número verdadeiro de vítimas nunca foi revelado.


Prof. Péricles

NOTAS:

01. Suspeita-se que José Ramos tenha chegado a Porto Alegre por estar fugindo de um crime hediondo. Ele teria assassinado o próprio pai.

02. A linda Catharina Palse, lavou todas as manchas de sangue que ficaram na casa, usufruiu dos ganhos ilícitos dos crimes, já que foi vista adquirindo roupas caras e joias, possivelmente do dinheiro das vítimas, respondeu como cúmplice e foi condenada a 13 anos e quatro meses de prisão. Cumpriu na íntegra sua pena. Pouco tempo depois foi recolhida nas ruas muito doente. Passou anos num hospício. Possivelmente se suicidou em 1891 sendo enterrada como indigente no cemitério da Santa Casa.

03. José Ramos seria condenado a forca ou prisão perpétua, mas solicitou alistamento na Guerra do Paraguai e prometeu silêncio sobre seus crimes, o que lhe garantiu indulto. Sobreviveu à guerra, retornou a Porto Alegre, por onde perambulou, sem amigos, até morrer alguns anos depois, provavelmente de tuberculose.

04. José Ramos e Catharina Palse, que se saiba, jamais se reencontraram depois da prisão.

05. O assassinato do caixeiro, o menino José Ignácio, foi o único sem propósitos premeditados, sendo caracterizado como queima de arquivo, assim como seu fiel cachorrinho.

06. Charles Darwim, naturalista britânico relatou os crimes da rua do arvoredo num seminário, para exemplificar como o homem, em sua psique, ainda está próximo da bestialidade.

07. O endereço exato da casa maldita foi, deliberadamente esquecido, havendo apenas indicações de sua localização, ao lado das escadarias (FOTO).

08. Segundo o historiador Décio Freitas, autor de um livro sobre o assunto, “O Maior Crime da Terra”, os processos estão incompletos, faltam folhas, é de difícil leitura e as folhas faltantes nos autos são, justamente, as que poderiam dar algum indício sobre a veracidade das tais linguiças, ou não.

segunda-feira, 2 de março de 2015

CHEIRO DE ROSAS



Ela disse pra ele que não iria chorar.

Seu projeto de mulher moderna incluía uma resistência às lágrimas, como se elas representassem aquela fragilidade feminina que ela abominava.

Ele começou algo que deveria ser um sorriso, mas ficou suspenso e preso a um olhar para o cigarro entre seus dedos.

Não fora bem isso que havia planejado, embora nunca planejasse nada mesmo.

Ela o olhou com aquele jeito tão dela, de quem gritar calada.

E agora, pensou ele enquanto dava uma tragada que servia como fuga, para ganhar mais um tempo para pensar.

Deveria dizer “te amo, não vá”? Mas... não amava.

Deveria dizer “eu vou contigo”? Mas... não queria ir.

O que diria nessa hora seus heróis imaginários. Seu modelo de homem seguro que ele tentava criar pra si?

Nenhum herói imaginário assaltou seus pensamentos com alguma fórmula mágica.

E ele ficou do jeito que estava, olhando a brasa consumir lentamente o cigarro.

De certa forma, tudo já tinha sido dito, na note passada.

Ela arrumou os cabelos daquela maneira que nenhuma mulher repete e sorriu.

Aproximou-se e uma de suas mãos tocou seu peito.

Ele sentiu levemente a dor pela mordida bem ali, na noite anterior.

Ele não lembra bem se houve o beijo, aliás, houve, mas não lembra do gosto.

Talvez despedida não tenha gosto ou tenha gosto de nada.

Mas ficou o cheiro. Aquele leve cheiro de rosas que ela emanava, como se fosse dela, vindo de sua essência e não apenas um perfume que se joga ao corpo após o banho.

Ainda lembra de sua última frase, “não desista de seus sonhos””.

Então ela se afastou.

Por alguma razão ele não teve coragem de vê-la partir, como se, ao não vê-la sumir ela jamais sumisse de verdade de sua vida, como a criança que pensa que não vendo vovô morto, vovô jamais morrerá.

E ela continuou se afastando misturada aos últimos passageiros que pegavam o mesmo ônibus.

Ele nunca mais a viu.

Ao menos em realidade, pois em sonhos continuou aparecendo e mordendo seu peito, no mesmo lugar, trazendo o mesmo cheiro de rosas, provocando a mesma leve dor, por algum tempo.

Até que os sonhos foram rareando, e também desapareceram.

Ele fez história, depois casou e teve filhos, foi um bom cidadão.

Ela fez a história e foi vista pela última vez em algum canto de uma suja delegacia daqueles tempos sujos.

Sua alma permanece viva entre os cipós e igarapés e parece que o vento quando sopra sussurra seu nome.

Faz parte de uma estatística inacabada, dos desaparecidos, num país que evita encontrar seus fantasmas para não ter que explica-los.

Ele ainda fuma e vê em todas as brasas a mesma brasa que usou para ganhar tempo como se se fosse a mesma e jamais se apagasse.

Talvez por isso nunca tenha pensado em parar de fumar.

“Não desista dos teus sonhos”.

Ele sorri amargo enquanto sente o cheiro de rosas.


Prof. Péricles