Follow by Email

sábado, 29 de agosto de 2015

A REALIDADE E OS SONHOS



Por Fidel Castro


Escrever é uma forma de ser útil se você considerar que nossa sofrida humanidade deve ser mais e melhor educada diante da incrível ignorância que nos envolve a todos, à exceção dos pesquisadores que procuram nas ciências uma resposta satisfatória.

É uma palavra que implica em poucas letras seu infinito conteúdo.

Nós todos em nossa juventude escutamos falar alguma vez de Einstein e, especialmente, após a explosão das bombas atômicas em Hiroshima e Nagasaki, que puseram fim à cruel guerra desatada entre Japão e os Estados Unidos.

Quando aquelas bombas foram jogadas, depois da guerra deflagrada em decorrência do ataque à base dos Estados Unidos, em Pearl Harbor, o império japonês já estava vencido.

Os Estados Unidos, o país cujo território e indústrias permaneceram alheios à guerra, passou a ser o de maior riqueza e melhor armado da Terra, frente a um mundo destroçado, cheio de mortos, feridos e famintos.

Juntas, a URSS e China tinham perdido mais de 50 milhões de vidas, além de uma enorme destruição material.

Quase todo o ouro do mundo foi parar nos cofres dos Estados Unidos. Hoje se calcula que a totalidade do ouro como reserva monetária dessa nação chega a 8.133,5 toneladas do referido metal. Apesar disso, espezinhando os compromissos subscritos em Bretton Woods, os Estados Unidos declararam, unilateralmente, que não fariam jus ao dever de respaldar a onça Troy com o valor em ouro de seu papel moeda.

Tal medida decretada por Nixon violava os compromissos contraídos pelo presidente Franklin Delano Roosevelt. Segundo um elevado número de especialistas nessa matéria, assim foram criadas as bases de uma crise que, entre outros desastres, ameaça golpear com força a economia desse modelo de país.

Entretanto, os EUA devem a Cuba o montante das indenizações equivalentes a danos, que equivalem a muitos milhões de dólares, como já denunciou nosso país com argumentos e dados irrecusáveis, ao longo de suas intervenções nas Nações Unidas.

Como foi expresso claramente pelo Partido e o governo de Cuba, em um gesto de boa vontade e de paz entre todos os países deste hemisfério e do conjunto de povos que integram a família humana, e assim contribuir para garantir a sobrevivência de nossa espécie no modesto espaço que nos cabe no universo, nunca deixaremos de lutar pela paz e o bem-estar de todos os seres humanos, independentemente da cor da pele e do país de origem de cada habitante do planeta, bem como pelo direito pleno de todos a possuir ou não um credo religioso.

A igualdade de todos os cidadãos à saúde, à educação, ao trabalho, à alimentação, à segurança, à cultura, à ciência e ao bem-estar, quer dizer, os mesmos direitos que proclamamos quando iniciamos nossa luta mais os que emanem de nossos sonhos de justiça e igualdade para os habitantes de nosso mundo, é o que desejo para todos; aos que por comungarem em tudo ou em parte com as mesmas ideias, ou muito superiores, mas no mesmo rumo, agradeço imensamente, queridos compatriotas.


Fidel Castro Ruz é advogado, membro do Partido Comunista Cubano.
Artigo publicado, originariamente, no diário cubano Granma.

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

CARTA A UMA EX-ALUNA



Oi guria.

Te vi ontem, numa foto.

Estavas participando da marcha de protesto contra a Dilma.

Não entendi o cartaz que carregavas.

Dizia que querias de volta a Ditadura?

Lembro bem que estavas presente nas aulas que falei desse período da nossa história.

Tão rebelde me perguntou como o povo aceitava calado tanta repressão e violência. Lembra?

Também manifestau incompreensão com os artífices do golpe, seus apoiadores.

Que ironia, guria, tu até riu quando falamos da “Marcha com Deus pela Família e Liberdade” e agora te vejo tão ativa num movimento com as mesmas matizes conservadoras.

Tinha muitas perguntas pra te fazer, mas, como sei que médicos são muito ativos trabalhando em várias clínicas, achei melhor não ser extenso.

Então te pergunto apenas, onde foram parar teus ideais de liberdade?

Foram transplantados em alguma aula de anatomia?

Um dia tu me disse que quando fosse médica iria sempre estar ao lado de teu povo mais carente, mas agora renega o “Mais Médicos”. Em que semestre desnudasse os teus sonhos para vestir o corporativismo?

Sabe, professor é um ser estranho. Ele vive achando que foi, de alguma forma, capaz de fazer melhor os seus alunos.

Teimamos em acreditar que o mundo se transforma a partir da educação pois a educação obrigatoriamente leva ao desejo de igualdade e de fraternidade e justiça.

Por isso, minha querida aluna, teu cartaz doeu em mim como se fosse uma sirene irritante despertando do sono de forma brusca.

Será que não usei as palavras certas? Os exemplos mostrados em imagem nos slides de mulheres torturadas foram poucos?

Aquelas fotos de ossadas encontradas em vala clandestina no cemitério de Perus... tu chorou, recordo bem.

Qual a parte de crimes contra os direitos humanos tu não entendeu?

Por que não fizesse perguntas para tirar as dúvidas?

Bem, vou ficando por aqui.

Professor tu sabe, assim como médico trabalha o tempo todo em vários lugares, embora a remuneração não tenha nada de parecido.

Ah... sobre aquela moça desaparecida que te falei, bem, acho que não mais te interessa, mas... ela não voltou ainda pra casa e nem jamais voltará embora sua mãe ainda a espera todos os dias.

Muito bonito teu cartaz. Colorido e com aquelas letras bem feitas que sempre elogiei.

Tomara que um dia eu não as veja num cartaz que pede notícias de alguém amado desaparecido.

Na verdade, a história não se repete, nós é que repetimos erros.

Tchau. Que teus caminhos sejam coerentes com tuas ações e palavras e que ele siga realmente o que vai em teu coração.

Te cuida,



Prof. Péricles





sábado, 22 de agosto de 2015

EUROPEU CONTRA GAUCHO


Por Santiago, de Porto Alegre


Fiquei sabendo da existência do “Gaucho” na leitura de um artigo da edição de 15 de julho de 2015 do heroico Charlie Hebdo. O texto de Fabrice Nicolino fala da crise grega e comenta a dívida não paga da Alemanha desde a Primeira Guerra e principalmente atenta para a dívida ambiental que as germânicas Bayer e BASF tem com a Europa, devido aos seus terríveis venenos agrícolas.

Pois o “Gaucho”, assim sem acento no “U” e com grafia hispânica, é um poderoso pesticida fabricado pela Bayer e que está exterminando abelhas na Europa e Estados Unidos. A sua substância é a Imidacloprid.

Tem havido manifestações na Europa contra a Bayer e o “Gaucho” – não contra nós, o povo cavaleiro da pampa sul americana, mas contra o agrotóxico inimigo das abelhas e com cujo nome a Bayer teve a bela ideia de nos homenagear.

O Imidacloprid substância da família dos neonicotinóides, afeta o sistema imunológico do inseto.

A Bayer fazia parte do grupo IG Farben, que fabricava o gás Zyklon-B, usado nas câmeras de gás dos campos de concentração nazistas.

De acordo com organização PANNA da América do Norte, 94% das sementes de milho dos Estados Unidos são tratadas com neonicotinóides, portanto as abelhas são submetidas a uma carga tóxica cada vez maior nas lavouras de milho.

Afirmam os biólogos que se as abelhas desaparecerem, a humanidade teria poucos anos de vida, já que a reação em cadeia começará a erradicar certas espécies devido à falta de polinização e afetará culturas de passarinhos.

Num estudo publicado na revista Science, o biólogo da Universidade de Sussex Dr. Dave Goulson, diz que a “exposição a pesticidas neonicotinóides, que são uma neurotoxina em essência, estava afetando a capacidade das abelhas de aprender, de encontrar o caminho de volta para casa, de navegar, de coletar alimento, e assim por diante, o que não é surpreendente se acaso percebermos se tratar de neurotoxinas.

O que encontramos, e que tenho que confessar ter sido surpreendente em seu âmbito, foi que os ninhos tratados cresceram mais lentamente, porém, de forma mais dramática, o efeito sobre a produção da rainha foi realmente forte. Assim, tivemos uma queda de 85% na produção dos ninhos da rainha que foram expostos durante um período de apenas duas semanas a concentrações bastante baixas destes pesticidas em comparação com os ninhos de controle.

Mas a generosa homenagem não ficou num nome só, tem o “Poncho” um outro veneno também da Bayer, para controle de pragas do milho à base de Clothianidin. Injusta denominação, já que o “poncho” é a capa grossa de lã ou feltro, usada contra as intempéries dos campos do sul e não só é inofensivo às abelhas, como ao contrário, fornece abrigo no caso de algum campeiro que se veja atacado por um enxame, no descampado das coxilhas.

As gigantes da área biotecnológica, Bayer et Syngenta, que fabricam os neoniconinoides, estão gastando milhões de dólares para evitar a suspensão destas substâncias, além de terem processado a Comissão Europeia pelo banimento destas classes de inseticidas.

Na época da Segunda Guerra a Bayer era uma das cinco empresas que formavam a IG Farben, acusada de fornecer ao nazismo o produto Zyklon-B para as câmaras de gás. Por isso a IG Farben foi levada ao Tribunal Militar dos Estados Unidos em 1948 e alguns dirigentes foram parar na prisão.

Espera-se para breve enérgica manifestação nas assembleias da ONU por parte dos CTGs (Centros de Tradição Gaúcha) contra o uso indigno do nome. Tão logo nós gaúchos, que mal nenhum fazemos às laboriosas abelhas, exceto em algum momento em que o gaúcho é tão macho, mas tão macho, que não chupa o mel – come a abelha!


Santiago, artista gráfico e cartunista ilustrador gaúcho.

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

O PROFESSOR DE DENIZARD



Ele nasceu antes da Revolução Francesa, em 12 de janeiro de 1746, na bela Zurique, Suíça.

Ainda muito criança aprendeu sobre as dificuldades da vida, vendo a mãe empobrecida batalhando pelo sustento diário, após a morte de seu pai.

Certa vez, um menino rico do colégio o desdenhou por não ter pai e o chamou de ralé.

Naquela época, na França, o nascimento ditava a forma como as pessoas eram tratadas e não os valores da dignidade e da personalidade, mas, seus estudos sempre foram prioridade para sua mãe.

No país de Calvino, recebeu instruções e dogmas do calvinismo, mas jamais se confessou ser de qualquer religião. Dizia apenas ser cristão.

Naqueles tempos conspiratórios, onde os ventos vindos de França sussurravam sobre uma revolta contra o Rei, os jovens inflamavam-se rapidamente, e Johann Heinrich Pestalozzi, já na Universidade, entra para o grupo de Lavater, o poeta, que defendia reformas liberais. Mas, em 1781, após a morte de um amigo por questões políticas, desencanta-se e abandona o partido e a vida política definitivamente.

Casou-se uma única vez, aos 23 anos.

Em 1798, aos 52 anos, assiste as tropas comandadas por Napoleão Bonaparte invadir seu país.

Seus olhos atentos perceberam um número cada vez maior de órfãos da guerra vagando no Cantão (estado) de Unterwalden,principalmente às margens do Lago de Lucerna.

Ele também perdera o pai muito criança, mas essas crianças, a maioria delas, perdera pai, mãe, lar e identidade e perambulavam sem abrigo e comida, sendo quase todos não alfabetizados.

Johann ocupou, clandestinamente, um convento abandonado após as ruinas da guerra e levou tantas crianças abandonadas quanto pode para lá. Dedicou-se aos pequenos com extrema devoção e foi nessa experiência que nasceu o revolucionário “método pedagógico Pestalozzi”.

Em 1799 os invasores franceses ocuparam o convento para instalar um hospital e Pestalozzi e suas crianças tiveram que abandonar o seu “esconderijo”, mas conseguiu licença para manter uma escola em Burgdorf, para onde se transferiram e lá ficaram por 5 anos, até 1804.

A permissão para criar uma escola e manter seus órfãos deu-se, provavelmente, por já ser naquela época uma pessoa conhecida. Havia escrito em 1780 “As Horas Noturnas de Um Ermitão” e em 1781 “Leonardo e Gertrudes” um conto sobre os esforços de uma mulher bondosa para reformar sua casa, sua praça e sua cidade, que já trazia muitos aspectos de sua visão pedagógica. Ambos os livros, mas especialmente o segundo, considerado sua obra prima, fizeram enorme sucesso na Suiça e na França.

Nesse período, em Burgdorf, escreve “Como Gertrudes Ensina Suas Crianças onde usa a personagem Gertrudes para explicar suas ideias sobre educação.

O método Pestalozzi era revolucionário para a época (e para algumas escolas, até hoje) na medida em que prioriza a educação integral não limitada pela absorção de conteúdos via informações. Em sua pedagogia a escola deveria ser uma extensão do lar das crianças oferecendo segurança, amor e afeto junto com a informação (na época as escolas eram extremamente frias havendo uma enorme distância entre ensino e afeto).

Inspirado nos tempos em que sofria bulling por ser pobre e na sua enorme experiência como educador que educa enquanto vive o dia a dia (no convento e na sua escola), Pestalozzi discordava de outros pedagogos que supervalorizavam a razão e o conhecimento científico.

Para ele, na voz de Gertrudes “só o amor tem a força salvadora, capaz de levar o homem à plena realização moral, e possibilitar que cada um encontre dentro de si mesmo a essência divina que lhe dá verdadeira liberdade”.

O processo educativo, ensinava, deveria englobar três dimensões humanas, identificadas com a cabeça (intelectual), a mão (físico) e o coração (afetivo ou moral).

Em 1805, todas as suas crianças já estavam encaminhadas e a salvo do abandono e Pestalozzi mudou-se para Yverdon, onde, nos próximos vinte anos se dedicaria integralmente a aprimorar e divulgar seu método de ensino e educação.

Sua casa tornou-se famosa pois era visitada constantemente por homens poderosos como o ministro das relações exteriores da França Talleyrand e a culta Madame de Stael.

Foi citado em obras de importantes pensadores seus contemporâneos.

Aceitou vários educadores como discípulos e entre os mais notáveis figura a pessoa extraordinária de Denizard Rivail, o Allan Kardec, codificador da Doutrina Espírita.

Seus últimos anos foram de tristeza pelas disputas de egos e ódios entre professores de sua escola que diziam ter, cada um, entendido melhor as lições do mestre.

Em 1825 escreveu seu último trabalho “O Canto do Cisne” e aos 81 anos, faleceu em 17 de fevereiro de 1827.

O velho mestre jamais escondeu que os anos mais felizes de sua vida não foram como escritor e professor consagrado, mas os anos passados com os órfãos de Stans quando, segundo ele, aprendeu a amar e entender melhor as dores de seus semelhantes.

Ele ensinou que educação só se faz com o coração e que fazemos tudo melhor (inclusive aprender) quando gostamos do ambiente em que vivemos e somos bem tratados.

Johann Heinrich Pestalozzi, um revolucionário da educação.

Obrigado, querido mestre.


Prof. Péricles

terça-feira, 18 de agosto de 2015

CRIMES EM CANAÃ


Na madrugada do dia 31 de julho passado, um grupo de extremistas judeus em número ainda não definido, quebrou as janelas de uma casa Palestina no vilarejo de Duma, na Cisjordânia.

Por que aquela casa? Por que aquela família? Não se sabe. Provavelmente por uma escolha totalmente aleatória, isso é, poderia ser qualquer outra casa de outra família palestina.

Pelas janelas quebradas, e antes que a família despertasse completamente, bombas incendiárias foram lançadas.

Saad Dawabsha era o chefe daquele grupo familiar e, com a velocidade que lhe foi possível conseguiu tirar um dos filhos, de quatro anos, e a esposa, do meio das chamas e leva-los para fora do inferno em que a casa havia se tornado.

Em seguida retornou em busca do outro filho, um bebê de 18 meses.

O pessoal do socorro chegou em seguida e encontrou Saad inconsciente, abraçado ao corpo do filho, totalmente carbonizado.

Retirado ainda com vida, o pai foi hospitalizado com queimaduras de terceiro grau, mas, autoridades palestinas informaram a sua morte no sábado, 1º de agosto.

A mulher de Dawabsha e seu outro filho seguem internados em estado grave.

Os assassinos picharam a palavra “vingança” nos muros da vizinhança além da frase “vida longa ao Messias”.

O que tem essa tragédia de inédito na região? Nada. Crimes assim são bem comuns. Ano passado, por exemplo, um jovem palestino foi queimado vivo em Jerusalém, depois do assassinato e sequestro de três adolescentes israelenses por militantes palestinos na Cisjordânia.

Assim tem sido há décadas e assim será enquanto os homens que têm o poder para fazer parar a matança, homens como o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu, não aceitarem que, a construção da paz só será possível com mútuas concessões.

A paz no Oriente Médio é possível, e isso já foi demonstrado por Itkaz Rabin e Yasser Arafat, mas para isso, a postura prepotente dos senhores da guerra deve ceder espaço para o desejo real de construí-la.

Enquanto isso acontecer, homens como Saad Dawabsha, que não participava de nenhum grupo extremista, nem partido político, e que tinha apenas para si a responsabilidade sobre sua família, continuarão morrendo abraçados aos corpos sem vida de seus filhos.

Apenas a paz pode deter os crimes em Canaã.


Prof. Péricles

sábado, 15 de agosto de 2015

QUANDO PÁTRIA E LUCRO SE CONFUNDEM


(Conclusão de “A Revolução dos Ricos”)

O enriquecimento dos ricos com a revolução industrial parecia infindável.

Alimentava essa ideia o constante aperfeiçoamento das máquinas e consequente crescimento da produção e a inquestionável dominação da África e da Ásia a partir de ações políticas e invasões militares garantindo acesso à matéria-prima mais barata e mão-de-obra abundante.

O crescimento dos lucros parecia sem limites.

Nunca os ricos foram tão ricos e a segunda parte do século XIX foi chamada de “La Belle Époque”, a Bela Época. Uma bela época para quem tinha a propriedade das máquinas e do capital, mas, não para os pobres e explorados.

Mão de obra infantil, exploração do trabalho feminino, ausência garantias (não havia jornada de trabalho definida, nem licença-saúde, repouso remunerado ou férias estabelecidas) e salários miseráveis, faziam da vida do operário um drama de horror.

Entretanto, na virada do século XIX para o XX, as nuvens negras que pairavam sobre a geopolítica europeia já eram bem visíveis.

Levados ao extremo da concorrência as grandes potências desconfiavam umas das outras.

A saturação do mercado a partir do crescimento da indústria alemã com uma produção que primava pela qualidade levava a um estado de excitação que provocava sentimentos revanchistas e ódios nacionalistas.

Cada vez ficava mais claro para empresários e governantes que apenas uma guerra seria capaz de redimensionar o mercado e reorientar o eixo do poder econômico.

O primeiro passo para a guerra foi convencer os povos que a guerra era uma necessidade de todos.

A guerra um ato de extrema violência e barbárie passou a ser francamente defendida pela mídia, pela publicidade e mesmo, por intelectuais.

Na Inglaterra se dizia “a vida de todo cidadão britânico será melhor no dia que a Alemanha for aniquilada”.

Bancos e empresas adquiriram ares ufanistas, como se o lucro do capital privado significasse desenvolvimento público.

Amor à pátria, nacionalismo, independência foram conceitos utilizados à exaustão.

Se não era necessário muito esforço para convencer homens a morrer em defesa do território agredido por um invasor, era necessária a construção de um cenário mentiroso para convencer a morrer... por nada.

E assim, o miserável e massacrado operário, em pouco tempo repetia o discurso das elites.

O passo seguinte foi o estabelecimento de alianças que aproximariam nações que apesar de ódios antigos enfrentavam no mercado os mesmos rivais.
De um lado Inglaterra, França e Rússia de outro Alemanha, Áustria-Hungria e Itália/Turquia.

Tudo pronto faltava o fato que desse início aos combates.

Como causa real não houvesse foi criado um e o assassinato de um político (o arquiduque da Áustria), um crime tão comum que o assassino já estava na cadeia menos de 12 horas após o atentado, foi feito de gatilho.

Encantados com o progresso industrial dos equipamentos bélicos vendia-se a ideia de que a Guerra seria rápida e quase indolor, fazendo com que jovens iludidos partissem para o campo de batalha sorridentes como quem sai de férias escolares, mas retornará a tempo da volta às aulas.

Por mais de quatro anos, de 28 de julho de 1914 a 11 de novembro de 1918, desenrolou-se o pior dos pesadelos já sonhado por qualquer europeu.

Chamada na época de “A Grande Guerra” mais tarde de “I Guerra Mundial” a carnificina ceifou milhões de vidas e poderia se chamar de “A Guerra da Concorrência de Mercado”.

Pela primeira vez foram usados submarinos, aviões e armas químicas.

Milhões morreram no mar, no ar, na superfície e nas profundezas de trincheiras cavadas na terra.

Milhares de cegos, perdas de controle de movimentos, loucura e inutilizados por efeito de gazes no sistema nervoso central.
A Europa dizimada e mutilada nunca mais seria a mesma e a Bela Época tornou-se apenas uma vaga lembrança diante da época da dor.

A Revolução dos Ricos levara o mundo para a Guerra dos Ricos, mas, os mortos foram os jovens pobres, operários e filhos de pobres.

Tudo em nome da pátria... na verdade, do capital.

Enquanto a morte, a dor e o desespero foram de todos, o enriquecimento jamais deixou de ser de alguns.


Prof. Péricles

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

AGOSTO O MÊS QUE SE ARRASTA


Por Gilberto de Souza

Nem todo brasileiro tem a sensatez de torcer para um time como o Botafogo, mas todos, com certeza, sabem quanto custa ganhar a vida, em tempos bicudos como hoje. Quem vibra com as vitórias e amarga as derrotas do Alvinegro carioca, mesmo na segundona, guarda consigo a força de quem precisa lutar, e muito, para seguir adiante e superar as mais amargas provações.

O jogo é claro. A regra é essa. Mas, na política, as medidas do campo são diferentes.

Como em um final de campeonato, o país mais uma vez se dividiu – nas últimas eleições – entre os homens e mulheres do time que perdeu com o uniforme do new deal norte-americano, iludidos pelas lorotas de Hollywood, as novelas globais; e o escrete vitorioso que votou com a proposta de um país mais justo, pela desconcentração da renda, por uma comunicação mais democrática.

Esta última parcela dos eleitores foi majoritária e elegeu a presidenta Dilma Rousseff para um novo mandato de quatro anos.

A vitória de Dilma transformou os derrotados em maus perdedores, em seres raivosos e dispostos a explodir até a sede do Instituto Lula, por exemplo.

Tornaram-se atores ideais na pantomima de um eventual golpe de Estado, aplicado a partir do Judiciário e sustentado por um Congresso que representa o momento em que foi eleito, durante a divisão de um país separado pelas forças reacionárias da ultradireita e o eleitorado de esquerda que contou com a força de centro do PMDB, hoje transformado em árbitro da partida.

Meses após a vitória nas urnas, acuada por uma ação enfática do Judiciário na Operação Lava Jato contra o seu partido, o PT, a presidenta Dilma tropeça em obstáculos, colocados de propósito pela conjuntura político-econômica, e voa na direção de seus piores inimigos ao concordar com um ajuste fiscal implacável.

Nesse momento, perde o chão – o chão de fábrica, o chão da militância – e se vê diante da matilha fascista, pronta a lhe estraçalhar até os ossos.

Assustada, encastela-se no Palácio do Planalto. Rodeada por um ministério amorfo e avesso ao risco – cada qual de olho apenas em seus pequenos poderes e carguinhos de ocasião – Dilma vê o tecido social se esgarçar no jogo de forças em que pesa a governabilidade do país.

Inerte diante dos riscos que corre a democracia brasileira, a presidenta da República se presta a responder, cabisbaixa, aos insultos da turba. Em um discurso tísico, admite que ‘aguenta a pressão’.

A mídia conservadora, alinhada aos setores mais reacionários da sociedade brasileira, cumpre fielmente o papel de incitar a malta alimentada com os restos do ‘american dream‘, para uma manifestação no próximo dia 16 deste agosto que não termina.

Tem-se notícia de que o paquiderme federal moveu-se, alguns milímetros, para garantir o farnel publicitário aos cofres das Organizações Globo, em troca de um efêmero editorial antigolpe. Não é nada, não é nada, assemelha-se ao carrasco declarar que perdeu o gosto em seu ofício. Se for verdade, é muita coisa. Mas a chance de ser mentira é imensa. Então, não será nada mesmo.

E assim, agosto segue sem que o Botafogo jogue o futebol dos sonhos de sua torcida, sem que a presidenta eleita pelo povo inicie, de fato, a sua administração, e sem que o seu governo – a despeito das saúvas de direita – demonstre ao povo brasileiro que, como qualquer brasileiro, sabe o quanto custa sustentar uma família.

Agosto, historicamente, é um mês que custa a passar.


Gilberto de Souza é jornalista, editor-chefe do jornal Correio do Brasil.

terça-feira, 11 de agosto de 2015

QUANDO CALVINO MATAVA EM GENEBRA



Por Santiago


Vocês sabiam que os protestantes também mataram gente na fogueira durante o período da Renascença?

Pois é – na família Rebés sempre se falou de um personagem heróico que seria um dos nossos antepassados: o teólogo, filósofo, médico, cientista e humanista Miguel Servet y Revés, que nasceu no ano 1511 e foi morto por João Calvino na fogueira em 1553, em Genebra, com apenas 42 anos de idade.

Meu irmão mais velho Odilon Abreu, falecido , pesquisou bastante sobre a biografia de Servet e um primo de Barcelona, da parte dos Rebés que não emigraram, me falou muito sobre esse possível pentatetravó.

Os Rebés da Catalunha eram muito rebeldes e teimosos, por isso eram chamados de Revés, os que fazem tudo ao contrário, grafia que passou depois para Rebés, com B. E o Servet era o próprio “al revés”, depois de queimar o filme com a igreja católica fugiu para França para escapar da fogueira. Assim mesmo foi “queimado em efígie” como se dizia, ou seja, os padres botaram fogo na sua imagem e nos seus livros teológicos, como forma simbólica de reforçar a sua condenação.

Mas Servet não era um ateu e nem um não religioso, era sim um fiel que ousava discutir alguns aspectos do cristianismo, no caso resolveu questionar a Santíssima Trindade na obra “De Trinitatis Erroribus”, mexendo num dogma para os católicos e para os reformistas de Calvino, o bonzinho.

Servet manteve com Calvino uma polêmica rebatendo o protestante em escritos.

Calvino, o bondoso, prometeu que se Servet viesse a Genebra, de lá não sairia vivo. E foi o que aconteceu, Servet fugindo da França, passou em Genebra e foi reconhecido, preso e mandado vivo para a fogueira, por ordem de Calvino, que se justificava dizendo que matar um herege era uma forma sublime de agradar a Deus.

Contam que usaram lenha verde para intensificar a tortura e que Servet ainda pode dizer ao seu carrasco que, já que lhe roubaram o dinheiro, podiam pelo menos terem comprado lenha seca.

Servet descreveu com exatidão a pequena circulação entre pulmão e coração, muito antes de William Harvey, que alguns tem como o descobridor. O teólogo-cientista achava que a verdadeira essência da alma estava no sangue purificado pelo sopro vital do ar nos pulmões. Ele via na ciência o bom caminho para decifrar as coisas do espírito.

Em tempos de temas como blasfêmia, execuções bárbaras em nome de Deus, crescimento de seitas obscurantistas com enorme poder político, sempre é bom lembrar desses gênios que morreram porque ousaram pensar “al revés” daquilo que o poder estabelecido determina.



Santiago, artista gráfico e cartunista ilustrador gaúcho, premiado diversas vezes no Brasil, Uruguai, na Europa e no Japão, com exposições nos Estados Unidos e Canadá.


sábado, 8 de agosto de 2015

CONGRESSO DE BERLIM, O CONGRESSO DA MORTE



(CONTINUAÇÃO DE "A REVOLUÇÃO DOS RICOS")


Em sua primeira fase (século XVIII), a Revolução Industrial esteve restrita à Inglaterra, mas, na segunda fase (século XIX) ela se expandiu para outros países europeus, além dos Estados Unidos na América e Japão, na Ásia.

A velocidade e o volume da produção multiplicaram-se por variáveis até então, impensáveis.

A concorrência também.

Impulsionada pelos avanços da tecnologia se produzia todo o essencial e já entrava-se no supérfluo. Nunca se necessitou tanto vender e faturar.

Na segunda metade do século XIX a Europa parecia uma panela de pressão. Inglaterra, França, Alemanha, Bélgica, Itália, já eram o que se poderia considerar, potencias industriais.

O mundo ficava cada vez menor para o alcance de seus lucros e a competição entre eles ameaçava a própria paz no continente.

Assim, a África, a Ásia e a Oceania, tornaram-se objetivos a serem conquistados. De lá poderiam vir matéria-prima por um preço muito mais barato se fossem geridas pelos próprios europeus, em vez de, simplesmente importadas. Além disso, os povos desses continentes poderiam também representar consumo garantido de seus produtos e mão de obra baratíssima se os produtos fossem feitos lá mesmo, na área de origem da matéria-prima.

Tudo muito parecido com a colonização da América entre os séculos XVI e XIX, e por isso, os livros de história registram esse pérfido plano de exploração com o nome de “neocolonização”.

Até mesmo o cinismo da justificação se repetia, apenas mudando a roupagem.

Enquanto a justificativa para a ocupação das terras dos povos ameríndios e o massacre dessa gente era de que o Europa estava levando a religião cristã e as verdades de Deus através da salvação pela evangelização, agora, a justificava era de que os nobres povos da Europa estavam levando aos infelizes da África, da Ásia e da Oceania, o progresso da ciência e da tecnologia.

A Europa jurava promover a evolução econômica dessas regiões mais pobres e a isso chamavam “Darwinismo social”. Mas ocultavam que na verdade promoviam a exclusão, a destruição de culturas, as guerras e a morte.

Entre novembro de 1884 e fevereiro de 1885 os países imperialistas da Europa organizaram um Congresso da ganância e da perversidade, que iria dividir entre eles as “terras a serem conquistadas” a ferro e fogo. No Congresso de Berlim a África foi dividida entre eles como fatias de pão.

Diferenças étnicas e culturais dos povos africanos foram desconsideradas e a nova geografia que os europeus criariam dariam origens as Guerras tribais fratricidas que até hoje infelicitam gerações desses povos.

Já, na América, recém descolonizada, o processo foi mais político do que militar.

O capital europeu invadiu o continente em busca de mão-de-obra barata e consumo.

Na América, portanto, não se formaram Impérios, mas se promoveu o poder empresarial que denominamos de “imperialismo”.

Enquanto isso, os Estados Unidos, única nação industrializada do Continente trataria de expulsar a Espanha de Cuba e das Filipinas, reorganizando sua área de influência.

O mundo inteiro parecia um enorme mercado para uma burguesia que, de diferentes matizes nacionais, não parava de enriquecer às custas do sangue e das lágrimas dos não-industrializados.

A fome por lucros jamais estava saciada e os povos pobres foram sugados até o bagaço como laranjas de suco.

O pesadelo de alguns era o sonho dourado de outros poucos.

O que jamais o empresário europeu e seus sócios, os governantes de seus respectivos países poderiam imaginar é que, esse macabro banquete de exploração iria leva-los ao mais terrível de seus pesadelos.

A Primeira Guerra Mundial, que mataria mais do que qualquer outra guerra até então, seria apenas uma consequência da ganância sem freios e sem limites.

(Continua)


Prof. Péricles

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

MENTIRAS QUE NÃO RESISTEM 24 HORAS



Por Mário Augusto Jakobskind


O jornal O Globo realmente não se emenda em seu furor contra o Estado. Em recente editorial o jornal da família Marinho não fez por menos e culpou a grandeza do Estado pela corrupção no país. Por sinal, o tipo de editorial repetido ao longo do tempo.

Não é por aí, o jornal mais vendido do Rio de Janeiro aproveita a oportunidade para investir contra o Estado e se vale das revelações de que um grupo de bandidos passou a mão no erário público.

Nesse sentido, as cartas dos leitores são também bastante sintomáticas, chegando uma delas a afirmar que o “grande erro de FHC foi não ter privatizado a Petrobras”. Tudo que os Marinhos sempre sonharam, mas não conseguiram converter em realidade, apesar do esforço nesse sentido.

Bem que o ex-presidente Cardoso tentou, mas os trabalhadores petroleiros se mobilizaram e conseguiram evitar o crime lesa pátria. Agora, os mesmos petroleiros estão mobilizados para impedir a privatização, desta vez de alguns setores da empresa, inclusive a BR distribuidora, um dos filés mignons do setor petrolífero.

Na mesma linha, com algumas variações, a revista Veja estampa em sua manchete semanal, como se fosse um criminoso, a figura do ex-presidente Lula. A matéria tem como sustentação supostas declarações de um tal de Leo Pinheiro, ex-presidente da empreiteira OAS.

Poucas horas depois da edição, o próprio Pinheiro desmentiu a revista Veja afirmando que não pretende se valer da delação premiada, inventada pela publicação com chamada espalhafatosa.

Não se trata aqui de defender o ex-presidente Lula, mas simplesmente mostrar como a sujíssima (como o jornalista Helio Fernandes denomina a publicação da família Civitas) Veja planta matérias mentirosas. E qualquer tipo de protesto, seja verbal ou mesmo ação judicial, a Veja se diz vítima de uma campanha contra a liberdade de imprensa.

Na verdade, tanto a Veja como as Organizações Globo e outros órgãos da mídia conservadora se consideram donos da verdade e acima do bem e do mal, mesmo quando a propalada “verdade” não resiste 24 horas para ser demonstrada como mentira.

O que a Veja faz não é jornalismo, mas sujeira da pior espécie. Mente e apresenta matérias que não resistem 24 horas, repetindo sempre o mesmo esquema.

Lembro-me de uma ocorrência que já contei há alguns anos. Trata-se da história de uma reportagem da Veja. Um amigo jornalista, que já não está entre nós e tinha me pedido para não revelar o nome, me chamou para testemunhar uma entrevista que daria para a Veja sobre o tema anistia. Aceitei o “desafio”.

Apareci no local, um restaurante de Copacabana, não como jornalista, mas como amigo do entrevistado. Prestei atenção às palavras do jornalista e as perguntas do repórter e qual não foi minha surpresa que quando saiu a matéria o que o entrevistado tinha dito não apareceu, mas sim o que ele não falou.

Este é o tipo de jornalismo que faz a sujíssima Veja. Provavelmente repetiram o esquema da mentira em muitas outras edições.

Agora, na rotina, usaram uma suposta delação premiada do tal Léo Pinheiro, que menos de 24 horas depois desmentiu negando que tenha feito acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal na Operação Lava Jato.

A revista Veja quer de todas as formas criar fatos contra quem não reza por sua cartilha. Os Civitas não se importam com as mentiras, desde que elas sirvam para provocar impacto inicial.

Na última eleição presidencial inventou história incriminando Dilma Rousseff e o próprio Lula com manchete na antevéspera do pleito afirmando que “eles sabiam de tudo” em relação aos escândalos da Petrobras.

O objetivo era mais do que claro, ou seja, evitar a reeleição da Presidenta Dilma Rousseff. Não era jornalístico. Não conseguiram alcançar o objetivo, mas de qualquer forma jogaram no ventilador.

Tanto a Veja, como O Globo e outras publicações, quando sofre qualquer tipo de contestação se vale da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP), o organismo que reúne os barões midiáticos das Américas para a defesa e investir contra os “detratores”, como grupos que querem restringir a liberdade de imprensa e de expressão.

A SIP não defende propriamente a liberdade de imprensa, mas sim a liberdade de empresa, cujas mídias aqui no Brasil sempre almejam mais e mais lucros, mas se negam a pagar o piso salarial, que é lei, como acontece no Estado do Rio de Janeiro, por exemplo.

Para evitar a repetição de “petardos” mentirosos, é necessário sempre estar atento às armadilhas da mídia conservadora.


Mário Augusto Jakobskind, jornalista e escritor, correspondente do jornal uruguaio Brecha. Seus livros mais recentes: Líbia – Barrados na Fronteira; Cuba, Apesar do Bloqueio e Parla , lançado no Rio de Janeiro.


terça-feira, 4 de agosto de 2015

HISTÓRIAS DE NÁUFRAGOS



Após um naufrágio um grupo de pessoas, entre homens, mulheres e crianças, ocupam o mesmo barco e tentam sobreviver na imensidão do mar.

Passado o primeiro dia surgem as primeiras diferenças de opiniões entre eles.

Um pequeno grupo tenta impor sua vontade alegando que a madeira de fabricação do barco foi extraída da fazenda de um tio, por isso, eles produziram mais para todos e merecem hegemonia.

Outro grupo discorda. Afirma que o barco é de todos e que é imoral tentar impor vontades a partir da pseudo-propriedade.

Um terceiro grupo se mantém em silêncio ouvindo as discussões cada vez mais acaloradas de ambos os lados.

Resolvem então fazer uma votação para escolher um líder.

Nos debates que se seguem um dos grupos apresenta suas ideias. Querem racionar a água, mas priorizar as necessidades das crianças e dos mais velhos. Alega também que os que estão remando merecem comer uma porção maior de ração já que estão trabalhando mais e que, seria interessante que outros, que nada estavam fazendo além de especular fossem socialmente mais úteis, por exemplo, adaptando fios e anzóis e para pescar para todos.

O líder do outro grupo alega que não tem ideia nenhuma. Defende que todos devam se abraçar fraternalmente e desenhar corações no barquinho, pois isso os irá salvar. Não tem a menor ideia para onde ir e o que fazer. Na verdade, seu maior argumento (o único) para ser escolhido como líder é que se eleito impediria a vitória do outro incentivando o sentimento de antagonismo, aversão e preconceitos que, ele sabia, existirem de forma natural entre alguns.

O grupo do “abraço, coração e sem ideias” venceu as eleições.

Logo depois o barco afunda tragicamente no meio do oceano e todos, sem exceção são tragados para o abismo.

Estranhamente o grupo que votou pela desgraça não sente o menor remorso ou vergonha. Mesmo diante do último suspiro ainda se acha mais esperto e e em seu último suspiro ainda carregava a patética alegria de evitar a vitória “do outro”.

Esse barco se chamava “Rio Grande do Sul”.



Em outro ponto do vasto oceano, outro naufrágio acontece e algumas pessoas sobrevivem num barco.

Nesse barco a história inicialmente, se repete, mas, quem vence a votação pela liderança é o grupo das ideias novas.

A reação do grupo perdedor, porém, é autoritária e rancorosa.

Longe de pular fora do barco que odeiam preferem colocar em risco a segurança de todos.

Reclamam que houve fraude na eleição, mesmo depois dos votos contados e recontados, não aceitam o resultado, boicotam as ações do líder, tentam convencer os demais náufragos que o barco está afundando e que jamais barco algum foi tão malconduzido.

Inconformados passam a fazer de tudo para que o barco afunde.

Se afundar, todos se afogarão, de onde se pode concluir que, para o grupo que não aceita que perdeu a vez é preferível um barco perdido no fundo do mar do que um barco no rumo certo, mas levado por um timoneiro que não seja de seus propósitos.

Esse barco se chamava Brasil.


Prof. Péricles

sábado, 1 de agosto de 2015

A REVOLUÇÃO DOS RICOS


Qual foi a maior importância da Revolução industrial na história humana?

Antes de lembrar a definição mais simples “Revolução Industrial foi a introdução de novas tecnologias (máquinas) e novas fontes de energia (vapor, eletricidade) no sistema produtivo”, vamos refletir.

Qual a primeira consequência de colocar máquinas a fazer o trabalho humano? O fato de que as máquinas fazem mais ligeiro.

E qual a importância de fazer mais ligeiro? Certamente não é a melhor qualidade visto que um produto artesanal pode ser muito melhor que um produto feito pela máquina. Então qual a vantagem de fazer mais ligeiro? O fato que isso representa que se faz mais, em maior quantidade, aliás bem maior quantidade a partir de que as máquinas são aperfeiçoadas indefinidamente e, por isso, sempre fazendo mais e melhor.

Então, a pergunta mais importante: qual a importância de se fazer com a máquina e novas fontes de energia, consequentemente, mais rápido e em maior quantidade? A possibilidade de ganhar mais dinheiro.

Ulalá... eis o mistério da industrialização.

A Revolução Industrial foi uma revolução nas possibilidades de ampliação dos lucros.

Antes da revolução industrial os horizontes da riqueza eram bem mais modestos. O rico era rico mas não era imponderável. As peças de Shakespeare no século XVII eram vistas no mesmo teatro por pobres e ricos. Aliás, eles se conheciam. A diferença era que os pobres levavam as próprias cadeiras de casa.

Depois da Revolução industrial a possibilidade de lucrar e fazer fortuna se ampliou dramaticamente. O rico, ficaria tão rico que se tornaria invisível ao pobre.

Se antes fazendo 10 chinelos por dia o dono dos instrumentos e do capital ficava satisfeito se vendesse 8, depois da revolução, podendo fazer mil por dia, a venda tinha que ser compatível com a produção e consequentemente o dono das máquinas e do capital não se conformaria em vender 8 e ser rico, iria querer vender mil e ser milionário.

O trabalho industrial para funcionar, precisava de mão de obra abundante, matéria-prima mais barata possível e gente que comprasse. Gente, muita, muita gente, pois as máquinas, precisam de gente para opera-las.

Desde o seu primeiro estágio, no século XVIII, a indústria resolveu o problema da mão de obra, transformando artífices em operários. Milhares, milhões de trabalhadores braçais foram enredados nas engrenagens que lhe tiraram os instrumentos e lhe deram um salário.

Para garantir a abundância da oferta de mão-de-obra e assim barateá-la, houve uma pequena revolução na agropecuária inglesa com os enclousures que, a partir da produção intensiva demitiu milhares, liberando-os para o trabalho nas cidades.

Os segredos do processo da feitura do produto se perderam do antigo artesão com a máxima especialização, que ao mesmo tempo que tornava tudo mais rápido, escondeu do simples trabalhador o segredo do preço final do todo.

O artesão que antes, com seus instrumentos fazia todo o sapato, agora trabalhava numa sessão que fazia apenas a sola, por exemplo, e só sobre sola ele entendia e era especialista.

Dessa forma embora a produção tenha se multiplicado a riqueza não foi do estado e de seus cidadãos, mas apenas dos proprietários das máquinas e das fábricas, portanto, uma revolução dos ricos.

(Continua)

Prof. Péricles