Follow by Email

quarta-feira, 29 de abril de 2015

MAIS MÉDICOS



Por Frei Betto

O programa Mais Médicos conta, hoje, com 18.247 profissionais atuando em mais de 4 mil municípios do país. Neste ano, o número de brasileiros (as) a serem atendidos chegará a 63 milhões.

O atendimento dos médicos inscritos no programa chega a ser personalizado, segundo a metodologia do sistema Médico da Família, que permite ao profissional cuidar, não tanto da doença, e sim da prevenção.

A saúde é um direito e a sua progressiva mercantilização põe em risco a vida de inúmeras pessoas que não podem pagar pelo tratamento.

Pesquisa da UFMG-Ipespe constatou que 95% dos beneficiários entrevistados estão satisfeitos com a atuação dos médicos, dos quais 84% estão no Norte e Nordeste.

Naquelas regiões, 86% dos municípios têm ao menos 20% de sua população em situação de extrema pobreza.

Vale observar que, nas vagas disponibilizadas pelo programa, a prioridade cabe a médicos brasileiros. Como os que se inscreveram no Mais Médicos são insuficientes para atender a população, o governo destinou as demais vagas a brasileiros graduados no exterior e, em seguida, a médicos estrangeiros. Há profissionais de 50 nacionalidades atuando no Brasil.

Os cubanos são cerca de 14 mil, presentes em 2.700 municípios. Em geral, os mais pobres e mais distantes dos grandes centros urbanos.

Os médicos cubanos trazem a experiência de solidariedade e cooperação internacionais, já que Cuba presta serviços médicos, hoje, em 67 países.

Até o governo dos EUA elogiou a atuação dos profissionais da ilha socialista no combate à epidemia de ebola na África.

Não são apenas médicos que o Brasil importa de Cuba. Além de medicamento para a hepatite B, desde o governo Collor nosso país compra a vacina de combate à meningite, única no mundo.

O projeto ora apresentado no Senado contra o Mais Médicos é um acinte a tantos brasileiros que, pela primeira vez, recebem atendimento domiciliar de saúde.

O direito à saúde está acima de ideologias. Partidarizar um programa que traz benefícios a quase 1/3 da população brasileira é um crime de lesa-pátria.

O programa, que este ano chegará a mais de 72% dos municípios do país, atende prefeituras de todos os partidos, inclusive 66% (452 cidades) das que são administradas pelo PSDB.

Cuba conta com 6,9 médicos por 1.000 habitantes, um dos maiores índices do mundo.

O Brasil, com 2/1.000; e os EUA, 3,2/1.000.

Com a reaproximação EUA-Cuba, milhões de estadunidenses estão de olho no chamado “turismo médico”, ou seja, a possibilidade de se tratarem em Cuba, já que nos EUA o acesso ao sistema médico-hospitalar é caro e difícil para quem não dispõe de recursos.

O convênio do Brasil com Cuba é monitorado pela OPAS (Organização Panamericana de Saúde), braço da OMS (Organização Mundial da Saúde) para as Américas.

A OPAS tem 110 anos de serviços prestados. E longa tradição de seriedade e qualidade.

terça-feira, 28 de abril de 2015

MARANHÃO HOMENAGEIA DEMOCRATAS, NÃO DITADORES



Por José Carlos Ruy *


Foi o que o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB - ele é o primeiro governador comunista da história brasileira) acaba de demonstrar ao determinar a mudança nos nomes de escolas antes designadas com o nome de ditadores e personalidades da ditadura militar de 1964.

Flávio Dino expôs esse caráter no comentário sobre a mudança de nomes que publicou nas redes sociais. “Pronto, as nossas escolas não mais homenageiam ditadores que violaram a Constituição”, escreveu em seu perfil no Facebook.

A mudança foi publicada no Diário Oficial do Poder Executivo do Maranhão nesta terça-feira (dia 31) – e a escolha dessa data reforça o sentido da mudança. É a data em que o Brasil lembra os 51 anos do rompimento da legalidade democrática, a deposição de João Goulart da presidência da República e o início da ditadura millitar de 1964.

O governo do Maranhão, dirigido por Flávio Dino cumpre dessa maneira o que a lei determina, através do Decreto 30.618 de 02/01/ 2015; entre outras coisas ele proíbe que sejam usados, para designar bens públicos, nomes que constem no Relatório Final da Comissão da Verdade acusados de terem cometidos crimes de tortura, assassinatos de presos políticos e outras violações dos direitos humanos durante a ditadura militar.

A secretaria estadual de Educação do Estado do Maranhão relacionou dez escolas cujos nomes foram mudados e criou uma Comissão de Mudança de Nomes para, democraticamente, escolher os novos homenageados, que sejam personalidades que contribuíram com a construção da identidade educacional e cultural, nos níveis municipal, estadual ou federal e tenham reputação ilibada de acordo com a Lei da Ficha Limpa.

Segundo Flávio Dino, “o relatório [da Comissão da Verdade] aponta graves infrações aos direitos humanos cometidos durante esse período e nomeia os responsáveis por esses crimes. O Estado do Maranhão não mais homenageará os responsáveis por crimes contra a humanidade”. Isso não é razoável, disse.

Flávio Dino tem razão. Além de todos os motivos políticos, convém ressaltar o caráter pedagógico – democraticamente pedagógico –de sua medida.

Escolhas desse tipo são reveladoras das opções políticas de quem as faz. Nas escolas do Maranhão onde ocorreu a mudança, seis tinham o nome do general Castelo Branco, o primeiro ditador de 1964; duas tinham o nome do segundo ditador, general Artur da Costa e Silva; e outras duas traziam o nome do terceiro general presidente, Emílio Garrastazu Médici.

Elas trazem agora o nome de personalidades democráticas – entre elas o educador Paulo Freire e o poeta Viníciu de Moraes. Trazem, agora, nomes de brasileiros que contribuiram para a construção da democracia e, longe de homenagear ditadores, honram aqueles que lutaram pela democracia e pelo bem estar dos brasileiros.

São nomes que as crianças e também os cidadãos do Maranhão aprenderão a amar cada vez mais, e não a temer, como ocorria com os nomes dos ditadores. Este é o sentido pedagógico mais profundo da alteração feita no Maranhão. E também o exemplo que o novo governador dá para o Brasil!



José Carlos Ruy é Jornalista, é da Comissão Editorial da revista Princípios.


domingo, 26 de abril de 2015

TRAGÉDIA NO MEDITERRÂNEO


De onde vem esses corpos que boiam nas águas como peixes mortos, inchados?

De onde surgem tantas manchas escuras nas águas. De todos os tamanhos e idades, homens, mulheres, velhos, crianças?

Mais de 900 mortos em naufrágio nas águas frias do Mediterrâneo, na noite de 20 de abril.

Pensem nas crianças que mesmo nas maiores dificuldades buscam por brinquedos no uso da imaginação que liberta. Estão mortos como seus sonhos.

Como previam os piores pesadelos de seus pais.

De onde vem tantos mortos? Tantos corpos em vão?

Eles vêm da África. Fugindo das guerras. Fugindo da fome.

Buscam na Europa algum tipo de esperança.

Enfrentam viagens impossíveis, em barcos velhos e ilegais.

Balançam com a fúria das ondas e o rangido do casco é como música macabra.

Mesmo com todos os perigos, enrolam seus trapos, abraçam suas crianças e partem.

Diz Netuno, o Deus dos mares, que a maior da ironia é que causa e consequência habitam na mesma geografia.

Mais de dois séculos de colonização violenta e arbitrária, espoliando na condição de metrópole povos pacíficos e indefesos, fizeram da Europa a causa de toda dor.

Foi a Europa, não Deus ou o destino que jogaram esses milhões de sombras, nas águas frias do Mediterrâneo.

As autoridades italianas disseram que o pior desastre com migrantes no Mediterrâneo, que causou a morte de cerca de 900 pessoas culpa do capitão e à sobrelotação do navio. Disseram que o barco colidiu com um cargueiro de bandeira portuguesa, e que após a colisão a imperícia do comandante e o pânico generalizado condenou a nau a um fim inevitável no fundo do Mediterrâneo.

As autoridades europeias, lideradas pela Organização Internacional para as Migrações (OIM) querem criar uma política que represente uma reação mais humana ao êxodo de pessoas que viajam pelo mar da África e da Ásia para a Europa sem piorar a crise estimulando mais pessoas a partirem.

Mas, ainda ontem uma operação naval italiana no sul do Mediterrâneo, conhecida como “Mare Nostrum”, foi cancelada por causa do custo e da oposição interna aos resgates marítimos, que poderiam encorajar a imigração.

Mentem as autoridades. Mentem os bem trajados âncoras televisivos. Mentem todos aqueles que sonegam a verdadeira informação: a culpa da tragédia é da Europa que como vampiro sugou as riquezas e as esperanças dos povos dominados.

Omitem que batem as portas na cara dos imigrantes que, atualmente só encontram socorro nos portos da Itália.

Isso não começou hoje. É um pesadelo fomentado pela violência de dois séculos.

Netuno sabe. A Europa sabe.

Perguntem a ela nas noites sem lua, quantos corpos já engoliu.

Prof. Péricles


sábado, 25 de abril de 2015

O PAÍS DAS MIL E UMA MENTIRAS



Pedro Álvares Cabral fez de conta que chegou aqui sem querer, e a Espanha fez de conta que acreditou.

A Igreja mentiu que negro não tinha alma para apoiar a escravidão africana que lhe proporcionava lucros, e o resto, disse amém.

Os donatários mentiram que tinham interesse em vir para o fim do mundo e colonizar a Terra.

O Branco mentiu aos índios que era amigo e os padres mentiram que salvariam suas almas.

Os bandeirantes fingiram não ter encontrado ouro nas matas.

Os inconfidentes mentiram que lutariam pela independência do Brasil até a morte, mas fizeram acordos.

Os acordos foram cumpridos e criaram um mártir.

A elite agrária mentiu que a nação precisava de um imperador, quando apenas queria, manter a escravidão. E o povo se vestiu de súdito.

D. Pedro mentiu para os ingleses que acabaria com a escravidão no máximo em cinco anos e assinou que faria isso, sem nunca realmente pensar em fazer.

Também disse publicamente que jamais pagaria pela independência, mais pagou.

Durante 50 anos governo e aristocracia rural mentiram que iriam acabar com a escravidão criando leis ridículas de tapeação: Lei Euzébio de Queirós, Lei Visconde do Rio Branco, Lei Saraiva-Cotegipe e finalmente uma Lei que mantinha a exclusão e a miséria, mas foi chamada de Áurea.

As autoridades enganaram o povo fazendo do Paraguai um perigo maior do que era e isso justificou o maior massacra entre povos da América Latina.

Os proclamadores da República mentiram que estavam criando uma nação soberana e ratificaram a dependência econômica e acordos comerciais espúrios.

A primeira Constituição Republicana definia o voto como universal, mas determinava que mulheres e analfabetos, a imensa maioria, não tinha direito a voto.

Na virada do século rotularam os miseráveis de Canudos de bandidos, e a Revolta da Vacina de coisa inconsequente como birra de criança.

Prometeram para João Cândido que ninguém seria punido na Revolta da Chibata e quase todos os líderes morreram na cadeia.

Combinaram dia e hora para a Revolta Tenentista, mas deixaram apenas 18 homens pendurados no pincel, e foram mortos, quase todos, nas areias de Copacabana.

Anunciaram a morte de um candidato a vice, João Pessoa, como crime político gerando uma comoção nacional quando, era apenas, um marido traído que se vingava dos chifres, e isso deu início a Revolução de 30.

Já a Revolução Constitucionalista Paulista de 1932 não era revolução, nem constitucionalista e muito menos só paulista.

Mentiram que o Brasil tinha que entrar numa guerra que não era sua, a Segunda Mundial, e jovens brasileiros morreram por causa estranha e seus corpos ainda jazem em solo italiano.

Disseram que Jango era comunista e corrupto e dizendo defender a democracia deram um golpe de morte na própria democracia.

Assim nasceu a Ditadura Militar, mimada pela hipocrisia dos que diziam defender Deus, a Pátria e a família. A Ditadura não teve Deus, apenas demônios, vendeu a pátria e dividiu a família estimulando a delação.

Golpistas, fascistas, reacionários fizeram uma Ditadura que se dizia revolução e se auto-intitulava de "Redentora".

Criaram um gigante de papel que finalmente despertava, montado em capitais estrangeiros. Brasil, ame-o ou deixe-o, mas matavam antes que houvesse uma escolha. Ninguém segura esse país rumo ao abismo. Pra frente Brasil, agora vai. E fomos todos para o buraco de uma década perdida.

O fim da ditadura e a volta a normalidade levou 10 anos, recheada por uma paz falsa, como o atentado do Rio-Centro, cuja bomba-neném explodiu no colo de um militar a paisana.

Por dez meses fizeram valer a fraude do Plano Cruzado para vencer as eleições constituintes de 1986, e depois anunciaram uma Constituinte independente e democrática, mas criaram o “centrão” unindo as forças conservadoras que barrou todos os avanços populares.

Mentiram ao fazer um sociólogo Ministro da Fazenda e pai de um plano que não era seu, apenas para, novamente, ganhar uma eleição, em 1994.

Brasil, uma história de mentiras só poderia mesmo gerar uma nação mentirosa, onde o racismo é tão violento como em qualquer outro lugar, mas escondido em nome do orgulho de uma terra multirracial.

O maior perigo de conviver com as mentiras é acabar se acostumando com elas e o mais grave, gostando de ser enganado.

Deixa-se de ser vítimas para ser mansos.

O perigo é achar que quem mora lá no morro já vive pertinho do céu e por isso não é necessário lutar por um Brasil mais justo.

A história do Brasil não deve ser apagada por ser mentirosa, mas recontada, com suas mentiras entendendo-se quem as criou e com que objetivos.

A história não se repete, mas as mentiras sim.


Prof. Péricles

quinta-feira, 23 de abril de 2015

PONTO DEUS



por Leonardo Boff


Uma frente avançada das ciências, hoje, é constituída pelo estudo do cérebro e de suas múltiplas inteligências. Alcançaram-se resultados relevantes, também para a religião e a espiritualidade.

Enfatizam-se três tipos de inteligência. A primeira é a inteligência intelectual, o famoso QI (Quociente de Inteligência), ao qual se deu tanta importância em todo o século XX. É a inteligência analítica pela qual elaboramos conceitos e fazemos ciência. Com ela organizamos o mundo e solucionamos problemas objetivos.

A segunda é a inteligência emocional, popularizada especialmente pelo psicólogo e neurocientista de Harvard David Goleman, com seu conhecido livro A Inteligência emocional (QE = Quociente Emocional). Empiricamente mostrou o que era convicção de toda uma tradição de pensadores, desde Platão, passando por Santo Agostinho e culminando em Freud: a estrutura de base do ser humano não é razão (logos) mas é emoção (pathos).

Somos, primariamente, seres de paixão, empatia e compaixão, e só em seguida, de razão. Quando combinamos QI com QE conseguimos nos mobilizar a nós e a outros.

A terceira é a inteligência espiritual. A prova empírica de sua existência deriva de pesquisas muito recentes, dos últimos 10 anos, feitas por neurólogos, neuropsicólogos, neurolingüistas e técnicos em magnetoencefalografia (que estudam os campos magnéticos e elétricos do cérebro).

Segundo esses cientistas, existe em nós, cientificamente verificável, um outro tipo de inteligência, pela qual não só captamos fatos, idéias e emoções, mas percebemos os contextos maiores de nossa vida, totalidades significativas, e nos faz sentir inseridos no Todo. Ela nos torna sensíveis a valores, a questões ligadas a Deus e à transcendência. É chamada de inteligência espiritual (QEs = Quociente espiritual), porque é próprio da espiritualidade captar totalidades e se orientar por visões transcendentais.

Sua base empírica reside na biologia dos neurônios. Verificou-se cientificamente que a experiência unificadora se origina de oscilações neurais a 40 herz, especialmente localizada nos lobos temporais. Desencadeia-se, então, uma experiência de exaltação e de intensa alegria como se estivéssemos diante de uma Presença viva.

Ou inversamente, sempre que se abordam temas religiosos, Deus ou valores que concernem o sentido profundo das coisas, não superficialmente mas num envolvimento sincero, produz-se igual excitação de 40 herz.

Por essa razão, neurobiólogos como Persinger, Ramachandran e a física quântica Danah Zohar batizaram essa região dos lobos temporais de 'o ponto Deus'.

Se assim é, podemos dizer em termos do processo evolucionário: o universo evoluiu, em bilhões de anos, até produzir no cérebro o instrumento que capacita o ser humano perceber a Presença de Deus, que sempre estava lá embora não percebível conscientemente.

A existência desse 'ponto Deus' representa uma vantagem evolutiva de nossa espécie homo. Ela constitui uma referência de sentido para nossa vida. A espiritualidade pertence ao humano e não é monopólio das religiões. Antes, as religiões são uma das expressões desse 'ponto Deus'.



Sobre o Autor
Cursou Filosofia em Curitiba-PR e Teologia em Petrópolis-RJ. Doutorou-se em Teologia e Filosofia na Universidade de Munique-Alemanha, em 1970. Ingressou na Ordem dos Frades Menores, franciscanos, em 1959.

É doutor honoris causa em Política pela universidade de Turim (Itália) e em Teologia pela universidade de Lund (Suécia), tendo ainda sido agraciado com vários prêmios no Brasil e no exterior, por causa de sua luta em favor dos fracos, dos oprimidos e marginalizados e dos Direitos Humanos.

De 1970 a 1985, participou do conselho editorial da Editora Vozes. Neste período, fez parte da coordenação da publicação da coleção "Teologia e Libertação" e da edição das obras completas de C. G. Jung. Foi redator da Revista Eclesiástica Brasileira (1970-1984), da Revista de Cultura Vozes (1984-1992) e da Revista Internacional Concilium (1970-1995).

É autor de mais de 60 livros nas áreas de Teologia, Espiritualidade, Filosofia, Antropologia e Mística. A maioria de sua obra está traduzida nos principais idiomas modernos.

terça-feira, 21 de abril de 2015

AS PEQUENAS PEÇAS DE AUSCHWITZ



Meu nome é Oskar Gröning, tenho 93 anos.

Perdi minha mãe muito cedo, com apenas 4 anos de idade.

Meu pai me criou sozinho.

Era um nacionalista fanático que não se conformava com a derrota da Alemanha na I Guerra Mundial. Dizia que o país fora traído pelos judeus e que eles eram os responsáveis por nossa ruína.

Meu pai, entrou num grupo paramilitar, o “Der Stahlhelm” que era de um anti-semitismo tão latente que seu lema era “E quando o sangue judeu correr pelas nossas facas, tudo ficará bem novamente”.

Desde que me conheço por gente aprendi a odiar os judeus.

Eu era fascinado por música. E por fardas também. Por isso, ainda muito jovem me aliste nas SS, a tropa de elite do Partido Nazista.

Tinha apenas 18 anos quando a Segunda Guerra Mundial começou e aos 21 cheguei em missão administrativa a Auschwitz, o maior dos campos de concentração, localizado no sul da Polônia ocupada pelo Terceiro Reich.

Trabalhei lá de 1942 até 1944.

Minha tarefa era recolher e enviar para Berlin o dinheiro dos prisioneiros. Mais tarde passei também a recolher as bagagens dos recém-chegados para que os seguintes não a vissem e não se apercebessem imediatamente do destino.

Sou, portanto, um dos que chamam de “executores” e graças ao negacionismo que a Alemanha desenvolveu, negando-se a reconhecer a culpa dos cúmplices, preferindo julgar como criminosos apenas os mandantes e dirigentes, nunca fui julgado por meus atos.

De fato, não fui responsável direto pela execução de ninguém. Mas tenho e assumo minha parcela de culpa.

Eu só percebi a real extensão da tragédia, numa ocasião em que me aproximei da área das câmaras de gás. Vi e ouvi coisas e gritos que mesmo hoje, 70 anos depois, ainda me perseguem à noite. Acordo muitas vezes com os gritos tão vivos que chego a pensar que as vítimas estão dentro do meu quarto.

Eu juro que acreditava em Hitler e em meu pai quando diziam que era dever da Alemanha destruir o judaísmo. Foi isso e acreditar que assistíamos a uma guerra limpa, de métodos avançados, que me manteve em pé, cumprindo minha missão.

Eu estava lá. Era uma pequena peça da engrenagem, um insignificante parafuso. Mas estava lá. Se se considerar isso culpa, sou culpado

Hoje, sinto uma dor que me queima a alma e gostaria muito de pedir perdão ao povo judeu, aos seus mortos, aos seus filhos. Acho que devo sim ser julgado e punido assim como todos que apenas cumpriam funções menores, mas estavam cientes do massacre.

Meu nome é Oskar Gröning e me chamam de “o contabilista de Auschwitz”.

Ao longo de décadas, Gröning respondeu apenas perante a sua consciência. Porém, ao contrário da maioria, nunca escondeu sua responsabilidade.

Depois de décadas sem que fosse abordado pela justiça, o julgamento tornou-se possível com a jurisprudência criada pela condenação, em 2011, a cinco anos de prisão, de John Demjanjuk, antigo guarda do campo de Sobibor. Foi a primeira vez que a justiça alemã condenou alguém por cumplicidade. Antes, só tinha havido condenações de dirigentes, em Nuremberg, e, depois, de comprovadamente envolvidos no extermínio.

Por motivos "legais e de prova", as acusações que o levam ao tribunal de Luneburgo, Sul de Hamburgo, dizem apenas respeito a dois meses do seu tempo de Auschwitz, na Polónia ocupada: de Maio a Julho de 1944, o período da Operação Hungria, quando chegaram "cerca de 425 mil pessoas", 300 mil das quais foram mortas nas câmaras de gás.

De certa forma, seu julgamento será também o julgamento da própria Alemanha e da postura de minimizar os crimes do nazismo, esquecendo as pequenas peças da monstruosa engrenagem responsável pelo massacre premeditado de milhões de criaturas.


Prof. Péricles


Fontes:
Jornal Hannoverische Zeitung
BBC News.
Die Welt
Huffington Post
Diário Bild



segunda-feira, 20 de abril de 2015

DA ARTE DE NASCER E VIVER



Por Annibal Augusto Gama

Você está instalado confortavelmente no ventre da mãe, que lhe provém de tudo, no morno entorno do útero, e ainda assim, de vez em quando lhe dá uns coices.

Você começou de um ovo, com a união do espermatozóide com o óvulo. A princípio, era uma coisa insignificante, e chegou a ser quase um peixe, com guelras. Foi evoluindo para a forma humana, enquanto a barriga da mãe também estufava cada vez mais.

Até que nove meses depois (ou menos, para alguns apressadinhos), começaram em torno de você uns empurrões para botá-lo para fora, quando não sabia ainda que havia um fora, mas só um dentro. Os empurrões tornaram-se insuportáveis, até que você botou a cabeça para fora, e alguém o agarrou pelo pescoço e pelos ombros e o arrancou do lugar onde você estava antes tão bem.

Este parteiro, ou parteira, ainda por cima, segurando-o pelos pés, dá-lhe umas palmadas na bunda, para que você chore e respire. Foi a primeira agressão que você sofreu, das muitas que receberá ainda durante o resto da vida. Cortaram-lhe então o cordão umbilical e o amarraram, para que você se desligasse de sua mãe, que estava inundada de suor e gemia. Limpado, foi embrulhado e posto nos braços da mãe, que logo lhe ofereceria os seios túrgidos, para que você mamasse.

Mais alguns dias, e você já mama com furor, o leite escorrendo da boca, e ainda dá umas cabeçadas naqueles seios, para que saia mais leite. Depois, outra palmadinha nas costas, e você arrota. É um menino! Ou é uma menina! Gritaram as pessoas em torno. E você quase imediatamente recebe um nome que não escolheu, e tão desastrosamente às vezes escolhido, que você o carregará com vergonha pelos anos a fora.

Principia então suportar a burocracia em que estará envolvido durante anos e anos: você vai ser registrado no Cartório das Pessoas Naturais, e batizado numa igreja e numa religião de que nunca ouviu falar.

Ainda bem que, nos primeiros meses, você apenas mame, dorme, chore e desperte. E começa então a enxergar. Vê vultos ao seu redor, e que logo se delinearão, e você reconhece primeiramente a sua mãe, pelo seu cheiro, e pelo calor de seu corpo.

Escuta barulhos, estouros e, para acalmá-lo, metem-lhe um bico de borracha na boca, até, que já mais crescidinho, retiram-lhe o bico, e você vai aprendendo confusamente que a vida é uma negação das coisas de que gostava.

As pessoas então começam a ensiná-lo a falar a sua língua, as palavras. Você aprende o alemão, o francês, o italiano, ou o português, conforme o lugar em que nasceu. Aprende também palavrões, mas imediatamente o repreendem ou lhe dão palmadas, se os repetir.

Você já se arrasta pelo chão e, logo mais, começará a ficar de pé, como os outros.

Enquanto isso, inábil, leva tombos.

Já enxerga, fora, as árvores, os passarinhos; vê a chuva que cai; sente o calorão do Verão e o frio do Inverno. Vestem-no de roupa.

Familiariza-se com os bichos, com o cachorro, com o gato, com as galinhas e com o galo. Também, já está comendo, às colheiradas, papinhas, pois o leite dos seios da mãe vai sendo cortado. Recebe presentes, como o ursinho de pelúcia. Recebe também beliscões inexplicáveis. É-lhe imposto saber que existem regras a ser observadas, e que você não o fez. É proibido mijar na cama.

Alguns anos a mais, você é levado à escola, para aprender besteiras. Mais tarde ainda, ouvirá falar do Binômio de Newton, e da hipotenusa. E terá de se defender dos meninos mais crescidos, que o agridem.

Já então, sabe ler e escrever, e escreve nos muros.

De calças compridas, admoestam-no de que é preciso trabalhar, para viver. E se você recalcitra, exclamam: “Vá trabalhar, vagabundo!” E chegam a botá-lo para fora de casa.

Terá então sabido que existe o sexo. Que você tem um pênis ou uma vagina. Que há o tal de orgasmo, e que é assim também que se fazem os filhos.

Você encontrou uma sociedade já constituída, e um Estado. Está sujeito a ele, à polícia, ao patrão. A ordem é obedecer.

Há também o pecado e outras restrições. Ameaçam-no com o inferno. E há doenças inevitáveis, e o envelhecimento.

E você afinal morre, sem ter aprendido muito bem esta dura arte de viver.




sábado, 18 de abril de 2015

HITLER, O VERDADEIRO FINAL



A verdade.

Hitler apercebeu-se da derrota iminente e engendrou um plano de fuga aproveitando-se de um acordo celebrado com os Estados Unidos para facilitar a saída dos cientistas americanos que estavam ao serviço do nazismo.

Hitler se mudou para Espanha e depois para a região argentina da Patagônia, onde ficou com a companheira Eva Braun num submarino protegido pelo presidente da Argentina e pelo ministro da guerra do país naquela época.

Depois, quando Juan Perón chegou ao poder e durante os dois primeiros mandatos do argentino, Hitler passou a esconder-se numa fazenda em Bariloche com o nome Adolf Schütelmayor. Mas esta fazenda foi destruída, o que obrigou Hitler a refugiar-se no Paraguai, então sob a alçada do ditador Alfredo Stroessner.

Quando morreu, o corpo foi enterrado num bunker.

O ditador tinha ligações com o ocultismo e com entidades internacionais que o guiaram durante a guerra.

Hitler não pertencia diretamente às sociedades ligadas à ciência do oculto, como a Thule. Mas muitos membros do seu governo faziam parte desse universo. Eles não tomaram a guerra como uma contenda entre duas partes, mas como um grande episódio de transmutação da humanidade".

A sociedade Thule dedicou-se ao estudo das raízes alemãs e apoiou o Partido Trabalhista Alemão, mas dissolveu-se quando Hitler chegou ao poder. Ainda assim, estas relações estão por trás da sobrevivência do ditador a muitos dos atentados, sorte que muitos dizem ter sido um "pacto com o diabo".

Esta é a teoria de Abel Basti, um escritor e jornalista argentino que se tem dedicado a criar a série histórica “O homem que venceu a morte”, centrada na figura de Hitler no final da II Guerra Mundial.

Para realizar esta série, Abel Basti estudou muitas obras não ficcionais sobre o dirigente nazi. Segundo o escritor, Hitler considerava-se um ser divino. Algo que está espelhado no comentário que o ditador proferiu em 1925:

"A obra que Cristo começou e não pode acabar, eu - Adolf Hitler - vou levá-la a seu termo".


Prof. Péricles

quinta-feira, 16 de abril de 2015

MORTE, UM CASO DE VITÓRIA



Por Liszt Rangel

Apesar de fazer muito tempo... Eu nunca mais esqueci de dona Juliete, 68. Ela chegou e se apresentou após uma palestra. Pelos olhinhos inquietantes, estava querendo muito falar. Mas depois que começou a sua narrativa, o seu rosto pesou e foi visível a sua tristeza. Fora diagnosticada com câncer na tireoide, um tumor do tamanho de um pequeno limão. Os médicos não lhe deram mais do que entre 4 e 8 meses, após tratamento. Foi aí que ela me perguntou:

- Que faço?
Eu lhe respondi: - o melhor!
Ela me disse: - Não sei o que é o melhor?
Eu lhe esclareci: - Aquilo que nos faz bem, que nos deixa leves, livres...
- Mas não há mais tempo, - obtemperou ela.
Eu lhe respondi sorrindo, para provocá-la (sim, porque, muitas vezes, as pessoas precisam ser provocadas através de um choque), - A senhora ainda tem quatro meses, e eu posso ter apenas doze horas!
- Como assim? - indagou ela.
- Posso sair daqui e sofrer um acidente de carro ou infarto, esclareci.
- Meu Deus, que horror! Falou ela
- A diferença entre nós dois, dona Juliete, é que a senhora já comprou o bilhete do trem e daqui há quatro meses se o trem não atrasar, a senhora vai viajar. Quanto a mim... não sei quando vou, serei pego de surpresa e isto não é bom, porque chegamos na estação sem mala alguma.

Ela pôs-se a chorar. Quando parou, disse-me que tinha duas grandes mágoas da vida.

"Eis o problema, - pensei comigo - guardamos comida podre na geladeira e depois perguntamos porque adoecemos. É claro comemos coisas estragas por muito tempo, o que há de se esperar?"

Então, perguntei:

- Quais mágoas?

A primeira foi relacionada ao marido que a traía com a sua melhor amiga! Durou mais de 30 anos.

A segunda mágoa era da filha que a maltratava em casa...

Eu fiquei calado, pensando o que diria àquela mulher que podia ser minha mãe. Sabe, não é fácil falar a quem está perdendo na vida, porém admito que o pior é não mostrar ao outro o quanto ele está perdendo, o desafio é maior, é tentar apresentar a ele uma nova perspectiva de vitória, aprender a se tornar melhor com a dor ao invés de arrastar toda a família para uma crise existencial e repetitiva de doenças. Para mim, é tudo ou nada! Não aceito pessoas indiferentes! Como diria o estranho Paulo de Tarso, "quente ou frio, nunca morno!" Então, não dá para ficar assistindo e ainda aplaudindo o espetáculo do horror! Ela estava doente e não importava agora a origem de sua dor, apesar de haver a possibilidade na mágoa, na simbologia do "nó preso na garganta" estar relacionada à doença. Segundo, a psicossomática esta energia retida, traumatiza o corpo, adoece e pode matar!

Então, tomei coragem e lhe perguntei: - a senhora acredita em algo em sua vida? Ela me disse que sim, que acreditava em uma vida além da morte. As pessoas precisam ser respeitas em suas crenças e convicções, até porque muitas vezes foi nelas que elas se agarraram e até se alienaram.

Aproveitando esta deixa, falei:

- Bem, para a senhora, se a vida continua o que nos interessa agora e no além não é porque a senhora sofre, mas como a senhora vai enfrentar a dor e a morte. Porque sejamos honestos dona Juliete, aqui ou acolá a senhora deve se preocupar com o COMO e não com o porquê. Se eu e a senhora vamos morrer, então como ficaremos no mundo dos mortos é o que nos interessa. A senhora não acha? Ela balançou positivamente a cabeça...

Agora foi a vez dela me perguntar:

- E como devo então me livrar deste peso da mágoa?

- Primeiramente, respondi-lhe, dialogue com quem lhe magoou. Exponha a quem lhe fez mal, suas queixas para dar ao outro a oportunidade de seu arrependimento e de sua tranquilidade ao abrir-se para o perdão. Caso ele não lhe perdoe, o problema será dele, mas a senhora seguirá mais leve. É preciso se perdoar, dar-se uma chance de verdade para ser feliz e não aquela pela metade em que se fica sabotando.

Ela então, me deixou em uma encruzilhada ao me dizer:

- Mas meu marido já morreu!

- Então, se a senhora sabe que a morte não existe, está na hora das preces e orações que a senhora faz, e nelas começar a dialogar com ele, não ruminando o passado, mas tentando uma reconciliação, um diálogo honesto, com seu coração transparente.

Este é um grande problema que temos. Maliciosos, não somos mais como as crianças, transparentes. Estamos acostumados a ser vistos com crítica e com isso, passamos a representar. Então, lhe dei um reforço na ação:
- Converse com seu Antônio, dona Juliete, pois será melhor que a senhora fale com ele agora do que após a morte. E ele se apresentar na estação para receber a senhora descendo do trem...?

Ela sorriu e me disse, Deus me livre...

Porém ela prometeu se esforçar... Iria dialogar com a filha problemática, falar-lhe das mágoas..., ou seja, ela iria libertar-se das amarras do ressentimento. E eu fiquei torcendo por ela. Porque torcer pela vitória do outro, é torcer pela nossa, pois ele em sua capacidade de superação pode nos ensinar e muito.

Porém dona Juliete, sumiu...

Cinco meses depois ela entrou no salão em que eu acabara de realizar uma palestra. Tomei um grande susto, pois já havia passado o prazo de validade de vida dela e eu a estava vendo. Apavorei-me, achando que ela tinha vindo me cobrar algo do além...

Ela me abraçou e me disse bem feliz, o tumor sumiu! Os exames mostram isso.

Eu chorei ao seu lado. Nos abraçamos demoradamente... E antes que ela se fosse, me disse que havia ficado livre das mágoas, e que agora eram apenas cicatrizes da vida. Então, eu lhe disse:

- Certa feita eu conheci um médico que escreveu um livro maravilhoso e gostaria de lhe dar de presente.

Eu lhe ofereci o livro do Dr. Marco Aurélio, intitulado, "Quem ama não adoece".

Mas na saída lhe disse:

O Dr. Marco Aurélio, adoeceu e morreu, viu dona Juliete!

Ambos sorrimos. Acho que sorrimos do inevitável. A morte! Às vezes é bom dar uma gargalhada para ela... mostrar-lhe que ela não nos assusta.

Quase dois anos depois, recebi a notícia da morte de dona Juliete. Foi dormindo, uma parada cardíaca. Ela se foi e nunca mais a esqueci. Para mim, ela venceu não apenas a doença, mas a morte, pois tornou mais bela e digna a sua vida e tornou tranquilo o seu morrer!

Dona Juliete antes de curar o corpo, curou a alma...



terça-feira, 14 de abril de 2015

OPINIÕES ALUCINADAS

(Departamento de Criatividade Coxinha)

Você gosta de Jiló?

Você apóia o presidente da Síria Bashar al-Assad ou torce para que os rebeldes o derrubem?

Por falar em rebeldes, você queria a queda de Muamar Kadaff da Líbia ou torcia por ele?

Você não acha as Ilhas Seicheles mais bonitas que Serra Leoa?

Você acha que o golpe de 1964 e a Ditadura que ele gerou se justifica para que fosse afastado o Presidente João Goulart que levaria o Brasil ao comunismo?

Será que o Brasil terá que racionar energia ou não?

Opinião, é preciso ter. É justo ter.

Mas em tempos de comunidades sociais, vivemos a síndrome da opinião fastfood.

Opiniões rápidas e passageiras, muitas vezes sem base ou baseadas em achismos.

Nos recentes protestos de rua que foram um fracasso e finalizaram o terceiro turno das eleições, duas opiniões fastfood chamar a atenção.

Numa um cartaz dizia que sonegação não é corrupção e concluía com um “Fora Dilma”.

Ora, Impostos são recursos das pessoas que contribuem para a sociedade e revertem para a mesma sociedade em investimentos estatais. Se sonegar impostos através de fraudes e omissões não é corrupção, o que, então, é corrupção?

Evidentemente a moça queria defender o PSDB de Aécio Neves envolvido na operação Zelotes que apura sonegações gigantescas e apontam para tucanos históricos e empresas defensoras da moral e dos bons costumes.

Melhor seria “Corrupção só que envolva o PT é que vale”.

Já num depoimento colocado no face uma mulher acusa o governo Dilma pelas perdes trabalhistas que envolvem a aprovação do projeto de terceirização.

Mas como, se o PL 4330 é de autoria dos tucanos e se todos os deputados do PT votaram contra?

Isso sem falar naquele outro que diz que intervenção militar é constitucional.

Deixando de lado as “opiniões” mal intencionadas, causa assombro as opiniões alucinadas.

A maioria das pessoas que diz não gostar de Jiló, nunca comeram jiló.

Grande número de pessoas odeia Bashar al-Assad e clama pela intervenção da OTAN para derrubá-lo, da mesma forma que queria que derrubassem Kadaff, sem nunca ter estado na Síria ou na Líbia, não conhecerem suas ações de governo e se aquilo que se diz na Platinada é verdade ou não.

Quase que a unanimidade considera Seicheles (a terra que ricos e podres de ricos passam veraneiam enquanto lavam dinheiro) linda e Serra Leoa horrível sabendo apenas que uma é rica e a outra é miserável, mas sem conhecer suas paisagens geográficas.

Um número considerável de brasileiros concorda que João Goulart tornaria o país comunista, mas jamais leram ou ouviram um só de seus discursos políticos e desconhecem completamente o que seria suas “reformas de base”.

Muitos apostam no apagão sem se informarem dos investimentos e do planejamento do setor.

A formação da opinião da grande maioria das pessoas, na sociedade contemporânea, se dá através da opinião divulgada, sugerida, sutil ou declarada da mídia.

E isso é perigoso, num mundo em que, cada vez mais a mídia desce da arquibancada querendo participar do jogo.

Numa realidade cada vez mais dinâmica, de informação instantânea e de comunicação virtual, as pessoas buscam estar bem informadas, o que é válido, mas se apressam em ter opiniões definitivas, o que é temerário.

Sempre é bom lembrar que, às vezes, o mais inteligente é reconhecer que não sabe o suficiente para formar uma opinião.

Ser esperto não é ter opinião sobre tudo, é ter opinião consolidada a partir do conhecimento dos diferentes ângulos de uma questão, das variedades de ponto de vista e do amadurecimento das idéias.

Fornecer a informação necessária para que as pessoas possam consolidar opiniões, esse sim, é o papel da mídia.

Não temos obrigação de saber tudo.

Por falar nisso, você é contra ou a favor da atual política dos royalties do petróleo brasileiro?


Prof. Péricles

domingo, 12 de abril de 2015

INTOLERÂNCIA


Por Leonardo Boff


O assassinato dos chargistas franceses do Charlie Hebdo recentemente e a última eleição presidencial no Brasil trouxeram à luz um preconceito latente no mundo e na cultura brasileira: a intolerância.

A intolerância no Brasil é parte daquilo que Sergio Buarque de Holanda chama de “cordial” no sentido de ódio e preconceito, que vem do coração como a hospitalidade e simpatia. Em vez de cordial eu preferiria dizer que o povo brasileiro é passional.

O que se mostrou na última campanha eleitoral foi o “cordial-passional” tanto como ódio de classe (desprezo do pobre) como o de discriminação racial (nordestino e negro). Ser pobre, negro e nordestino implicava uma pecha negativa e aí o desejo absurdo de alguns de dividir o Brasil entre o Sul “rico” e o Nordeste “pobre”.

Esse ódio de classe se deriva do arquétipo da Casa Grande e da Senzala introjetada em altos setores sociais, bem expresso por uma madame rica de Salvador: ”os pobres não contentes com receber a bolsa família, querem ainda ter direitos”. Isso supõe a ideia de que se um dia foram escravos, deveriam continuar a fazer tudo de graça, como se não tivesse havido a abolição da escravatura.

Os homoafetivos e outros da LGBT são hostilizados até nos debates oficiais entre os candidatos, revelando uma intolerância “intolerável”.

Para entender um pouco mais profundamente a intolerância importa ir um pouco mais a fundo na questão. A realidade assim como nos é dada é contraditória em sua raiz; complexa, pois é convergência dos mais variados fatores; nela há caos originário e cosmos (ordem), há luzes e sombras, há o simbólico e o diabólico. Em si, não são defeitos de construção, mas a condição real de implenitude de tudo que existe no universo. Isso obriga a todos a conviver com as imperfeições e as diferenças. E a sermos tolerantes com os que não pensam e agem como nós.

Traduzindo numa linguagem mais direta: são polos opostos mas polos de uma mesma e única realidade dinâmica. Estas polaridades não podem ser suprimidas. Todo esforço de supressão termina no terror dos que presumem ter a verdade e a impõem aos demais. O excesso de verdade acaba sendo pior que o erro.

O que cada um (e a sociedade) deve sempre saber é distinguir um e outro polo e fazer a sua opção. O indicado é optar pelo polo de luz, do simbólico e do justo. Então o ser humano se revela um ser ético que se responsabiliza por seus atos e pelas consequências boas ou más que deles se derivam.

Alguém poderia pensar: mas então vale tudo? Não há mais diferença? Não se prega um vale tudo nem se borram as diferenças. Deve-se, sim, fazer distinções. O joio é joio e não trigo. O trigo é trigo, não joio. O torturador não pode ter o mesmo destino que sua vítima. O ser humano não pode igualar a ambos nem confundi-los. Deve discernir e optar pelo trigo, embora o joio continua existindo, mas sem ter a hegemonia.

Para fazer coexistir sem confundir estes dois princípios devemos alimentar em nós a tolerância. A tolerância é capacidade de manter, positivamente, a coexistência difícil e tensa dos dois polos, sabendo que eles se opõem mas que compõem a mesma e única realidade dinâmica. Impõe-se optar pelo polo luminoso e manter sob controle o sombrio.

O risco permanente é a intolerância. Ela reduz a realidade, pois assume apenas um polo e nega o outro. Coage a todos a assumir o seu polo e a anula o outro, como o faz de forma criminosa o Estado Islâmico e a Al Qaeda. O fundamentalismo e o dogmatismo tornam absoluta a sua verdade. Assim eles se condenam à intolerância e passam a não reconhecer e a respeitar a verdade do outro. O primeiro que fazem é suprimir a liberdade de opinião, o pluralismo e impor o pensamento único. Os atentados como o de Paris têm por base esta intolerância.

É imperioso evitar a tolerância passiva, aquela atitude de quem aceita a existência com o outro não porque o deseje e veja algum valor nisso, mas porque não o consegue evitar.

Há que se incentivar a tolerância ativa que consiste na coexistência, na atitude de quem positivamente convive com o outro porque tem respeito por ele e consegue ver os valores da diferença e assim pode se enriquecer.

A tolerância é antes de mais nada uma exigência ética. Ela representa o direito que cada pessoa possui de ser aquilo que é e de continuar a sê-lo. Esse direito foi expresso universalmente na regra de ouro “Não faças ao outro o que não queres que te façam a ti”. Ou formulado positivamente: ”Faça ao outro o que queres que te façam a ti”. Esse preceito é óbvio.

O núcleo de verdade contido na tolerância, no fundo, se resume nisso: cada pessoa tem direito de viver e de conviver no planeta Terra. Ela goza do direito de estar aqui com sua diferença específica em termos de visões de mundo, de crenças e de ideologias.

Essa é a grande dificuldade das sociedades europeias: a dificuldade de aceitar o outro, seja árabe, muçulmano ou turco e na sociedade brasileira, do afrodescendente, do nordestino e do indígena. As sociedades devem se organizar de tal maneira que todos possam, por direito, se sentir incluídos. Daí nasce a paz, que segundo a Carta da Terra, é” a plenitude criada por relações corretas consigo mesmo, com outras pessoas, com outras culturas, com outras vidas, com a Terra e com o Todo maior da qual somos parte”.

A natureza nos oferece a melhor lição: por mais diversos que sejam os seres, todos convivem, se interconectam e formam a complexidade do real e a esplêndida diversidade da vida.

sexta-feira, 10 de abril de 2015

CARTA PARA PAPAI NOEL



Olá Papai Noel.

Tá, eu sei que o natal é só em dezembro, mas, como eu quero pedir uma transformação e não apenas um brinquedo, achei que seria justo o senhor ter mais tempo, por isso estou escrevendo agora, em abril.

Papai Noel, queria muito realizar meu atual sonho.

Quero muito, muito, muito... que o senhor me transforme num alienado político.

Puxa Papai Noel, faz tanto tempo que não lhe peço nada. Acho que temos intimidade suficiente para pedir uma força, não é?

Quero muito ser daqueles coxinhas com ar assim de inteligente, sabe como é? Aquele jeitão assim “a mim ninguém engana”. Aquele Papai Noel, que cita Bolsonaro e Olavo de Carvalho...

Tipo assim, sempre foi covarde o suficiente pra ser um bom menino durante a ditadura e hoje chama quem não foi covarde de terrorista.

Pode fazer isso pra mim Papai Noel?

Só assim eu vou suportar ver a injustiça social crescendo no meu país enquanto eu penso que pobre só quer ter filho para ganhar bolsa-esmola.

Só assim eu vou pedir investimentos na educação mas vou criar um feitor de escravos em casa.

É que me dói muito Papai Noel passar por gente arrebentada, na sarjeta, as vezes, como vi hoje, a família inteira na sarjeta. Dói Papai Noel, dói demais, mas, se eu for um alienado político, vai passar. Capaz de até mudar de calçada pra não sujar meu tênis Nike.

E depois Papai Noel, que bonito ver um coxinha assistindo ao Jornal Nacional e ir dormir se achando bem informado. Me emociona e me dá inveja Papai Noel de tão meiga ignorância.

Já eu, as vezes vou dormir e fico pensando naquelas pessoas que eu sequer conheço mas cuja dor dói em mim, como os sem-terra, os sem teto, os sem sonhos...

Eu prefiro acreditar que sou esperto Papai Noel, prefiro mesmo. Mesmo sendo um idiota.

Assim dói menos confundir doente com bêbado, desempregado com vagabundo, menor abandonado como bandido.

Já pensou que legal poder falar indignado da corrupção alheia sem ter que pensar na sua?
Estou lhe pedindo tão pouco. Nem ouso pedir para virar um fascista, daqueles que em bando batem em gays. Isso já seria muito difícil pro senhor porque sei que o senhor também tem estômago, mas, pelo menos, Coxinha o senhor podia me transformar né?

Papai Noel, já pensou que legal olhar alguém e se sentir superior, já pensou?

Atualmente eu não consigo. Eu acho que negro, branco, amarelo, verde, são todos iguais. Até índio eu considero gente e me incomodo com suas dores.

Mas, aquele sorriso de canto de boca dos coxinhas quando olham pobre e se sentem classe média, olham negro e se sentem sinhozinhos... ah Papai Noel, eu invejo toda essa alienação.

A consciência pesa muito e é difícil de enganar. Ter responsabilidade sobre nossas vidas nos toma muito tempo, é muito melhor ver a RBS e deixar que pensem por mim.

A alienação me daria a desculpa de, simplesmente, ser estúpido e por isso, Deus perdoa.

Claro Papai Noel que de dia a gente esmaga crânio mas a noite vai na Igreja, claro. Não vou deixar de cumprir minhas obrigações cristãs... nenhum nazifascista deixou de ser um bom cristão.

Então Papai Noel? Topa? Vai me transformar?

Quero poder daqui a uma semana dizer que a Dilma tirou direitos dos trabalhadores sem lembrar em quem votou na terceirização. É demais isso! É um show! Defender a moral e os bons costumes enquanto ensino meu filho a pegar todas, porque homem que é homem come todas e cai fora... uau!

Marchar nas ruas sentindo o vento conservador e o apelo reacionário, lado a lado com racistas e homofóbicos, sem problema de consciência, porque, afinal, lutamos pela mesma causa... fala sério Papai Noel, não é pra qualquer um.

Desde já agradeço Papai Noel. Vou esperar ardorosamente o dia de natal.

Até lá, vou continuar sofrendo as dores dos outros e a ser chamado de comunista ou de petralha. De professor manipulador e outras coisas.

Não faz mal Papai Noel. Eu suporto.

O pior dos que não têm ética é ver nos outros o seu reflexo.

Tchau Papai Noel.



Prof. Péricles

terça-feira, 7 de abril de 2015

O JESUS HISTÓRICO



Tenho uma amiga que fica braba quando digo que não existe Jesus histórico.

Ela não entende, apesar de bem informada, que, quando dizemos isso não estamos afirmando que Jesus não existiu mas, apenas que, não existem documentações de base histórica sobre a vida de Jesus sendo que, em síntese, o que se sabe desse personagem que moldou o ocidente é através dos evangelhos, textos religiosos não históricos.

Apenas um historiador contemporâneo dos fatos registrou algo sobre Jesus, o historiador latino de ascendência judia Flávio Josefo, que nasceu no ano 37 (quatro anos depois da morte de Jesus) e morreu no ano 100. E mencionou de forma muito leve não nos deixando muitos elementos que pudessem ser comprovados.

Os próprios evangelhos canônicos (escolhidos pela Igreja) são de autoria não identificada e escritos num tempo bem além da morte de Jesus. Certamente não foram escritos pelos apóstolos Mateus, Marcos, Lucas e João.

Outros evangelhos, denominados apócrifos (não aceitos pela Igreja Católica), apresentam narrativas que, às vezes, confrontam as narrativas oficiais.

O ano de nascimento de Jesus, calculado pela Igreja, está incorreto.

O fato histórico usado como referência para a datação do nascimento é o primeiro recenseamento da população da Palestina, ordenado pelas autoridades romanas com o objetivo de regularizar a cobrança de impostos. Lucas diz em seu evangelho que Jesus nasceu na época do censo. Estudos mais recentes situam esse acontecimento entre os anos 8 e 6 a.C.

Segundo o evangelho de Mateus, o nascimento de seu mestre foi saudado por uma estrela (que guiou os reis magos). Consultados os mapas estelares verificasse que apenas um fenômeno foi forte o suficiente para causar impressão visual na Terra naquela época, a passagem de um cometa, no ano 6 antes de Cristo. E isso, ratifica a especulação dos estudiosos.

Era comum na época que, as pessoas se fixassem no local de nascimento para responderem ao tal censo e, por isso Maria e José, os pais de Jesus, teriam se deslocado de Nazaré, na Galileia (onde viviam) para Belém, na Judéia. Essa informação é contestada por historiadores que indicam que Jesus não nasceu na Judéia, mas na própria Galileia. Diziam os judeus preconceituosos (igual certos brasileiros se referindo aos nordestinos) que nada de bom vinha da Galileia o que, de certa forma, explica a rejeição no início da pregação de Jesus.

Para a Igreja Católica, Maria permaneceu virgem mesmo depois do nascimento de Jesus. A expressão irmãos e irmãs, empregada por Mateus e Marcos, designaria parentes mais distantes de Jesus, como seus primos. Essa opinião é contestada pelos protestantes, que acreditam que os irmãos que aparecem nos evangelhos eram irmãos mesmo. Eles são citados pelos nomes: Tiago, José, Simão e Judas. Tiago, conhecido como Tiago, o Maior, fez parte do círculo dos discípulos mais íntimos; após a morte de Jesus e a saída do apóstolo Pedro de Jerusalém, assumiria a chefia da Igreja.

A ação de Jesus transcorreu principalmente entre os pobres e marginalizados de seu tempo. A fértil região da Galileia, onde presumivelmente passou a maior parte de sua vida, abrigava uma população miserável, vista até com desconfiança pelos judeus conservadores (qualquer semelhança com o Brasil atual não é coincidência).

A espetacular descoberta das ruínas e dos manuscritos da comunidade dos essênios, ocorrida em 1947 na localidade de Qumran, às margens do mar Morto, no atual território de Israel, alimentou durante bom tempo a suposição de que Jesus pudesse ter pertencido a essa irmandade religiosa. Mas a crítica mais recente vem desmentindo também essa hipótese.

É provável que a ideologia dos essênios tenha influenciado o pensamento e a prática de Jesus, assim como da comunidade cristã primitiva. Mas as diferenças também são muito grandes. A maior delas é que, enquanto os essênios se afastavam do mundo injusto e corrompido para viver um ideal de pureza à espera do messias, Jesus mergulhava nesse mundo para transformá-lo.

Fato muito pouco conhecido do ocidente, mas, registrado pela história é que após a morte de João, o Evangelista (aquele que teria batizado Jesus nas águas do Rio Jordão) alguns dos seguidores desse pregador acreditaram que seu mestre fora traído por Jesus e daí fundaram uma religião, o mandeísmo de que há tênues vestígios ainda, no Irã e na Turquia.

O núcleo de sua mensagem de Jesus está no extraordinário Sermão da Montanha, de conteúdo marcadamente social, por isso mesmo, inquietante para as autoridades políticas e eclesiásticas.

Os modernos estudos críticos dos evangelhos vêm permitindo tratar da dimensão existencial de Jesus, antes encarada como tabu. Como mostra Leonardo Boff, em seu livro Jesus Cristo libertador, tudo que é autenticamente humano aparece em Jesus: alegria e ira, bondade e dureza, tristeza e tentação. No entanto, suposições como a de um eventual relacionamento amoroso com Maria Madalena não encontram nenhum apoio nos textos evangélicos.

Um dos pontos mais delicados na tentativa de reconstituir a dimensão histórica de Jesus são os milagres a ele atribuídos. É preciso ter claro que a separação que se faz hoje entre natural e sobrenatural praticamente não existia naqueles tempos. Os evangelhos dão numerosos testemunhos das curas operadas por Jesus. Em meio a um povo miserável e inculto, Jesus vai libertando as pessoas de seus males: a cegueira, a mudez, a surdez, a paralisia, a loucura.

Um dos milagres de Jesus, citado com mais detalhes por Lucas, é o da cura da mulher que sofria de hemorragia ininterrupta.

Aproximando-se por trás de Jesus, que caminhava entre o povo, ela tocou a extremidade de sua veste. Jesus perguntou então: "Quem me tocou?" Como todos negassem, Pedro disse: "Mestre, a multidão te comprime e te esmaga". Mas Jesus insistiu: "Alguém me tocou; eu senti uma força que saía de mim". Então a mulher se apresentou e Jesus lhe disse: "Minha filha, tua fé te curou; vai em paz". O que chama a atenção, no caso, é Jesus ter sentido "uma força que saía" dele algo que, em linguagem moderna, talvez pudesse ser chamado poderes paranormais ou mediúnicos.

Prof. Péricles
Leia também “Esse homem chamado Jesus” por José Tadeu Arantes

sábado, 4 de abril de 2015

A SEPULTURA DE JESUS


por Liszt Rangel


Quando se trata de sondar os mistérios que envolvem a morte de Jesus, qualquer pesquisador terá que responder a uma difícil pergunta: Onde ele teria sido sepultado?

Primeiramente, quero esclarecer que, atualmente, são três os lugares em Jerusalém que reivindicam o reconhecimento daquele que seria o local exato do sepultamento de Jesus.

O mais antigo e famoso é o que se encontra na intimidade da Igreja do Santo Sepulcro. Este é conhecido como o túmulo católico de Jesus. A localização do Santo Sepulcro se deu sob as ruínas do templo construído em homenagem à Vênus, quando da reconstrução feita em Jerusalém por ordem do imperador Adriano, no século II.

No século IV, ao se converter ao cristianismo, Helena, mãe do imperador Constantino, recebeu indicações de cristãos e judeus que ali seria o lugar da crucificação e ressurreição, encontrando-se também a suposta catacumba cedida por José de Arimateia para o sepultamento de Jesus. A megalomaníaca Helena acabou com qualquer possibilidade de preservação do material arqueológico, ao mandar construir sobre o local, uma colossal Igreja, como fez também em outras regiões apontadas como cenários do Cristianismo Primitivo.

Além de uma suposta pedra onde o corpo de Jesus teria sido deitado, em outra parte da Igreja, há nichos cavados na rocha que foram usados para abrigar sepulcros judaicos que datam do século I d.C, o que, para alguns estudiosos, são boas evidências arqueológicas que podem dar sustentação ao fato de que Jesus foi enterrado ali.

Por outro lado, a geografia do local não é muito coincidente com a da narrativa encontrada no evangelho atribuído a João. Entretanto, a Igreja do Santo Sepulcro recebe milhões de cristãos, incluindo doentes de vária ordem que para lá se dirigem na esperança de serem beneficiados de alguma forma. Ela foi dividida entre cristãos católicos romanos, sírios, gregos ortodoxos, etíopes e armênios.

Sobre a referida pedra que foi usada para a limpeza e preparação do corpo de Jesus, pessoas do mundo inteiro se curvam sobre ela para beijá-la, chorar, fazer orações, e esfregam fotos de pessoas doentes, enfim... Todas querem conseguir algo miraculoso através da fé, ou simplesmente desejam participar da terrível história da crucificação.

O outro lugar, conhecido como a tumba do jardim, é considerado como o sepulcro protestante de Jesus. Estive também neste agradável lugar, e após ter feito algumas entrevistas com administradores do local, deu para perceber que nem eles estão convictos de que aquele elevado rochoso teria abrigado o corpo de Jesus. O local é inspirador, e o silêncio, ao contrário da perturbação do Santo Sepulcro, motiva o recolhimento e a oração.

Geograficamente, trata-se de uma colina facilmente encontrada a 260m, saindo de Jerusalém pelo portão de Damasco, e está a uma altura de 15m, apresentando buracos nas rochas que trazem características semelhantes as de um crânio. Além disso, apresenta um jardim ao lado dos sepulcros, o que o torna muito parecido com o que é descrito no evangelho de João. O grupo do general britânico, Gordon, que descobriu o lugar, chegou a conclusão de que ali era também um local muito usado para apedrejamento pelos judeus. Posteriormente, em escavações realizadas, encontraram restos de ossos humanos e também pregos romanos, indicando um possível lugar de crucificação durante o período da dominação na Judeia. A tumba do Jardim ou colina do Gólgota por ficar fora dos muros de Jerusalém, recebe mais um crédito para ser aceita como o lugar da sepultura, porém os defensores do sepulcro católico, alegam que apesar da atual Igreja do Santo Sepulcro situar-se dentro da cidade de Jerusalém, na época em que Jesus morreu, aquele sepulcro também ficava fora dos muros da cidade.

O fato do sepultamento ter sido feito fora dos muros de Jerusalém, reflete a tradição judaica que obrigava que aqueles que foram considerados marginais não maculassem o terreno sagrado da cidade. Eis o porquê dos grupos protestantes e católicos defenderem a tese de que ambos os sepulcros estavam fora dos muros da cidade santa.

Em 1980, outra sepultura foi descoberta no bairro de Talpiot, nos arredores de Jerusalém. Em 2006, os estudos arqueológicos em torno dos dez ossuários encontrados em Talpiot, revelaram que eles são realmente do século I, e as inscrições trazem os nomes de Mariamne Mara, que seria Maria Madalena, Miriam, a possível Maria, mãe de Jesus, Yehoshú'a bar Yussef, reconhecido como Jesus filho de José, e os nomes de Yehuda bar Yehoshú'a, ou seja, Judas, filho de Jesus e Matya, que foi traduzido como Mateus.

Apesar da empolgação do jornalista judeu, Simcha Jacobovici, que exige para si a descoberta do túmulo de Jesus, os arqueólogos e historiadores de Israel não aceitam estes túmulos como sendo o da família de José. Segundo eles, esses nomes eram comuns em Jerusalém e além do mais a família de Jesus era da Galileia e não há motivos para que suas catacumbas fossem encontradas na Judeia.

Em verdade, até agora não há provas definitivas acerca do corpo de Jesus. Seu sumiço continua fazendo parte de mais um mistério que envolve a sua história. O que temos são prováveis locais com suas respectivas evidências históricas, e que são relacionadas com as narrativas dos evangelhos.

Para os cristãos, ele ascendeu aos céus com corpo e tudo, o que explicaria o desaparecimento de seus restos mortais. Esta crença torna-se mais um problema na fé dos cristãos, pois caso o corpo de Jesus venha a ser encontrado, isto abalará profundamente o Cristianismo, pois ele foi estruturado na morte e na ressurreição de Cristo.



IXTAB



Na mitologia Maia, Ixtab era uma mulher jovem e sedutora. Cabelos longos, olhos profundos como um poço sem fim. A única pintura em sua face belíssima era um círculo negro. Corpo delineado com a força do desejo irresistível.

Mais do que desejada, era temida.

Vivia permanentemente escondida no céu, enforcada por uma corda de estrelas e de lá saía apenas para buscar pelas mãos, alguém em busca do fim através do suicídio.

Ixtab era a Deusa do Suicídio.

Era adorada pelos familiares de um suicida, pois, acompanhava a alma dos que assim morriam até o outro lado da existência. Era ela que se encarregava de explicar ao recém chegado, onde ele estava. Ele estava no seu reino onde apenas os suicidas viam seu rosto, com o círculo negro na face, a lembrar que morte e nascimento não passam de estágios diferentes de um mesmo círculo e que, portanto, sua existência (e suas dores e angústias) continuavam.

No dia 24 (terça-feira) o jovem copiloto da Germanwings, Andreas Lubitz, esperou o comandante do voo Barcelona-Dusseldorf ir no banheiro, para trancar a cabine do Airbus A320 que pilotavam.

Desde os atentados terroristas de 2001 nos Estados Unidos, as portas das aeronaves foram redesenhadas e tornaram-se intransponíveis, não sendo possível que alguém possa entrar na cabine sem que seja aberta pelo lado de dentro.

Em seguida, Andreas empinou o nariz do avião para baixo e iniciou um mergulho suicida que entra para a história da aviação como um dos mais dramáticos eventos já registrados.

Todos os 150 passageiros e tripulantes morreram com o choque da aeronave nos Alpes franceses.

O que se passava na cabeça e na alma desse suicida de apenas 28 anos, jamais saberemos.

Sabemos apenas que, o piloto tentou arrombar a porta inclusive com auxílio de um machado e que, os passageiros estavam cientes do que estavam acontecendo.

O mergulho foi breve em tempo, mas eterno em agonia de tantos que, não queriam morrer mas se viram arrastados a morte pelas mãos de Andreas, que decidiu por eles.

As caixas pretas (eram duas) não registram mas, com certeza, ao lado da poltrona do copiloto estava aquela jovem, bela, com um círculo negro no rosto, sorrindo e incentivando o desatinado ato do alemão.

Será que conversaram? Falaram de amor, de nascer ou morrer?

Foi ela que o recolheu nos Alpes e alçou novo voo em direção a eternidade.

Terá sido amor pela jovem que apenas os suicidas enxergam?

Na mitologia Maia, a bela Ixtab atraía rapazes para uma floresta densa e sem saída. Enfeitiçava-os com suas curvas perfeitas e seu seio alvo como a neve. Depois que os meninos estavam completamente apaixonados, ela desaparecia no topo de céu deixando-os eternamente perdidos, vagando pela floresta noturna que reproduzia com a luz da lua imagens irreais que apenas mentes alucinadas poderiam compreender.

Na floresta dos suicidas um novo morador, vindo dos céus e carregando as costas 149 vítimas, deve estar vagando em busca de respostas para seu louco mergulho nas rochas.

Mas, no Reino de Ixtab, as respostas se arrastam com os séculos, enquanto o silêncio das almas murmura nos Alpes.



Prof. Péricles

quinta-feira, 2 de abril de 2015

TEOLOGIA E FILOSOFIA ESPÍRITA DA HISTÓRIA


Por Eugenio Lara

Na Idade Média, a filosofia era escrava da Teologia. Esse quadro mudou somente com o advento da modernidade e o progresso da ciência. Pensadores como Espinosa, Hegel e Nietzsche se debruçaram sobre o tema sem que houvesse estreita ligação de seus estudos com a religião, a Teologia. Eles eram filósofos e humanistas, não eram teólogos.

Pode-se sustentar também que o Espiritismo é uma Teodiceia, por ser deísta sem negar a existência do Mal, cujo surgimento se dá quando ocorre a derrogação das leis naturais no campo da moralidade. A personificação do Mal, na figura de um deus maligno, do demônio, Satanás, eterno opositor de Deus, não é aceito pela Doutrina Espírita. O Mal não vem de Deus, mas do exercício do livre-arbítrio. Amiúde, o que consideramos um mal, mostra-se como um bem, em longo prazo. Para o Espiritismo, em determinadas situações, e para nossa “desgraça”, o mal é um bem.

O fato de o Espiritismo possuir uma Teologia e uma Teodiceia, não significa que sua visão de mundo seja teológica, dogmática, calcada em preceitos religiosos ou em algum artigo de fé. O Cristianismo, por exemplo, nos conduz a uma Teologia enquanto que o Espiritismo, de modo diferenciado, nos leva a conceber uma Filosofia da História, melhor dizendo, a uma Filosofia Espírita da História.

Para o Cristianismo, a figura histórica de Jesus Cristo é o próprio Deus, o Verbo que se fez Carne, que se manifestou historicamente a fim de salvar o homem do pecado. O Cristianismo tem como objetivo primordial a salvação do homem. Isto é incontestável. Enquanto que o Espiritismo, em que pese a influência cristã, não é salvacionista porque sua finalidade é a evolução do homem, a evolução intelecto-moral, contínua e permanente.

No sentido estrito do termo, repetimos, o Espiritismo é sim uma modalidade de Teologia por se propor a estudar, a analisar e tentar conceituar Deus como causa primordial, enquanto Inteligência Suprema, com supostos atributos. Porém, isto não quer dizer que sua visão do processo histórico seja fundamentada em uma visão teológica. Trocando em miúdos, a concepção que o Espiritismo tem do processo histórico é teleológica, jamais teológica.

Ao descartarmos o teologismo cristão na análise dos fatos históricos, surgem outras questões. Seria essa concepção espírita da história — dedutível dos princípios nucleares do Espiritismo —, dialética? Seria ela libertária, holística, monista ou positivista? Essa dialética na análise histórica é platônica ou aristotélica, hegeliana ou marxista? É necessário avançar nessa discussão. Ficar de rabo preso com o Cristianismo pode satisfazer aos anseios religiosos de muitos confrades e se torna um prato cheio para o estudo de antropólogos e sociólogos não-espíritas.

No entanto, essa vinculação cristã funciona mais como um estorvo do que como alavanca ou um novo instrumental de análise.

Para Hegel, a história é a manifestação do Espírito Universal. Ele troca a Teologia pela metafísica. Ao invés da ação de Deus no processo histórico, o que temos é a manifestação desse Espírito Universal, como ação inteligente e determinante. Marx inverte essa equação e sustenta que o motor da história não é esse suposto Espírito hegeliano, mas a luta de classes, aplicando o método dialético de Hegel adaptado ao estudo da economia política. Se existisse um Espírito Universal, ele seria efeito e não causa.

Contudo, sem descartar os Modos de Produção, determinantes e decisivos na construção do processo social, a filosofia espírita acrescenta outro dado: a ação dos seres desencarnados através da encarnação e da medianimidade, a (re)encarnação e o processo evolutivo, no que o filósofo espírita argentino Humberto Mariotti denominou de Modos de Evolução. Daí ser risível, tanto quanto ridícula a ideia de que possa existir um Espiritismo Marxista. O mesmo se dá em relação a um suposto Espiritismo Hegeliano, mais ainda quanto à existência de um Espiritismo Teológico Cristão, deduzível do pensamento kardecista.

A grande diferença entre a Teologia Cristã e uma suposta Teologia Espírita reside no uso exclusivo da razão, da lógica e do bom senso como ferramentas de análise e reflexão. Ou seja, no Kardecismo o exercício teológico se dá no campo da cogitação filosófica, sem a presença detestável do dogmatismo religioso e sem o indesejável uso da fé como fator de apreensão da realidade. A Teologia Espírita também poderia ser considerada uma modalidade experimental do pensamento teológico, pois se fundamenta na empiria e na reflexão filosófica, sem espaço hegemônico para a revelação religiosa e a fé dogmática.


Eugenio Lara é autor dos livros em edição digital: Racismo e Espiritismo; Milenarismo e Espiritismo; Amélie Boudet, uma Mulher de Verdade - Ensaio Biográfico; Conceito Espírita de Evolução e Os Quatro Espíritos de Kardec.