Follow by Email

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

NINFAS, SONHOS E DESÂNIMOS



Tentando fugir dessa panela de pressão em que se transformou o Brasil, com golpes e golpistas, provocações fascistas e pedidos de retorno da Ditadura Militar, ele foi procurar sossego numa área verdejante na periferia de cidade.


Sentado num toco de árvore, jogando pedrinhas nas águas do rio, dele se aproximou, de repente, uma ninfa.


Ninfas para os gregos antigos, eram espécies de espíritos da natureza. Seres que habitavam florestas e campos, montes e vales, costas marinhas e rios, enfim, preenchiam os espaços naturais.


Nada de ter medo que as ninfas eram de boas... normalmente.


Aliás uma das traduções da palavra “ninfa” era noiva e isso, tanto pode acalmar os ânimos como trazer desespero.


A ninfa que surgiu em sua frente era uma Dríade, espírito que habita as florestas.


Chegou fumando uma erva estranha e gingando as cadeiras cheia de male molejo.


Trajava apenas uns trapos de seda que mal cobriam seu corpo escultural.


Como todo homem decidido e guapo, ele ficou parado de boca aberta e pensando em sexo...


Abrindo seus lábios tentadores e rubizados ela disse “que houve, está fugindo da bronca? ”


Bronca? Balbuciou abobalhado...


Sim, do “Fora Temer”, da PEC 241 ou 55, dos juízes parciais e suas equipes amestradas?


Por alguns instantes os pensamentos sobre sexo esvaneceram e ele tomado de repentina melancolia respondeu: “pois é... as vezes dá vontade de fugir”.


A Dríade franziu o cenho e colocando um dedo a frente dos lábios murmurou “na na ni na não... nada disso, o desânimo é para os fracos, a luta continua companheiro”.


O pobre já estava pronto para replicar quando materializa-se diante dele, um novo vulto, uma Náiade, ninfa das águas doces.


Deixe o pobre homem em paz sua Dríade provocadora, falou a recém-chegada. Não vê que ele está mais pra urubu do que pra louro?


E as duas, começaram uma discussão que encheu a floresta de gritos estridentes e xingamentos.


Ninfas são assim, competitivas e ciumentas.


Algum tempo depois as duas lembraram do homem que as olhava, ainda sentado no toco da árvore com uma cara de “dãããããã”... e aproveitando o súbito silêncio ele perguntou “e sexo não rola”.


- Não disse a dupla em uníssono. Só depois que o Temer cair... trate de participar do bom combate.


E sumiram tão misteriosamente como apareceram deixando no ar o cheiro de erva estranha.


E o pobre homem ficou lá pensando que já não existem ninfas como antigamente, se valia à pena antecipar o pagamento de IPTU e que não é bom comer demais à noite para não sonhar com ninfas, sexo e “fora Temer”.



Prof. Péricles





segunda-feira, 28 de novembro de 2016

O HOMEM QUE VOTOU NO TRUMP



Por João Marcos Aurore Romão



Quem é este homem que votou no Donald Trump?


Sim eu o vejo na Rússia, na Hungria, na Alemanha, na Polônia, na Argentina, nos EUA, no Brasil, e para onde eu olhar, é um homem, em geral precarizado no mundo do trabalho, que perdeu todos os direitos que possuía ao perder o trabalho seguro que tinha.


Este homem que rumina toda tarde diante da televisão, com uma cerveja ao lado, destila no saco um ódio, a todos os vizinhos, mexicanos, muçulmanos, negros, estrangeiros, mulheres, gays, que ele imagina, terem ocupado o seu lugar e serem as causas de sua desgraça e perda, do poder que tinha em um mundo em ordem, num passado distante.


Este é o homem que sai nas ruas da Alemanha contra refugiados.


Este é o homem que na Rússia sai na rua para espancar gays.


Este é o homem que nos EUA destila o ódio contra todo o resto do mundo que não mais reconhece a sua supremacia imperial americana.


Este é o homem que aplaude os esquadrões da morte no Brasil e nas Filipinas.


Este homem frustrado e ressentido descobriu o voto.


Descobriu o mesmo voto que os lutadores pelos direitos civis descobriram na década de sessenta.


O voto agora mudou de mão.


O voto voltou de volta para as mãos dos homens, que tinham a supremacia da voz antes dos movimentos de libertações dos diferentes do mundo.


Me preparava para ir ver o mar.


No ponto de ônibus da minha esquina está impossível chegar.


O tiroteio discriminatório recomeçou.


Creio, que mesmo sem tiroteios, como um homem negro, também não sairia de casa hoje na Flórida, nem em um bairro pobre da Saxônia.


Este homem ressentido e cheio de ódio, acaba de ser fortalecido em cada esquina do mundo.


Os dois caveirões que vejo pela fresta de minha janela, só confirmam este poder da morte do vizinho, que acaba de ser elevado ao poder mundial.


Vale xingar a mãe e cuspir na cara.



João Marcos Aurore Romão, jornalista, sociólogo e ativista pela Anistia, pelos direitos humanos e do movimento negro década de 70. Coordenador da Rede Rádio Mamaterra Brasil Alemanha. Coordenador da iniciativa Sos Racismo Brasil.

sábado, 26 de novembro de 2016

HASTA SIEMPRE COMANDANTE


Não se preocupe comandante, estaremos contigo como sempre estivemos.


E não somos poucos. Somos milhões e milhões.


Estamos juntos, como sempre tivemos antes.


Quando você nasceu, comandante, em agosto de 1926, nós estávamos lá, mas você só percebeu realmente, a nossa presença, quando estudante, quando voltou seu olhar muito além dos livros, para enxergar seu povo sofrido e humilhado com os olhos marejados de liberdade.


Estávamos ao seu lado quando convidou os primeiros companheiros para a luta. E quando convidou os últimos também.


Quando atacou o Quartel de Moncada em julho de 1953, comandante, num ato estrategicamente falho, mas pleno de amor à causa da liberdade, estávamos lá, ombro a ombro, também fomos feridos e fomos juntos para o cárcere miserável da prisão militar.


Assistimos à execução sumária de muitos revolucionários e ao seu julgamento, comandante, de cabeça erguida diante da arrogância dos poderosos.


Não conseguimos conter a emoção quando ao se defender afirmou diante dos juízes “a história me absolverá”.


Fomos juntos ao exílio e ao encontro de outros gladiadores.


Estivemos juntos no olhar de Ernesto, de Raul, de Camilo e no olhar de todos aqueles que se alistaram ao esforço quase suicida de voltar à Ilha e enfrentar um exército bem treinado e armado pelos Estados Unidos.


Estávamos na mesma fileira, nas matas de Sierra Maestra, em cada disparo e grito de dor.


Também passamos fome e tivemos medo.


Mesmo opacos, estávamos também nos porões da ditadura de Batista, onde tantos combatentes heroicos capturados, foram mortos sob tortura, mas, pode ter certeza, ainda os acalentamos em seus últimos suspiros.


Sim comandante, entramos triunfantes em Havana naquele janeiro de 1959. Assim como lutamos juntos quando reacionários financiados pela CIA tentaram recuperar o poder na Baia dos Porcos.


Nossos olhares brilharam quando você anunciou o mergulho de Cuba na experiência da igualdade, proclamando a Ilha um estado socialista.


Lembramos bem o ódio nas faces dos que perderam milhões na exploração do trabalho alheio e na cara de ódio dos ianques que consideravam ter perdido seu quintal.


Foram tantas dores, rimos juntos, choramos juntos. Nossas esperanças se misturaram e criaram vida ao longo desses 57 anos.


Por isso, comandante, nesse 26 de novembro, com sua morte anunciada, não sinta medo do grande mergulho na eternidade. Continuaremos juntos outra vez, e como sempre.


Nós somos milhões Fidel Castro. Somos milhões de sonhos de igualdade e de fraternidade.


Somos milhões de mulheres e de homens, de velhos e de crianças. Nós somos milhões de sonhos que foram sonhados juntos, em coletividade, nos calabouços, nas florestas, que da Ilha de Cuba se espalharam pelo mundo.


Muitos outros milhões já sonharam o mesmo sonho e outros milhões ainda esperam seu Fidel.


Seu comandante um passo além da prudência, mais próximo da loucura da ação do que da segurança da teoria.


Somos milhões que não morreram nas praias, nem morreram de fome, que não foram abandonados ao frio e que sorriem ao ouvir suas palavras "Esta noite milhões de crianças dormirão na rua, mas nenhuma delas é cubana".


Descanse guerreiro da utopia alcançada.


Descanse nos braços de tantos que junto contigo criaram a nação livre, que mesmo boicotada pelo mundo, isolada das outras nações, odiada por milhões que nem a conhecem, persiste na busca de um mundo menos egoísta.


Um mundo de menos capital e mais humanidade. De menos privilégios e mais saúde para todos. Onde a propriedade privada de alguns seja substituída pelo bem-estar de milhões.


Nada será escrito em tua lápide pois guerreiros não são presos às catacumbas.


Teu corpo será cinzas que se espalharão pelo solo liberto de Cuba, que tanto amastes.


Tuas cinzas retornarão à Sierra Maestra e alcançarão teus companheiros.


Deixemos ao vento a tarefa de murmurar teu nome, eternamente.


E continuaremos juntos. Você e sua obstinação pela defesa dos desvalidos e nós, os sonhos de liberdade que são sonhados no mundo.


Revolucionários como Ernesto, como Camilo e tantos outros, te esperam na curva do tempo para continuarem a luta, agora, transformados em ondas de um oceano de esperanças.


Hasta siempre Comandante!




Prof. Péricles



quinta-feira, 24 de novembro de 2016

RESPEITO E TAPA NOS BEIÇOS

Criança peralta quando pega fazendo traquinagem costuma ficar sem jeito. Carinha de anjo, mãos para trás, faz aquele jeito único que a gente entende como “envergonhada” e acaba achando bonitinho embora mantendo uma faixada de austeridade.


Carregamos isso pela vida e costumamos sentir aquele mal-estar envergonhado quando percebemos que estamos no lugar errado ou cometendo gafes.


A esquerda brasileira sempre se sentiu muito bem no papel de oposição. Afinal, nesses pouco mais de 500 anos de história o país sempre foi governado pelas elites e para as elites.


Seu maior representante, o Partido Comunista Brasileiro, em seus 94 anos de existência esteve mais de 60 anos na clandestinidade.


Sim, teve o período final do governo Vargas e a aproximação dos sindicatos com Jango em seu curto governo como presidente de fato da república, mas, sabemos bem como esses períodos históricos terminaram... tentativas de golpes, simulação de atentados e golpes que impossibilitaram os avanços populares que se pretendia.


Nos 14 anos de governo PT a grande novidade foi essa, apesar de não se caracterizar objetivamente como esquerda tradicional e seus anseios históricos, o PT, definitivamente, significava a coisa mais à esquerda que já chegou ao poder no Brasil um dia.


Talvez o maior problema dos governos petistas tenha sido justamente a falta de prática em ser situação. Apesar de Lula dizer que é muito bom ser presidente esses governos nunca se sentiram realmente à vontade no poder.


Jamais se viu uma preocupação em responder com a mesma força as agressões sofridas pela mídia, por exemplo.


Se reproduz, de certa forma, o imaginário que considera o “doutor” digno de todo o respeito, mas pobre...


A falta de uma resposta à altura não foi apenas uma opção de elegância dos governantes de esquerda, foi falta de uma política voltada à divulgação para o que se estava fazendo e a quem isso incomodava.


Até hoje ainda se trata a maior emissora golpista do país com uma generosa dose de relação democrática e respeito de apenas uma mão.


Os abusos verbais e simbólicos cometidos por aqueles que jamais fariam isso com os senhores da Casa Grande, nunca receberam por parte das forças dirigentes a resposta devida.


Nunca se exigiu respeito.


Lula foi e é tratado até hoje como um zé ninguém, as vezes até como um marginal, e nem a expressão “ex-presidente” é utilizada quando falam do seu nome.


Respeito é uma coisa que se exige entre os poderes. Não é favor de ninguém, nem pauta a ser trabalhada por qualquer jornalista de plantão.


No Rio Grande do Sul, de forma popular, se diz que respeito e tapa nos beiços coloca tudo nos eixos.


Faltou respeito e nunca teve tapa nos beiços por parte dos governos do PT.


Sobraram luvas de pelica e faltou Brizola nas reações da esquerda brasileira.


De certa forma os governos do PT, de esquerda ou centro-esquerda, agiram, durante toda a crise, como crianças pegas no lugar que não deveriam estar, e, sem jeito, baixaram os olhos e pediram desculpas.



Prof. Péricles

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

TRUMP PODE APERTAR O BOTÃO DO APOCALIPSE

Por Cristina Pereda, para o El País da Espanha


Cerca de 42% dos estadunidenses afirma que sentiram “medo” após a vitória de Donald Trump nas eleições, com relação ao que poderia acontecer durante o seu mandato, segundo pesquisa do instituto Gallup.


Efetivamente, a partir do dia 21 de janeiro, Trump terá acesso a uma enorme lista de poderes presidenciais, que incluem os códigos nucleares e até a possibilidade de derrubar as grandes reformas de seu antecessor, Barack Obama – e o empresário assegurou que eliminará umas 20 medidas adotadas pelo atual mandatário.

O sistema constitucional estadunidense está baseado na separação dos poderes executivo, legislativo e judiciário. A presidência de Trump supõe então um desafio sem precedentes a esse equilíbrio, por estar acompanhada das maiorias republicanas na Câmara de Representantes e no Senado, um caminho livre para nomear juízes conservadores no Tribunal Supremo e expandir os poderes presidenciais herdados desde as medidas adotadas neste sentido pela administração de George W. Bush depois dos atentados de 11 de setembro de 2001.

A seguir, repassamos o que poderá e o que não poderá fazer o presidente eleito Trump quando após a sua chegada à Casa Branca:


Pode apertar o “botão da bomba atômica”?


O “botão da bomba atômica” é, na verdade, um cartão com os códigos para ativar o lançamento das armas. O presidente dos Estados Unidos está sempre acompanhado de algum alto comandante das Forças Armadas, que leva uma maleta com toda a informação necessária para tomar uma decisão. Esse militar viaja com o mandatário no Air Force One, no veículo presidencial e se hospeda no mesmo hotel ou residência quando não está na Casa Branca, e também é protegido pelo Serviço Secreto. A maleta inclui um manual com todas as opções de ataque, um mecanismo para verificar a identidade do mesmo, caso ele decida ativar o lançamento, e os bunkers onde se pode protegê-lo.

Os Estados Unidos possuem cerca de 900 ogivas nucleares, que são entre 10 e 20 vezes mais poderosas que as bombas lançadas sobre Hiroshima e Nagasaki, e que estão prontas para serem ativadas. Segundo Bruce G. Blair, especialista em segurança nacional da Universidade de Princeton, “basta uma ligação telefônica para que o comandante-chefe tenha um poder ilimitado para ativar as armas nucleares a qualquer momento”. Blair assegura que o presidente não precisa de conselhos ou da aprovação do Senado, nem será questionado pelo Tribunal Supremo por qualquer decisão. O processo, entretanto, passa por uma série de mecanismos, nos quais estão envolvidos os líderes do Pentágono, encarregados de alertar o presidente sobre qualquer ameaça e preparar depois a resposta que ele – no caso Trump – considere adequada.

Pode construir um muro na fronteira?


Trump contemporizou a respeito da promessa de construir um muro na fronteira com o México. Desde a vitória nas eleições, ele passou a admitir que, em algumas zonas, será “somente uma cerca”. Para isso, necessita que o Congresso aprove o orçamento multimilionário necessário para se completar a construção. O presidente também necessitaria do apoio legislativo para alterar a política de segurança na fronteira, por exemplo, incrementando o número de agentes destinados às zonas, porque careceria de um aumento das verbas destinadas a este objetivo.

Pode deportar três milhões de imigrantes indocumentados?


A política de deportações depende do Departamento de Segurança Nacional e o presidente tem a prerrogativa de decidir como esta se aplica. Assim como Obama ordenou que se desse prioridade à deportação de indocumentados com antecedentes penais – como agora promete Trump –, o presidente eleito pode estrear no cargo pedindo que se aplique a ordem de deportação de qualquer indocumentado. O republicano também poderia anular o decreto pelo qual Obama concedeu uma licença temporária de residência e emprego a jovens sem documentos que estudaram nos Estados Unidos. Somente necessitaria aprovar uma ordem executiva que rescinda a normativa atual.


Pode desfazer a reforma da saúde de Obama?


O fato de que a lei conhecida como Obamacare (o sistema de saúde público de Obama) tenha sido aprovada pelas duas casas legislativas deveria significar que, para derrubá-la completamente, os republicanos necessitam de uma supermaioria no Senado, ao menos 60 votos – e alcançaram 51 após as últimas eleições. Isso dificulta a tarefa de eliminá-la, mas os republicanos podem sim fazer desaparecer alguns aspectos específicos do plano, como as ajudas para pessoas que vivem abaixo do limite da pobreza, ou os subsídios que ajudaram milhões de estadunidenses de classe média a adquirir apólices do novo seguro de saúde.


Pode reinstituir o uso de métodos de tortura em interrogatórios?


Trump prometeu durante a campanha que “aprovaria uma lei para permitir novamente o uso de técnicas de afogamento simulado” e até mesmo “coisas muito piores”. A administração de Obama assinou um tratado que proíbe a tortura e outros castigos degradantes, considerados ilegais pela legislação estadunidense e internacional. Em 2009, o atual presidente assinou uma ordem executiva que abolia o uso de métodos considerados abusivos e que foram usados durante o governo de George W. Bush. Trump pode impulsar um decreto similar assim que assumir o poder, determinando exatamente o contrário.


Pode ampliar Guantánamo?


Obama ordenou fechar a prisão localizada na base militar estadunidense em Cuba, que ainda mantém 60 pessoas presas em seu interior. Trump não só indicou que pretende reverter essa decisão como prometeu “enchê-la de caras maus”. Neste caso, conta com o apoio das mesmas maiorias no Congresso que se opuseram à iniciativa do mandatário democrata.

Pode lançar ataques com drones sem autorização do Congresso?


Trump terá em suas mãos o programa de luta antiterrorista que, por iniciativa do presidente Obama, aumentou a quantidade de ataques com drones em territórios estrangeiros, incluindo os que têm como objetivo a cidadãos estadunidenses. O republicano poderá utilizar as mesmas prerrogativas legais para decidir em favor dos ataques sem precisar da aprovação do Congresso (alegando que atua em favor da segurança nacional do país), e até ir além, já que pode se apoiar em mecanismos internos do Executivo, não em normativas impulsadas pelo Poder Legislativo.



Tradução: Victor Farinelli



sábado, 19 de novembro de 2016

NÃO PASSARÃO


Uma das mais extraordinárias batalhas da Primeira Guerra Mundial foi a “Batalha de Verdun” quando a França resistiu à invasão alemã (que acabaria acontecendo na Segunda Guerra Mundial) entre os meses de fevereiro a dezembro de 1916. Nessa batalha decisiva para o destino da França na Guerra e da própria guerra, morreram quase 1 milhão de pessoas (976 mil baixas).

Sabendo que o futuro de seu país se decidia ali, e, num momento em que tudo parecia perdido, o general francês Robert Nivelle pronunciou a frase “on ne passe pas” traduzida como “não passarão”.

Essa expressão de resistência se tornaria lema da esquerda na Guerra Civil Espanhola (1936-1939) quando fascistas do General Franco e forças democráticas se engalfinharam numa guerra desigual, visto que os fascistas de Franco foram alimentados, armados e fortalecidos pelos nazistas e sua força aérea. Num momento em que Madri estava sendo cercada pelas tropas do terror fascista, Dolores Ibárruri Gomez, líder do Partido Comunista Espanhol a adotou na versão “no pasarán”.

“No Pasarán” também foi adotado como lema pelos revolucionários Sandinistas em sua guerra contra a ditadura de Anastásio Somoza na Nicarágua, quando o ditador protegido pelos aliados norte-americanos acabou vencido pelas forças populares.

Dessa forma “Não Passarão” adquiriu cores de heroísmo e de resistência democrática contra as forças fascistas e imperialistas no mundo.

Atualmente, no Brasil, um golpe orquestrado pela direita fascista brasileira imediatamente após sua derrota nas urnas, ameaça ser plenamente vencedor.

A presidenta eleita democraticamente por mais de 54 milhões de votos foi derrubada através de um impeachment ilegítimo, visto não conter fato de ilícito praticado pela autoridade.

Um vice-presidente sem apoio popular governa o país e, numa pressa que delata os verdadeiros interesses em derrubar a presidenta, anuncia medidas de âmbito neoliberal assim como políticas que afastam o país das decisões do BRIC e do MERCOSUL para recoloca-lo, servil, na órbita dos interesses do império norte-americano.

Os investimentos estatais ameaçam serem comprometidos por vinte anos, assim como é grande a ameaça aos direitos históricos dos trabalhadores brasileiros.

O próprio patrimônio público está em xeque diante da fome privatista e entreguista voltada até contra a Petrobras e o pré-sal.

E, se tudo isso não bastasse, grupos fascistas sentem-se tão à vontade que ousam invadir o Congresso Nacional exigindo a volta da Ditadura Militar.

Diante de tudo isso sente-se, cada vez mais, falta do “não passarão”.

Onde está o grito de resistência das organizações sociais?

Em que canto dorme distraída a força dos sindicatos dos trabalhadores brasileiros?

Por que estão inertes as forças mais populares beneficiadas diretamente pelas políticas de urgência contra a fome extrema e a desigualdade?

Está faltando a garra tradicional das militâncias populares e, especialmente, está faltando o grito de guerra e resistência “não passarão” no combate às arbitrariedades cometidas e aos, até aqui, impunes ataques à ordem constitucional tão arduamente conquistada depois da Ditadura Militar.

Está faltando povo nas ruas do Brasil.

Assim como as forças democráticas da espanha anunciavam que Madri seria a tumba do fascismo, devemos anunciar que as ruas brasileiras serão o túmulo das idéias racistas, fascistas e homofóbicas em nosso país.

Diante do avanço da direita, das forças neopetencostais militantes e fanatizadas, dos heróis da intolerância e do flagrante abuso de autoridade, falta o “Não Passarão”! 



Prof. Péricles





sexta-feira, 18 de novembro de 2016

TECNOLOGIA


Por Luis Fernando Veríssimo



Para começar, ele nos olha nos olha na cara. Não é como a máquina de escrever, que a gente olha de cima, com superioridade.

Com ele é olho no olho ou tela no olho.

Ele nos desafia. Parece estar dizendo: vamos lá, seu desprezível pré-eletrônico, mostre o que você sabe fazer.

A máquina de escrever faz tudo que você manda, mesmo que seja a tapa.

Com o computador é diferente. Você faz tudo que ele manda. Ou precisa fazer tudo ao modo dele, senão ele não aceita. Simplesmente ignora você. Mas se apenas ignorasse ainda seria suportável.

Ele responde. Repreende. Corrige. 

Uma tela vazia, muda, nenhuma reação aos nossos comandos digitais, tudo bem. Quer dizer, você se sente como aquele cara que cantou a secretária eletrônica. É um vexame privado. Mas quando você o manda fazer alguma coisa, mas manda errado, ele diz “Errado”. Não diz “Burro”, mas está implícito. É pior, muito pior.

Às vezes, quando a gente erra, ele faz “bip”. Assim, para todo mundo ouvir.

Comecei a usar o computador na redação do jornal e volta e meia errava. E lá vinha ele: “Bip!” “Olha aqui, pessoal: ele errou.” “O burro errou!”

Outra coisa: ele é mais inteligente que você. Sabe muito mais coisa e não tem nenhum pudor em dizer que sabe.

Esse negócio de que qualquer máquina só é tão inteligente quanto quem a usa não vale com ele. Está subentendido, nas suas relações com o computador, que você jamais aproveitará metade das coisas que ele tem para oferecer. Que ele só desenvolverá todo o seu potencial quando outro igual a ele o estiver programando.

A máquina de escrever podia ter recursos que você nunca usaria, mas não tinha a mesma empáfia, o mesmo ar de quem só agüentava os humanos por falta de coisa melhor, no momento.

E a máquina, mesmo nos seus instantes de maior impaciência conosco, jamais faria “bip” em público.

Dito isto, é preciso dizer também que quem provou pela primeira vez suas letrinhas dificilmente voltará à máquina de escrever sem a sensação de que está desembarcando de uma Mercedes e voltando à carroça.

Está certo, jamais teremos com ele a mesma confortável cumplicidade que tínhamos com a velha máquina. É outro tipo de relacionamento, mais formal e exigente. Mas é fascinante.

Agora compreendo o entusiasmo de gente como Millôr Fernandes e Fernando Sabino, que dividem a sua vida profissional em antes dele e depois dele.

Sinto falta do papel e da fiel Bic, sempre pronta a inserir entre uma linha e outra a palavra que faltou na hora, e que nele foi substituída por um botão, que, além de mais rápido, jamais nos sujará os dedos, mas acho que estou sucumbindo.

Sei que nunca seremos íntimos, mesmo porque ele não ia querer se rebaixar a ser meu amigo, mas retiro tudo o que pensei sobre ele.

Claro que você pode concluir que eu só estou querendo agradá-lo, precavidamente, mas juro que é sincero.

Quando saí da redação do jornal depois de usar o computador pela primeira vez, cheguei em casa e bati na minha máquina. Sabendo que ela agüentaria sem reclamar, como sempre, a pobrezinha.





Luis Fernando Verissimo, jornalista e escritor gaúcho.

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

GIRO À DIREITA NO BRASIL


Por Tereza Cruvinel


O prefeito eleito do Rio, Marcelo Crivella, resumiu sua vitória como um sonoro “não” da cidade tida como mais progressista do Brasil às bandeiras do aborto, da legalização das drogas e do ensino sobre diversidade sexual nas escolas. Ele de fato as combateu, mas não foram estas as bandeiras centrais de seu adversário Marcelo Freixo, do PSOL, no segundo turno.

O que sua vitória simboliza é a conclusão da guinada do Brasil à direita, num giro sem precedentes depois da redemocratização, e que no primeiro turno teve na vitória de João Dória em São Paulo seu sinal mais eloquente.

Não só dos caminhos que a esquerda seguir para se recuperar do tombo dependerá a duração deste ciclo, em que o Brasil será um país bem diferente.

A vitória de Crivella é ainda mais expressiva do giro conservador porque não expressa apenas a força de uma direita ideológica, amiga do mercado e hostil ao Estado, chegada a privatizações e à ortodoxia fiscal. Crivella é a expressão da força crescente das religiões evangélicas para além dos templos. É expressão do conservantismo moral que demoniza a diversidade do comportamento humano em diferentes aspectos, estigmatizando como pecadores e aliados do capeta os que não comungam de seus mandamentos.

“Chora capeta”, foi como o pastor Silas Malafaia festejou a vitória de Crivella. Capeta são todos os outros, todos os derrotados, e especialmente, nas palavras dele, os “esquerdopatas”.

A Igreja Universal controla a segunda maior rede de televisão e as outras ramificações dominam quase todos os canais abertos a partir de certa hora da noite. É só zapear e lá estão os pastores das seitas que alugam horários nas outras emissoras para suas pregações.

Fortalecida pela vitória de Crivella, a direita moralista retomará os projetos que vinha tocando no Congresso, que incluem o fim da autorização do aborto em casos excepcionais, a rejeição de medidas contra a homofobia e de propostas de políticas alternativas sobre drogas. E ainda o avanço do projeto “escola sem partido”, que já teve uma primeira acolhida na reforma do segundo grau do governo Temer, ao tornar opcionais matérias que levam à formação crítica dos alunos, como filosofia e sociologia.

Mas a direita, assim como a esquerda, tem matizes diversos e todas eles colorem o novo mapa ideológico do Brasil.

No segundo turno, para ficar só em capitais importantes, ela venceu em Porto Alegre com Marchezan Júnior, filho de um líder do PDS na ditadura militar; com um “out sider” adepto da antipolítica em Belo Horizonte, Alexandre Kalil, do PHS; com a eleição em Curitiba de Rafael Greca, aquele que declarou tem tido vômitos após carregar um pobre em seu carro. No primeiro turno, além da vitória de Doria na capital paulista, o mais votado foi ACM Neto em Salvador.

Onde foi que isso começou? Foi com a destruição moral do PT pela Lava Jato ou pela crise econômica que, originária do final do boom das commodities, foi inteiramente debitada a erros de gestão do governo Dilma? Ou foram as duas coisas?

Se apenas o PT tivesse sido surrado nas urnas como foi, o eleitorado estaria apenas usando o voto como castigo contra quem considera culpado. Mas toda a esquerda saiu derrotada, inclusive sua maior promessa neste pleito, Marcelo Freixo no Rio. A Rede mostrou que a nada veio, o PDT cresceu um pouquinho, o PCdoB foi castigado por sua aliança histórica com o PT. O PSB já atravessou o rubicão.

O vento da direita não é apenas brasileiro, é continental, se não global. Ele sopra em toda a vizinhança onde os governos de centro-esquerda, no tempo das vacas gordas, acharam que bastava garantir o consumo e a renda para fidelizar o apoio das classes populares. Não ousou fazer reformas no sistema político e tributário, não ousou regular a mídia (exceto na Argentina) nem disciplinar os capitais nômades. E, sobretudo, desprezou a necessidade de educar politicamente o povo, que na primeira adversidade lhes voltou as costas.

Quanto tempo vai durar? Vai depender de como o PT conseguirá se reinventar, de como ele e os outros partidos de esquerda vão se relacionar com vistas ao futuro. Está claro que sem alguma unidade será mais difícil vencer o cerco. Mas a duração do retrocesso dependerá, sobretudo, de quais serão os impactos destas administrações conservadoras sobre a vida real dos brasileiros.

No governo do pais, está cada dia mais claro que a gestão Temer trará sacrifícios e não bonança.

A dureza não será passageira, está prometida para 20 anos. O congelamento do gasto público diz que ninguém deve esperar do governo federal “bondades” como as dos governos petistas, que teriam custado caro. Mas as prefeituras estão bem mais perto dos cidadãos, que a elas se apegam mais na solução dos problemas imediatos.

Estão todas falidas e esperando algum socorro do governo federal, que não virá. Até onde a vista alcança, serão administrações de poucos resultados ou então serão irresponsáveis, o que levará a um descalabro ainda maior.

É sobre estes resultados, e avaliando corretamente as razões da derrota, que a esquerda deve se preparar para o novo tempo.

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

REPÚBLICA BRASILEIRA E SEU POVO DISTANTE


Após 67 anos de monarquia, a República brasileira foi proclamada em 15 de novembro de 1889, a partir de um golpe de estado promovido pelo exército.

Portanto, nesse 15 de novembro de 2016 ela está fazendo aniversário de 127 anos.

Costuma se dizer que o Estado tem 3 elementos que são básicos em sua constituição: um território definido e reconhecido, um povo com identidade cultural e um governo centralizado que o represente.

Em assim considerando, a grosso modo, como andou a saúde do estado nacional brasileiro no período republicano?

Bem, o território nacional além de reconhecido se ampliou, com a anexação do Acre durante o governo do Presidente Rodrigues Alves. O mar territorial foi ousadamente ampliado para 200 milhas pela Ditadura militar e, excluindo-se supostos torpedeamentos nazistas à navios mercantes brasileiros, não tivemos nenhuma ameaça real à nossa integralidade territorial.

Com relação ao governo centralizado que o represente, tivemos alguns abalos, mas, externamente sempre houve o reconhecimento por parte das nações estrangeiras de nossa soberania.

O Brasil foi o único país que enviou tropas para a Europa na segunda guerra mundial, abalizou vários tratados e protocolos internacionais e, infelizmente, mesmo nos negros anos da ditadura militar sempre teve seu governo reconhecido lá fora.

Já, o terceiro elemento definidor dessa equação que forma o estado não andou nada bem.

Fruto de uma colonização elitista e exploradora e de período monárquico que manteve a escravidão, uma das principais cicatrizes de nossa história, tivemos a formação de uma das sociedades mais conservadoras e excludentes do continente.

Diferentemente dos Estados Unidos, nossa classe média não enriqueceu e nem poderia, já que as políticas nacionais, em geral, visaram o bem financeiro das classes mais abastadas. No entanto, cristalizou-se nessa classe média o sentimento de estranha e falsa superioridade sobre os mais desvalidos.

É uma classe média que mesmo sem possuir terras é contra a reforma agrária, mesmo sem possuir escravos é avessa aos interesses históricos dos trabalhadores e, mesmo sem nunca estar de fato no poder, é mais reacionária do que se realmente o poder fosse seu.

Apenas nos últimos anos, a partir das políticas afirmativas, a população negra pode ter melhores condições de acesso ao ensino superior e isso, teve um peso enorme contra o governo que as criou.

Estupefatos assistimos o desenvolvimento crescente de um ódio, por parte das classes médias, às políticas que diminuíram as diferenças sociais que, beira, o fanatismo.

País da hipocrisia, no Brasil “não existe racismo” mas nele habita um dos povos mais racistas de nosso tempo. É tolerante, mas defende medidas medievais contra a diversidade de gênero. É pacífico, mas possuí uma das polícias que mais matam no mundo e gente capaz de defender a pena de morte como solução dos problemas da violência além de glorificar personagens de discurso fascista. Um Brasil de todos, mas com o poder nas mãos de meia dúzia.

Somos um povo de quase 200 milhões de pessoas, mas, definitivamente ainda não somos uma nação.

Vivenciamos absurdos como o fato de 10% da população concentrar mais de 60% da renda nacional. Ou ainda de saber que enquanto o 1% da parcela mais rica da nossa sociedade é tão rica como os abastados dos países mais desenvolvidos, nossos mais pobres são tão pobres como os mais carentes de Serra Leoa ou da República Democrática do Congo.

Então, ao chegar o calendário à mais um 15 de novembro, nos falta motivos para comemorar e sobram causas de reflexão.

Para onde vamos, afinal? Que Brasil estamos construindo para nossos filhos e netos?

Nos últimos tempos, as máscaras que, historicamente escondiam o ranço reacionário, caíram. O Brasil do “todos juntos vamos, pra frente Brasil” está cada vez mais dividido e, as pequenas feridas sociais ameaçam tornarem-se fraturas expostas.

E, num momento tão grave, se chega a conclusão que o que mais nos ameaça, o que mais assusta, não são perigos contra nossa soberania ou segurança territorial, nem mesmo qualquer menosprezo internacional contra nossos governantes. O que ameaça mesmo, o estado brasileiro, é a insensata segregação e intolerância racial e social.

Que o 15 de novembro seja um momento de reflexão que busque a união de todos os brasileiros, que só será possível com o fim dos elementos reacionários que a impedem.

Definitivamente, se nosso povo sofre e é mantido distante do banquete, nossa pátria sofre e não tem motivos para estar em festa.



Prof. Péricles

sábado, 12 de novembro de 2016

PROCURA-SE UMA HENRIETTE

por Paulo Nogueira


Em 1914, o jornal conservador Le Figaro vinha massacrando o ministro da Fazenda, Joseph Caillaux, de esquerda. Caillaux, para o jornal, era pacifista demais um momento em que a Alemanha flexionava seus músculos.

O Figaro conseguira uma correspondência íntima de Caillaux dirigida a uma mulher da sociedade parisiense, Henriette.

Eram cartas em que se misturavam lascívia e inconfidências políticas e datavam da época em que Caillaux e Henriette mantinham um caso clandestino.

Quando o Figaro obteve as cartas, Caillaux e Henriette já eram marido e mulher, depois de cada qual se divorciar para viver plenamente o seu relacionamento.

O editor do Figaro, Gaston Colmette, era o jornalista mais poderoso da França. 

Henriette queria que Joseph o desafiasse para um duelo para preservar a honra e a carreira. Mas depois teve uma segunda ideia.

Dirigiu-se à sede do jornal e pediu para ser recebida por Calmette, num final de dia. 

Um amigo de Calmette lhe recomendou que não a recebesse, dadas as circunstâncias da campanha movida contra o marido dela.

Mas Calmette era um francês, e respondeu que não poderia deixar de atender uma dama sozinha.

Henriette tinha um véu na mão.

“Você sabe para que eu vim aqui, não?”, disse ela, segundo testemunhas. Sem perder um só minuto, Henriette mostrou o que carregava: uma Browning automática. Descarregou-a em Calmette. Quatro tiros acertaram seu peito, e o mataram em poucos minutos.

A polícia não tardou a aparecer. Os policiais iam levar Henriette a uma delegacia na viatura que estava estacionada na frente da sede do Figaro.

“Não toquem em mim”, disse ela. “Je suis une dame”.

Ela foi para a polícia em seu próprio carro.

Poucas semanas depois, num julgamento que chacoalhou a França e a Europa, e obscureceu entre os franceses os acontecimentos que logo levariam à Primeira Guerra Mundial, o caso foi examinado por um júri composto apenas de homens.

Henriette acabou inocentada. O júri decidiu, em legítima defesa da honra, e sob intensa emoção.

A opinião pública, no julgamento, se inclinou por Madame Caillaux e não pelo jornalista morto, ou pela causa deste.

Houve entre os franceses um consenso de que Calmette e o Figaro tinham cometido um abuso intolerável de poder, e o veredito refletiu isso.

Acabou assim espetacularmente, pelas mãos de Madame Caillaux, une damme, o jornalismo que assassinava reputações na França.

O Brasil o Calmette brasileiro era o “Corvo”, o jornalista e político Carlos Lacerda, que se lançou a uma campanha selvagem que levaria Getúlio Vargas ao suicídio, em 1954.

É um exercício fascinante imaginar o que teria ocorrido se Vargas tivesse a seu lado uma Madame Caillaux.

Mas não tinha.

Lacerda foi vítima de um atentado em que saiu apenas com um pé ferido. O mandante, segundo a polícia, foi o chefe da guarda pessoal de Getúlio. Sob a pressão da imprensa, Getúlio poucos dias depois se mataria.

Madame Caillaux, na Paris de 1914, acabou de uma só vez com Calmette e com um tipo de jornalismo que os franceses julgaram destrutivo e nocivo ao interesse público. Lacerda pôde seguir, revigorado, sua carreira deletéria.

O Corvo seria o nome essencial para justificar, pela imprensa, a instalação de uma ditadura militar que, sob o pretexto infame de impedir “o triunfo do comunismo”, viria a matar milhares de brasileiros e faria do Brasil um campeão mundial da desigualdade social.

Henriette, com seu gesto extremo e desesperado, forçou a França a avaliar o jornalismo que se fazia então.

O Brasil jamais passou por este tipo de avaliação, e isso explica em grande parte o jornalismo sem limites que vigora entre nós ainda hoje, um século depois de os franceses terem imposto limites imprescindíveis ao interesse público.



quinta-feira, 10 de novembro de 2016

TRUMP GANHOU, E AGORA?


E não é que Donald Trump venceu as eleições...


Apesar das projeções de todas as pesquisas, o bilionário ganhou. Provavelmente a vitória veio dos votos dos “envergonhados”, aquele pessoal que não confessa que votará numa figura como Trump, mas no silêncio das urnas, vota.


Claro, nós sabemos que presidente não governa sozinho, nem manda tanto quanto a maioria imagina, mas... não é muito confortável saber que os botões das armas nucleares estarão ao alcance de um homem como Donald Trump.


É como saber que uma criança de sete anos está brincando com seu revólver.


Aliás, alguns biógrafos dizem que Donald é um menino de sete anos que envelheceu só por fora.


Tenho um amigo que diz que ficou satisfeito já que deseja ver o circo pegar fogo. Tudo bem, mas não esqueça que você está dentro do circo.


Mas, o fato é que o homem ganhou e isso confirma a tendência de vitória da extrema-direita no mundo (e no Brasil, como vimos nas eleições municipais).


Do que mais nos atinge diretamente, a política externa, algumas coisas mencionadas por ele durante a campanha eleitoral, não podem deixar de preocupar, agora que é presidente. Por exemplo:


01. O Irã, terra dos Aiatolás e do Hesbollah, mais poderoso exército árabe na Região do Oriente Médio, tinha um programa nuclear que incomodava as demais nações e ameaçava a paz mundial. Com muito esforço foi assinado um acordo entre Irã, Estados Unidos, Rússia, Reino Unido, União Europeia, China e França que assegurou a continuidade do programa apenas para fins não militares. Trump defende que esse acordo seja rediscutido e isso, é grave em sua potencialidade de crise internacional.


02. Ele garantiu que fechará a fronteira entre México e Estados Unidos com um muro (e que faria os mexicanos pagarem por sua construção) nos moldes do muro de Israel na Palestina. Isso agradou muito os coxinhas dos Estados Unidos em sua xenofobia (os coxinhas daqui se pudessem ergueriam muros deixando os mais pobres do lado de lá). Claro que qualquer tipo de política de exclusão preocupa nos frágeis tempos atuais.


Ainda referente ao México, esse país deve estar muito preocupado com os adjetivos pesados usados pelo candidato, agora presidente, contra o livre-comércio entre os dois países.


03. Nunca, desde a crise de 1962, Estados Unidos e Cuba se aproximaram tanto de forma que o governo Obama marchava para o fim do embargo contra a ilha, e isso foi saldado pelo mundo todo. O presidente eleito, em discurso de campanha criticou essa reaproximação e o sinal de alerta agora soa novamente.


04. Estados Unidos e China, finalmente avançaram em direção à uma colaboração com os propósitos da ONU para um acordo de defesa do meio-ambiente em busca da redução do aquecimento global. De acordo com seu discurso pré-eleitoral vencedor, o acordo climático da COP21 deverá ser questionado e desconsiderado por seu governo. O mundo que se vire.


Esses, entre outros são pontos que preocupam em relação a geopolítica e a eleição de Donald Trump.


Lembremos ainda que, tradicionalmente, os republicanos defendem políticas protecionistas e Trump chega a mencionar barreiras não tarifárias, ou seja,aquelas baseadas em critérios técnicos que eles podem manejar à vontade para nosso desespero.

O governo golpista, uma espécie de sucursal norte-americana no Brasil, deve estar preocupado, pois, a troca de patrão atinge diretamente alguns objetivos previamente traçados. A Globo, que assumiu uma defesa atuante da candidatura de Hillary Clinton, parece atordoada.

A extrema-direita ganhou novamente. As análises sobre o que está acontecendo ainda precisarão de tempo, mas, com certeza vivemos anos amargos que prometem ser barra pesada.


Estejamos preparados, fortalecidos em nossos valores de igualdade e fraternidade e prontos para a luta.




Prof. Péricles



terça-feira, 8 de novembro de 2016

NÃO PROVOQUE AS MULHERES


É cada vez mais evidente que, novamente, o Brasil precisará da força de setores tradicionalmente resistentes ao autoritarismo para sobreviver a mais um golpismo em sua história. Entre esses setores destacam-se estudantes e a mulher.

Nunca cometa a asneira de subestimar a mulher.

A mulher indignada, meu amigo, é a maior força da natureza.

Mulheres são meigas e românticas, sim, mas sabem brigar pelos seus direitos e, fique sabendo, são terríveis quando injuriadas.

Como Boudicca.

Você conhece Boudicca não é?

Boudicca ou Boadicea, era esposa do rei Prasutagus da tribo Iceni, povo celta.

Quando Prasutagus morreu, seu Reino ficou para ela, a viúva.

Mas, o terrível Império Romano, em expansão, havia aportado às ilhas britânicas com outros planos para aquelas terras. Só não haviam ainda conquistado a tribo Iceni porque temiam o rei Prasutagus, tido como um grande líder e homem furioso. Com a morte deste eles deixaram pra lá a diplomacia.

Sem aviso invadiram a região e queimaram aldeias.

Boudicca e suas filhas foram feitas prisioneiras, torturadas e estupradas. Depois abandonadas quase mortas e consideradas como problemas superados.

Pobre Roma, não sabia com quem estava lidando.

Logo que recuperou a saúde a Rainha organizou a resistência, pessoalmente.

Em pouco tempo, tornou-se a figura mais temida pelos romanos, e olha que eles conheciam todo tipo de guerreiro.

Em seus relatórios, os apavorados comandantes romanos descreviam Boudicca como “uma mulher muito bela, alta, pálida como a neve, ruiva, com grandes cabelos que vinham até os quadris”. Segundo eles Boudicca nunca era vista sem estar carregando uma lança do seu tamanho, na mão direita, e seu olhar incutia respeito e pavor a todos.

Não escreveram, mas com certeza concluíram que não era o falecido rei Prasutagus que era terrível, mas sua esposa que na certa, ficava dando palpites.

Depois de um cerco brutal, Boudicca destruiu Camulodunum, o posto mais avançado e povoado dos romanos na região, restando poucos sobreviventes. Depois disso, a vingança ruiva não parou mais...

Aniquilou três cidades romanas, queimou Londres e massacrou mais de 80 mil posseiros romanos, gente que o Império colocou ali para criar vínculos com a terra ocupada, mais ou menos como as colônias de Israel na Faixa de gaza.

Os orgulhosos líderes militares de Roma foram um a um sendo derrotados e as forças militares romanas foram expulsos em pelo menos, duas oportunidades. Roma só conseguiu deter a avalanche de terror (deles) depois de enviar três legiões completas de seu invencível exército (algo como os Estados Unidos enviar a quarta frota para derrotar a marinha do Equador.

Boudicca não foi feita prisioneira e consta que morreu livre nas amadas montanhas de sua terra e, dessas montanhas os romanos queriam distância.

Então, meu amigo, muito cuidado ao provocar uma mulher.

A vingança feminina é terrível, principalmente quando justificada, e geralmente o é.

O golpe vil que foi dado no Brasil, patrocinado pela mídia e por outros setores fundamentais do país, bem que estão provocando a irritação popular, e, o mais provável é que essa irritação seja crescente a partir dos efeitos nefastos da economia neoliberal entreguista em curso.

Que as mulheres brasileiras não se inibam. Precisamos delas como os celtas precisavam de Boudicca.

E, no momento que as brasileiras saírem para as ruas, para formar barricadas, saí de baixo... não sobrará Temer sobre Temer.




Prof. Péricles

Obs. Boudicca já foi representada algumas vezes no cinema como no filme “Queen Boudicca”, produção inglesa de 1987, sendo a personagem título representada pela atriz Sybil Danning (foto). Mas, não arrisque, o filme é muito ruim.

Na literatura destaca-se “Boudicca, Dreaming the Bull”, um best seller de Manda Scott.



domingo, 6 de novembro de 2016

UMA MINISTRA SEM NOÇÃO


Por Luís Nassif


A Ministra Carmen Lúcia é fruto direto da espetacularização da Justiça que ocorreu a partir da AP 470. O jornalismo de celebridades abriu uma porta para Ministros com menor potencial analítico. De repente, se deram conta de que poderiam ganhar protagonismo explorando frases de efeito, mas, principalmente, obedecendo ao roteiro preconizado pelos grupos de mídia.

E, como o palanque da mídia não obedece a rituais, a procedimentos, a limites impostos pela própria Constituição, com suas declarações e decisões Carmen Lúcia vem extrapolando de forma temerária as atribuições do STF (Supremo Tribunal Federal), mostrando um amplo desconhecimento sobre as relações entre poderes.

Assumiu a posição de líder corporativa, atacando o presidente do Senado por críticas dirigidas a um juiz de primeira instância, mostrando – ela própria – um populismo e uma falta de decoro indesculpável nas relações com outro poder da República.

Agora, pretende colocar o STF no centro de uma política de segurança interna, inclusive com a convocação do Estado Maior das Forças Armadas, Ministérios da Justiça e da Defesa, para definir sabe-se lá o quê.

Sua falta de noção não tem limites. E o palco aberto pela mídia permite-lhe toda sorte de abusos verbais.

Carmen Lúcia, assim como Ayres Brito, surfou nas asas do lulismo, mas, de defensora de direitos humanos, foi se tornando, cada vez mais, uma avalista dos discursos de ódio e defensora da política mais temida pelos especialistas em direitos humanos: a militarização da segurança pública.

Dos blogs de esgoto, assimilou o chavão de que a única forma de censura é a do politicamente correto. Como se expressões como "negro bandido", "feminista sapatona", "viadinho" representassem o exercício da liberdade de expressão.

Ou então, o uso inexcedível da palavra canalha:

- Nós, brasileiros, precisamos assumir a ousadia que os canalhas têm

Assim como Ayres Brito, Carmen Lúcia vale-se do paradoxo do exibicionismo da simplicidade. Lembra o ex-ponta esquerda da seleção, Dirceuzinho: “Eu tenho uma humildade fora de série”.

Na sua posse, a descolada Carmen Lúcia aboliu os rituais e, com a simplicidade dos muito humildes, convocou um dos popstars brasileiros, Caetano Velloso, para cantar o Hino Nacional.

Se diz contra o uso da palavra “Corte” ou do tratamento de “Excelência” porque dotada de uma humildade fora de série. E tem especial predileção em recorrer à sabedoria caipira, banalizando uma das mais antigas e interessantes culturas do país.

Demonstra confundir ética pessoal com o conhecimento da ética:

- Não quero que alguém se forme em ética depois. Eu quero que quem concorra [nos concursos] tenha condições éticas.

Não explicou de que forma o candidato iria apresentar as “condições éticas”. Provavelmente através de atestado médico.

Ou então, esse primor do lirismo macabro, que superou o próprio Nelson Cavaquinho:

- Quando me encontrarem morta, ninguém vai me ver de braços cruzados, diante do que tem sido a minha luta para que a gente tenha um Brasil justo.

Nos postos de comando que exerceu, deixou mágoas em muitos funcionários por seu estilo brusco, autoritário, muito diferente da imagem pública da doce professorinha mineira.

Na presidência do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) em pelo menos duas ocasiões cometeu erros graves e tentou jogar nas costas dos funcionários.

Um dos episódios foi na divulgação dos filmetes de educação eleitoral. A agência de publicidade preparou 14 prospects de filmetes. Carmen deveria aprovar a proposta, antes que fossem confeccionados. Demorou e só liberou 9.

Quando o TCU cobrou a não veiculação dos 15 filmes, quis jogar o funcionário na fogueira. Recuou apenas quando se deu conta de que ele estava bem documentado sobre os motivos da não veiculação dos 6 filmetes.

Outro episódio grave foi na entrega dos CPFs dos eleitores para a Serasa Experian. A autorização partiu de Carmen Lúcia. Quando o escândalo estourou, jogou a responsabilidade sobre uma funcionária do TSE.

Embora aprecie usar palavras-chave do gerencialismo – como transparência, eficiência, racionalidade - Carmen Lúcia deixou inúmeras dúvidas sobre sua capacidade na organização de processos.

No TSE, os juízes conversavam antes e os processos onde havia consenso eram apresentados e votados em bloco. Deixava-se para o plenário apenas aqueles nos quais os advogados solicitassem sustentação oral ou que não houvesse consenso entre os juízes.

Quando assumiu a presidência, Carmen Lúcia passou a colocar todos os processos em votação individual, com sessões que se estendiam muitas vezes até às 22 horas.

Mais que isso, ordenou a separação em grupos distintos os agravos regimentais e os recursos especiais. O agravo é feito justamente no âmbito de um recurso especial que não foi recebido. Separando ambos, provocou-se uma barafunda nos processos, mostrando falta de visão na organização do trabalho interno.

Defensora da celeridade da Justiça, suas gavetas guardam há anos processos complexos, que exigiriam um bom nível de discernimento.

Sua falta de discernimento ficou patente em uma ação que buscava reservas de vagas para deficientes na Polícia Federal. Uma ação individual pela vaga acabou transitando em julgado. Quando a ordem chegou para a PF, os delegados vieram em peso falar com Carmen Lúcia. Já tinha passado a fase de recurso. Mesmo assim, ela proferiu uma decisão de esclarecimento, figura esta que não existe no Código de Processo Civil. Numa sentença surreal, disse que a PF deveria fazer reserva, mas poderia dizer de antemão qual deficiência seria aceita ou não.

O Ministério Público Federal entrou com recurso mostrando as contradições da sentença, mas ela indeferiu alegando que a decisão já tinha transitado em julgado.

Hoje em dia, quem defende cotas na PF usa a sentença de Carmen Lúcia. E quem não aceita, usa também, mostrando sua dificuldade em decidir sobre temas complexos.

Em vez de clarear, confundiu mais ainda.

Desde 21 de abril 2013 dorme nas gavetas de Carmen Lúcia a ADIN 4234). Dispõe sobre a questão das patentes, o que seria novidade, o que seria domínio público e quais seriam passíveis de retroatividade. Dependendo da decisão, terá grande impacto no custo dos medicamentos.

Como é tema complexo, que não se resolve com uma frase de efeito, dorme em gaveta esplêndida, enquanto Carmen Lúcia se preocupa em reorganizar a segurança pública.





Luís Nassif, jornalista, foi colunista e membro do conselho editorial da Folha de São Paulo, escrevendo por muitos anos sobre economia neste jornal.

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

A BRUXA ESTÁ SOLTA

Arco do Telles, hoje

Barbara Maria Joaquim nasceu em Portugal em 1770 e, com apenas 18 anos, veio para o Brasil com o marido.

Era extremamente bela, daquelas de parar o trânsito, se bem que naquela época não havia muito trânsito por aqui.

Bárbara se apaixonou por um rapaz mulato, cujo nome desconhecemos e, com ele, passou a trair o maridão lusitano.

Segundo algumas versões, o último a saber, acabou flagrando os dois e, na briga que se seguiu, ela, Bárbara, com agilidade e leveza no uso de uma faca, matou o esposo.

Alegando legítima defesa, escapou da prisão.

Passou a viver com seu amor moreno tropical, mas esse, logo se revelou ser um coisa ruim e quando ela percebeu, seu dinheiro e seus bens já tinham ido quase todos para o beleléu.

Outra vez mostrou destreza na faca e matou o amante latino e novamente alegando legítima defesa, se manteve livre.

Sozinha e pobre, a linda moça teve que lutar pela vida.

Naqueles tempos, ainda mais do que hoje, o mercado de trabalho era restrito para as mulheres. Mas Bárbara foi a luta, escolhendo o mercado em que, sem dúvida, sua beleza garantiria sucesso, a prostituição.

Assumiu o nome de Bárbara dos Prazeres e logo se tornou conhecidíssima na cidade.

Uma das mais belas entre as belas. Clientes que vinham de outras cidades e até mesmo de outras províncias, aproveitavam a ocasião para conhece-la.

Bastava procura-la, e torcer que ela pudesse atende-lo na Travessa do Comércio, Praça XV, muito conhecida pelo “Arco do Telles”, construído em 1743 para não atrapalhar o vai e vem dos transeuntes quando, naquela localidade, foram construídas inúmeras casas para aluguel residencial a mando de Antônio Telles Barreto de Menezes.

Era um lugar chic, mas que entrou em franca decadência quando um incêndio criminoso, em 20 de julho de 1790, que começou numa loja de objetos usados denominada curiosamente de "O Caga Negócios", destruiu o prédio deixando dezenas de feridos e dois mortos.

A partir desse incêndio, o pessoal chic preferiu morar em outros lugares e a região se tornou palco de boemia e prostituição.

Pois foi ali, no “Arco do Telles” que Bárbara dos Prazeres, reinaria por quase vinte anos, com a dignidade e a felicidade possível à sua situação.

Mas, o tempo, o maior inimigo de quem depende da beleza, é inclemente com todos e com todas e Bárbara viu surgir os primeiros sinais da decadência estética. Algumas rugas, várias estrias, e os cabelos ameaçavam embranquecer.

Além disso, havia contraído "doença ruim" ao atender o empresário Gomides D’Assado, o maior fornecedor de carne moída da cidade, e o mal ameaçava sair de controle e expor suas terríveis chagas.

Não se sabe exatamente como, mas Bárbara acabou convencida de que havia uma maneira de deter a velhice. Era uma receita complicada, cheia de ervas e alguns ingredientes difíceis de achar, mas, o mais chato mesmo era que tinha que ter sangue fresco de criança na mistura.

Barbarinha passou a sequestrar e matar crianças para obter o ingrediente vital.

Todo mundo sabe que no Brasil, de rua, filhos da miséria, não tiram o sono das autoridades que fingem não vê-los vivos nem reconhece-los mortos, e, por isso, espertamente, foi esse “manancial” que ela atacou primeiro.

Ela atraía essas crianças com doces, alguns brinquedos e atenção e os levava para casa sem ser notada. Lá, as crianças ingeriam sem saber ou forçadas pela faca, as ervas vindo a perder a consciência. Eram então penduradas de cabeça pra baixo e sangradas até morrer (Bárbara já tinha experiência no uso da faca). O sangue era recolhido num balde e levado a uma banheira onde rolava um banho ritualístico para manter a beleza e a eterna juventude.

Com o tempo, o surgimento crescente de corpos descartados pela cidade, deixou evidente que alguma coisa muito estranha estava acontecendo. Bateu pavor. As mães trancavam seus filhos em casa antes de escurecer e até as crianças de rua passaram a andar em bandos para se proteger.

A Bruxa teve que mudar de “matéria-prima”, e passou a sequestrar e matar crianças de um nível sócial mais alto. Isso provocou investigações policiais, alarmismo na imprensa e crescente pânico na população. Um serial killer (o termo não existia na época, dizia-se assassino em massa) estava matando crianças cariocas.

Tudo isso complicou mais a vida de Bárbara dos Prazeres e sua particular fonte da Juventude. Então passou a buscar novas vítimas na “Roda dos Inocentes”.

Na Santa Casa da cidade, havia uma espécie de bandeja giratória num dos muros, onde mães sem condições de criar seus recém-nascidos, os abandonavam, na esperança deles serem acolhidos e levados para um orfanato. As enfermeiras, ao ouvirem o choro das crianças, giravam a roda e resgatavam os bebês sem nem falarem com as mamães.

A assassina passou a esconder-se perto desse local e quando alguma mulher deixava se filho e se afastava antes da roda ser girada ela ia lá e pah... pegava o baby.

Por algum tempo foi uma espécie de crime perfeito, até que um dia ela a sorte a abandonou.

Aparentemente, certa feita, a Roda girou quando a sequestradora ainda recolhia a criança. Seu braço ficou preso e ela foi descoberta, mas fugiu.

Com quase 60 anos de idade, Bárbara dos Prazeres se tornou a criminosa mais procurada do Brasil, mas, jamais foi encontrada e presa.

Consta que a expressão popular “a bruxa está solta” nasceu nesse momento.

Seu ponto no “Arco do Telles” foi vigiado dia e noite, mas, permaneceu vazio. Bárbara, agora denominada de bruxa, a mais bela prostituta do Rio de Janeiro, desapareceu.

Em 1830, um corpo de mulher apareceu boiando próximo ao Lago do Paço. Era impossível reconhecer a vítima já que o corpo apresentava adiantado estado de putrefação, mas a roupa (um casaco de oncinha), altura e algumas pulseiras levaram a polícia concluir que fosse a terrível feiticeira.

Bárbara foi dada como morta e o caso encerrado, embora, por muitos e muitos anos, a população acreditasse que, de alguma maneira ela ainda estivesse viva e à espreita de crianças pela cidade.

Em 23 de julho de 1993, data exata dos 200 anos em que Bárbara, pela primeira vez apareceu no "Arco do Telles", para fazer sua estréia na “profissão”, um terrível evento chocou o país e o mundo – a Chacina da Candelária, quando oito crianças sem-teto foram brutalmente assassinadas pela polícia. Era exatamente nessa região, próxima à Igreja da Candelária, que as primeiras vítimas (as crianças de rua) foram sequestradas e mortas.

Já, em 2016, quando se completam 200 anos em que ela iniciou sua carreira de sequestradora e homicida, a vítima, perseguida e sangrada, é a própria democracia do país. 

Uma frágil Constituição, de apenas 28 anos, foi sequestrada e violentada com a queda de uma presidenta legitimamente eleita pela vontade de milhões manifestada no voto.

Coincidências?

Ou a bruxa ainda está solta no Brasil?




Prof. Péricles





quarta-feira, 2 de novembro de 2016

CARTA ABERTA A LULA

Por Francisco Costa



E então, Lula, foram necessários mais de quarenta anos para você se tornar réu pela primeira vez, e isto, num país de políticos ladrões, é muita incompetência.

Todo mundo está ganhando de você, meu amigo.

Se você ganhou do Serra nas urnas, a forra está nos tribunais, ele está lhe ganhando de 18 processos a 1, que currículo é esse, o seu? Até ontem virgem como uma menina de convento, sem ser flagrado uma única vez com a mão na botija, digo no cofre público?

Você é um político apagado, sem destaque... Na Operação Zelotes você não está, nem na lista de Furnas... Não estava na Operação Satiagraha, Anões do Orçamento, Privataria Tucana, Trensalão, Banespa, nem merenda escolar você roubou... 

Porra, nem uma contazinha no HSBC suíço?

A sua incompetência é tão grande que até o mísero Eduardo Cunha lhe humilha: são 23 processos a 1, caramba.

O Temer, o que é que ele tem que você não tem? Também ganha de você, 4x1.

Você é um político miúdo, nunca empreendeu no exterior. FHC tem ofshore, Aécio tem ofshore, Serra tem ofshore, Cunha tem ofshore, só você é que não?* Que diabo é isso?

Aparece helicóptero com meia tonelada de cocaína e não é seu. Constroem dois aeroportos em fazendas da família, com dinheiro público, e a fazenda não é sua, mandam pensão, com dinheiro público, para filho no exterior e o filho não é seu... 

Vai ser incompetente assim no inferno!

Cunha bota a boca no trombone, que vai denunciar pelo menos 170 parlamentares e o Luis Inácio não está. Diz que vai queimar 7 ministros e você não é nenhum deles, que vai derrubar o segundo presidente, e o golpista não é você, diz que vai enterrar dois ministros do STF... 

Nem pra ser denunciado por roubo você serve?

E a sua postura? Ridícula! Você não é maçom, não é membro do Lions nem do Rotary, não vai aos banquetes da Fiesp, às reuniões da Febraban... Que pobreza!

Roube, Lula, pelo amor de Deus, roube.

Disseram que um apartamentinho de um milhão e oitocentos era seu e não é, você mostrou os documentos, a sua mulher está processando a incorporadora, porque o negócio foi desfeito e não pagaram a vocês.

Nem para comprar um apê de 44 milhões, em Paris, você serve? O FHC passou na sua frente.

Aí aquela história do sítio do Bumlai que dizem que é seu, que empreiteiro fez obra de graça. Mais um ponto pro FHC, ele não tem sítio, tem fazenda, com um aeroporto dentro, presente de uma empreiteira, você é péssimo pra fazer negócios, Lula.

Todo mundo tem iate, você tem canoa de lata, pode? E pedalinho, afff, pedalinho, eu não aguento.

E o que é que você tem feito pelos seus filhos, seu desnaturado?

A filha do Serra saiu da miséria para uma das cem maiores fortunas brasileiras em menos de um ano, agora é sócia do dono da Ambev, a maior fortuna individual do país. O filho do FHC é representante da Disney no Brasil. O Michelzinho já nasceu com dois milhões na conta, presente de papá... E você... Desnaturado!

E esse seu primeiro processo... É desmoralizante, Lula, obstrução da Justiça.

Você podendo roubar, afanar, surrupiar, dar golpe, governar o Paraná, São Paulo, Goiás... *E olha quem o indiciou, um juizeco que estava afastado, sabe por que?

Acusado de obstruir a justiça, igual a você, pode rir, ele era da Zelotes, o Supremo mandava as provas e ele não considerava, isentando todo mundo, mas também só tinha pobre: Itaú, Bradesco, Gerdau, Natura, Globo... Caridade, com certeza.

Encerro por aqui, Lula, com um conselho: roube, roube, roube, roube muito, roube tudo, colecione processos por roubo, corrompa para não ser indiciado, sendo, corrompa para ser absolvido.

Perdoe o amigo a minha preocupação.

Você quer ser presidente, eu o quero presidente, mas se você não começar a roubar os coxinhas não vão votar em você.*


Preocupadamente,



Francisco Costa, um simples cidadão brasileiro