Follow by Email

sábado, 29 de julho de 2017

MEDÍOCRES E FEROZES MANDAM NO BRASIL



Por Mino Carta


Pobre país, entregue aos caprichos de Michel Temer e de Sergio Moro, mas a mediocridade e a ferocidade destas personagens não são delas somente, e sim de uma larga fatia da sociedade nativa.


Temer e Moro conseguem ser altamente representativos de milhões e milhões de péssimos intérpretes da cidadania, ignorantes e prepotentes, primários e primitivos, trogloditas intelectuais e morais. O Brasil é samba de uma nota só.


A situação em que precipitamos é a “consequência inevitável”, como diria a letra da canção de Jobim, de cinco séculos de história, o resultado da colonização predadora sem a mais pálida intenção de escapar à pauta da terra arrasada. Acrescente-se três séculos e meio de escravidão para manter de pé até hoje casa-grande e senzala.


Uma independência despercebida pela nação inexistente, toda uma tradição de golpes sem conflito, raros momentos de sensatez em busca de democracia, igualdade, justa distribuição de renda. Quantos, em determinadas passagens desta história, saíram da miséria original, transformaram-se em uma espécie de pequena burguesia, sequiosa de acesso à casa-grande, de sorte a assumir as benesses e os comportamentos dos donos da mansão senhorial, a começar pelo ódio de classe.


Se os governos de Dilma Rousseff foram em boa medida incompetentes, e se a presidenta reeleita cometeu estelionato eleitoral ao formar o novo gabinete, a crise econômica a enfraqueceu ainda mais. Pronta a pagar qualquer preço e a aceitar qualquer saída desde que a favorecesse, a casa-grande, titulares e aspirantes, autorizou e sustentou o golpe de 2016. Topou Temer na Presidência e Moro tornou-se seu herói. Inútil comentar o resultado, caos apocalíptico. Nítido o projeto dos golpistas: condenar Lula e devolver o País aos tempos da colônia.


Os Poderes da República estão envolvidos em uma guerra de máfias, vende-se o Brasil, a Globo governa.


Nunca foi tão claro que o Brasil carece, em primeiro lugar, de uma Corte Suprema guiada pelo dever de garantir o respeito da lei. A única em vigor é a do mais forte.


Insisto na ideia da “consequência inevitável”, a partir do momento em que a ditadura se vai de livre vontade pela porta dos fundos e a dita redemocratização de um país que nunca praticou a democracia cai nas mãos do oligarca maranhense, o mesmo que conseguira evitar as eleições Diretas Já em 1984.


O primeiro pleito direto elege Collor, que, pela mão de PC Farias, cobrava pedágios altos demais. Os achacados, que o tinham apoiado como caçador de marajás, acharam oportuno dar eco às denúncias da revista IstoÉ e se livrar do dono da Casa da Dinda. A cancela do poder escancarou-se para o tucanato, preparado, como se dizia de José Serra, a assumir o papel de bastião da pior reação.

A Globo, engrandecida durante a ditadura, continuou a mandar de forma cada vez mais ostensiva e foi decisiva na reeleição do príncipe dos sociólogos. O qual cuidou de quebrar o Brasil três vezes e comandar a bandalheira da privatização das comunicações. Só não conseguiu realizar o sonho de privatizar a Petrobras. Em compensação, deixou as burras do Estado vazias.


Os dois governos de Lula representam um parêntese feliz neste enredo lamentável. Encheu o cofre, pagou as dívidas, deu passos significativos no campo social, praticou uma exemplar política exterior independente, em proveito de um país que sempre preferira ser súdito, e volta agora a preferir. Infelizmente, a Globo ficou intocada na sua função determinante. No entrecho há uma lógica inexorável, a queda de Dilma precipita a retomada do caminho interrompido. Para pior, sempre para pior.


Ao cabo destes anos tormentosos, a solução inteligente estaria na convocação de eleições antecipadas, para entregar a última palavra ao próprio povo. Mas como apelar para a razão em meio a esse espetáculo de demência? As quadrilhas digladiam-se para impor a saída que mais lhes convém e desgovernar até 2018. Justifica- -se, porém, a dúvida: haverá eleições? Me vem à mente o verbo conscientizar.


Foi muito usado logo após a posse de João Goulart na acidentada substituição de Jânio Quadros, aquele que via na sua renúncia o estopim da revolta popular. Entendiam alguns autênticos esquerdistas que secundavam Jango a urgência de “conscientizar” o povo para tirá-lo do limbo da miséria e da ignorância. Passaram-se mais de 50 anos e a urgência foi esquecida. No entanto, só um forte abalo social muda os rumos. Mas isso hoje soa como quimera.



quinta-feira, 27 de julho de 2017

UM POVO QUE NÃO LUTA


Por Bepe Damasco


Desde que uma quadrilha assaltou o governo há pouco mais de um ano, a rapinagem das riquezas nacionais, a roubalheira mais escrachada, a destruição de direitos históricos do povo, o fim dos programas sociais, a volta da fome e dos sinais mais aviltantes da miséria, além da humilhação internacional do país, têm sido a tônica do nosso pesaroso dia a dia.


Motivos existem de sobra para que uma população revoltada ocupe permanentemente as ruas, elevando gradativamente os níveis de radicalização dos protestos até que seja posto abaixo o governo ilegítimo e usurpador. Mas, por que será que isso não acontece entre nós, se até a Organização das Nações Unidas reconhece o direito à rebelião popular diante de governos opressores?


Antes de entrar no exame propriamente dito dessa pasmaceira coletiva, é importante assinalar que tem havido resistência. Desde que o golpe se tornou uma ameaça concreta até hoje, centenas de milhares de pessoas atenderam aos chamados das centrais sindicais, movimentos sociais e partidos de esquerda e compareceram a manifestações marcantes em todos os estados do país.


Não custa lembrar que em 28 de abril passado registrou-se a maior greve da história e que, mesmo com o boicote e a sabotagem da mídia velhaca, multidões se moveram contra as contrarreformas do governo golpista, pelo Fora Temer e por Diretas Já. Contudo, o nó da questão é a presença insuficiente nos protestos de contingentes maiores da classe operária e de moradores de favelas e bairros periféricos. Em síntese, tem faltado povão.


Múltiplos fatores combinados vêm sendo levantados pelos que buscam entender a inação justamente dos mais atingidos pelas medidas antipovo do governo golpista, tais como: ceticismo com a política e os políticos; desânimo e fadiga em relação à eficácia dos protestos, já que o governo e o Congresso teimam em seguir na direção oposta; forte campanha do monopólio midiático em defesa das reformas, confundindo as pessoas; déficit de consciência política e cidadã do povo brasileiro; desgaste de entidades e partidos do campo progressista.


Na minha visão, em maior ou menor grau, esse elenco de causas joga luz na difícil missão de clarear esse intrincado fenômeno político e sociológico. No entanto, como não sou e jamais serei candidato a nada, acrescentaria outros. Começa pela constatação de que o mito do brasileiro cordial do gigante Sérgio Buarque de Holanda há muito fez água por todos os poros.


Hoje, expressiva parcela das classes média e alta cultiva valores racistas, homofóbicos, sexistas e xenófobos. Em geral iletrados e ignorantes até a medula, em que pese o acesso à educação formal, esses bem-nascidos detestam os pobres. Daí o ódio que sentem pelos que fazem da política uma trincheira de lutas para reduzir a nossa vergonhosa desigualdade social.


O problema é que o mau-caratismo dos privilegiados contaminou parte considerável da base da pirâmide social. Li em algum lugar, e lamento não lembrar o autor para citá-lo, uma frase genial segundo a qual a obra mais acabada do capitalismo é o pobre de direita. E, a julgar pelo que ouvimos nas ruas, botecos e transportes públicos, ele existe em profusão e não para de se multiplicar entre nós. Tristeza!



sábado, 22 de julho de 2017

A MALDIÇÃO DOS CASAMENTOS NO COPACABANA


Por Ruben Berta



Praticamente quatro anos depois de ter sido realizada, uma festa de casamento volta à memória dos cariocas.

Na virada de 13 para 14 de julho de 2013, mais de mil convidados foram ao Copacabana Palace para uma celebração que tinha tudo para ser inesquecível – e foi. Champanhe Veuve Clicquot, uísque Black Label e um bolo que, como descreveu a colunista Hildegard Angel, "era um acontecimento". Com direito até a show do cantor Latino (era a época de “Festa no apê”), não teria saído por menos de R$ 1 milhão a união em matrimônio Beatriz Barata e Francisco Feitosa Filho. O azar dos noivos é que, naquele julho de 2013, ainda vivíamos uma onda de protestos que tiveram como um dos principais motes as mazelas do sistema de transporte público.

Naquela madrugada, a magia do momento foi quebrada por gritos que vinham do calçadão da Avenida Atlântica. “Ah, ah, ah, o noivo vai brochar!” e “Uh, uh, uh, todo mundo para Bangu” eram alguns dos cantos entoados por um grupo bem-humorado de ativistas.

Na segunda-feira, 3 de julho de 2017, parece que as preces dos manifestantes finalmente foram atendidas: o pai da noiva, o empresário de ônibus Jacob Barata Filho, foi preso pela Polícia Federal, acusado de participação num esquema de propinas a políticos e servidores do estado que pode ter passado da casa de R$ 200 milhões.

Para rebater aquele incômodo que vinha de fora, alguns convidados lançaram objetos – até um cinzeiro! – na direção dos manifestantes. Notas de 20 reais também foram arremessadas. Por volta de 3h, o Batalhão de Choque chegou e, com a delicadeza de sempre, acabou com a festa na calçada.

Por causa daquele protesto, o “casamento da Dona Baratinha”, como foi apelidado, ficou famoso fora das rodas do high society carioca e, com a prisão do pai Barata, as fotos das festas (a de dentro e a de fora) voltaram a ser lembradas.

Mas o que mais será que os salões do Copacabana Palace teriam a revelar? Uma lição fica: é sempre bom desconfiar de casamentos nababescos que tiveram como palco um dos hotéis mais luxuosos do país. Vamos, então, recordar.


2004, Cabral & Adriana


Em abril de 2004, o então senador Sérgio Cabral Filho reuniu cerca de 900 pessoas nos salões do hotel para celebrar a união com a advogada Adriana Ancelmo. O evento, que teve direito à cobertura da revista “Casamento”, teve luxos como 4 mil dúzias de rosas vermelhas na decoração. Não é nem preciso lembrar que fim levou o casal. O noivo está preso numa cadeia em Benfica, Zona Norte do Rio, graças a investigações decorrentes da Lava Jato, réu em 11 processos. A noiva teve um pouco mais de sorte e aguarda as sentenças em prisão domiciliar, num apartamento a alguns metros da praia do Leblon, na Zona Sul.


2011, Danielle Cunha & Ariel Doctorovich


Um casamento de 2011 envolvendo outro figurão da política que agora está atrás das grades foi até parar nos documentos da própria Operação Lava Jato. Em 25 de junho daquele ano, Danielle Cunha, filha do então deputado Eduardo Cunha, ocupou os salões do Copacabana Palace para celebrar seu momento de felicidade com o economista Ariel Doctorovich. No pedido de prisão do parlamentar, de outubro do ano passado, os procuradores colocaram sob suspeita gastos de R$ 267,3 mil com a festa, após quebra de sigilo fiscal realizada pela Polícia Federal.

“Embora a questão ainda mereça maior aprofundamento, resta claro que o dinheiro usado para o pagamento do casamento de Danielle Dytz da Cunha era proveniente de crimes contra a administração pública praticados pelo seu pai, o ex-deputado federal Eduardo Cunha”, afirmou a Força-Tarefa da Lava Jato.


2013, Ângelo Goulart Villela & Ana Luiza Zorzenon


Em 2013, mesmo ano em que a “Dona Baratinha” se casou no Copacabana Palace, outro personagem que ficou conhecido recentemente graças às investigações da Lava Jato também usou os salões do hotel. No dia 7 de setembro, o procurador Ângelo Goulart Villela fez ali a festa de celebração da união com a também procuradora Ana Luiza Zorzenon, com direito a shows de MC Marcinho e da bateria da Mangueira.

Ângelo foi denunciado no mês passado pela Procuradoria Regional da República da 3ª Região pelos crimes de corrupção, violação de sigilo funcional e obstrução de Justiça. As investigações da Operação Patmos apontaram que ele teria recebido uma mesada do empresário Joesley Batista, do grupo JBS, para mantê-lo informado sobre os passos de outra operação, a Greenfield, que apura fraudes em fundos de pensão.


Famílias unidas no amor e nos negócios


O famoso casamento de Beatriz Barata fez parte de mais um capítulo de união no mundo dos ônibus. Seu noivo era Francisco Feitosa Filho, que herdou o nome do pai, um conhecido empresário de transporte rodoviário no Ceará. As duas famílias já possuíam negócios juntas desde 2008, fazendo com que o amor tenha sido apenas mais um laço entre elas. O evento também serviu para reunir diversas autoridades, como o atual ministro do STF Gilmar Mendes, que foi um dos padrinhos.

Há quem possa levantar a lebre de que Beatriz seria apenas uma filha que, ingenuamente, usufruiu do dinheiro do pai para realizar seu sonho. Mas a noiva do Copa também tem sua participação nos negócios da família. Uma ata de assembléia de 2015 da empresa União Transporte Interestadual de Luxo (Útil) mostra, por exemplo, que Beatriz Barata Feitosa assumira, em outubro daquele ano, o cargo de diretora da firma. O mandato era de dois anos. Um detalhe revelou como a união dela preservou os feudos de cada família: foi descrito no documento que ela se casou com Francisco Feitosa Filho sob o regime de separação total de bens.

Com uma movimentação intensa de casamentos, é bem possível que a Lava Jato atinja num futuro próximo outros personagens que já passaram pelo Copa e outros luxuosos salões do país. O talvez mais famoso presidiário do Rio atingido pela operação, o ex-governador Sérgio Cabral, já esteve pelo menos em mais um evento por lá, além do seu próprio matrimônio.

No dia 27 de abril de 2014, ele participou do festão do desembargador Luiz Zveiter, ex-presidente do Tribunal de Justiça do Rio. Naquela noite, para não perder o hábito, fez algo que não devia:estacionou o carro irregularmente na Avenida Atlântica e foi multado. Mas o que são uns R$ 50 a menos na conta e uns pontos na carteira diante de um festão no Copa?








sexta-feira, 21 de julho de 2017

CULPA É DO MORDOMO?


Se a ideia fosse promover uma caça as bruxas, a primeira pergunta a ser respondida seria justamente “De quem é a culpa? ”

De quem é a culpa desse mergulho cego do país do grupo seleto dos emergentes para país indigente? Do povo que comprava carro e viajava de avião para o povo a pé, mais uma vez?

Quem é o responsável pelo otimismo ter sido sufocado miseravelmente pelo pessimismo e dar lugar a esse jeito de filme já visto, e que, sabemos, não tem final feliz?

Não vale a resposta simplista de crise econômica internacional pois, apesar de que dessa vez não era só uma marolinha também não era lá, um tsunami.

Que culpa tem a crise lá fora da redução paulatina dos programas sociais, rumo à extinção completa?

Pelos Deuses, quem roubou a esperança e levou junto o sorriso mais cheio de dentes que a pátria mãe já viu?

Quem foi que esqueceu de nos avisar que no final das marchas do pato o pato seríamos nós?

Não adianta botar a culpa no Temer já que é muito cômoda essa solução de que o culpado é sempre o mordomo.

Na verdade, por mais que se esprema o cérebro não se chegará a um culpado individual, já que a culpa é mesmo coletiva.

É de todos nós, de cada um, mesmo daquele que jura que não tem nada a ver com isso.

Enquanto nos dizíamos “cansados disso tudo” eles persistiram e levaram a cabo um bem-sucedido processo de impeachment.

Enquanto duvidávamos que eles ousassem eles ousavam.

Lembra daquele dia que rimos achando que esses frágeis movimentos de direita de internet não conseguiria meia dúzia de gente gritando contra o governo? Pois é... botaram milhares enquanto ríamos.

E quando se dizia que o jogo deveria ser jogado, com todas as armas e maneiras éramos rotulados de radicais e exagerados. Lembra?

O mordomo é a face mais aparente da culpa, claro.

Afinal ou é mordomo ou é vampiro, mas não é o único, ao menos, dessa vez.

Entramos num túnel do tempo virado para trás. Estamos retrocedendo, e, acredite, o retrocesso não será pouco, nem sanado com uma simples vitória da esquerda (se houver eleições).

E isso porque o retrocesso não é apenas político e econômico, é moral.

A moral da inocência de um país de todos, embalado pelo ideal sagrado da igualdade, se esfacelou, como o último prato de porcelana da vovó.

Não será fácil juntar os cacos.

E os cacos talvez nos tragam as respostas certas.

Foi por medo de junta-los quando acabou a última ditadura que os golpistas cresceram e se uniram na certeza da impunidade.

Foi por não querer fazer sangrar que agora nosso país sangra e continuará sangrando, por muito tempo ainda.

Que ao menos, da próxima vez, se junte os cacos, se punam os culpados, se faça justiça e se crie uma Lei que impeça os abusos midiáticos.



Prof. Péricles







quarta-feira, 19 de julho de 2017

O DESCANSO DO SEU RUI


Seu Rui já deveria estar em casa, descansando.


Setenta e poucos anos de idade, trabalhou a vida inteira. Bem, na verdade seu Rui já havia se aposentado, mas não podia ficar em casa com valores tão baixos pagos como aposentadoria, e por isso, todos os dias lá estava ele, na entrada do cursinho que, fraternalmente, lhe permitia a presença, vendendo sanduiches, pastéis e cafezinho.


Certa vez, rimos juntos quando distraído passei pela entrada e, não fosse ele, continuaria andando com a cabeça nas nuvens.


Figura frágil, encurvada, mesmo na soleira da porta já demonstrava certas dificuldades de movimento. Não deveria estar trabalhando, murmuravam os alunos e funcionários.


Então, não se sabe bem porque, naquela tarde ele resolveu subir as escadas do prédio onde guardava a porta. Ficou tonto ou simplesmente escorregou, ninguém sabe, e caiu. Queda feia até para guri novo.


Foi levado pela SAMU pra emergência. Foi hospitalizado, UTI. Traumatismo craniano.


Sexta-feira, 14 de julho, seu Rui morreu.


Foi enterrado no sábado.


Provavelmente a ausência de sua figura na porta do prédio, será sentida por todos. Com certeza a dor entre os familiares será prolongada.


Nada importa. Nada faz muita diferença, agora que tudo acabou.


Apenas mais um brasileiro que por mérito de seu trabalho deveria estar usufruindo merecido descanso, morreu, na ativa, trabalhando, aos setenta e poucos anos.


A aposentadoria que é paga ao trabalhador brasileiro é um escândalo. Um deboche.


Valor tão reduzido que a grande maioria se obriga à atividade, mesmo sobre o risco de vertigens e de quedas.


Quem não tem a sorte de ser filho da elite, sabe, ou deveria saber disso.


E para o cúmulo do sarcasmo, uma reforma ameaça diminuir o já ridículo provento.


Definitivamente, há algo de muito doente no Brasil.


Quem aplaude governo entreguista e da elite, que suborna a ordem constitucional para dar golpes, não vale o pastel que seu Rui vendia.


Esse país é um país de muita falsidade, excesso de hipocrisia e de tombos para todos que não podem pagar planos privados.


Ou estaremos exagerando?


Não sei. As vezes, diante da dor, a gente conclui não saber de mais nada.


Só sei que seu Rui já deveria estar em casa, descansando.



Prof. Péricles

domingo, 16 de julho de 2017

ESPÓLIO



POR FERNANDO BRITO


A sentença de Sérgio Moro, embora tão previsível, abriu um portão para todos os apetites, de todas as tendências, pela disputa de 2018.

De todos os lados, disputa-se o espólio do líder que, embora vivo, quase todas as camadas dominantes da política brasileira querem morto.

O primeiro personagem é Jair Bolsonaro, que já ganhou musculatura e que precisa, agora, de apoio político que lhe garanta estrutura – e tempo de televisão – para existir eleitoralmente.

Por isso, quase dois meses depois do surgimento das malas de Loures, o homem do “bang-bang” se mantém calado, sem ataques a Temer, com quem estão ainda muitos dos quais conta atrair para a sua candidatura. Um mínimo de espaço na TV e um vice evangélico são os objetivos militares, as colinas que o ex-capitão precisa dominar para ocupar outros territórios, além daquele que o ódio e a histeria com a violência criminosa já lhe deram.

Atrás do mastim, vem o poodle, com seu latido esganiçado. João Dória, não duvidem, deseja ardentemente que Lula seja candidato.

Sabe que é isso o que pode unir em torno dele a classe média furiosa, com um vago discurso de “gestão” e de “solidariedade social” dos empresários, discurso “bacaninha” que as picaretagens promocionais – com bom financiamento, claro – o acostumaram a fazer com seu “Lide”.

Sem Lula, perde seu alvo (nacional e social) e fica meramente paulistano, o que o deixa prisioneiro da máquina tucana, onde é importante apenas como promessa de livrar o partido do desastre eleitoral, mas não um membro da família. Aliás, é o que fica claro hoje, com a leitura do editorial da Folha onde se diz que Dória não foi “muito além da divisa municipal, embora seja obviamente cedo para descartar possibilidades no pleito de 2018”.

Alckmin, ao contrário, é de novo o candidato-chuchu, que pretende crescer pela falta de outros e fora da polêmica, com o apoio do empresariado e do tucanato que não o pode renegar e do uso da “solução Dória” para garantir a sucessão paulista e, portanto, seu reduto eleitoral em São Paulo, um quarto do eleitorado do país.

Marina, que como certas aves, aparece quando há carniça, confirmou, neste episódio, sua opção preferencial pela direita e pela histeria moralista. Poderia ter desancado o processo de erosão dos valores morais dentro do PT ressalvando Lula, a quem deve tanto. Preferiu, como sempre, guinchar platitudes sobre a justiça ser para todos e elogiar Sérgio Moro.

A alma microbiana de Marina Silva não consegue alcançar que, para o establishment escravocrata, ela é algo assemelhada a uma criada, cuja função é dividir para ajudá-lo a reinar, servindo na bandeja uma parte do eleitorado popular.

Só consegue ver as possibilidades de, com a exclusão de Lula, ganhar alguma parcela do eleitorado por conta de sua origem – distante, tão distante… – pobre.

Ciro Gomes, homem decente, foi exceção e, com todas as críticas que faz, não cedeu à demagogia falsa. Suas possibilidades eleitorais, embora pequenas, não o fazem um canalha à procura de oportunidades. Não ganha, à primeira vista, votos, mas continua crescendo em respeitabilidade como político outsider.

O problema essencial da utilização do espólio político de Lula, “decretada” sua morte pela “intelligentsia” nacional que se arrojou aos pés de um juiz medíocre e messiânico (gostaria que seus áulicos de alto saber o que viria a ser aquela página “Eu MORO com ele”, produzida dentro de sua casa senão a mais barata demagogia), é “apenas” um fato: o morto está vivíssimo.

Deixá-lo disputar as eleições é um risco.

Tirá-lo delas, a garantia de instabilidade de quem vier a ser eleito.

O Aroeira, que desenhando pensa com mais lucidez que todos eles, pegou no ar o espírito da coisa.

Matar Lula na fogueira é por fogo no Brasil.